terça-feira, dezembro 29, 2009

O Tempora, O Mores! - ainda em 2010.


          Em 15 de dezembro de 2005 Solano Portela inaugurou o nosso blog com o texto "Qual a visão estética correta?" A idéia do blog veio de Norma Braga, nossa amiga e irmã em Cristo, que nos encorajou a utilizar esta ferramenta, para criar um espaço onde pudéssemos livremente, sem compomisso com datas e prazos, ir postando nossas idéias sobre virtualmente qualquer assunto que nos interessasse.

          Tímido a princípio, o Tempora-Mores, nesses quatro anos, aos poucos foi se tornando mais do que um hobby para Solano, Mauro e eu. Virou praticamente um ministério, embora ainda relutemos a aceitar qualquer compromisso emocional e moral de escrever regularmente. Escrevemos quando nos dá na telha e sobre o que quisermos.

          O blog se tornou um espaço visitado por muitos interessados no que calvinistas teriam a dizer sobre política, aborto, homossexualismo, teologia, natal, sucessos do cinema, best sellers, casos atuais e polêmicos, bem como sobre outras correntes teológicas como liberalismo, neo-ortodoxia, neopentecostalismo e neopuritanismo. O volume de acessos e de referências em outros blogs e sites, foi muito além de qualquer expectativa nossa.

          Algumas das postagens aqui provocaram mais de uma centena de reações e comentários, como "Deus odeia o pecado mas ama o pecador - é isso mesmo?" de Solano, ou o nosso texto com uma "Carta a Bultman". Dá para perceber claramente que os nossos leitores que acabam comentando se dividem entre os que apreciam a teologia calvinista e os que a detestam. Entre estes últimos encontramos os que conseguem aproveitar a oportunidade que damos, para que os leitores comentem, para expressar suas divergências de maneira bem educada e respeitosa. Outros, acham que aqui é um espaço público e que eles têm direito de réplica ou de dizer o que pensam quantas vezes quiserem e da forma como quiserem.

          Na verdade, optamos pela moderação de comentários desde o início. Publicamos os comentários que acharmos por bem. Temos geralmente recusado os chamados "hate-mails", aqueles comentários de pessoas que evidentemente querem apenas discutir e polemizar, que foram escritos de maneira insultuosa e ofensiva, visando nada mais que a polêmica. Geralmente preferimos que as pessoas se identifiquem, mas temos publicado vários comentários anônimos que nos parecem úteis.

         E existem aqueles que querem ganhar espaço aproveitando a popularidade do Tempora-Mores. São pessoas que discordam visceralmente de nós e que ficam nos chamando de covardes por não publicarmos os comentários delas, além de outros insultos não publicáveis. Mas, o raciocínio é o seguinte: se eles acham que estão certos e com a verdade, abram seu próprio blog e exponham suas idéias. Nós é que não vamos dar plataforma e espaço ilimitado para liberais, libertinos, neo-ortodoxos, neopuritanos e coisas afins. No máximo teremos uma troca de comentários e pronto.

        Às vezes alguém coloca um comentário contrário enorme a ponto de dividi-lo em dois ou três. Não temos tempo para ler, pesquisar e responder item por item. Muitos desses publicamos; outros deixamos sem resposta; alguns, sem pertinência, simplesmente rejeitamos. Na realidade, gostaríamos de reciprocar e comentar muito mais do que fazemos, ou até de escrever sobre mais assuntos pertinentes, mas temos muitas outras atividades e não podemos ficar escravizados do blog. Em outras ocasiões, alguém levanta um assunto que eu simplesmente não tenho a menor vontade de discutir. Solano e Mauro são menos temperamentais neste ponto.

        A verdade é que ao final não existe uma regra rígida, fixa e imutável sobre publicação de textos ou comentários. No meu caso, vai muito do momento. Já exclui comentários e me arrependi depois, pois perdi um ótima chance de mostrar, com um exemplo concreto, a falácia do raciocínio de liberais e libertinos.

       A grande maioria dos comentaristas, todavia, é bem humorada, interessada e temos aprendido bastante com eles. Eles nos têm dado dicas, apontado caminhos, sugerido links e com sua discordância, tem nos ajudado a amadurecer as idéias. Obrigado a todos vocês.

