segunda-feira, novembro 30, 2009

Impressões de Portugal

Neste mês de novembro de 2009 tive a oportunidade de ser um dos palestrantes na 9ª. Conferência FIEL para pastores e líderes em Portugal (foto). O encontro foi no Acampamento Batista em Água de Madeiros, ao norte de Lisboa e no litoral. Participaram cerca de 50 pastores e líderes, alguns com a esposa. Além de mim, falaram Stuart Olyott, pastor batista reformado do País de Gales, e mais dois, os quais enfocaram as 9 marcas de uma igreja saudável defendidas por Mark Dever.

          Embora o número de participantes tenha sido pequeno (tem se mantido nessa faixa com os anos) é na verdade uma das maiores conferências evangélicas em Portugal, para vocês terem uma idéia do tamanho das igrejas evangélicas e particularmente das reformadas naquele país. A bem da verdade, não havia somente pastores reformados – acho até que eram minoria. Havia vários de origem pentecostal. Menos de 1,7% da população de Portugal se considera evangélica. As igrejas são pequenas e esparsas. E naturalmente não faltam igrejas neopentecostais, que já criaram problemas inclusive com o governo em questões de dinheiro.

          As impressões que tive do tempo que passei neste belo país – que não merece algumas das piadas infames que fazemos com seus habitantes – são estas.

1. Tanto Portugal quanto a Espanha rejeitaram a Reforma protestante. Hoje, estão entre os países mais pobres da União Européia. A porcentagem de crentes na Espanha é ainda menor. Países onde a Reforma floresceu se desenvolveram muito mais em todos os sentidos. Apesar disto, Portugal não é um país atrasado, mas com certeza não se parece com seus primos ricos europeus.

2. Muitos pastores brasileiros que estiveram em Portugal, de denominações diferentes, não causaram uma boa impressão nos portugueses. Ao que parece, despertaram a desconfiança e a rejeição. As causas foram várias, pelo que pude perceber, desde mercenarismo até mau caráter. Hoje as igrejas evangélicas em Portugal têm talvez mais brasileiros do que portugueses. A população portuguesa continua largamente intocada pelo Evangelho de Cristo. Um certo dia de manhã, quando estava com a minha esposa tomando um café com pastel de Belém numa mercearia em Lisboa, ouvimos alguns portugueses contando histórias e piadas de pastores pentecostais em Portugal enquanto tomavam uma cerveja. Detonaram todos os pastores em geral!

3. O Catolicismo Romano vem diminuindo a cada ano em Portugal. Há cerca de dez anos, de acordo com o censo oficial, mais de 90% dos portugueses se declaravam católicos. Hoje, estes números estão na faixa de 70%. Mas, os portugueses não estão largando a Igreja Católica e abraçando a fé evangélica. Estão engrossando a fileira de ateus e agnósticos que cresce bastante na Europa, ou simplesmente se tornaram totalmente indiferentes para com religião em geral e o Cristianismo em particular. Esta indiferença vale para todas as religiões. Há somente uma mesquita em Lisboa, pelo que me contaram. Eu a vi e achei enorme. Mas, como o Stuart Olyott me disse, no Reino Unido e na Europa, os filhos dos muçulmanos não são tão radicais como os pais. A grande maioria deles deseja ocidentalizar-se, trabalhar e estudar, tomar sua cervejinha e ver jogo de futebol como os demais britânicos. Sinceramente, espero que ele esteja certo.

4. O trabalho de grupos para-eclesiásticos como a FIEL é muito bem vindo para apoiar as igrejas pequenas e os pastores sem recursos. Todos os anos a FIEL traz centenas de livros que repassa a preços baixos a estes pastores. Agora também disponibiliza recursos em áudio e online. A Conferência FIEL é um oásis para muitos destes pastores, que aguardam o evento o ano inteiro.
Quem sabe um dia um poderoso avivamento espiritual irromperá neste país tão simpático, mas tão fechado para o Evangelho, trazendo muitos portugueses ao conhecimento salvador de Cristo?


          Por fim, ali tive a oportunidade de encontrar vários irmãos portugueses e brasileiros que freqüentam este blog, aos quais mando nossa saudação.

24 comentários:

Anônimo disse...

Pastor,

Gostaria de ver um comentário do senhor sobre a "Oração da Propina", que está sendo largamente veiculada pelos meios de comunicação, envolvendo o mensalão no DF, um deputado que é filho de um pastor etc.

