quarta-feira, setembro 02, 2015

Dad, Why am I never right? The Difficult Task of the Judge-in-the-Home.

            Christians ought to have an acute sense of right and wrong. It stands true that many are losing this outlook on life; after all, this is the age of tolerance. Lately we have been taught that there are no absolutes, that our truth is not really the real truth, and therefore we have to be constantly seeking for “the other person’s truth.” A whole generation of indifferent, watered-down Christians has arisen with no deep convictions about anything except the accepted norm that you should have no convictions.

            I grew up under a different set of values. I was shown, from the Bible, that there were certain things that were clearly right and others that were equally wrong. I learned that this applied to attitudes, as well: some were commanded while others were condemned. Often learning through painful experience, furthermore, I saw that the Bible was silent about some things. In these cases “right” and “wrong” had to be discerned through an interpretation of time and cultural context, as well as one’s testimony, rather than obtained from direct propositions. These “rights” and “wrongs” were also important, but, being subjectively asserted, they had less weight than the objective directives of the Bible. Some room had to be left for a constant and charitable examination of the other person’s point of view. I also learned the difference between descriptive historical passages and prescriptive doctrinal exhortations. Thus, I was kept from the many religious pitfalls that I saw displayed in the lives of several strange people who God allowed to cross my path.

            This sense of right and wrong leads one to a keen perception and love of justice. It should be natural, in a Christian’s life, that he or she would reflect as closely as his sanctification allows, God’s justice and holiness. It is significant that one of the marks of the ungodly or of the apostate, is that they are “unfaithful in their contracts” (Rom 1.31—covenant-breakers, KJV). So, Christians should be faithful in their dealings. They should keep their word, hating lies and loving truth. They should refuse to watch and accept, with quietness and modern life asepsis, the mistreating, bartering, slaughtering of the young or helpless, wherever it may occur, whether in the streets of New York, in the hills of Bosnia, in the deep jungle of Burundi, or in the Middle East, under the cruelty of Islamic radicals. They should strive to be examples and promoters of justice with their actions and words, without any trace of pride, but based on the fact that we are all servants of the Almighty God of Justice. Perhaps this is why we are called “contenders for the faith” (Jude 3), meaning that we are engaged in a constant battle where evil tries to establish itself as the standard of conduct, contrary to God’s ways. We should never allow, in the areas placed under our responsibilities, that the situation described in Isaiah 5.20 should reoccur, but rather cry alongside with the prophet denouncing those who: “call evil, good; darkness, light; and sweetness, bitterness.”

            We are called to display these convictions, and to defend right against wrong, on many fronts: in our school, in our work and even in our church and ecclesiastical fellowships. But, perhaps, in no other place is this task as difficult to perform as in our own home. I am not considering cases where the willful promotion of injustice is served. I am not talking about husbands beating their wives, mistreating their children or neglecting their material support. I am not thinking about child abuse or exposition of pornographic material in the home. To these clear violations of God’s standards, He has spoken abundantly in His Word, and judgment will befall upon the violators of His commands, in both a temporal and an eternal manner. The question that I am considering is when we, sincere and God-fearing Christians, are called upon to act as a judge in our day-to-day lives, by members of our immediate family.

            The matter may seem trivial, but it isn’t; it happens more often than we realize.  As fathers and mothers God has placed us in a position of authority over our children. In this respect He expects us to impart knowledge of His person to our offspring, as well as to represent Him as far as reflecting his standards of justice (Deut. 6.6-9; Psalm 78.1-8). The shelter and care that we are supposed to provide, go alongside with the sense of security and protection that should be present in the lives of our sons and daughters until they grow up and mature into taking their own initiatives and having their own convictions. They should be comfortable in coming to us not only for sound teaching, but also for protection and vindication of their rights. Those of large families, and some of small ones too, know very well that everlasting harmony is an ideal far from being reached continually in a Christian home. There are fights and strife. Sin takes its toll, confiscating peace. We are certainly called upon, uncountable times, to mediate fights and to reestablish normal relationships. This is also a demand for the identification of sin—where is it occurring, who is displaying sinful behavior, who has the primary responsibility, who has to be protected and who has to be disciplined. We don’t think of ourselves too much under this capacity—as judges, but the calling comes, more frequently than we would like. Failure to adequately address these issues will demean the figure of the father and mother in the eyes of the children and will harm the lessons they intend to give. No matter how good the intentions, if the practice of parenthood is not up to God’s standards, the spoken words will suffer in efficiency. As someone has said, “what you are speaks so loud, I can’t hear what you say.”

