terça-feira, junho 03, 2014

Augustus Nicodemus Lopes

Perseguidos por causa de Cristo?

Os cristãos foram perseguidos pelos incrédulos e zombadores desde o primeiro momento em que começaram a dizer ao povo de sua época que Jesus de Nazaré, que havia sido rejeitado e morto pelos judeus, era, na verdade, o Filho de Deus. Sua morte na cruz era o único meio pelo qual Deus estava disposto a perdoar os pecados e conceder a vida eterna, tanto a judeus quanto a não-judeus. Basta uma leitura, ainda que rápida, pelo livro dos Atos dos Apóstolos e este fato ficará claro: a mensagem da cruz anunciada pelos primeiros cristãos, embora aceita por milhares na época, provocava reações violentas tanto em judeus quanto gregos. Para os primeiros, era escândalo, para os últimos, loucura (1Co 1:23).

Era de se esperar que os cristãos, perseguidos e odiados, caluniados e objeto de escárnio e zombaria, se sentissem tentados a reagir, retrucar, e a desenvolver um espirito de vitimização. Ou seja, a sentir pena deles mesmos e cultivar um espírito de justiça própria por estarem sendo alvo de perseguição da parte do mundo. Todavia, os apóstolos, os primeiros líderes e pastores daquela geração, logo perceberam o perigo de que a perseguição empurrasse os discípulos para uma atitude de reação ou vitimização. Assim, orientaram-nos a encarar a zombaria, a calúnia, a perseguição, a prisão e mesmo o martírio da forma correta, tendo sempre a Jesus Cristo como exemplo de mansidão e amor pelos inimigos.

Uma coisa em particular preocupava os apóstolos: a causa da perseguição. Era fácil um cristão pensar que toda e qualquer zombaria que ele sofresse era pelo fato dele ser crente em Jesus Cristo. Todavia, nem toda perseguição que os cristãos sofriam era por causa da cruz, por causa de Cristo, por causa da verdade.

O apóstolo Pedro exortou os cristãos a terem vida exemplar no meio do povo, para que ficasse claro que as coisas ruins que falavam contra eles não tinham fundamento (1Pe 2.11-12). Se eles tivessem que sofrer, que fosse porque faziam o bem e não o mal: que glória havia em ser esbofeteado por ter feito o mal? (1Pe 2.20-21). Eles seriam bem-aventurados se fossem esbofeteados por praticarem a justiça de Deus (1Pe 3.13-14). Pedro diz ainda: “se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal” (1Pe 3.17). E acrescenta:

“Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem- aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus. Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem; mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome” (1Pe 4.15-16).

Nem toda zombaria e deboche que um cristão recebe dos incrédulos é por causa de sua fidelidade a Cristo. Se alguém que se diz cristão for desonesto, avarento, mentiroso, preguiçoso, imoral ou hipócrita, e vier a sofrer as consequências destes atos, este sofrimento não é por Cristo. Ele não está sofrendo por ser cristão, mas por ser estas coisas. Como qualquer outra pessoa.

O apóstolo Paulo disse na sua primeira carta aos cristãos da cidade de Corinto que a mensagem da cruz é loucura para os incrédulos (1Co 1.18). Eles simplesmente não a entendem, se sentem ofendidos pela ideia da salvação mediante alguém que foi crucificado e acham ridícula a ideia de que o crucificado tenha depois ressuscitado de entre os mortos. E, naturalmente, zombam e perseguem quem crê e ensina isto. Mas, na mesma carta, Paulo ensina aos crentes de Corinto a que tomem cuidado para não dar aos incrédulos outro motivo, além da cruz, para os chamarem de loucos. Ele orienta, por exemplo, os irmãos a evitar falarem todos em línguas ao mesmo tempo e sem interpretação nos cultos públicos: “Se, pois, toda a igreja se reunir no mesmo lugar, e todos se puserem a falar em outras línguas, no caso de entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão, porventura, que estais loucos?” (1Co 14.23). Que nos chamem de loucos por causa da mensagem da cruz, mas não pela falta de sabedoria.

Infelizmente, muito do deboche e perseguição que os evangélicos experimentam hoje em nosso país não é por causa da pregação vigorosa, firme e clara da cruz de Cristo. Aliás, pouco se ouve dela, em meio aos decretos de prosperidade, promessas de vitória e pedidos de dinheiro. O que provoca a zombaria são práticas e costumes estranhos em nome do Espírito Santo, escândalos, ostentações de riquezas e busca descarada do dinheiro dos incautos em nome de Deus, e o engajamento infeliz de segmentos evangélicos numa guerra contra aqueles que deveriam ser objeto de nossa pregação sobre a cruz e não da nossa ira. Nem sempre os evangélicos sofrem no Brasil por serem cristãos sérios, firmes, verdadeiros e fiéis a Deus.

