quarta-feira, janeiro 04, 2006

Solano Portela

Socialismo na Bíblia? Mitos e verdades.

Fico impressionado como tantos cristãos embarcam na visão político-econômica socialista. Não me espanta que ela leve de roldão grande parte da “intelectualidade” do mundo ocidental, bem como aquelas cabeças não pensantes, que seguem a opinião majoritária por pura necessidade de aceitação comunitária. Afinal, o socialismo é uma visão bem humanista que enaltece a bondade nata das pessoas. Nada que nos surpreenda que ele seja abraçado por aqueles que não gostam da realidade do Deus verdadeiro, revelado nas Escrituras, com seus princípios de justiça e demandas de soberania plena. O que me assusta é o contorcionismo teológico e exegético feito por alguns para achar na Bíblia justificativa para sua crença socialista (ou, quiçá, marxista), ignorando as evidências contrárias e os princípios que contradizem essa corrente de pensar.

Nesse sentido, recebi há um tempo uma carta dizendo que temos o registro bíblico de que as terras alocadas ao Povo de Israel, quando este adentrou a palestina, foram repartidas igualmente. Todos teriam recebido porções semelhantes. Isso seria uma prova do ideário socialista nas Escrituras. Acontece que a afirmação simplesmente não corresponde à realidade.

As tribos se posicionaram em locais diferentes de acordo com a circunstância da conquista e conforme as alianças (algumas espúrias) que foram fazendo. Umas terras eram mais férteis do que outras; umas mais planas e aráveis do que as da tribo vizinha; e assim por diante. As determinações iniciais para a repartição colocaram aquele povo em movimento, mas depois ele foi seguindo o curso da história, com as desigualdades características de qualquer sociedade ou sistema, com o pecado presente no coração das pessoas – se bem que sempre sendo confrontado com a Lei de Deus. Essa lei visava punir o faltoso, proteger o inocente, preservar certos direitos individuais, de propriedade e impedir que os carentes fossem abandonados na sua fraqueza.

Assim, na teocracia estabelecida à nação de Israel o código civil e penal foi colocado para garantir as liberdades individuais e para lidar com as manifestações do pecado. Nunca houve a visão ingênua de que a “terra prometida” era um lugar sem pecado e sem a necessidade de controles. Um desses controles, admitimos, era a proibição de grandes latifúndios, com a reversão de transações comerciais processadas ao longo dos anos, à tribo e aos proprietários originais.

Esse dispositivo, de limitação latifundiária, é um sistema interessante e, como todo o resto da legislação civil e judicial de Israel, de extremo valor didático para nós, mas não tem caráter normativo. Deveríamos pensar como tais salvaguardas poderiam ser implantadas em nossa sociedade, estudando cuidadosamente o contexto de suas circunstâncias, pois emanaram de um Deus que é todo sabedoria. Mas enquanto procuramos abstrair o princípio, não há determinação de aplicabilidade idêntica ou in totum à nossa sociedade. Não devemos esquecer, também, que o direito de propriedade privada é plenamente assegurado não apenas na legislação civil e judicial do estado judaico vetero-testamentário, mas na própria lei moral, com o oitavo mandamento (“não furtarás”), repetidamente reafirmado em todo o restante da Bíblia, inclusive no Novo Testamento.

Não existe, portanto, nada que se situe mais longe do sistema teocrático de Israel do que o socialismo, comunismo ou marxismo. Querer ler isso nos registros históricos do Povo de Deus, é caminhar em terreno pantanoso que tragará a argumentação e o seu defensor – se praticar coerentemente o que prega.

Reconhecendo isso, alguns proponentes mais insistentes passam a defender que a visão socialista é algo típico do Novo Testamento, apelando ao registro de Atos 2.42-47 – à comunidade de bens. Mas a exegese correta do relato, à luz do contexto textual e histórico, não fornece qualquer base para um modelo comunista de governo aplicável às nações da terra. Primeiro, temos aqui um registro histórico-descritivo de um micro-cosmo social existente entre cristãos, não uma definição prescritiva aos governos e governantes (um texto prescritivo é, por exemplo, a passagem claramente anti-socialista de 2 Ts 3.10 – “se alguém não quer trabalhar, também não coma”). Segundo, temos um contexto histórico no qual a igreja se encontrava acuada e sob perseguição, na perene tentativa satânica de destruição dela. Terceiro, temos o caráter voluntário da iniciativa da comunhão dos bens, e não estatalmente determinativo; isso é substanciado, em adição, pelo próprio Pedro nas palavras proferidas a Ananias e Safira.

Precisamos, como cristãos, reconhecer que essa moda de subscrição à cartilha socialista, que perdura há várias décadas, é carente de sustentação teológica e capenga em uma premissa que é totalmente anti-bíblica: a bondade natural do homem.

Qualquer sistema de governo, seja qual for o seu rótulo, que reconheça certas bênçãos advindas da graça comum divina – como o direito à liberdade, à iniciativa individual, à propriedade privada – e que tenha em sua estrutura salvaguardas e controles que lidem com o pecado e a violência, tem mais possibilidades de refletir princípios de justiça divina e prover com que as riquezas do país sejam revertidas em benefício dos cidadãos que o compõem, diminuindo assim a perspectiva de fome, carências e violências.

O governo eficaz respeita a propriedade, controla e pune malfeitores (não o empreendedor e o cidadão ordeiro comum); essa é a função primordial dele, conforme Rm 13. Depois disso, ele reconhece e galardoa os cidadãos de bem, principalmente certificando-se não de que todos sejam iguais, mas de que todos possuam iguais oportunidades de desenvolverem suas individualidades e talentos específicos.