            Below are some of the reasons why the task is so difficult and why we fail so often as God’s representative as rightful judges in our families:

1. Sin does not come in isolated chunks. Were it possible to easily isolate and identify a specific sin, our task, as judges, would be made easier, for we could then  deal with that sin, and with the sinner, in a proper and swift manner. But real life shows this to be a rare case. Sin has a way of contaminating and spreading itself beyond the original occurrence.  Actually, the Bible speaks of it almost as having a life of its own—from conception to birth (James 1.14, 15). In a home incident, the identification of sinful behavior in one single member of the family, is a frustrating and, many times, an impossible task. We are all too familiar with the shout: “He started it!” But a sinful action many times provokes a sinful reaction. Not always do Christian values and guidelines take control of our responses before these erupt, especially in the lives of the younger ones. Often deep regret settles in, afterwards, but much harm has already been done, in the mean time. So, if “someone started it” and someone else reacted, it is easy for us, confronting a chaos of sinful behavior, to simply come down hard on top of the whole brawl, distributing equal punishment to all. Even though sin is sin and all of it is abhorrent to God, we find in the Bible diverse degrees of gravity attributed to different sins and various kinds of punishment for them. The Westminster Confession of Faith, while recognizing that any sin is opposed to God’s holiness and subject to His wrath and judgment (Ch. VI, Sect. VI), also acknowledges that there is a gradation of sins (Questions 150 and 151, of Larger Catechism). Are we trying to discern that or do we indiscriminately and uniformly apply our own distorted version of justice?

2. We are slow at hearing and quick at talking. Many times we speak too soon. We think that we already know the answer and we proceed to sermonize. We should, instead, think of hearing in the sense of a court of justice (In judicial terminology a hearing is what takes place before the judgment. In it the judge hears the preliminary assessments of the case that will be tried. It establishes the ground work upon which judgment will be effected, after the trial.) Also, we often fail to realize that our children have difficulty expressing thoughts in a logical pattern. They do not always have the exact vocabulary to convey their facts and feelings. We are, sometimes, overtaken by impatience. Many times we say, “I don’t want to hear any more about this”, when there was need for some final words that were going to be said. We often leave our children frustrated in their communication. By doing so we proceed to judge without pertinent data, often confusing sermonizing with discipline, frequently addressing ourselves to a different issue than the one that was the occasion for the dispute. Harsh and wrong judgments can be the consequence of our impatience. We forget that God is “slow to anger” and that long-suffering is one of His attributes and a fruit of the Spirit (Gal. 5.22) that must be present in our lives.

3. Our quest for justice clutters the vindication of the right. This could be the other extreme position. If we have the Biblical vision of our duties, we fear promoting injustice. Many times we want to thoroughly search all angles, examine every corner, but in doing so we probe too much, and suddenly the innocent party becomes guilty by pressure. “OK”, we say, “you were wronged, but perhaps, possibly, you also did something wrong that caused the other person to react this way”. We are so aware of the universality of sin that we do not want to furnish any excuses for our children. Also, we do not want to be overprotective. These are well meaning counter reactions to a society that excuses the wrong, that is quick to judge, that sees some as saints and others as sinners, based on family bonds and not on God’s standards.  But we have no sanction from God to wrong the right and to be lenient with the offender.  I cannot help but think of David and how he fled to God, exposing his cause and pleading with him to vindicate his problems, against his enemies (Psalm 86.14-17; 140; 142.5,6; 143.1-9). Our children should be able to come to God in the same manner and they should also be able to expect wisdom on our part to rightfully judge with love. We must be aware, without encouraging self-righteousness, that they can be right, wrongly pulled into a fight, slandered, intimidated and bullied. If we are not careful we may promote insecurity and give to our own a permanent sense of failure—if when problems arise and they turn to us, they are never right, even when they actually are. Have you ever had a child come to you, and say: “Dad, why am I never right?”  Do they have the security, freedom and comfort to come to you and ask questions such as this?