Até hoje a mídia secular não consegue ser justa e fazer a distinção entre evangélicos e evangélicos. Acaba sobrando para todos os que se identificam como crentes em Jesus Cristo. O caminho, me parece, não é rejeitar o título de “evangélico,” mas viver e pregar de tal forma que o único motivo da zombaria que nos sobrevier seja Cristo, e este crucificado.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

7 comentários

comentários
3/6/14 19:50 delete

Muito bom, e demonstra a realidade do Evangelho no país. É incrível como o simples fato de transmitir a verdade sobre algumas coisas que acontecem nos arraiais dos crentes, passa a imagem de perseguição! Outro dia, ao postar em meu blog uma mensagem sobre o abuso dos dons espirituais na igreja contemporânea, passei a ser criticado em minha própria igreja como sendo intolerante, fariseu e encrenqueiro! Mas como estava afirmando aqui neste blog Reverendo Nicodemus e demais colunistas deste blog, gostei muito da postagem, aliás, como a de todas todas desse blog. Deixo um verso do apóstolo Paulo aos Gálatas que a meu ver será de grande valia a todos que desejam como vocês, defenderem a verdade do Evangelho "Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade?" (Gl 4.16. Abraço e que Deus vos abençoe! Pr. Igor de Moura Cogoy

Responder
avatar
Marcelo
AUTOR
4/6/14 08:47 delete

Olá, Reverendo.

Sou de uma família de pastores, entre eles meu irmão mais velho.
Quando meus colegas de trabalho se referem aos pastores evangélicos em geral o fazem sempre com ar de crítica, acusando-os de explorar a fé alheia, com vistas ao enriquecimento às custas dos fiéis. Não adianta falar que meu irmão não chega a ganhar 8 salários mínimos, que não possui casa própria até hoje, apesar de 25 anos de ministério e que toda vez que vai ao exterior, o faz somente porque algum irmão oferta as passagens.
Triste realidade para nós, cristãos evangélicos, que já fomos referencial de honestidade, não muito tempo atrás. Apesar de perseguidos e ridicularizados (eu era o único evangélico até a 8ª série), éramos tidos como cidadãos honestos e exemplares, que não mentiam, bons pagadores, etc.
Creio que somente a pregação firme e vigorosa da Palavra de Deus pode trazer a Igreja de volta ao lugar que ela deveria sempre ocupar.

Marcelo

Responder
avatar
4/6/14 09:38 delete

Concordo. É muito ruim ver tanta energia desperdiçada por parte de alguns (ditos) evangélicos em combater com mais ênfase, por exemplo, a sensualidade e ignorar a prática da injustiça, tão característica da sociedade brasileira. Não há uma visão integral da Palavra de Deus, mas a busca do interesse próprio, materialmente falando. Neste caso, qual a diferença entre o povo santo e os incredúlos? Ambos correm atrás das mesmas coisas, tesouros corruptíveis. Ai reside a ridicularização. Se a energia usada para campanhas de prosperidade fosse sabiamente empregada para combater a injustiça contra os pobres, para ajuda ao necessitado, para dar testemunho de santidade, creio que não haveria essa ridicularização. Ou talvez haveria, mas pelos motivos certos, proclamados na Palavra de Deus.

Responder
avatar
8/6/14 13:43 delete Este comentário foi removido pelo autor.
avatar
18/6/14 15:25 delete

Ótimo artigo, realmente nunca tinha pensado nisso, agora vejo claramente que muitas vezes somos perseguidos por causa de nossos próprios erros e exageros e não necessariamente por causa do evangelho.
Parabéns pelo artigo.

Anderson Viera dos Santos

Responder
avatar
Douglas Lins
AUTOR
21/7/14 11:26 delete

E o mais triste e preocupante é que quando almejamos em cumprir a principal ordem para a igreja que é pregar o Evangelho de forma firme, é que a perseguição vem dos próprios crentes de nossa própria igreja, e chegando o tempo que temos que evangelizar inclusive os que denominam-se nossos "irmãos"!

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
4/10/14 03:17 delete

Oie! Estou tão triste, uns tempo atrás tive um sonho terrivel, q o inimigo queria acabar comigo, fui mandada embora do meu emprego e há 5 meses não acertaram comigo.. e moro sozinha... e por Deus que não passo necessidade, sempre gostei de fazer a obra para Deus, não dentro da igreja, mas fora, gosto pregar na cadeia, hospital, amigos em geral, titulados não cristãos... e hoje vejo quem estão me estendendo as mãos, são esses titulados não crentes,eu prego o evagelho e oro p pessoas, por amor a Cristo, quero q elas sintam a presença de Deus...nunca quis aparecer em igreja nenhuma...e hoje fui humilhada por um pastor.. assim q saia de um trabalho na cadeia, eu sei o q é ter alguém q amo preso, pq meu irmão esteve muito tempo lá, eu não vou lá para mostrar q sou bom e por isso estou indo lá, sim p levar Jesus e mostrar q ele fez na minha vida e faz e para eles poder mudar a vida deles, assim como mudei a minha...fico tão magoada e triste...que não sei o que fazer..só Deus sabe q estou sentindo.. me dá vontade até de parar de ir lá e deixar os bons né o que acham q estão acima de Deus para ficar julgando...Eu prego o evangelho por amor, não sou consagrada a nada na igreja...e nem busco status...eu prego porque Jesus está voltando...e Ele deu a vida por nós pecadores e pelo nosso testemunho e a nossa diferença em ser humilde ,podemos mudar esse mundo..Desculpe pelo desabafo.

Responder
avatar