[se o tema interessa, veja também "Fome, capitalismo e a necessidade de precisão na análise", postagem de 22.12.2005]

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

34 comentários

comentários
Allen Porto
AUTOR
4/1/06 19:43 delete

Os grandes intelectuais do Brasil defendem algum tipo de socialismo ou comunismo seguindo os "princípios" marxistas, ou mais ainda, gramscianos. A mídia caminha no mesmo sentido, e a sociedade brasileira se percebe envolvida em um discurso uniforme que acaba por assimilar e defender.
O grande problema é que os cristãos fazem parte dessa sociedade, e, deixando de lado as claras evidências bíblicas que contradizem esse modelo, tentam até mesmo acomodar esse discurso marxista dentro de uma linguagem cristã.
Vozes como a sua, Solano, são extremamente necessárias para denunciar os valores anti-cristãos que têm sido proclamados, e pregar a verdade das Escrituras.

Deus abnçoe
:) SDG

Aliás, n sei se vc lembra, mas já me formei em meu curso de Teologia.

Responder
avatar
4/1/06 22:36 delete

Solano,

A visão marxista acabou influenciando as hermenêuticas reader response, que são centradas no leitor e que ensinam a construção social do sentido. A interpretação marxista das Escrituras serviu em parte de base para a formação da teologia da libertação. A boa notícia é que esse tipo de leitura está em coma desde o colapso do comunismo socialista. Contudo, deixou marcas profundas no campo da interpretação bíblica. Nos cursos de ciências da religião, por exemplo, tais ciências, como a sociologia, a antropologia e a filosofia , com muita freqüência, são governadas por princípios marxistas e estudam o fenômeno religioso a partir desses princípios. Imagine as conclusões.

Excelente post!

Responder
avatar
5/1/06 14:57 delete

não considero o capitalismo o modelo de governo perfeito. na verdade, simpatizo mais com o parlamentarismo, mas nem esse é o sistema perfeito, mas vejo como mais justo. se me permite utilizar as suas palavras, onde "principalmente certificando-se não de que todos sejam iguais, mas de que todos possuam iguais oportunidades de desenvolverem suas individualidades e talentos específicos".

os que defendem o socialismo como uma forma justa de governo (sem levar em consideração à inutilidade e desserviço dos governos que a utilizaram) e ainda dizem que é bíblica citando atos 2.42-47, fazem uma interpretação tão equivocada que o próprio texto refuta essa idéia, pois está escrito que vendiam suas propriedades e bens e os repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um. ora se é segundo a necessidade de cada um não é irmamente. onde está o socialismo nessa passagem? as demais explanações do irmão foram ainda mais satisfatórias, pois puderam dirimir quaisquer outras alegações.

sim, uma excelente postagem.

Responder
avatar
Allen Porto
AUTOR
5/1/06 15:49 delete

Com certeza este tipo de leitura está em coma após o colapso do comunismo socialista, mas isto fora da américa latina, e talvez em especial no Brasil.
O Brasil possui uma agenda própria que se apresenta completamente alienada em relação à história mundial.
Aquilo que o mundo já contempla como falido, o Brasil adota como novidade, e nada exemplifica melhor isto do que o crescimento da visão socialista no Brasil, presente nas universidades, na mídia, e em algumas Igrejas.
Nosso relógio está décadas ou séculos atrasados, por isto a denúncia de tais "ideologias", embora seja um tema ultrapassado em outros países, é extremamente atual no Brasil.

:) SDG

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
5/1/06 20:43 delete

Me cinto aterrorizado,para não dizer perplexo que pessoas com uma formação academica, seja ela qual for, tenham a coragem de escrever e dizer tamanha bobagem com relação a um assunto tão serio!
Infelizmente o marxismo teve,ao longo dos anos, sua imagem brutalmente deteriorada por convicções capitalistas arcaicas que visam defender interesses de pessoas que obtem lucros exorbitantes, em cima de trabalhadores, q temem a Deus se isso lhe surpreende, e isso se chama EXPLORAÇÃO, e explorar o proximo naum foi algo que eu tenha ouvido Jesus ensinar em suas pregações, ou dizer em em alguma universidade.
Neste texto você se engana quando diz que cristaos tentam defender o marxismo com uma visao biblica da mesma, mas é ai que o senhor peca, pois eu sou presbiteriano,sou estudante de Economia na Universidade Estadual de Goias, e naum busquei em toda a biblia as respostas, e sim nos ensinamentos do mestre Jesus, que dizem sobre respeito ao proximo, que é a base do marxismo,e os que buscam tal explicação na biblia são pessoas que não tem conhecimento profundo sobre os ideais comunistas, mas querem se passar por sabidos do que não sabem.
Espero que o senhor reveja seus conceitos, ou apenas converse com um marxista cristao, para ter uma visao mais realista sobre o que acabou de escrever!
Sei que esta critica não sera aceita por este moderador,mas entendo que voces queiram manter a alienação daqueles que falam que o parlamentarismo é melhor que o capitalismo, lembrando que parlamentarismo é apenas uma forma de se exercer a democracia(sistema politico)e não um sistema economico!
Tenham uma boa noite!
Ps: Coloquei este topico como anonimo pois, como naum sou abituado a este blog, naum sei postar de outra forma, sendo assim coloco meu email para contato:
zezaourban@yahoo.com.br, me chamo José carlos e estou aberto ao dialogo!

Responder
avatar
Norma
AUTOR
5/1/06 21:32 delete

Bravos pelo post! Precisamos mesmo mostrar cada vez mais que o "progressismo evangélico" tem rivais à altura entre nós. Precisamos sobretudo atestar o quanto o socialismo é daninho para a fé cristã, nesses tempos em que os estudantes não estudam mais, mas engolem todos os conteúdos tortos que lhes são passados por seus professores de colégio e graduação, invariavelmente de esquerda. Para isso, é básico demonstrar textualmente que a Bíblia não endossa o socialismo. Pena que tantos autores e pastores estajam cegos para o óbvio.

Mandei esse texto por mail, com os devidos créditos, aos leitores do Flor de Obsessão. Parabéns novamente!