4. Unwarranted reliance on time. “Time will take care of it”. With this we brush aside the urgent need for intervention. Nothing serves injustice more than slow justice. In the secular world, the slowness of due process of justice has been a matter of grave concern; most of the time criminals are not swiftly punished, and the ones falsely accused suffer unjustly. There is no reason that we should expect time to heal things in our home. The Bible gives us no warrant to expect inactivity from our part to be a solution of sinful situations. It commands us, even when the sinful action is sighted at the other end, to take the initiative in the contact, starting up the healing process (Matthew 18.15-16). Tardy discipline is as ineffective as no discipline at all. Are you passing on to “time” the responsibilities that are your own? Are you just seeking the easier path of non-confrontation, when action is demanded, by God’s precepts?

            There are no quick steps to instant wisdom. We should all be aware of these difficulties and constantly ask God to accompany us during these trying times. At the same time, we should be conscious of the imperceptible harm which we may be causing our children and our family when we fail either to assume the role of judge-in-the-home, or when we improperly perform our duties under this capacity. On many occasions it will be we ourselves, imperfect regents, who will be the ones that will have to cry for mercy, saying “I am sorry, forgive me,” to those that we have wronged, and to the Perfect Judge, our Lord Jesus Christ.

F. Solano Portela Neto

quarta-feira, julho 01, 2015

Andrew Jumper - Processo Seletivo


As inscrições para o Processo Seletivo 2016/1 do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper estão abertas. São quatro programas presenciais modulares em 8 diferentes linhas de pesquisa. Acesse o nosso site e saiba mais a respeito! 
Dúvidas: escreva para atendimentocpaj@mackenzie.br




segunda-feira, junho 29, 2015

O que é matrimônio e divórcio?

Mateus 19.3-6: "Vieram a ele alguns fariseus e o experimentavam, perguntando: É lícito ao marido repudiar a sua mulher por qualquer motivo? Então, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem".
 --------------------------------
Os Fariseus experimentavam a Jesus. É interessante que o ponto para esse teste era sobre o seu conceito quanto ao matrimônio. Nessa era, em que a instituição do casamento é tão contestada, ou por vezes desprezada, e até mal definida, qual é o nosso conceito do Casamento? É o conceito bíblico, o conceito divino dessa união? E o que dizer do divórcio? É aceitável, pela Bíblia?

Na época dos fariseus, havia duas escolas: a de Shammai – que acatava o divórcio por causa do adultério e a de Hillel – que dizia que o divórcio era permissível por qualquer motivo. Essa questão era sempre alvo de debate acirrado entre as duas correntes. Jesus não apela a nenhum desses dois, mas refere-se a Moisés – aos escritos inspirados da Palavra de Deus (“não tendes lido”?).

Jesus não se preocupa em responder primária e especificamente a pergunta deles, sobre a questão de quebra do casamento; da quebra dos votos matrimoniais; da ruptura desse pacto solene feito na presença de Deus, tendo como testemunha o seu povo. Antes que entendamos as diretrizes bíblicas sobre o divórcio é necessário que entendamos o que é o matrimônio, e é isso que Jesus quer explicar. Casamentos cristãos são celebrados dessa maneira até aos nossos dias: o povo de Deus testemunha o comprometimento solene que os noivos fazem um ao outro, na presença de Deus, em paralelo ao cumprimento de todas as prerrogativas e registros legais, que devem ser feitos em cartórios e onde a lei assim o definir.