       Pretendemos continuar em 2010 a publicar o que quisermos, quando quisermos e ainda abrir o espaço para nossos leitores comentarem. E as regras para publicação serão as mesmas.

       Agradecemos a todos que nos lêem e nos acessam. Um Feliz 2010!

Augustus, pela equipe do Tempora-Mores

sexta-feira, dezembro 25, 2009

Não Sou Totalmente contra o Natal

[Republicação por causa da pertinência. Publicado pela primeira vez em Dezembro de 2006]

          Como todos os cristãos em geral, eu sou contra a secularização do Natal, o comércio que se faz em torno da data, as festas e bebedeiras que ocorrem na época. Todos sabemos que Papai Noel, árvores de Natal, guirlandas, bolinhas brilhantes e coloridas, bengalinhas de açúcar e anjinhos pendurados nas árvores, nada disso faz parte do Natal. São acréscimos culturais e pagãos feitos ao longo dos séculos e certamente não pelos verdadeiros cristãos.
          Por isto, acho que não deveríamos ter nos cultos de Natal qualquer desses símbolos, desde Papai Noel até a árvore. Há quem pense diferente. Ellen White, profetiza mor do Adventismo, ensinava que se deveria ter uma árvore de Natal no culto e que a mesma poderia ser enfeitada durante a celebração. "Deus muito Se alegraria se no Natal cada igreja tivesse uma árvore de Natal sobre a qual pendurar ofertas, grandes e pequenas, para essas casas de culto”. [2] Sou veementemente contra essa idéia.
         Também sou contra fazer de 25 de dezembro uma espécie de dia “santo”. Para nós, há somente um dia “santo”, por assim dizer, que é o dia do Senhor, o domingo. A maioria dos cristãos esclarecidos sabe que a data 25 de dezembro foi escolhida depois do período dos apóstolos, por três razões: para substituir as celebrações pagãs da Saturnália, substituir as celebrações do solstício do inverno, quando era adorado o Sol Invicto e por ser a data de aniversário do imperador Constantino. Todos estão conscientes de que Jesus pode não ter nascido – e provavelmente não nasceu – nessa data. Ela é uma convenção apenas, aceita pela Cristandade desde tempos antigos.
         Por causa dos abusos, dos acréscimos pagãos e do desvirtuamento do sentido, muitos têm se posicionado contra as celebrações natalinas no decorrer dos séculos. Posso entender perfeitamente seus argumentos. Um bom número de seitas, por exemplo, insiste que o Natal é uma festa pagã e que todos os verdadeiros cristãos deveriam afastar-se dela. As Testemunhas de Jeová estão entre as que atacam de maneira mais ferrenha as festividades natalinas. Num artigo intitulado Crenças e Costumes que Desagradam a Deus as Testemunhas de Jeová argumentam: "Jesus não nasceu em 25 de dezembro. Ele nasceu por volta de 1° de outubro, época do ano em que os pastores mantinham seus rebanhos ao ar livre, à noite (Lucas 2:8-12). Jesus nunca ordenou que os cristãos celebrassem seu nascimento. Antes, mandou que comemorassem ou recordassem sua morte (Lucas 22.19,20)".[1] Todavia, considerando a rejeição aberta e agressiva que as TJs mantém contra a Encarnação e a divindade de Jesus Cristo, não se poderia esperar outra atitude deles.

         Mais recentemente, igrejas e pregadores neopentecostais passaram a atacar duramente os cultos natalinos. Os argumentos são similares aos das seitas contra o Natal, só que com mais ênfase no caráter pagão-satânico do bom velhinho. O ataque é resultado da visão dicotomizada de mundo que costuma caracterizar os pentecostais (não a todos, obviamente) e faz parte das críticas que fazem aos programas de Disney, às cartas de baralho, às mensagens satânicas subliminares em músicas de rock, etc., o que enfraquece bastante a força dos seus ataques ao Natal.