Responder
avatar
Nagel
AUTOR
5/1/06 22:43 delete

Solano, acredito que a tentativa de legitimar o socialismo pela Bíblia é incoveniente. Assim como legitimar o capitalismo, ou qualquer outro sistema. Ao meu ver, é uma junção perigosa entre religião e política.

É sabido de todos que a filosofia marxista é o materialismo dialético, e que a social-democracia russa tinha no seu plano de governo o "fim da religião", etc. Sei disso. Mas me parece que o socialismo é anterior ao marxismo. É o que eles chamam de socialismo utópico, surgido na França com Fourrier, se não me engano. Bem anterior a Marx e Engels.

Não sei o que os senhores acham, mas, não ferindo os princípios bíblicos, talvez a melhor opção seria a discussão dos aspectos políticos dos sistemas. Os prós e contras. Levando-se em conta uma soposta neutralidade dos sistemas quanto à religião. Chegaríamos assim a um bom diálogo, imagino eu. Porque senão, parece que se discute socialismo/paganismo x capitalismo/cristianismo. E não creio que seja o caso.

Acredito que, de alguma forma, nos esquecemos que, a princípio, a briga do socialismo é contra o capitalismo, não contra o cristianismo.

Outro palpite. Os sistemas políticos não tem nada de divino e pagão em si, concordam? Posso estar falando a maior besteira. Peço desculpas mesmo.

São só palpites.

Grande abraço aos amigos e irmãos!

Obrigado pelo texto!

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
6/1/06 12:11 delete

"Não existe, portanto, nada que se situe mais longe do sistema teocrático de Israel do que o socialismo, comunismo ou marxismo."

Não é difícil argumentar que existe e é o capitalismo.

http://www.baciadasalmas.com/2004/as-variedades-da-experiencia-capitalista/

Sensato foi quem argumentou aqui que a Bíblia não pode ser utilizada para legitimizar governo nenhum, muito menos delegitimizar aquele com o qual não simpatizamos.

No que me diz respeito nada há mais belo do que a teoria do comunismo, muito embora tendo em vista o precedente histórico eu preferisse não permitir que se tentasse colocá-lo novamente em prática. Infelizmente, preciso manter a sobriedade e admitir que o mesmo argumento pode ser usado contra o cristianismo. Nada há mais belo do que a teoria do cristianismo, porém historicamente falando muitos dos esforços em implantá-lo produziram divisão e derramamento de sangue.

O desastre da implantação não vem da imperfeição da teoria, mas da imperfeição dos implantadores.

Pessoalmente, inclino-me na direção dos anarquistas cristãos como Tolkien e Jacques Ellul.

Perfeitamente sensato era Jesus, que nutria um saudável desprezo pelas instituições políticas e não gastou uma gota de saliva condenando a estrutura falida, corrupta e tremendamente injusta do governo romano. O que deveríamos aprender com o exemplo dele é não esperar nada de bom de governo algum; que nenhum governo merece mesmo que se fale mal dele.

De forma muito teologicamente correta, o que Jesus fazia é *justiça* com as próprias mãos.

Todo cristão deveria ir e fazer o mesmo.


------

Minha intenção não era postar como anônimo, mas parece que a opção Other não está funcionando como convém. Aqui é Paulo Brabo, da Bacia das Almas.

Responder
avatar
6/1/06 12:30 delete

Solano,

vivo e vejo de perto o que Augustus escreveu em seu post, no qual os princípios marxicistas são usados como epistemologia para interpretar o fenômeno religioso (estudo num seminário liberal, :( ).

Eu já fui adepto do socialismo e do esquerdismo e me decepcionei muito com o pouco que vivi. Abandonei.

O pensamento marxicista é completamente oposto a fé cristã, o socialismo em si é utópico porque o ser humano sendo pecador, nunca vai chegar a uma sociedade igualitária e na prática nós vemos países comunistas como estão.

Um pastor amigo meu cubano diz que tem pavor em pensar em voltar a sua pátria.

Na prática, vemos como os EUA foi formado a partir da colonização dos puritanos. Vemos Genebra e outros paízes em que a cultura foi mais influênciada pela graça comum pela articulação do pensamento reformado a partir de uma cosmovisão bíblica.

Ainda que vivamos num contexto de exclusão social como América Latina e eu creia que os extremos ideólogicos são perigosos, porém o socialismo não é a melhor saída.

Responder
avatar
Norma
AUTOR
6/1/06 13:34 delete

Olá, Paulo,
Se bem entendi pela leitura de seu comentário, com relação ao desnível entre teoria e prática, o cristianismo se equivaleria ao comunismo. Gostaria de saber quais são suas fontes para afirmá-lo, e tenho praticamente certeza de que estão comprometidas com a difamação do cristianismo - como toda a área de humanas hoje (história, filosofia, literatura), parcial e anticristã.
Quais são os frutos do comunismo? Morte, fome e pobreza generalizada, por causa da concentração de todo poder, violência e riqueza no Estado; comunismo é estatolatria e não há nada de "belo" nisso. Quais são os frutos do cristianismo? A proteção aos fracos e o amor aos inimigos substituindo a barbárie da lei do mais forte; a base judaico-cristã do ocidente, fundo comum sobre os quais residem nossas noções de amor, paz, justiça, fraternidade. Isso se imiscuiu tanto na sociedade secular que podemos dizer que Cristo abençoou com Sua vinda a humanidade como um todo. Mais especificamente, a igreja ainda é o lugar onde Deus fala e muitos milagres e conversões maravilhosas ocorrem, ainda que não sejam notícia no Jornal Nacional. Os erros do comunismo são minimizados há décadas enquanto os erros do cristianismo são maximizados sem dó entre seus numerosos inimigos. Talvez sem querer, você se enfileirou entre esses últimos com sua aparentemente singela afirmação.