É por isso que em vez de responder a pergunta dos Fariseus, Jesus faz uma exposição do que é o casamento. E isso interessa muito ao povo de Deus, principalmente no cenário contemporâneo em que vivemos. Notem que Jesus explica quatro coisas, sobre o matrimônio:

1. É uma relação singular de gênero. “Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher”? Percebam a atualidade da Bíblia! Jesus parece estar falando aos nossos dias! Procedemos de um Criador. Esse criador, sabiamente, nos fez diferentes, complementando um ao outro. Ele criou dois sexos. Isso não é uma opção quantitativa (mais de dois sexos) ou qualitativa (um sexo, com as qualidades do outro) – não existem três ou quatro sexos. Confrontamos as barreiras das impossibilidades biológicas, porque o Criador assim o quis: dois sexos – homem e mulher. Essa é a estrutura da criação. Por mais que os homens tentem pervertê-la, ou transformá-la; por mais que tentem se enganar, prescrevendo felicidade e adequação a outros esquemas de gênero – a humanidade retratará sempre essa estrutura de gênero – homens e mulheres. O que passa disso é distorção e desvio. Outras configurações não podem ser legitimamente chamadas de “casamento”, pois o casamento é entre um homem e uma mulher. É isso que temos nos casamentos cristãos: testemunhamos um casal adequado aos padrões divinos, comprometendo-se um com o outro. Pela misericórdia de Deus, em nosso país a Constituição ainda tem essa definição de casamento, mas existem muitos esforços para que isso seja mudado – como seguidores da Palavra, temos que ter uma visão precisa de qual é o ensino Bíblico, aqui reforçado por Jesus.

2. É uma relação singular social. “Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher”. Cada família é uma relação singular, única. E ela gera outras famílias. Esse princípio era sempre importante para ser frisado naquela sociedade patriarcal. Por mais ascensão hierárquica que tivesse o patriarca, o esposo e esposa constituíam uma unidade autônoma, com vida própria, com limites próprios, com diretrizes próprias, com interesses próprios. Contando com o respeito mútuo externo, mas sem interferências externas indevidas. Notem os termos utilizados: Deixar, e depois, unir: a palavra grega utilizada para “unir” é “kollaô”. É de onde vem a nossa palavra cola. É cola divina, mais forte do que superbond! Esse é o plano de Deus desde o início. Jesus não ensina nada de novo, mas leva os pensamentos daqueles que o ouvem, como os nossos devem ser levados, agora, ao projeto original de Deus. Quantos problemas podem ser evitados nos casamentos, se esse modelo for seguido. Se não houver confusão e interferência das famílias de onde procedem os noivos para com a NOVA família que eles agora formam. Esse relacionamento social singular traz grandes privilégios e promove mais responsabilidade, aos cônjuges, na construção de um lar, que é só deles.

3. É uma relação singular sexual. “De modo que já não são mais dois, mais uma só carne”. Jesus também apresenta esse aspecto, que é típico do matrimônio. O plano de Deus, desde a criação, reconhece a propriedade da sexualidade e a abriga, com toda legitimidade, sempre na esfera do casamento. O casal que procura seguir as diretrizes de Deus, nessa área, compreenderá esse simbolismo de harmonia, complementação, prazer e alegria, e ensinará aos seus filhos os limites, o respeito e a santidade que é o sexo no casamento. Esse singular relacionamento mostra a dependência mútua, e o interesse com uma só mente, que deverá nortear a vida do casal, por toda a vida. Em uma era de dissolução moral, como esse aspecto é importante! Temos que reforçar em nossas famílias e nas nossas igrejas que o sexo é uma bênção, que Deus preparou para o casamento. Todas as demais opiniões a esse respeito, procuram legitimar desculpas para não cumprir o padrão de pureza que Deus deseja, não somente aos jovens cristãos, mas a todos aqueles que integram o Seu Povo.

4. É uma relação singular espiritual. “Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem”. Deus é o agente supremo por trás de tudo o que ocorre em um casamento. O matrimônio procede de Deus e enquadra-se em sua perfeição quando essa centralização divina é percebida, prezada e perseguida. O casamento é mais do que uma convenção humana; é mais do que um mero contrato social – é um pacto solene de duas pessoas firmado com Deus e firmado um para com o outro, sobre algo que foi criado por Deus, com o testemunho de todos aqueles que presenciam a cerimônia. Jesus, aqui, não se refere mais aos indivíduos que celebram o casamento. Ele diz “o que Deus ajuntou” (não “aqueles”) – a referência é, portanto, ao matrimônio.

