segunda-feira, abril 08, 2013

Augustus Nicodemus Lopes

Como assim, "não toqueis no ungido do Senhor..."?!

Ilustração de Samuel ungindo
Davi como rei de Israel

Há várias passagens na Bíblia onde aparecem expressões iguais ou semelhantes a estas do título desta postagem:
A ninguém permitiu que os oprimisse; antes, por amor deles, repreendeu a reis, dizendo: Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas (1Cr 16:21-22; cf. Sl 105:15).
Todavia, a passagem mais conhecida é aquela em que Davi, sendo pressionado pelos seus homens para aproveitar a oportunidade de matar Saul na caverna, respondeu: "O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele [Saul], pois é o ungido do Senhor" (1Sm 24:6).

Noutra ocasião, Davi impediu com o mesmo argumento que Abisai, seu homem de confiança, matasse Saul, que dormia tranquilamente ao relento: "Não o mates, pois quem haverá que estenda a mão contra o ungido do Senhor e fique inocente?" (1Sm 26:9). Davi de tal forma respeitava Saul, como ungido do Senhor, que não perdoou o homem que o matou: “Como não temeste estender a mão para matares o ungido do Senhor?” (2Sm 1:14).

Esta relutância de Davi em matar Saul por ser ele o ungido do Senhor tem sido interpretado por muitos evangélicos como um princípio bíblico referente aos pastores e líderes a ser observado em nossos dias, nas igrejas cristãs. Para eles, uma vez que os pastores, bispos e apóstolos são os ungidos do Senhor, não se pode levantar a mão contra eles, isto é, não se pode acusa-los, contraditá-los, questioná-los, criticá-los e muito menos mover-se qualquer ação contrária a eles. A unção do Senhor funcionaria como uma espécie de proteção e imunidade dada por Deus aos seus ungidos. Ir contra eles seria ir contra o próprio Deus.

Mas, será que é isto mesmo que a Bíblia ensina?

A expressão “ungido do Senhor” usada na Bíblia em referência aos reis de Israel se deve ao fato de que os mesmos eram oficialmente escolhidos e designados por Deus para ocupar o cargo mediante a unção feita por um juiz ou profeta. Na ocasião, era derramado óleo sobre sua cabeça para separá-lo para o cargo. Foi o que Samuel fez com Saul (1Sam 10:1) e depois com Davi (1Sam 16:13).

A razão pela qual Davi não queria matar Saul era porque reconhecia que ele, mesmo de forma indigna, ocupava um cargo designado por Deus. Davi não queria ser culpado de matar aquele que havia recebido a unção real.

Mas, o que não se pode ignorar é que este respeito pela vida do rei não impediu Davi de confrontar Saul e acusá-lo de injustiça e perversidade em persegui-lo sem causa (1Sam 24:15). Davi não iria matá-lo, mas invocou a Deus como juiz contra Saul, diante de todo o exército de Israel, e pediu abertamente a Deus que castigasse Saul, vingando a ele, Davi (1Sam 24:12). Davi também dizia a seus aliados que a hora de Saul estava por chegar, quando o próprio Deus haveria de matá-lo por seus pecados (1Sam 26:9-10).

O Salmo 18 é atribuído a Davi, que o teria composto “no dia em que o Senhor o livrou de todos os seus inimigos e das mãos de Saul”. Não podemos ter plena certeza da veracidade deste cabeçalho, mas existe a grande possibilidade de que reflita o exato momento histórico em que foi composto. Sendo assim, o que vemos é Davi compondo um salmo de gratidão a Deus por tê-lo livrado do “homem violento” (Sl 18:48), por ter tomado vingança dos que o perseguiam (Sl 18:47).

Em resumo, Davi não queria ser aquele que haveria de matar o ímpio rei Saul pelo fato do mesmo ter sido ungido com óleo pelo profeta Samuel para ser rei de Israel. Isto, todavia, não impediu Davi de enfrentá-lo, confrontá-lo, invocar o juízo e a vingança de Deus contra ele, e entregá-lo nas mãos do Senhor para que ao seu tempo o castigasse devidamente por seus pecados.