Responder
avatar
Paulo Brabo
AUTOR
6/1/06 19:45 delete

Norma,

Nada equivale ao cristianismo; eu não diria isso e não disse. O que eu disse, entre outras coisas, é que nossos argumentos contra o comunismo são muito fracos. De nada adianta dizer que não á evidência bíblica que favoreça a idéia do comunismo (embora mesmo isso seja controverso); nosso problema é que *há* evidência bíblica que desfavorece a idéia do capitalismo.

O capitalismo de certa forma sempre existiu, e sempre houve os que condenassem as suas injustiças inerentes - dentre eles muitos profetas e o próprio Jesus. O mérito de Marx está em que ele expôs claramente o *mecanismo* econômico da exploração: demonstrou que no capitalismo todos trabalham um preciso tanto a mais do que deveriam - se trabalhassem apenas para merecer o que ganham. Essa "contribuição extra", essa mais-valia, serve para sustentar o sujeito posicionado acima de cada um na Grande Pirâmide. Uma vez que se reflete sobre essa revelação, passa a parecer injusto que você gaste o seu suor para alimentar a ociosidade e os luxos de quem não se dispõe a ralar como você. O Comunismo nada mais é do que a solução que Marx propôs para corrigir o que ele via como essa injustiça inerente ao capitalismo: o sonho de uma sociedade em que ninguém trabalhasse mais do que devia para garantir que cada um tivesse o que todos precisam. Nenhuma competição. Nenhuma ganância. Nenhuma exploração. Nenhuma mesquinharia. Foi idealizado (para emprestar as suas palavras) a fim de eliminar "a barbárie da lei do mais forte".

Trata-se, como se vê, de plano extremamente louvável. Como se sabe, as tentativas de implantá-lo foram catastróficas.

É por isso que afirmo que no que me diz respeito poucas idéias humanas são mais inatacavelmente belas, bem-intencionadas e virtuosas do que a doutrina do Comunismo; porém, tendo em vista o precedente histórico, *tendo em vista todo o mal realizado na tentativa de implantar a idéia,* prefiro não permitir que se tente colocá-lo em prática novamente.

Tenho porém (de novo!) de admitir que o mesmo argumento pode ser usado contra o cristianismo. No que me diz respeito nada há mais belo e virtuoso e transformador do que a mensagem do cristianismo, porém alguém pode sempre argumentar que, *na prática,* a esmagadora maioria dos esforços em implantá-lo produziram terríveis catástrofes sociais, guerra e derramamento de sangue. Até os nossos dias.

Você pode sempre contra-atacar dizendo que esses exemplos apenas demonstram que muitos dos que afirmaram estar implantando o cristianismo não estavam imbuídos do *verdadeiro* espírito do cristianismo. Se fosse comunista eu diria imediatamente: está vendo??? Os comunistas que você condena não implantaram o *verdadeiro* comunismo - e assim por diante.

Se os erros do cristianismo tem sido maximizados há décadas, não tenho como saber; o que é certo é que o cristianismo tem estado em regime de implantação há milênios - e o comunismo, em contraste, há décadas. Os "frutos" acumulados pendem para a doutrina mais jovem ou para a mais experiente? O comunismo pode por acaso aprender com os seus erros, como faz o cristianismo? O comunismo tem o direito à reavaliação e ao perdoar de suas faltas históricas - direito que reivindicamos incessantemente para nós mesmos?

A verdade é que não tenho qualquer simpatia real pelo comunismo. Apenas não me agrada ver os cristãos atacando tigres de papel com argumentos fracos. A *nossa* posição é que é frágil, quando não deveria ser, levando-se em conta que temos um Mestre tão espetacularmente superior - e minha omissão pesa tanto ou mais quanto a de qualquer um.

Quais são os frutos do comunismo? De certa forma não há como saber, tendo em vista ser experiência tão jovem, e sendo que nunca foi implantado como idealizado.

Quais os frutos do capitalismo? Segundo os comunistas, concentração de renda e propriedade, injustiça, violência, opressão e exclusão.

Quais são os frutos do cristianismo? Posso dizer ao certo que *não são* os do capitalismo - regime que pode também ser esplendidamente descrito como "a lei do mais forte". De resto, quando eu estiver de fato protegendo os mais fracos e amando os meus inimigos terei toda a coragem de pedir aos comunistas que se calem e liberem o recinto.

Finalmente: creio que qualquer que seja o poder transformador do evangelho, qualquer penetração do Reino, ele deve ser, conforme o padrão inaugurado por Jesus, não apenas espiritual mas necessariamente social - e necessariamente apolítico.

Responder
avatar
Norma
AUTOR
7/1/06 13:11 delete

Paulo, primeiro três perguntas:
1 - Você leu direito o post do Solano?
2 - Você disse: "A verdade é que não tenho qualquer simpatia real pelo comunismo." Pense bem: em que seu comentário nega essa simpatia?
3 - Quanto aos argumentos "fracos" contra a ideologia "jovem" do comunismo, cem milhões de mortos são suficientes para você?

Paulo, sinto lhe dizer, mas você é comunista. Se ainda não assumiu isso, é por algum motivo sobre o qual não me compete especular. Você quer dar a entender que está falando a partir de uma "neutralidade" quando, na verdade, demonstra uma adesão apaixonada ao esquerdismo, acompanhada de seu corolário natural, o ódio ao capitalismo.

Se o viés teológico para refutar o marxismo não lhe parece suficiente, tenho uma sugestão para você: estude economia e filosofia a sério; estude os liberais, aqueles que se opõem ao marxismo; estude os filósofos marxistas (p. ex., Escola de Frankfurt e o que se seguiu) e compare o relativismo, o imanentismo e o anticristianismo destes (para não falar da confusão cognitiva) à filosofia clássica. Confronte com honestidade suas idéias, e o fim do processo será muito proveitoso: você pode assumir com toda convicção seu comunismo ou rejeitá-lo de vez. Meu palpite é que, como cristão, você acabará optando por rejeitá-lo.