Vejam o paralelo! Na relação social: deixar, unir. Aqui, na relação espiritual: ajuntou, não o separe. A palavra “ajuntar” (sunesukein; suzeugnumi) é a mesma utilizada para designar uma canga – aquela peça que prende uma JUNTA de bois para puxar uma carroça! Isso significa que temos, no matrimônio, indivíduos – duas pessoas, mas caminhando juntas, na mesma direção.
É exatamente por que o matrimônio não foi algo gerado pelo homem, que ele não está sujeito a modismos, a modificações segundo os tempos, e muito menos a quebras e dissoluções geradas pelos próprios homens. O divórcio, as separações, não são normas, por mais comum que se apresentem, mas anomalias – que trazem tristeza e dor a muitos.

Mas o que fazer perante a realidade do DIVÓRCIO? O que ensina a Bíblia?
No nosso texto, em Mateus 19, Jesus trata do divórcio levando a concentração dos pensamentos ao matrimônio. Se a instituição do matrimônio fosse bem entendida e seguida, não teríamos de lidar com divórcio, especialmente à luz de textos como Hebreus 13,4: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros”. O divórcio é a dissolução do matrimônio e hoje, em nosso país e no mundo, ele ocorre pelas mais variadas razões e, às vezes, até sem razão, por mera concordância dos cônjuges (“consensual”; nos Estados Unidos isso é chamado de “no fault divorce”).

A Igreja Presbiteriana do Brasil já se pronunciou em diversas ocasiões sobre a questão do divórcio. Um dos pronunciamentos mais extensos é a Resolução do Supremo Concílio em 1986 (SC-86-026 - Doc. XCIX), na qual faz referência às decisões anteriores e às diversas mudanças na legislação brasileira; apresenta o resumo apresentado em Nossa Confissão de Fé (Cap 24); reforça a indissolubilidade do matrimônio encontrada nos ensinamentos de Jesus (Mt 19.7-9; Mc 10.2,12.); e indica que “somente o adultério e a deserção irremediável são causas Bíblicas reconhecidas pela Igreja como justificativas para o divórcio”.

Nossa Confissão de Fé (de Westminster – CFW), que é uma compilação sistemática de ensinos bíblicos, tem todo um capítulo (XXIV – 24) tratando “Do Matrimônio e do Divórcio”. Ela expressa claramente, na seção 6 deste capitulo, o que a Bíblia ensina: “Posto que a corrupção do homem seja tal que o incline a procurar argumentos a fim de indevidamente separar aqueles que Deus uniu em matrimônio, contudo só é causa suficiente para dissolver os laços do matrimônio o adultério ou uma deserção tão obstinada que não possa ser remediada nem pela Igreja nem pelo magistrado civil; para a dissolução do matrimônio é necessário haver um processo público e regular. não se devendo deixar ao arbítrio e discreção das partes o decidirem seu próprio caso”. Além de outros pontos, esse texto demonstra o erro do chamado “divórcio consensual”, alternativa infelizmente encontrada dentro de igrejas contemporâneas.

Mas a Bíblia (e a CFW) também ensina que o divórcio nem sempre é errado. Ele é permitido especificamente naqueles dois casos previstos na Escritura: o adultério e a deserção obstinada.

Dois textos bíblicos são pertinentes a essa compreensão:
·        Mateus 5.32 (e 19.9): “Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério”.
·        1 Coríntios 7.15: “Mas, se o descrente quiser apartar-se, que se aparte; em tais casos, não fica sujeito à servidão nem o irmão, nem a irmã; Deus vos tem chamado à paz”.

Mas é claro que o divórcio não é algo natural. Desde o Antigo Testamento, onde temos casos de divórcio, lemos também que “O SENHOR, Deus de Israel, diz que odeia o repúdio” (Malaquias 2.16). E tanto no nosso texto inicial, em Mateus, como no registro de Marcos 10.9, a máxima de Jesus subsiste: “Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem”.