Abraços

(nao precisa publicar)

Cristiano Silva disse...

1. Deus me deu a benção de fazer uma viagem à trabalho, para a Alemanha. Nesta viagem, pude sentir um pouco deste esfriamento e distânciamento que os europeus tem em relação ao Cristianismo de forma geral. Uma pena constatar isso até mesmo na terra de Lutero. Mesmo assim, como foi bom encontrar um irmão em Cristo, servo de Deus, por lá; mesmo vivendo a quilômetros de distância, e termos nos encontrado pela primeira vez, pelo menos fisicamente, parecia que nos conhecíamos há tempos, como velhos amigos! É a experiência de dois irmãos em Cristo que, mesmo vivendo em terras separadas, se identificam um com o outro.

2. Gostaria muito de conhecer Portugal um dia; mais que a Espanha.

3. O sr. já escreveu aqui no blog sobre estes princípios de "9 marcas"?

Abraços.

Anônimo disse...

Caro pastor Augustus, perdoe-em escapar um tanto do tema, mas tem relação com Portugal.
Trata-se de Saramago.
O senhor soube do livro "Caim"?
Em linhas gerais, Caim, no livro, é Saramago para quem o conhece. Um errante desafiador de Deus, indignado com o caráter do criador e desconfiado de que o todo-poderoso não tenha o juízo no lugar.
Em uma linguagem que passa da envolvente prosa descritiva à crítica chula/profana, Saramago faz uma "releitura" do velho testamento, sob os auspícios de Caim.
Bom, é o que pude entender do livro até então. Ainda não conclui a leitura.
Mas, pastor Augustus, se o senhor ou outro moderador do blog puder nos brindar com uma resenha do livro, acredito que será enriquecedor para quem se interessa na defesa e zelo do que nos está revelado nas Escrituras judaico-cristãs.

Feliz cada novo dia...

Leonardo

Ricardo Mamedes disse...

Caro Reverendo,

O que vemos é de fato uma fé baseada na experiência humana (fé?), com o abandono das Escrituras por uma parte dos pentecostais e pela totalidade dos neopentecostais. É o reflexo do pós-modernismo, pontuado pelo liberalismo relativizando tudo: a Verdade deixa de ser verdade, pois não há mais qualquer absoluto.

Portanto, mesmo não justificando o ateísmo e o agnosticismo europeus (que tem base bem mais antiga com o racionalismo, existencialismo, com Sartre, Nitzsche, etc), é possível compreender, em parte, o inconformismo, haja vista que o que se mostra hoje pela midia em geral é essa aberração neopentecostal, esse monte de tolices sem base bíblica, mas com muito apelo financeiro.

Em oposição a tudo isso que foi dito, quero salientar que acabei de ler um artigo seu (antigo), de 11/02/2006, com o título "[Mais de] Cinco Pontos do [Meu] Calvinismo " que respondeu a inúmeros questionamentos meus. Simples, maduro, sóbrio. Em suma, espetacular!

O artigo em referência me edificou sobremaneira. Obrigado por tê-lo Escrito.

NEle.

Ricardo

Anônimo disse...

Reverendo Augustus,

Aparentemente, os europeus, com a ajuda do cristianismo de Estado, fizeram o milagre de não necessitarem de milagres especiais para criar e distribuir riquezas. Eles roubaram, trapacearam, mas conseguiram justiça material e cultural.

Aliás, o Japão e a China têm demonstrado que Deus não precisa ser evocado quando o assunto é riqueza material. Na visão que prevalece nesses países, o homem é matéria, que contém um espírito material, que pode processar a matéria à vontade, gerando riquezas.

Isso parece estar totalmente de acordo com a visão disseminada pela teologia da prosperidade. Um grande empresário da fé chegou a declarar que a capacidade de vender a fé está no homem, e não tem nada a ver com Deus (Edir Macedo).

Quanto à salvação, será que poderíamos identificar espaços geográficos especiais onde se concentram os eleitos de Deus?

Pastor João Duarte disse...

Reverendo Augustus,
Tive o privilégio de ver algumas das mensagens pela internet, e louvo grandemente a Deus pelo ministério da Fiel e pela sua vida influenciando poderosamente também aquele país.
Quanto àqueles que criticavam os pastores numa roda de cerveja, ainda bem que aqui no Brasil eles não teriam motivos para críticas (rsrsrsr).
Deixando a ironia, desejo que homens como o sr. sejam levantados no nosso país e no mundo para um avivamento espiritual! Veja o blog:
http://aiceb-reforma.blogspot.com/

Josaías disse...