Responder
avatar
7/1/06 13:41 delete

Obrigado a todos pelos comentários e pela saudável discussão gerada. Vou procurar interagir, um pouco mais à frente, com algumas colocações dos que postaram.

Solano

Responder
avatar
Nagel
AUTOR
7/1/06 23:56 delete

Acho que entendi o ponto da Norma e do Augustus: estão preocupados, se não me engano, com a questão espistemológica, filosófica, antropológica e, como citado pelo próprio Augustus, a questão hermenêutica da coisa. E quanto à isso, acredito que tenham razão. De fato a filosofia marxista é materilista das brabas -- vide as Teses sobre Feurbach, e tenho que concordar com o que a Norma. Não há o que discutir.

o Solano procurou tratar da perspectiva bíblica. E sabemos toda a hermenêutica "libertadora" que toma conta da igreja latino-americana. Também entendo isso. E concordo quando o Solano diz que o marxismo não é blíblico. Foi aí que me arrisquei a dizer que nenhum sistema político é bíblico em si.

Da minha parte, até aqui estamos resolvidos. :)

Só não consigo deixar a idéia de que um socialismo democrático seja algo útil ao país.

Grande abraço aos amigos!

Responder
avatar
Gustavo
AUTOR
12/1/06 13:30 delete

Gostei do artigo, apesar de não ter concordado com todos os pressupostos do autor.

Temos que ter em mente que os cristãos defensores do socialismo não têm como teoria base o marxismo, sendo que o materialismo histórico é incompatível com a fé cristã. Sua maior base teórica é o socialismo cristão do sec XIX.

Portanto, qndo se critica o socialismo defendido pelos cristãos tem que partir de pressupostos socialistas cristãos ou sociais-democráticos.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
16/1/06 18:43 delete

AQUI É O CLEBER:

"a passagem claramente anti-socialista de 1 Ts 3.10 – “se alguém não quer trabalhar, também não coma”)."

Manos,
como sabem sou de centro, pois vejo coisas boas na direita e na esquerda.
Mas achei desrespeitoso chamar os socialistas de vadios.
Pelo que sei os solicialistas querem sim trabalhar.
E a questão que eles defendem é que muitos não têm oportunidade para trabalhar.
Ou seja, não defendem vadios, e sim as pessoas sem oportunidade de trabalho.
Pelo q lembro não se defende que o estado sustente preguiçosos, e sim que todos trabalhem.

Responder
avatar
Pedro Grabois
AUTOR
19/6/06 22:58 delete

O que vocês pensam dos que falam sobre missão integral da Igreja e que nós estamos longe de viver essa missão por causa das estruturas que foram "escolhidas" para a Igreja? E se é possível pensar nesses termos (de missão integral), preocupar-se em libertar o homem todo, anunciando o Evangelho todo para o homem todo e para todos os homens sem associar isso a Marxismo/Socialismo ou a Liberalismo religioso?
Como fica o problema de que tanto os conservadores da fé, quanto os que tem uma postura mais a esquerda (que serão taxados de liberais) defendam seus modelos como os mais bíblicos? Podemos admitir que essa discussão não tem fim e na verdade sempre vamos cair num maniqueísmo? Não podemos simplesmente aceitar as diferentes iniciativas (que sejam autência- e então é preciso definir o que é autêntico e o que não é) para transformar o nosso meio das formas que crêem-se ser as mais próximas da Vontade de Deus? E se aceitamos esse "pluralismo" de iniciativas caímos de novo num relativismo das verdades bíblicas?
Abraços e perguntas a todos!!

Responder
avatar
Fraternus
AUTOR
4/12/07 18:38 delete

Li e achei interessante!

Responder
avatar
Rodrigo
AUTOR
10/6/08 16:03 delete

Ditaduras de Direita promoveram massacres e extermínios em todo o século também, desde Franco, Salazar, Pinichet, as diversas na AMérica do Sul e Leste Asiático, afora tantos massacres mundiais promovidos pelos EUA, que incluem eugenia, armas biológicas e espalho de generais e estrategistas nazistas pelo mundo no pós-guerra.
De fato, a Bíblia não pode ser usada para adotar um modelo pronto de sistema histórico,s eja capitalista ou socialista. Ela possui parâmetros que submete ambos ao crivo ético.
Mas vocês pecam por miopia analítica. Não se pensa os estados com regimes particulares como se fossem mônadas. Antes, é mais procedente abordar a economia-mundo, com suas redes de troca e Divisão Internacional do Trabalho, englobada num sistema mundial, que abrange também o Sistema-Interestados. E estamos, desde a virada do séc. XV ao XVI, sob, nesta ótica, um ssitema-mundo capitalista, ou seja, cujo caráter social prima pela acumulação auto-replicante e exponencial de capital a lógica norteadora e prevalescente. Ele se foi consolidando ao longo do tempo e no séc. XIX englobou o mundo todo, se tornando um Sistema Mundial, o primeiro. Estados podem tentar optar por regimes políticos diversos, mas como eles são elementos funcionais do sistema, isto revigorado desde a criação do sistema inter-estado com Vestfállia, e daí adiante, eles têm pouco poder para resistir, pois se não conseguirem prosperar no jogo de poder da lógica da economia-mundo, são englobados por ela. Assim, é na cadeia mercantil, divisão internacional do trabalho e sistema interestado que se deve olhar o capitalismo.