         Os abusos e distorções também têm provocado reação contrária de pastores e estudiosos reformados. Os argumentos são basicamente os mesmos empregados pelas seitas e pelos neopentecostais, sem que com isso queiramos comparar ou assemelhar esses grupos: falta de prescrição bíblica, incerteza da data exata do nascimento, origem pagã da festa e introdução de elementos pagãos ao longo do tempo.
          Estou de acordo com as críticas feitas aos abusos e distorções. Todavia, acredito que precisamos jogar fora somente a água suja da banheirinha, e não o bebê. Penso que a realização de um culto a Deus em gratidão pelo nascimento de Jesus Cristo nessa época do ano, como parte do calendário de ocasiões especiais da Cristandade, se encaixa no espírito cristão reformado.
          Além do que, alguns dos argumentos usados para a cessação total da realização de cultos dessa ordem não me parecem persuasivos.
          Por exemplo, o argumento do silêncio da Bíblia, usado quanto às prescrições de comemorar o nascimento de Jesus, para mim não é definitivo. A Bíblia silencia quanto a muita coisa que é praticada nos cultos das seitas, dos neopentecostais e mesmo dos reformados. Se formos interpretar e aplicar o chamado "princípio regulador" de modo estrito, teremos de abolir não somente os cultos natalinos, mas práticas como batizar membros durante o culto (não há um único caso de alguém que foi batizado durante um culto no Novo Testamento), só para dar um exemplo. Eu sei que a celebração dos anjos e pastores na noite do nascimento de Jesus, bem como a atitude dos magos posteriormente, não são argumentos suficientes para estabelecermos cultos natalinos, mas pelo menos mostra que não é errado nos alegrarmos com o nascimento do Salvador.

         Os argumentos de que os Reformadores, puritanos e presbiterianos antigos eram contra o Natal também não é final. A começar pela falibilidade das opiniões deles, especialmente em áreas onde as Escrituras não tinham muita coisa a dizer. Há muita manipulação das opiniões desses antigos heróis da fé pelos seus seguidores hoje (entre os quais me incluo, mas não na categoria de seguidor cego). Quando eles concordam, são citados. Quando discordam, são esquecidos. Aliás, não tenho certeza que Calvino era contra cultos em ocasiões especiais do calendário cristão. Ao que parece, ele era favorável. Estou aguardando um post de Solano exclusivamente sobre esse ponto.

         A questão toda, ao final, é quanto ao calendário litúrgico, isto é, a validade ou não das igrejas reformadas realizarem cultos temáticos alusivos às datas tradicionais da Cristandade, como o nascimento de Jesus, sua paixão, morte e ressurreição, Pentecostes, etc. Nenhum Reformado realmente coloca 25 de dezembro como um dia santo, em mesmo pé de igualdade com o domingo. Trata-se de uma data do calendário litúrgico cristão, que pode ou não ser usado como uma ocasião propícia. As grandes confissões reformadas consentem com o uso dessas datas. A Confissão de Fé de Westminster diz que "... são partes do ordinário culto de Deus, além dos juramentos religiosos; votos, jejuns solenes e ações de graças em ocasiões especiais, tudo o que, em seus vários tempos e ocasiões próprias, deve ser usado de um modo santo e religioso." [3] A Segunda Confissão Helvética de 1566, produzida sob supervisão de Bullinger, discípulo de Calvino, declara (XXIV): "Ademais, se na liberdade cristã, as igrejas celebram de modo religioso a lembrança do nascimento do Senhor, a circuncisão, a paixão, a ressurreição e Sua ascensão ao céu, bem como o envio do Espírito Santo sobre os discípulos, damos-lhes plena aprovação". A velha Igreja Reformada Holandesa, no famoso Sínodo de Dort (1618-1619), adotou uma ordem para a igreja que incluía a observância de vários dias do calendário cristão, inclusive o nascimento de Jesus (art. 67). Isso mostra que, no mínimo, muitos Reformados eram favoráveis à celebração de datas especiais do calendário litúrgico cristão.
         Por fim, creio, também, que a celebração do Natal no calendário cristão encaixa-se perfeitamente com a celebração dos grandes eventos da redenção pela oportunidade de esclarecer a doutrina da Encarnação (João 1.1-4,14). Afinal, o que deve ser celebrado não é simplesmente o nascimento de Jesus, mas a encarnação do Verbo de Deus, a vinda do Emanuel para a libertação do seu povo. Pode-se argumentar que esta doutrina (e outras quaisquer), podem ser ensinadas e celebradas regularmente pelo povo Deus, em qualquer domingo. Mas o argumento contrário também poderia ser usado: deveríamos parar de celebrar qualquer culto que não seja no domingo?
         Agradeço a colaboração dos colegas blogueiros Mauro e Solano, bem como de outros colegas, no material desse post.
NOTAS

[1] http://www.watchtower.org/t/rq/article_11.htm

[2] Review and Herald, 11 de dezembro de 1879. Citado em http://www.cacp.org.br/Natal_e_os_adventistas.htm

[3] Confissão de Fé de Westminster, XXI, 5.