Rev. Augustus,

visitei Portugal no ano passado e a sensação que tive foi essa. Visitei também uma igreja batista (de Moscavide) e conheci uma igreja que tinha em sua maioria portugueses. As pessoas eram cheias de vida e acolhedoras, diferente do que encontrei em outros lugares. Fiquei feliz por saber que existem muitos que não se ajoelharam a Baal.

conheci também alguns evangélicos brasileiros, pentecostais, que servem de abrigo para os brasileiros que se mudam para lá.

realmente é um país que precisa de Cristo, e a falta de Deus parece influenciar muito aquela nação. desde essa viagem tenho Portugal em minhas orações.

um abraço!

Josa

Cleverton de Lima disse...

Caro Rev. Dr. Augustus Nicodemus Lopes,
É bom saber que a Igreja fiel do Senhor tem seus remanescentes em Portugal. Infelizmente, os maus obreiros, os aproveitadores, e congêneres estão em todos os lugares. O coração corrupto do homem traz os indícios dessa depravação do evangelho em mercadoria para muitos.
Mas eu creio que Jesus levanta seus servos para levar as Boas Novas. E a Europa esta precisando como um todo. Sejam os países de origem católica ou protestante.
Resta-nos orar e investir na obra do Senhor nesses países.
Graça e paz,

Importante: O anônimo disse que os europeus “conseguiram justiça material e cultural”. Ele realmente não conhece o mínimo de história européia.
No século XIX, as principais nações enriqueceram com a política imperialista, sugando a riqueza de suas colônias. E para falar um pouco mais da tal justiça material e cultural, precisamos pensar como são tratados os filhos das ex-colônias, os argelinos na França.

Sola Gratia,

Cleverton B. De Lima

Jefferson Holanda disse...

Pois é, é triste ver o Cristianismo na Europa, o berço da Reforma e etc...
O que podemos considerar como a principal contribuição para isso, sei que é um assunto complexo, compreender esses motivos e discuti-los é importante.

Anônimo disse...

"Eles roubaram, trapacearam, mas conseguiram justiça material e cultural."

Cleverton,

Você é mais um intérprete das Escrituras que não sabe interpretar um texto simples?

Você não sabe que os melhores IDH's estão na Europa? Não percebe que eu ressaltei que a riqueza deles se baseia, em parte, no roubo das colônias?

Acha que não li:
A História das Riquezas das Nações, de Leo Huberman, além de Marx, Weber e Popper?

Imagino o quanto suas interpretaçõs da Bíblia devem ser pessoais!

Anônimo disse...

Anônimo das 13:19 Humilhando-se:

Cleverton, meu filho

Peguei pesado! Desculpe-me.

É lógico que ambos somos muito estudiosos. Mas, também, suscetíveis de reações emocionais.

Se você reagir sob forte impulso emocional, não revidarei novamente.

Que Deus nos(me) ensine a amar. Amém.

Anônimo disse...

"A História das Riquezas das Nações, de Leo Huberman"

O nome do livro é A História da Riqueza do Homem.

carlos disse...

Caro Rv Nicodemos fico contente que o senhor retornou e trouxe as novas de sua viagem,bem vindo a terra natal.

Jefferson Holanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Sou evangélico, português e leitor deste blog. Acho que a análise do pastor está rezoavelmente bem feita, mas talvez, por eu estar do lado de dentro, tenha uma perspectiva um pouco mais optimista. Os evangélicos portugueses são poucos mas resistentes. O pastor sabe que esteve a menos de 50 km do Santuário de Fátima, uma das maiores apostas do Vaticano aqui na Europa, e assumido por muitos portugueses, incluíndo a maioria do mídia, como um dos símbolos da portugalidade? É contra este tipo de coisas que temos que lutar. Mas o meu comentário não tem como objectivo desculpar-nos mas sim animar os irmãos brasileiros (irónico, não?). É que vejo aqui tantos posts lamentando o evangelicalismo brasileiro, os péssimos caminhos que alguns denominados evangélicos estão tomando, que acho que este é o momento certo de vos dizer que, não esquecendo a denúncia do erro, devem dar muitas graças a Deus porque Ele permitiu que vivessem num tempo em que a Sua Palavra se espalha pelo vosso país. É um previlégio, mesmo com as dores próprias do crescimento, que os evangélicos portugueses gostariam de saborear. De resto, apenas recordar os laços históricos que nos unem. Desde os tempos de Robert Kalley, passando pelos emigrantes convertidos que, de regresso a Portugal, se tornaram pioneiros de inúmeros trabalhos evangélicos, estamos muito próximos nas nossas caminhadas.

