terça-feira, maio 14, 2019

Solano Portela

Paulo Freire – Uma avaliação relâmpago


É sempre surpreendente, para mim, ver que a maioria das referências feitas ao professor Paulo Freire (1921-1997) são benevolentes e eivadas de admiração. Ele é, via de regra, apresentado como um educador de vanguarda e os termos elogiosos procuram descrever a sua contribuição à filosofia educacional não somente no Brasil, mas em escala mundial. Na realidade, essa abordagem deveria ser esperada, considerando a massiva exposição de sua pessoa; a ampla aceitação acrítica e promoção de sua metodologia (apesar de ser pouco analisada em detalhes[1]); e a divulgação decorrente de sua figura mitológica nos círculos intelectuais e acadêmicos. Realmente, é de se esperar a ocorrência de tal popularidade procedente de uma academia formada e que subsiste submersa no marxismo cultural. O marxismo também embalou e embasou os escritos e discursos do Freire.
O seu livro inicial foi Educação como prática da liberdade (1967).[2] Após esse livro, ele foi pródigo no desenvolvimento de várias “pedagogias”. Na sequência Freire escreveu Pedagogia do oprimido (escrito em 1968, publicado em 1970), enquanto esteve no Chile e que está traduzido para mais de 40 idiomas;[3] Pedagogia da esperança (1992);[4] Pedagogia da autonomia (1997)[5] e as compilações de artigos e palestras publicadas após sua morte, por sua filha, chamadas de Pedagogia da Indignação (2000)[6] e Pedagogia da Tolerância (2005).[7] Freire é também conhecido como autor do “Método Paulo Freire” de alfabetização de adultos. Este consiste na utilização de vocábulos conhecidos do grupo a ser alfabetizado, como ponto de partida, para, a seguir, subdividi-los em partículas menores que serviriam de base à alfabetização.[8]
            Na Pedagogia do Oprimido, Freire faz quase um registro autobiográfico, relacionando o que chama de anseios democráticos, o desenvolvimento de uma mente democrática, mas que reflete, na realidade, uma visão de uma sociedade oprimida tanto pelas forças econômicas, como pelo exercício da autoridade das chamadas “esferas dominantes”. Ele traça paralelos com a sua transição de criança a adolescente, extrapolando consequências de um relacionamento com os pais, baseado no castigo, para a esfera da sociedade. Nesse trabalho de Freire temos mais um libelo social contra as “esferas dominantes”, do que uma fórmula pedagógica que dê relevância ao processo educacional. Freire não está errado ao apontar injustiças ou abusos de autoridade, que levam à opressão. No entanto, as respostas, presas a uma visão anacrônica de estruturas político-econômicas marxistas, que faliram no leste europeu e em outras experiências sociais do mundo, têm como base uma cosmovisão equivocada, na qual o fator pecado não existe. Existem injustiças, existem violências, mas, em sua compreensão, as pessoas são basicamente boas. A boa percepção, por falta de um alicerce filosófico veraz, leva a anseios e constatações, mas não a respostas eficazes.
            Na Pedagogia da Esperança, Freire retoma o tema, fazendo extensa referência à sua obra anterior, e aponta que no meio de disfunções sociais é necessária a existência da esperança. O papel da educação seria fornecer essa esperança, indicando as possibilidades da história. Os educadores “progressistas” enfrentarão as barreiras, oligarquias e “situações limites” para imprimir essa esperança de um mundo melhor. Apesar de palavras de esperança, a pedagogia contemporânea acaba removendo a esperança, pois essa nunca cruza a linha da incerteza e anseio, para a da expectativa de uma certeza de redenção. Baseando a esperança numa confiança irrestrita na humanidade, desconhecendo que as disfunções são mais profundas e só podem ser lidadas e trabalhadas em um contexto no qual Deus seja reconhecido e se faça presente (como o fez, na pessoa de Jesus Cristo), a pedagogia contemporânea falha em dar as respostas que procura. Esperança redentiva é fé; “é a certeza das coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem”.[9] É mais do que meros sonhos de alívio das necessidades materiais presentes.
            Na Pedagogia da Autonomia, Freire dá continuidade às suas análises, desta feita procurando dar lições pontuais aos professores, para que aprimorem a sua prática de ensino dentro do relacionamento professor-aluno-escola. Muitos desses conselhos são de grande valia. Outros apontam, ainda, uma dependência muito grande em conceitos correntes totalmente humanistas, nos quais a dimensão do divino está conspicuamente ausente. Trabalhando apenas na parte inferior da realidade, esquecendo-se do transcendente, suas conclusões são consequentemente imprecisas e imperfeitas. Francis Schaeffer aponta o perigo:
... em todos os casos em que o “inferior” se tornou autônomo, não importa que nome tenha se dado a isso, não demorou muito para que o “inferior” engolisse o “superior”. Não apenas Deus desapareceu, mas também a liberdade e o próprio homem também sumiram.[10]
            Ainda assim, nesse livro, vemos até um Freire mais maduro, talvez sem tanta convicção de suas lealdades político-sociais do passado. No entanto, ele ainda insiste em indicar que o caminho para o sucesso na educação é a libertação da heteronomia. Essa rejeição teórica da lei (vamos ver, na frente que ela é mais teórica do que prática) confunde ainda mais a já abalada mente de nossos professores. Em Pedagogia da Autonomia, Freire diz:
Se trabalho com crianças, devo estar atento à difícil passagem ou caminhada da heteronomia para a autonomia, atento à responsabilidade de minha presença que tanto pode ser auxiliadora, como pode virar perturbadora da busca inquieta dos educandos... primordialmente a minha postura tem de ser a de respeito à pessoa que queira mudar ou que recuse mudar.[11]
Freire não tem alternativa a não ser apegar-se a um antropocentrismo radical e isso está explícito nessa obra:
... jamais abandonei a minha preocupação primeira, que sempre me acompanhou, desde os começos de minha experiência educativa: a preocupação com a natureza humana a que devo a minha lealdade sempre proclamada. Antes mesmo de ler Marx já fazia minhas as suas palavras; já fundava a minha radicalidade na defesa dos legítimos interesses humanos... Prefiro ser criticado como idealista e sonhador inveterado por continuar, sem relutar, a apostar no ser humano.[12]
            A Pedagogia da Autonomia é uma catarse pessoal, onde Freire reflete a sua cosmovisão e, baseado nela, oferece diversos conselhos práticos aos professores. Muitos têm se escudado em Freire, até como modelo pedagógico às escolas cristãs. No entanto, ele está longe de ter um plano mestre, coerente, de diretrizes que sirvam à educação cristã. Após a leitura de suas obras continuamos carentes de uma relevância maior ao processo educativo – que transcenda a míope visão cadente do homem-deus e que não se perca em lamúrias sociológicas, sem ofertar respostas reais aos problemas constatados.
No entanto, deve-se reconhecer que, ao mesmo tempo em que defende autonomia, Freire não chega a descolar por completo da necessidade de responsabilidade e de limites na prática educacional (pontos relevantes igualmente compartilhados pela educação escolar cristã). Diz ele:
O professor que se exime do cumprimento de seu dever, de propor limites à liberdade do aluno, que se furta ao dever de ensinar, de estar respeitosamente presente à experiência formadora do educando, transgride os princípios fundamentalmente éticos de nossa existência.[13]
Isso equivale a um reconhecimento dos valores cristãos, ainda que incoerentemente com o restante do seu pensamento. Em diferentes ocasiões ele se apega a princípios tais como ética: a existência de certo e errado; limites e leis; o dever de ensinar, como missão, com responsabilidade e sacrifício. Freire está prestando homenagem, sem perceber, a princípios absolutos preciosos ao cristianismo.
            No mesmo tom, mais à frente neste mesmo livro, ele se posiciona contra a “liberdade sem limites”;[14] indica a “impossibilidade da neutralidade em educação”,[15] e que o professor tem que se aperceber que, “por não ser neutra, minha prática exige de mim uma definição”.[16] Continua, ainda: “Neutra, ‘indiferente’... a educação jamais foi, é, ou será”.[17] Até o destaque dos conteúdos – palavra que contemporaneamente equivale a uma depreciação da escola que os valoriza, é encontrada na obra de Freire, quando ele escreve que o professor deve “ensinar certo e bem os conteúdos[18] de sua disciplina.
            Estes últimos pontos de convergência não são suficientes, entretanto, para obscurecer as divergências do pensamento de Paulo Freire com o a filosofia cristã de educação, ou com a própria visão da sociedade que a comunidade cristã extrai das Escrituras, como conjunto de valores e práticas que mais se aproxima da realidade e dos caminhos a serem trilhados por cidadãos responsáveis perante Deus e os homens.
            Creio que Paulo Freire continuará a ser exaltado pelo mundo acadêmico, que se delicia tanto por ideias pseudo-complexas, como por truísmos intelectualizados, ambos tão ao gosto de uma suposta elite interpretativa, que gravita acima dos meros e simples mortais. Nessas categorias encontramos muito do que Paulo Freire escreveu, como por exemplo, “Na verdade, seria incompreensível se a consciência de minha presença no mundo não significasse já a impossibilidade de minha ausência na construção da própria presença”.[19] Pensamento esse, que foi muito bem traduzido e expresso pelo palhaço Tiririca, quando disse: “Muitas vezes tentei fugir de mim, mas aonde eu ia, eu tava”.