Agindo só, cada indivíduo ou Estado busca tirar o melhor proveito de sua posição. Mas a própria satisfação dessas preferências individuais altera a situação que outros têm que enfrentar, na busca de satisfação de necessidades semelhantes. Uma rodada de transações que tenham como fim apresentar necessidades pessoais desse tipo, portanto, faz com que cada indivíduo fique com uma barganha pior do que se pensava quando se realizou a transação, porque a soma dos atos não melhoram de forma correspondente a posição de todos os indivíduos ou Estados considerados em seu conjunto. As oportunidades de avanço econômico, tal como se apresentam seriamente a uma pessoa de cada vez, não constituem oportunidades equivalentes de avanço econômico para todos. O que cada um pode realizar, não é possível para todos.
Se todos os indivíduos ou Estados tivessem oportunidades iguais, não haveria riqueza oligárquica. Por isso, Sistema Mundial Moderno de Economia-mundo capitalista, NÂO PODE HAVER OPORTUNIDADES IGUAIS. É essa a ilusão do discurso do desenvolvimento.

Daí que é preciso construir uma alternativa histórica, mais democrática e igualitária, sem negligenciar tanto a igualdade quanto a liberdade, recusando-se tanto a opor quanto a aglutinar as duas.
E o que os cristãos têm a ver com isso: ora, a promessa de novos céus e nova terra, a perspectiva do Reino de Deus, não pode ser usada como escapismo, mas antes, como norte do que já deve orientar nossa existência aqui, incluindo a ação social e profética, de acordo com o conceito bíblico de justiça social (tzedakah). Não implica em identificar o cristianismo com um sistema pronto, seja o comunista, seja o capitalista, ou o feudal, como está na moda...

Responder
avatar
Rodrigo
AUTOR
10/6/08 16:04 delete

E tem gente que ainda diz que a mídia é brasileira é de esquerda... agora passei a acreditar em duendes e astrologia

Responder
avatar
jean
AUTOR
20/3/09 22:21 delete

Solano,
O texto de 1Ts 3:10 não é anti-socialista como vc descreveu, porque a maxima do socialismo se fundamento no trabalho ok? Mas gostei do seu texto.

Responder
avatar
21/3/09 00:14 delete

Caro Jean;

Obrigado pelo comentário, mas desculpe, você está errado. O texto (na realidade é 2 Ts e não primeiro - aí eu errei, confesso e já corrigi) diz que o sustento deve vir em decorrência do trabalho. É uma situação conhecida que o socialismo enfatiza o assistencialismo do estado e, muitas vezes, encoraja a dependência dele para o sustento.

Veja, por exemplo, o livro socialista: "Revolutionary Socialism", de Louis C. Fraina (disponível em: http://www.marxists.org/archive/corey/1918/revsoc/ch05.html ). Ele próprio admite, no capítulo 5 (Fundamentos do Socialismo), que "primariamente o proletariado é seduzido pela idéia da beneficência do estado".

Note que ele está falando exatamente dos fundamentos do socialismo. Esse, não é o trabalho, mas, diz o autor: "A luta de classes é a síntese dinâmica e unificante da teoria e prática do socialismo".

Não é "trabalho", contra "capital", que identifica "socialismo", contra "capitalismo"; mas "igualdade de classes", contra "igualdade de oportunidades"; "capital, independentemente da gradação de trabalho", contra "trabalho gradativo que gera capital gradativo".

Solano

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
25/12/09 04:19 delete

Sinceramente, fiquei impressionado com o montão de bobagens ditas por socialistas ``cristãos'' desinformados e imbecilizados pela doutrina socialista!!

Queria que vissem, logo abaixo, essas citações e os seus respectivos autores, para depois tirarem suas próprias conclusões:

"O homem faz a religião, a religião não faz o homem .. . A religião é o suspiro da criatura atormentada, o sentimento de um mundo sem coração, como o é o espírito de estados fora do tempo. Ela é o ópio do povo." (Karl Marx, em "Manifesto Comunista")

"É preciso combater a religião, eis o A B C do comunismo." (Lénine)

"Detrás de cada imagem de Cristo só se vê o gesto brutal do capital." (Lénine)

"Deus é uma mentira." (Lénine)

"O homem que se ocupa em louvar a Deus se suja na sua própria saliva." (Lénine)

"A tarefa da revolução vitoriosa consiste em fazer o máximo num país para desenvolver, sustentar e fomentar a revolução nos outros países." (Lénine)

"Estamos resolvidos a tudo o que é possível: astúcias, artifícios, métodos ilegais, calar, dissimular, etc." (Lénine)

"A Ditadura do Proletariado é a dominação não restringida pela lei e baseada na força." (Lénine, "O Estado e a Revolução")

"Deus é o inimigo pessoal da sociedade comunista." (Lénine, carta a Gorki)

"Nós odiamos o cristianismo e os cristãos." (Lunatcharsky)

"A revolução vitoriosa num país tem por tarefa desenvolver e sustentar a revolução nos outros países." (Stalin)

"No momento oportuno nós nos atracaremos com o senhor Deus. E o aniquilaremos, lá nos seus altos céus." (Grigori Zinoviev)

"Não seríamos verdadeiros comunistas se não soubéssemos modificar inteiramente nossa tática de conformidade com o momento. Todos os recuos, todos os zig-zags da nossa tática têm um único fim: a revolução mundial." (Dimitrof)

"As necessidades táticas da luta nos fazem aparecer hoje como simpatizantes da religião." (Lafferte, comunista chileno, no congresso comunista mexicano, em 1944)

"Agora, mais do que nunca, devemos seguir uma tática de luta que engane os inimigos de nossa ideologia." (Lafferte, na mesma ocasião)

"A guerra revolucionária psicológica comunista tem como objetivo alcançar, no interior das almas, por etapas e invisivelmente, a vitória que certas circunstancias lhe estavam impedindo conquistar de modo drástico e visível, segundo os métodos clássicos." (declaração do então Secretário do Partido Comunista Brasileiro, Giocondo Dias, à revista IstoÉ de 31/03/82)

"A imprensa é uma arma; por quê haveria eu de dar uma arma a meu inimigo?" (Trotsky)

"A propriedade é um roubo." (Proudhon)

"A mulher que ama seus filhos não passa de uma cadela." (Kollontai, embaixatriz soviética da Romênia)

"Quem lhe disse que a Itália deve sobreviver? Restarão três milhões de chineses, e isso será bastante para a raça humana continuar." (Mao Tsé-Tung, que acreditava que uma guerra nuclear ajudaria a provocar a derrota do capitalismo, em conversa com o líder italiano Palmiro Togliatti)

Fonte: http://www.ternuma.com.br/frases.htm

Recomendo lerem também o livro "Tortured for Christ" e "Era Karl Marx um satanista?", do pastor romeno Richard Wumbrand.