Conclusão
É verdade que existem muitos desvios desses padrões, sobre matrimônio e divórcio. Desvios que ficam aquém do ideal bíblico em nossa sociedade. Como cristãos somos também realistas. Vemos isso. Admitimos que esses desvios ocorrem ao nosso redor. E é verdade, também, que a nossa fé é uma fé de esperança. Deus nos apanha onde estamos, perdoa pecadores, conserta o nosso caminhar, repara vidas e até recupera relacionamentos e matrimônios quebrados.

No entanto, devemos objetivar os padrões traçados pela Palavra de Deus. Assim, quando estivermos presentes, participando ou testemunhando um casamento nas bases da Palavra de Deus, temos muita razão para prestar a Ele muitas ações de graça. Dar graças porque jovens estão trilhando o caminho traçado por Deus como norma. Orar a ele para que preserve a união deles, em todos esses aspectos que nos foram ensinados por Jesus. Interceder para que Deus conceda a eles muita felicidade, por estarem obedecendo aquilo que agrada a Deus, em suas vidas. Suplicar que sejamos preservados, como Povo de Deus, para que os matrimônios sejam bíblicos e o divórcio não venha a ser uma realidade, na vida dos recém-casados, dos cristãos e da igreja de Cristo.

segunda-feira, maio 04, 2015

"A Casa do Pai e o Caminho até Lá"


A Casa do Pai e o Caminho até Lá - exposição de João 14:1-14 feita na conferência em Orlando de The Gospel Coalition. Em inglês, mas legendada pelo Vinícius Musselman​. 

quarta-feira, abril 01, 2015

Reminiscência... O Fim de Uma Carreira!

O ano era, creio, 1965. Eu era um jovem de 18 anos cheio de ânimo. Havíamos saído de Recife, eu e outros três amigos, para Garanhuns, para um encontro de Jovens Presbiterianos. Um desses amigos era o pregador e eu achei de dar uma de fotógrafo.
Todo empolgado, havia comprado um FLASH para uma máquina da época da segunda guerra mundial que meu pai tinha em casa. Nos meses anteriores eu havia lido na Enciclopédia Prática Jackson a seção de FOTOGRAFIA e estava todo entusiasmado, crente de que era o maior expert nas redondezas sobre o manejo da câmera. Sabia tudo sobre abertura, lentes, foco, sensibilidade de filmes (alguém lembra de "ASA 100"?) e, especialmente, sobre fotografias com flashes. A geringonça adquirida, fruto de MUITAS economias, era um trambolho de bom porte, que ainda tinha um leque de alumínio que abria e ampliava o poder de projeção da lâmpada ENORME, com aqueles mil filamentos internos, envoltos em magnésio, que explodia e causava aquele clarão de arrepiar, invariavelmente queimando fotos, no processo, ou submetendo-as à superexposição!
Pois bem, enquanto o meu amigo pregava, armei o leque, coloquei a lâmpada (com as duas mãos) no soquete, parafusei o flash em cima da máquina, liguei o fio no local devido e me encaminho na ala central da igreja para registrar o histórico momento da pregação! Nenhuma preocupação em disfarçar, pois, seguindo a milenar tradição dos fotógrafos, eles são o centro da atenção, mesmo.
Aponto a máquina, preparo-me para o grande momento, aperto o botão e ... clik – NADA do FLASH!! Impossível! Eu testei antes (lembrando que as lâmpadas, naquele tempo, QUEIMAVAM ao serem acionadas – isso mesmo – eram suficientes para UMA foto, e custavam uma nota!). Perplexo, viro a máquina para ver o que estava acontecendo e a bomba de efeito retardado entra em ação: a lâmpada explode, com grande clarão a uns cinco centímetros da minha face.!
Pausa no sermão, olhares se voltam ao fotógrafo cego, que ziguezagueava no meio da igreja, segurando uma máquina fotográfica com uma lâmpada fumegante, ainda, em direção à porta de entrada. Nesse percurso, que durou um século, até chegar lá fora e sentar na calçada, foi tomada a decisão de abandonar a promissora profissão. O incidente, como de costume, gerou brincadeiras e zombarias dos colegas, especialmente dos que haviam me acompanhado até o evento! Foi o fim de uma possível carreira...
Solano Portela