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Saúde!

           O Natal chegou e já me trouxe um problema. Após repassar a lista dos amigos e dos presentes de Natal que pretendo dar a cada um, sobraram quatro conhecidos e uma garrafa de vinho do Porto que eu trouxe de Portugal. Preciso escolher a quem deles vou dar a garrafa e é aqui que o problema começa, pois só poderei dar a garrafa a quem gosta de vinho, celebra o Natal e o faz pelo motivo certo, isto é, a encarnação do Filho de Deus, sua concepção virginal e nascimento – que é o verdadeiro sentido do Natal e a razão da celebração.

          O problema é que um deles é liberal. Celebra o Natal como festa cultural, toma vinho, mas, como seu mestre Rudolf Bultmann, não acredita no milagre da concepção virginal de Jesus Cristo no ventre de Maria. Para Bultmann, o nascimento virginal de Jesus faz parte daquela estrutura mitológica da qual o Evangelho vem revestido, e que foi uma estória inventada pelos cristãos helenistas com base em estórias similares de reis e heróis que eram filhos das divindades com virgens (Die Geschichte der Synoptischen Tradition, 1970, p. 291-292). Este meu conhecido é fã do grande liberal americano, Harry Emerson Fosdick, por sua vez discípulo de Bultmann, que num sermão pregado na Primeira Igreja Presbiteriana de Nova York, 1922, afirmou que existe muita gente cristã honesta que “acha que o nascimento virginal não deve ser aceito como fato histórico, mas como uma das maneiras familiares pelas quais o mundo antigo expressava a superioridade incomum de algumas pessoas”. Ou seja, Jesus Cristo realmente não nasceu de uma virgem e seu nascimento foi igual ao dos demais seres humanos. Não vou dar uma garrafa de vinho, especialmente do Porto, a quem realmente não tem o que celebrar no Natal, a não ser o nascimento de um homem como outro qualquer.

          O outro conhecido, por sua vez, é pentecostal. Ele crê na concepção miraculosa de Jesus Cristo pelo poder do Espírito Santo, celebra o Natal, mas não toma vinho. Para ele, a Bíblia ensina a total abstinência e considera pecado até um crente beber uma taça de vinho em família. Para mim, o que a Bíblia proíbe é a embriaguês e o escândalo, mas respeito a posição dele. Se eu lhe der a garrafa, vai se sentir provocado.

          A coisa se complica ainda mais com o outro conhecido, que é neopuritano. Crê no milagre da concepção de Cristo no ventre de Maria, toma vinho, mas não celebra o Natal. Ele considera o Natal como uma festa apócrifa, de origem pagã e antibíblica; o dia 25 de dezembro era a data da antiga festa pagã da Saturnália e foi transformada pelo Imperador Constantino no Natal. Seria, então, um desperdício dar a ele essa excelente garrafa de vinho do Porto.

          Restou o neo-ortodoxo. No caso, este conhecido é da linha de Karl Barth. Ele diz que acredita na concepção miraculosa de Cristo, como o famoso teólogo suíço, e portanto tem motivos para celebrar o Natal. Todavia, eu confesso que nunca entendi direito o que Barth quis dizer ao afirmar acreditar no nascimento virginal. Para ele, este nascimento virginal indica o caráter sobrenatural de Jesus, é um sinal do julgamento de Deus sobre a raça humana, pois a mesma não pode produzir seu próprio Redentor e também um sinal de que Jesus Cristo é um novo começo (Church Dogmatics, I, 2, 196, 181, 177, 188, 191). Mas, ele desconsidera um conseqüência importante do nascimento virginal, que é a impecabilidade de Cristo. Barth afirmava que Cristo assumiu uma natureza pecaminosa, decaída, corruptível, e que portanto, não era perfeito e sem pecado (Church Dogmatics, I, 2, 154). Por causa disto, e porque li em algum lugar que Barth jamais bebericou vinho em sua vida pois preferia cerveja (veja os comentários a este post), é que também não posso dar o Porto ao conhecido que é bartiano.