Em Cristo,

Pedro

adam faustino disse...

Um amigo meu que fez seu doutorado em La Coruña, na Espanha, disse que em um domingo de manhã ele e mais alguns foram expulsos de um parque por estarem causando constrangimento no lugar.
O que faziam? uma escola dominical que, semanalmente, nós fazemos por aqui.
Quem os expulsaram? Muçulmanos.
É verdade que em La Coruña não tem uma igreja presbiteriana, então la ele congregava na Assembleia de Deus, que por sinal não se assemelha muito com a que vemos aqui, e ele também disse que as igreja são pequenas mesmo.
Isso mostra a relutância e resistência dos europeus, principalmente da Espanha e Portugal, em aceitarem o evangelho.

Norma disse...

Olá, Augustus!

Parabéns pelo post! De fato, só podemos tomar consciência de nossa própria situação em um estudo comparativo. Quando penso na Europa e em países de outros continentes em que o cristianismo não está tão forte, vejo o quanto exageramos mesmo quando tratamos da igreja brasileira. Assim, faço minhas as palavras do nosso irmão português Pedro.

É certo que estamos testemunhando inúmeras barbaridades - teologia da prosperidade, seminários com mais gente liberal que crente de verdade etc. Mas também é certo que o crente que ama a Palavra não fica desamparado aqui. Desenvolvemos um consenso teológico reformado que, bem ou mal, está circulando em muitas igrejas. Em grande medida não cedemos à salvação pelas obras nem à indiferença fria. Isto me alegra!

Que possamos dar mais valor a nossos tesouros!

Grande abraço!

Marlon disse...

Caro rev. augustus, parabéns pelo post e pelas mensagens na conferência. Foram de muita valia e edificação em minha vida pessoal e ministerial. Deus continue te iluminando e usando grandemente nesta tarefa. Abraços. Marlon.

Luiz Correia disse...

O Pr. Augutus mencionou a presença de Stuart Olyott, pastor batista reformado do País de Gales, nas conferências em Portugal. Ele esteve na XXIV Conferência Fiel [Brasil] em 2008. Como pregador do evangelho eu fui muito abençoado com suas mensagens, tanto em termos de conteúdo como em termos de forma [seu estilo é puro e simples] Naquelas conferências uma pregação foi marcante: "Como Andar com Deus" baseado na vida de Enoque [Gn 5]. De lá para cá tenho lido seu livro de homilética [Pregação Pura e Simples] e apesar de ser pregador da Palavra há 17 anos procurei absorver seu estilo tanto na elaboração da mensagem como em sua entrega. Aos que se interessarem em conhecer um pouco mais sobre a obra deste grande pregador visite seu acervo de exposição bíblica em:

http://stuartolyott.servemp3.com/.

São mensagens em aúdio [mp3] para quem conhece inglês. Sua coletânea de pregações é riquíssima em exposições seriadas do VT e NT como uma grande diversidade de mensagens de temas relavantes. Sua coletânea vem desde de 1976. Confesso aos meus colegas de ministério que algumas de suas séries foram a base de algumas exposições bíblicas em meu púlpito, como a série O QUE É UM CRISTÃO? Se desejarem ouvir a mensagem "Como Andar com Deus" vá para:
http://www.blogfiel.com.br/labels/Esbo=C3=A7os.html.

Deus seja louvado pela vida deste grande pregador da Palavra do Senhor!

Pr. Luiz Correia
[Prega a Palavra]

Anônimo disse...

Rev. Ausgutus,

Creio que os recursos da modernidade, como este blog e outros "internéticos", sejam uma bênção para a Igreja em Portugal.

Queira Deus avivar a Sua Igreja, mais uma vez!

Abraços!

Charles.

P.S Estou na Alemanha e comecei a freqüentar uma igreja batista daqui. Há vida evangélica ali! E muitos jovens também dedicados ao Senhor!