© Solano Portela, 2019


[1] É relevante que até o famoso “Método Paulo Freire” de alfabetização de adultos, segundo reportagem da Rádio Câmara, com o Prof. Afonso Celso Scocuglia, um de seus admiradores, foi desenvolvido e os seus postulados estabelecidos, após uma experiência em uma sala de aula com apenas 5 alunos, dos quais 2 desistiram e apenas 3 foram alfabetizados. Texto disponível no site:
[2] FREIRE, Paulo. Educação como prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. 160 pgs.
[3] FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 184 pgs. Este livro já vai na 38ª edição.
[4] FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. 245 pgs.
[5] FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996, 2000 – 16ª Ed. 165 pgs. Este livro já vai na 37ª edição.
[6] FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação – compilação de Ana Maria Araújo Freire. São Paulo: UNESP, 2000. 134 pgs.
[7] FREIRE, Paulo, Pedagogia da Tolerância – compilação de Ana Maria Araújo Freire. São Paulo: UNESP, 2005. 329 pgs.
[8] Esse método teve aplicação limitada, pelo próprio autor, em Pernambuco, antes de seu exílio no Chile. Vide nota 1, acima.
[9] Hebreus 11.1
[10] SCHAEFFER, Francis. A Morte da Razão: a desintegração da vida e da cultura moderna. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana (Editora Cultura Cristã), 2002, 95.
[11] FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996, 2000 – 16ª Ed., 78 e 79.
[12] FREIRE, Paulo. Ibid., 145 e 136.
[13] FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996, 2000 – 16ª Ed. P. 66.
[14] FREIRE, Paulo. Ibid., 118.
[15] FREIRE, Paulo. Ibid., 126.
[16] FREIRE, Paulo. Ibid, 115.
[17] FREIRE, Paulo. Ibid, 111.
[18] FREIRE, Paulo. Ibid, 116.
[19] FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2008, p. 19.

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

8 comentários

comentários
14/5/19 21:02 delete

Só lembrei dos discursos da Dilma,kkkkkkkkkkkk: "Paulo Freire escreveu, como por exemplo, “Na verdade, seria incompreensível se a consciência de minha presença no mundo não significasse já a impossibilidade de minha ausência na construção da própria presença”.[19] Pensamento esse, que foi muito bem traduzido e expresso pelo palhaço Tiririca, quando disse: “Muitas vezes tentei fugir de mim, mas aonde eu ia, eu tava”."

Responder
avatar
Paulo Junior
AUTOR
14/5/19 23:58 delete

Mais uma vez vemos que a ideia da autonomia/liberdade total do educando (assim como propõe também o construtivismo), inclusive com relação a questões éticas e morais, não se sustenta na prática.

Responder
avatar
Miroir
AUTOR
16/5/19 07:55 delete

Vaidade de vaidades, tudo é vaidade. Ninguém escapa. Escrever, sentir, achar, saber, pensar, ter, ser: vaidade, a sempre presente vaidade, junto ao sempre valorizado orgulho. Somos o castigo do Diabo. Orgulham-se o santo e ímpio, o pobre e o rico, o alto e o baixo, o feio e o belo, o sábio e o tolo, o que sabe e o que não sabe, o sadio e o enfermo,o erudito e o analfabeto, o que morre e o que esquece que morre. Ninguém escapa. Vamos nos orgulhar? (parece inevitável. Talvez, diferença de grau?) Sem a piedade Divina, quem...?

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
17/5/19 16:40 delete

DE FATO HÁ MUITO O QUE SE APROVEITAR NAS OBRAS DE FREIRE, NÃO ATOA ELE DESENVOLVEU UM MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO EM 40 DIAS.