          Só me resta tomar o vinho com minha esposa e brindar aos amigos que lêem nosso blog.

          Saúde!

[PS: Eu de fato trouxe de Portugal uma garrafa de vinho do Porto, mas a situação descrita acima é fictícia]

segunda-feira, dezembro 07, 2009

Os Motoboys e Eu

Como a grande maioria dos motoristas de São Paulo, sempre detestei os motoboys. Até voltar a pilotar um moto nos dois últimos anos.

          Tive minha primeira moto aos dezoito anos, uma Honda 450 importada, muito antes das CBs 400 e 450 nacionais chegarem ao mercado. Tive várias outras, até minha esposa ficar grávida de nossa primeira filha. Vinte anos depois, já morando em São Paulo, comprei uma Honda Shadow 750 e logo depois troquei por uma Harley Davidson Dyna de 1.600 cilindradas.

          Minha intenção era rodar somente aos fins de semana. Afinal, quem era louco de pilotar uma Harley todo dia para ir ao trabalho (moro a 25 kms do local de trabalho). Mas, após ter sido assaltado duas vezes no táxi, a caminho de casa, resolvi que andar de moto era mais seguro em São Paulo, especialmente se vestisse uma camisa do Corinthians, hehehe!
          Foi quando tive que encarar os motoboys. Há cerca de 250 mil deles em São Paulo, a quase totalidade usando motos de 125 a 250 cilindradas, pequenas, ágeis, econômicas embora não velozes. As 125 mal chegam a 110 km/h. As 250 podem chegar a 130 km/h. Mas, no trânsito de São Paulo, por causa dos longos e constantes congestionamentos, não existe nada mais rápido do que os motoboys. São mais rápidos inclusive que os carros de polícia e ambulâncias e chegam a ficar irritados quando têm que ficar presos atrás deles no trânsito.
          A maioria dos motoboys é composta de jovens entre 18 e 25 anos (alguns não têm nem carta de motorista) que nunca tiveram um carro e não sabem como um motorista pensa. A maioria trabalha por entrega. Isto quer dizer que quanto mais rápido fizerem uma entrega, mais ganharão.
Há várias categorias de motoboys. Há os que trabalham para firmas de entrega, com carteira assinada e vários benefícios, e que costumam se comportar relativamente bem no trânsito por não serem tão pressionados na entrega das encomendas. Depois, há os “cachorros loucos”, aqueles que trabalham por pacote entregue e que não têm este apelido à toa... e tem os entregadores de pizza, que costumam estar entre os mais loucos.
          Motoboys andam entre os carros a 80 a 100 km/h nas marginais, quando o trânsito trava e os carros formam uma longa avenida entre as duas primeiras filas do lado esquerdo. O terror dos motoboys são carros que resolvem mudar de faixa sem avisar, ou que avisam em cima da hora, ou que simplesmente apertam a faixa deles, ocupando a meia pista onde eles transitam. As reações são diversas, mas incluem buzinadas, aceleradas, xingamentos, chutes no espelho e em casos mais graves, capacetadas no capô ou no pára-brisa dos carros infratores. Há ainda os que descem da moto para brigar. E neste caso, geralmente nunca vão sozinhos – os demais motoboys param as motos, fecham o trânsito e cercam o carro azarado e a coisa pode ficar feia.
          Os motoboys, como se vê, são muito solidários entre si. Quando um deles se envolve num acidente e vai ao chão – segundo as estatísticas, morrem entre 2 a 3 motoboys por dia e dezenas de outros dão entrada no pronto-socorro – os demais fecham a faixa de rolamento, chamam o resgate e a ambulância. Mas, são hostis a motociclistas, aqueles que pilotam motos acima de 500 cilindradas, os "tiozões" de meia idade que ficam passeando em motos estradeiras enormes na faixa de rolamento entre os carros, fechando o trânsito e andando devagar. Também são rivais dos carros em geral, especialmente os táxis, com quem mantém hostilidade constante.
          A relação entre os motoboys e os caminhões também não é nada boa. Os caminhões costumam atropelar e passar por cima de motoboys nas marginais, em parte por causa da imprudência dos meninos.
Foi nesta guerra que me vi envolvido há cerca de alguns meses, quando decidi usar a Harley todo dia para ir ao trabalho. As vantagens eram muitas, a principal sendo o tempo: de táxi eu levava uma hora para chegar no trabalho. De moto, trinta minutos, se eu andasse junto com os motoboys, na faixa entre os carros e no ritmo deles. Foi o que resolvi fazer, preferindo isto a ser assaltado uma terceira vez.
          A Dyna é a moto ideal para isto. Curta e estreita, apesar de ter o maior motor original fabricado pela Harley, a Dyna é muito ágil, potente, freia bem além de ser uma Harley – a marca, o ronco, o visual sempre chamam a atenção em qualquer lugar. Desisti de manter a minha limpa e brilhando. Ela vive suja e só toma banho a cada duas semanas.
Minha tática de sobrevivência se resume a algumas poucas regras que adotei (e que nem sempre consigo cumprir):