O que não entendo é como, então, alguém pode tomar a história de Davi se recusando a matar Saul, por ser o ungido do Senhor, como base para este estranho conceito de que não se pode questionar, confrontar, contraditar, discordar e mesmo enfrentar com firmeza pessoas que ocupam posição de autoridade nas igrejas quando os mesmos se tornam repreensíveis na doutrina e na prática.

Não há dúvida que nossos líderes espirituais merecem todo nosso respeito e confiança, e que devemos acatar a autoridade deles – enquanto, é claro, eles estiverem submissos à Palavra de Deus, pregando a verdade e andando de maneira digna, honesta e verdadeira. Quando se tornam repreensíveis, devem ser corrigidos e admoestados. Paulo orienta Timóteo da seguinte maneira, no caso de presbíteros (bispos/pastores) que errarem:
"Não aceites denúncia contra presbítero, senão exclusivamente sob o depoimento de duas ou três testemunhas. Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam" (1Tim 5:19-20).

Os “que vivem no pecado”, pelo contexto, é uma referência aos presbíteros mencionados no versículo anterior. Os mesmos devem ser repreendidos publicamente.

Mas, o que impressiona mesmo é a seguinte constatação. Nunca os apóstolos de Jesus Cristo apelaram para a “imunidade da unção” quando foram acusados, perseguidos e vilipendiados pelos próprios crentes. O melhor exemplo é o do próprio apóstolo Paulo, ungido por Deus para ser apóstolo dos gentios. Quantos sofrimentos ele não passou às mãos dos crentes da igreja de Corinto, seus próprios filhos na fé! Reproduzo apenas uma passagem de sua primeira carta a eles, onde ele revela toda a ironia, veneno, maldade e sarcasmo com que os coríntios o tratavam:
"Já estais fartos, já estais ricos; chegastes a reinar sem nós; sim, tomara reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco.
Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos, como a homens.
Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós, sábios em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis.
Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos.
Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados. Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores" (1Cor 4:8-17).
Por que é que eu não encontro nesta queixa de Paulo a repreensão, “como vocês ousam se levantar contra o ungido do Senhor?” Homens de Deus, os verdadeiros ungidos por Ele para o trabalho pastoral, não respondem às discordâncias, críticas e questionamentos calando a boca das ovelhas com “não me toque que sou ungido do Senhor,” mas com trabalho, argumentos, verdade e sinceridade.

“Não toque no ungido do Senhor” é apelação de quem não tem nem argumento e nem exemplo para dar como resposta.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

33 comentários

comentários
8/4/13 20:23 delete

Essa foi uma questão que sempre passou pela cabeça, mas nunca vi uma explicação tão bem amparada por excelentes argumentos bíblicos. Muito obrigada! Deus o abençoe!

Responder
avatar
8/4/13 20:32 delete

Dr. Augustus Nicodemus Lopes é com muita honra que venho acompanhando o seu blog por mais ou menos 3 anos. E o mesmo tem me edificado bastante com exortações e correções de erroneas interpretações que os pastores fazem de determinados textos bíblicos como o supracitado.

Venho aqui compartilhar o que aconteceu comigo em minha antiga igreja que, para não causar confusão desnecessária, não mencionarei o nome real e/ou o nome real do pastor presidente da mesma.