PORÉM, "SUAS PEDAGOGIAS" ESTÃO ENTRANHADAS DO PENSAMENTOS MARXISTA, OBVIAMENTE VOLTADOS PARA A PARTE DA EDUCAÇÃO. É VISÍVEL NUMA RÁPIDA LEITURA DE PEDAGOGIA DO OPRIMIDO, OU PEDAGOGIA DA AUTONOMIA, QUE ELE SUSTENTA ATÉ O FIM UMA PEDAGOGIA QUE BEBE SEM MEDO ALGUM DO MARXISMO.

UMA PENA QUE SÓ AGORA O DEBATE SOBRE SUAS OBRAS E LEGADO VEIO A TONA. ME PARECE QUE QUALQUER COISA QUE SE DIGA HOJE A RESPEITO DELE, SERÁ DESCARTADO E PASSÍVEL DE CRÍTICA PELO SIMPLES CONTEXTO POLÍTICO QUE ESTAMOS VIVENDO.

OU SEJA: A HISTÓRIA VOLTA A SE REPETIR, COMO EM TEMPOS DOS TEÓLOGOS, E "GRANDES" HOMENS DA HISTÓRIA.

Responder
avatar
21/6/19 23:34 delete

Bom, fala-se de uma educação cristã, mas a verdade, bem a realidade mesmo, é que as escolas cristãs são caras demais, reservadas somente àquelas crianças de pais cristãos ricos e que frequentemente, só podem pisar numa escola frequentemente fundada por alguma família alemã que adota o sistema COC de ensino. o que acaba fazendo com que esta educação cristã, não lhes dê contato com o ser humano, comum, normal, natural.
Mas este não é o caso, não tem importância, mas sim, o que me causou impressão, é o início da exposição da avaliação relâmpago, é o fato de que o paulo freire não aborda o problema da falta da educação escolar no país, sob o viés do pecado. Pode ser que ele desconhecia esse tema, pode ser que não tenha quisto abordar nele a "desgraça" de ser um ser humano e que o fato de que não estar existencialmente autoflagelado pelo assunto, torna o método e a tentativa dele ter uma obra, o que me faz pensar, que contrabalanceando a símplice dele em alfabetizar adultos que não puderam aprender quando crianças, das crianças cristãs que tem pais que podem lhe pagar para ter uma educação separada da maioria das outras crianças do país, fosse eu cristo, ou pelo menos, como salomão, em dizer, qual obra mais relevante para a humanidade, ou que mais diferença fez, usaria como regra de balança, o que o cristo quis dizer sobre aquela vez, que no templo, olhando os que davam oferta,haviam os que davam rios de dinheiro e uma mulherzinha pobre, que só deu uma moeda, eu acho, que mais significativo, foi somente a única moedinha.
Quando vejo jocosidade intelectual, somente por fatores externos, vejo o que Jesus quis dizer com sal da terra.
Não à tôa, o que mais cresce é o movimento desigrejados.

Responder
avatar
Mary
AUTOR
11/7/19 18:59 delete

Hoje aqui, ali e porem, quando descarta o além? Pode estar preso ao passado mas tbem ao presente de quem será quem? Não sei não sei só sei q não sei, pq a presença da sombra me acompanha sempre grudada e agora entendo q ela está sempre em mim. Amém! É assim q entendo Paulo Freire desculpa!

Responder
avatar
Jaime Alves.
AUTOR
14/8/19 20:51 delete

A sede do saber.

A educação deve por essência, assim como também por excelência, ser didaticamente cognitiva, e nesta obviedade se limitar a expandir exponencialmente o entendimento evolutivo que reverbera-se edificando a nossa sociedade.

Análoga a transparente e salutar água, deve também cumprir o primordial papel de simplesmente saciar a sede do saber, já que ao se mesclar qualquer substância, esta mesma água deixa de ser tão salutar e com isto anula a pureza que lhe é peculiar.

Precisamos urgentemente filtrar a nossa educação retirar dela toda impureza que vem entorpecendo a consciência coletiva, para que se possa saciar a sede do saber, e ao se saciando, possamos preconizar aquilo que verdadeiramente constrói uma hegemônica ilibada e solida sociedade.

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
9/11/19 17:45 delete

Aprendi muito com Freire, muito embora tivesse minhas dúvidas e análises, bom que hoje a gente pode falar, discursar e não oprimir, como nos dias em que tive que elaborar seminários e provas,sobre Freire, Freud... sem autonomia de contestação. Deus seja louvado em todo tempo. Parabéns rev.

Responder
avatar