segunda-feira, fevereiro 12, 2018

Augustus Nicodemus Lopes

CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE (17)

CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE (17)


A Questão Fundamental

A melhor maneira de entender corretamente uma situação ou um problema é reduzi-lo aos seus pontos básicos e essenciais. É fazer as perguntas corretas em vez de nos perdermos em discussões periféricas e sobre pontos secundários. Quero trazer esse princípio para o antigo debate acadêmico acerca da vida, do universo e do ser humano, que é o debate acerca das origens de todas as coisas. Todos nós teríamos um melhor proveito e entenderíamos melhor esse debate se pudéssemos reduzir as questões e pontos polêmicos a um denominador comum, a uma ou duas perguntas que representassem o fulcro da questão.

Acredito que em vez de ficarmos discutindo a idade da terra, o processo pelo qual a seleção natural operou, em que medida Deus colaborou ou não com esse processo, deveríamos nos concentrar na questão que é realmente fundamental: a natureza é tudo que existe? Ela, por si mesma, pode explicar o surgimento e o funcionamento de todas as coisas? A vida surgiu por meio de processos naturais, não direcionados e sem um propósito?
Se a resposta for positiva, então o universo deve ser visto como um sistema fechado onde todas as coisas surgiram e se explicam em termos de causa e efeito naturais e acontecidos ao acaso. E nesse caso, as ciências deveriam aceitar apenas teorias naturalistas, e rejeitar a priori aquelas que sugerem a interferência de causas metafísicas, inteligentes e sobrenaturais para a realidade.
Se, porém, considerarmos que a natureza não é tudo que existe – e essa é a crença de 90% da população mundial, haja vista a pequena proporção de ateus nesse mundo, não deveriam as ciências considerar quaisquer teorias que explicassem de forma adequada a realidade, “até mesmo uma que invoque a ação de um ser inteligente?”, pergunta Nancy Pearcey na apresentação do livro As Perguntas Certas de Phil Johnson (2004).
O retorno ao ponto mais fundamental desse assunto poderia nos levar a fazer as perguntas certas e estar abertos para respostas plausíveis e coerentes com a crença na existência de um Deus criador de todas as coisas.
No fundo, a questão das origens, da vida, das ciências, se resume numa decisão entre duas maneiras fundamentais de se entender a realidade. Foi a matéria que deu origem à inteligência, ou foi a inteligência que deu origem à matéria? De um lado, temos a visão que enxerga o mundo e tudo que nele existe como o resultado de um processo longo e cego, sem propósito definido, que se encaminha pela seleção natural para um destino imprevisível. Por meio deste processo, a matéria produziu vida inteligente. Do outro lado, há a visão de que o universo e as coisas que nele se contém são o resultado da ação inteligente e proposital de um Deus pessoal, todo-poderoso e sábio. Ele é a inteligência por detrás do surgimento do mundo material. Não é importante e essencial saber como ele operacionalizou o mundo e como ele o desenvolve. O importante é que, partindo do pressuposto que a natureza não é tudo que existe, essa visão está aberta para teorias e hipóteses que levam Deus em conta na pesquisa e no estudo. Essa visão de que a natureza não é tudo que existe nos coloca diante das questões mais importantes da existência: quem somos, de onde viemos, o que estamos fazendo aqui e para onde vamos, questões que precisam ser respondidas à luz da existência de Deus.
Instituições de ensino confessionais, que se guiam pela visão cristã de mundo, não deveriam adotar uma visão naturalista de mundo, reducionista em sua essência, que se fecha para pesquisas e estudos que levam em conta o transcendente e o metafísico. Com competência e abertura, deveriam guiar seu labor acadêmico sempre levando em conta os valores da fé e da visão cristã de mundo.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

1 comentários:

comentários
12/2/18 22:22 delete

Que maravilha! Conheci hoje esta plataforma. Gostei muito!!! Parabéns pela disponibilidade. Que Deus continue os abençoando para continuarem a nos abençoar com conteúdos desse tipo. Obrigado. Abraço

Responder
avatar