Responder
avatar
Suo Fratello
AUTOR
5/12/10 00:23 delete

Ao ler esse artigo achei muito interessante, entretanto, alguns pontos devem ser esclarecido, a teoria marxista apresenta um modelo, que corresponde a sociedade presenciado pelo teórico, como cristão não creio nesse modelo plenamente, mas acredito que o nosso Deus é um Deus justo, e não há justiça na manipulação de pessoas, meios de produção e tecnologias, o capitalismo prega a miséria de multidões para o luxo de poucos, os conhecedores do assunto sabem que faz parte da lógica desse sistema o desemprego, fazem parte desse sistema mecanismos de exploração para maior obtenção de lucro, logo não se pode acreditar nesse modelo como o mais certo, prefiro acreditar no socialismo cristão, na preocupação com o próximo, no amor que Jesus pregou, prefiro ver a quase justiça à injustiça plena, até que Jesus mesmo venha, estabeleça o seu Reino e governe com plena justiça e sabedoria, fazendo de todos irmãos, filhos do Deus Pai.

Responder
avatar
anônimo
AUTOR
12/9/11 20:54 delete

Creio que o agente transformador da mente humana,da sociedade como um todo,países,nações e continemtes seria o mentor-Criador de todas elas,o próprio Deus,e não o homem,alguma ideologia ou filosofia lógica e humana,atribuir ao próprio homem o equilíbrio social,principios de igualdade e liberdade verdadeiras só são possíveis se Deus intermediar este processo,querer isentar o Criador de todas as coisas deste processo seria insano,logo todo ser humano deve se voltar para Deus,em todos os aspectos da sua vida,tanto espirituais como seculares para se ter um vida terrena melhor,o cristão verdadeiro caminha pela promessa de vida eterta,algo extra-terreno,logo sua vida social não é a prioridade,algo que um socialista jamais iria aceitar,logo um Cristão genuíno jamais poderá ser um socialista,do contrario estaria ferindo o que está contido nas escrituras,estaria caindo em pura contradição,acabndo por comprometer princípios da salvação e vida eterna que pelo que um cristão deve viver...um abraço!!!!

Responder
avatar
Dani Bereana
AUTOR
29/12/11 14:29 delete

Sábado de natal recebi meu sobrinho e conversando sobre igreja assumi minha reforma e que continuo em Obras. Então ele comentou sobre o calvinismo ser o inventor do capitalismo, más a "pergunta que não quer calar é". Qual opção hj ao capitalismo?
Lembrando que a igreja primitiva não era uma sociedade socialista. Era uma sociedade cristã em que as pessoas mais ricas doavam por amor e não porque eram impostas. Se fosse socialista, todas as pessoas, pobres e ricas, teriam seus bens tomados a força pelos apóstolos, a maioria do dinheiro ia ficar com os apostolos e suas centenas de ministros e o resto seria distribuido entre os cristãos, agora reduzidos a uma única classe de miseráveis.
Então dos males o menor!
Agora um adolescente ter idéias utópicas sobre a sociedade e politica etc, é uma coisa, agora marmanjo experimentado alimentar tal ideia no seio da igreja é loucura !

Responder
avatar
Lelo
AUTOR
14/1/13 01:04 delete

O Velho Testamento sem dúvida não era socialista, tão pouco capitalista (comunista é piada do autor desse texto aí né? – nunca existiu nem existirá, apenas no campo das ideias...já marxismo não sei se ele sabe o que é...rs). É evidente que o sistema governamental e econômico era Teocracico, ou seja, quem decide, manda, faz, é Deus. Sem questionar, sem argumentar... e nem vamos entrar no contexto histórico né!? Cinco, seis mil anos atrás... nem mesmo sabiam o que era feudalismo...rs.
Já no N. T. fica sim evidente que a passagem citada de at. 2.42 é sim um esboço de compartilhar, ou seja, igualizar, horizontalizar (tal como é a graça de Deus), por outro lado a citação de 2Ts. 3.10 não foge do socialismo, que implica em TODOS produzirem o necessário. Não produziu, não coma = justiça normativa/punitiva (já dizia John Locke – lost – “sem punição, as regras são desnecessárias...rs). A afirmação da primeira citação em q o autor aí diz que era um “micro-cosmo” social cristão... bem, qualquer sistema não precisa ser universal... Eu, você, Marx e até mesmo Luan Santana (acho) sabem disso. O Caráter voluntário citado está perfeito tb... é claro que era voluntário... eram cristãos, tinham consciência cristã... ou para ser um sistema tem que ser imposto/coercitivo?
De fato o homem, pra mim, é mau... e aprende a ser bom...
A afirmação de governo eficaz é repleta de senso comum, ou no mínimo, fica evidenciado que não existe, visto que há a “sensação” de respeito ao privado, além de ele definir o que é certo e errado para então punir (sic) o mal feitor (onde?). Dizer então que o governo reconhece e galardoa os cidadãos de bem é um disparate, tanto quanto afirmar que todos possuam iguais oportunidades de desenvolver sua individualidade... Hora, talvez esse direito seja exatamente o que se reproduz com os povos indígenas de nosso país (por exemplo), ou seria referente a piada de cotas raciais (porque eu sou euro-descendente, no entanto estudei minha vida toda em escola pública)...
Não estou aqui querendo fazer com que o socialismo se torne bíblico, apenas estou aqui, dizendo que a bíblia nos ensina a compartilhar ao invés de reter, e se parar para pensar ao menos um pouquinho (e parar de ler Veja e jornal da Globo) você consegue responder essas duas questões:
Qual o sistema que nos ensina a reter/acumular?_______________________________
Qual o sistema que nos ensina a compartilhar/dividir?_________________________________