Respeitar os motoboys – apesar da Harley ser dezenas de vezes mais potente, no trânsito eu não tenho como competir e ganhar deles. Portanto, procuro dar passagem e não acuar o motoboy quando está na minha frente e eu poderia facilmente passar por cima dele.

Achar um batedor – de preferência um motoboy numa 250 que seja cachorro louco, que vá na minha frente, abrindo caminho, buzinando e xingando. Quando me vejo sozinho no corredor, diminuo a velocidade e espero ser alcançado por um destes, a quem dou passagem e em seguida, colo feito carrapato na traseira e só largo quando chego ao destino.

Não aceitar provocação – muitos motoboys que acabam encostando na minha traseira na fila pensam que sou um daqueles tiozões, que colocam duas malas de lado na moto e fecham o corredor a 40 por hora. E aí tentam desesperadamente me passar, chegando a cometer imprudências perigosas. Já fui praticamente atropelado por uma 125 que simplesmente se jogou na minha frente. Quando reclamei, logo vi que fiz besteira, pois uns dez motoboys me cercaram olhando para ver qual seria minha reação. Fiquei quieto e deixei barato. Pensei na mulher e nos quatro filhos. Aprendi minha lição e hoje aceito as fechadas, prensadas, sem reagir. Para extravasar, uma vez perdida, naqueles raros momentos em que a pista abre em nossa frente, enrolo o cabo da Dyna e deixo os meninos comendo fumaça, inclusive o meu batedor...

Fazer a distinção entre eles – como em toda profissão, tem aqueles que são irresponsáveis e mal educados. Mas, grande parte, senão a maioria, é de jovens que estão tentando ganhar a vida honestamente. De manhã quando saio para o trabalho, percebo dezenas deles levando a esposa na garupa, para o trabalho ou escola, geralmente com o capacete rosinha. Muitos são atenciosos e solícitos, dispostos a ajudar e dizer como chegar num endereço. Depois que coloquei um GPS na Dyna não precisei mais pedir informações, mas antes disso, fui muito ajudado por motoboys.

Andar no meio da fila – não no início e não no fim, mas é no meio que me sinto mais seguro. Dificilmente um carro vai mudar de faixa quando tem um comboio de motos passando a toda velocidade ao seu lado. Procuro ir bem no meio deste comboio. Tem dado certo até agora.
Passei a apreciar os motoboys. Muita coisa que se diz deles é exagero, como que eles gostam de chutar espelhos por nada. Neste tempo andando com eles não me lembro de ter visto um caso destes (mas, minha esposa está me dizendo que ela já viu). Eu mesmo já bati em vários espelhos ao passar entre os carros, mas sempre toques pequenos, que não chegaram a quebrar ou desencaixar os espelhos, no máximo desregulá-los. Gostaria de, cada vez, parar e pedir desculpas, mas ai seria atropelado pelos "cachorros loucos", hehehehe! Outra lenda sobre eles é que todos são maus motoristas e quebram as regras. Também não é verdade. Há muitos que fazem isto – da mesma forma que motoristas de carros, mas grande parte respeita as leis.

          Ainda tenho medo quando passo a 90 por hora na marginal com os motoboys, entre os carros parados ou andando devagar. Diariamente peço ao Senhor que me guarde, que me livre de acidentes e que me dê tranqüilidade para não aceitar provocações. E especialmente que me livre da tentação de acelerar, pois nas veias até mesmo do mais disciplinado motociclista corre um pouquinho de sangue de "cachorro louco"...

[Veja esta entrevista engraçada no Jô Soares com o Jackson Five, poeta dos motoboys]