Hugo disse...

Particularmente, aconselho a todos os que tenham um chamado para evangelizar na Europa que busquem sua cidadania européia (se tiver direito), e que não se apresentem a sociedade como "clérigos", mas que consigam um trabalho comum e evangelizem através das amizades.

Penso que a Igreja, de modo geral, está passando por mudanças de paradigmas. A missiologia é um exemplo disso. O grande problema com os missionários brasileiros é que vão para o campo missionário com a mentalidade "categoga" (catedral + sinagoga). Pensam que vão a países como Portugal, por exemplo, como clérigos abrir uma capelinha e esperam que os portugueses apareçam para seus cultos. Esta é uma mentalidade ultrapassada, que mantém o Evangelho alienado da vida comum e perpetua a visão da Igreja evangélica como uma religião estrangeira aos olhos de qualquer íbero-europeu.

Como alguém que está envolvido em missões desde 1998, fui pego no meio desta transição. Há anos atrás larguei minha carreira em uma conhecida multinacional para fazer missões. No fringir dos ovos, estou tendo que me re-capacitar e voltar para o mercado de trabalho para fazer tendas. O mesmo ocorreu com um amigo meu que serviu na Turquia por alguns anos entendeu que precisa entrar lá como um profissional, e não como pastor ou turista, se quiser ver o fruto de seu trabalho no país.

O fenômeno descrito pelo Augustus está ocorrendo na Espanha também. Há duas semanas atrás conversei com alguém que acaba de voltar de lá. Veio com um relatório muito animador, à princípio, de como a Igreja está crescendo. Como conheço a realidade deste campo, comecei a inquirir mais até que ele deu a entender que este crescimento está ocorrendo na verdade entre os imigrantes, sobretudo latinoamericanos. Assim como em Portugal, o espanhol não está nas igrejas evangélicas.

Na Itália, em certas partes, as pessoas sequer falam contigo pelo fato de você ser estrangeiro. Quanto mais "pastor" ou "missionário".

Minha opinião pessoal é que a Europa não é lugar de "clérigos". É lugar de fazedores de tendas que possam se integrar na sociedade. Já à princípio, é necessário ter um trabalho como qualquer outro cidadão para poder ser aceito pelos demais. É necessário desaprender esta forma religiosa de evangelizar nas categogas, para aprender a conviver e evangelizar nos "cafés", que é onde a vida social dos íbero-europeus acontece.

zwinglio rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco Mário disse...

Rev. Augustus, esse post faz-nos pensar muito. A palavra do nosso irmão português me fez refletir mais ainda, com sinceridade. O que escolher? A multidão com seus exageros ou a solidão seletiva? Na verdade, apesar de acreditar que existe ainda coisa boa e sincera, será que a história não nos ensina que a Igreja não precisa aprender a conviver com a solidão como a igreja primitiva? Não estou dizendo que é o caso da Europa, mas em um lugar que é mais fácil ser cristão tendo até "oração corrupta gospel" muita falsa conversão pode surgir. Da mesma forma que num lugar que é difícil a aceitação cristã, muita conversão pode surgir genuína.

Outra: Será que isso não é um grito de Deus para que o esforço missionário seja para outras nações que ainda não ouviram falar de Jesus ou que ainda não têm igrejas autóctones. Nessas cidades, "O pó dos pés dos apóstolos já foram sacudidos" (Mt 10.14)

ricardo disse...

meus queridos e caros irmãos em cristo jesus.
sejamos exemplo sem hipocrisia eclesiástica, o importante é que com menos ou muitas pessoas o evangelho de cristo jesus está sendo levado a quem necessita.
seja ele um lider ou não, nossa disputa não pode e não deve ser pelo método aplicado mas pelas almas que vão para o inferno.
eu sou portugues e estou no brasil, e agora vejo apenas as coisas espirituais, sei que meu país necessita muito de cristo mas quem não necessita.
então vamos unir-nos para levar esse evangelho a toda a criatura seja ela europeia ou brasileira ou outra nacionalidade.
um bem haja e que Deus nos ilumine para nossa tarefa, amém.
sou da igreja batista em jardim asteca-vila velha-ES e vim da igreja batista em queluz, inclusive conheço muito bem uma pessoa que está na foto da conferencia e tambem conheço muito bem a igreja batista de moscavide dirigida pelo pastor teo cavaco.