Responder
avatar
14/1/13 12:00 delete

Caro Lelo:
Com toda essa sapiência, as perguntas podem ser respondidas por você mesmo, em Blog próprio... Estou muito ocupado lendo Veja e não posso perder o Jornal da Globo, hoje à noite.
Solano

Responder
avatar
16/5/13 11:30 delete

'(um texto prescritivo é, por exemplo, a passagem claramente anti-socialista de 2 Ts 3.10 – “se alguém não quer trabalhar, também não coma”)'.
Até onde sei, no socialismo, anarquismo, comunismo, as pessoas continuariam a trabalhar. A posse do capital é que seria "socializada".


O primeiro comentário do Nagel foi perfeito! Não há como defender sistemas de governo modernos usando a bíblia, seja comunista, socialista (coisas diferentes...), anarquista, liberal, liberal-democrata, social-democrats, etc.

Por isso, também não vejo muita coisa no sistema político e econômico atual que possa ser defendida como bíblica...

Existem tantas versões de socialismo (utópico, marxista, marxista-leninista, marxista-stalinista, marxismo-trotkista, gramsciano, teologia da libertação, social-democracia - origem do PSDB pra quem não sabe) que não dá mais para tratar desse assunto de forma muito abrangente. É mais ou menos falar que evengélico é tudo igual!

Por fim, hoje, me parece que o socialismo tem sido mais discutido pelos cristãos que pela própria academia (Ciências Humanas, pelo menos). Ser marxista pode te trazer a pecha de "desatualizado".

Marcus

Responder
avatar
16/5/13 13:38 delete

Prezado irmão Solano,

Achei seu texto formidável. Quero apenas fazer uma pergunta: sobre essa questão como o sr. enxerga a "Missão Integral"?
Um gde abraço,

Rev. Antonio J. Oliveira
pastor da I P de V. Gustavo

Responder
avatar
4/3/14 21:46 delete

Na minha humilde opinião, não acho possível ser cristão e socialista. ou se é um ou é o outro. O socialismo é anti-cristão, tem o objetivo claro de ir contra a religião cristã. Ou algum aí se esqueceu da superestrutura. E da necessidade de desconstruir,criticar e substituir o cristianismo, pois este é um elemento perpetuador da "opressão burquesa". OU não é isso que os teóricos marxistas dizem? Se não me digam, o que dizem os teóricos da escola de Frankfurt e Gramsci?
Concordo com o Pondé: socialismo é coisa de gente mau-caráter. Sabe por quê? porque se utilizam da pobreza, da desigualdade para conquistar o poder. E depois que conseguem, esquece. Cadê a igualdade de oportunidades? Educação descente? isso sim, ajudaria as pessoas pobres a obterem melhoria de vida.
Outra coisa socialismo não é oposto de capitalismo. Socialismo é uma ideologia para conquistar poder político. Só isso. Os países socialistas/comunistas não deixam de ser capitalistas (aliás, Cuba reclama de que é pobre, porque os EUA não deixam a ilha ser mais capitalista. Mas o problema não é o capitalismo?). Eles apenas substituem o empreendedorismo das pessoas pelo estado, que passa a ser dono de tudo. E aí alguém acredita que isso possa funcionar? resultado: como projeto de poder, todos ficam pobres e o estado e seus amigos ficam com a mais-valia.
Como ninguém vai querer abrir uma fábrica, ou ser dono de qualquer coisa (pois que sentido haverá em trabalhar para o estado ficar com o lucro?),

Responder
avatar
9/11/14 23:31 delete

A grande maioria confunde Socialismo com Marxismo. O socialismo vem antes de Marx e busca a transformação da sociedade através da distribuição equilibrada de riquezas e propriedades, diminuindo a distância entre ricos e pobres e obtendo a igualdade de oportunidades e meios para todos os indivíduos.
Há o Socialismo democrático que busca uma via eleitoral e reformista para o socialismo como há também os social-democratas (favor não confundir com o PSDB), que são muito próximos dos socialistas democráticos (se não a mesma coisa) e defendem a aplicação de princípios socialistas numa economia de mercado, visando amenizar ao máximo as desigualdades geradas pelo capitalismo, alcançando um estado de bem estar social. Portanto, socialismo não é sinômeno de autoritarismo. Na verdade a URSS nunca foi verdadeiramente socialista. Os países que mais se aproximam do ideal socialista são os países Nórdicos. Portanto, a Bíblia não é Marxista, mas Socialista. Distorcem seus ensinamentos quem, muitas vezes para justificar sua riqueza e outros interesses, argumentam em contrário.

Responder
avatar
10/11/14 00:36 delete

Caro Josiel:
A Bíblia não é marxista e nem tão pouco socialista. Nela se estabelece o direito à propriedade privada ("Não furtarás"), o direito a lavrar e colher da própria terra, e o governo não recebe o direito de "socializar" os bens de outros em favor de uma coletividade. Ela aponta o direito dos carentes, mas prescreve responsabilidades individuais para lidar com essas necessidades sociais. O governo é limitado e não abrangente. Ou seja, todas as premissas anti-socialistas estão nela contidas. O resto é mito. Abs Solano

Responder
avatar
22/4/15 17:22 delete

Caro Pb Solano

Parabenizo-o pelo seu artigo. Parece-me que os cristãos não entenderam honestamente o marxismo, ou não conhecem fielmente o cristianismo, ambos são incompatíveis como sistema de doutrina e cosmovisão.

Continue fiel!
Forte abraço,
Ewerton B. Tokashiki

Responder
avatar