Eu fazia parte de uma igreja pentecostal ou neopentecostal, não sei até hoje o que a mesma é, acredito eu que uma mistura dos dois, que colocarei por nome Vitória em Mammon cujo nome do seu pastor presidente chamaremos de Salis Aiafalam. Pois bem, fui membro da mesma durante um período de 3-4 anos ouvindo aquela doutrina que eles pregavam lá que até o momento eu cria com fervor e defendia-a com ardor... no entanto, eu tenho um primo que faz parte da Igreja Congregacional e o mesmo é seminarista do SPN aqui em Recife-PE. Este meu primo, vendo que doutrina que eu seguia era errada, me apresentou pela primeira vez as Doutrinas da Graça que eu ainda não tinha conhecimento(nem sequer sabia que existia). Quando ouvi pela primeira vez os argumentos usados pelo meu primo eu não concordei... e disse a mim mesmo que aquilo era uma mentira e que não era possível acreditar em tal farsa, no entanto, fiquei incomodado a pesquisar mais sobre o assunto... e foram-se 1 ano de pesquisas e estudos sobre este assunto supracitado até que eu finalmente o aceitei como verdade bíblia. Neste momento eu fiquei tão feliz de ter descobertos aquelas verdades que exaltavam a glória do Deus Todo Poderoso que não podia ficar apenas para mim mesmo e tive que compartilhar com os demais membros da igreja Vitória em Mammon, no começo para eles foi difícil aceitar aquela nova doutrina que ouviam de mim, mas eu fui paciência e expliquei repetidamente e os encorajei a pesquisarem sobre a mesma e orarem a Deus para saber se estas doutrinas eram falsas ou verdadeiras, demou uns 2 meses e eu consegui influênciar certa de 4 amigos meus nesta doutrina, mas logo o nosso pastor ficou sabendo que eu andava ensinando tais doutrinas na igreja, daí eu fui chamado ao seu gabinete para conversar com ele sobre isso e expliquei tudo para o meu pastor com calma e com respeito... disse porque não acreditava mais no que estava sendo pregaado no púlpito da nossa igreja (que era pura teologia da prosperidade) e que eu não poderia sair simplesmente da igreja porque havia muitos irmãos que eu amava naquela igreja e que eu gostaria de compartilhar o que me tirou da cegueira espiritual com eles... e que que não poderia ser de outra forma. Para minha surpresa meu pastor reconheceu que estava errado aquilo que ele pregava, e apartir daquele dia a pregação no púlpito da igreja mudou, o foco agora era a graça de Deus, não se falava mais com tanto enfoque no dinheiro... o tempo de ofertório diminiu de 30-40 minutos para um simples "irmãos, agora chegou a hora de adorarmos a Deus com nossos dízimos e ofertas", em suma, estava tudo ocorrendo perfeitamente bem... até isso cair nos ouvidos do nosso pastor presidente Salis Aiafalam.

Responder
avatar
8/4/13 20:33 delete

-Continuação

Estava havendo um congresso de jovens no Rio de Janeiro, onde é a matriz da nossa igreja onde estavam alguns membros da nossa igreja do Recife por lá... disseram que perceberam um movimentação estranha e que o Salis Aiafalam não havia aparecido na EBD daquela semana... ele havia descoberto que em Recife o pastor estava pregando as Doutrinas de Graça e que tinha tirado o foco no dinheiro da liturgia do culto. Passaram-se 2 semanas de o meu pastor pregando corretamente e do culto ficando cada vez mais "reformado", se é que assim posso dizer, e do nada, no culto de domingo a noite, quando eu chego na igreja, o Salis Aiafalam estava lá juntamente com mais 10-12 pastores do que ele chama do seu G-20, que são os 20 pastores que eles mais "confia", e eu não demorei muito para perceber o que estava acontecendo ali (meu pastor iria ser posto para fora da igreja). Dito e feito, o culto começou, meu pastor não teve o direito de dirigir o culto, tudo foi coordenado pelo Salis Aiafalam e no final o mesmo anunciou que estaria tirando o meu pastor da igreja porque ele não estava "obedecendo ao Salis Aiafalam", ele não estava "obecedendo a autoridade espiritual" da igreja. Não deu outra, foi uma confusão sem prescendete! Os irmãos ficaram exaltados e quase que havia briga dentro da própria igreja por conta da indignação dos membros pela expulsão do nosso pastor por simplesmente estar pregando a verdade. O Salis Aiafalam usou o "argumento" da "autoridade espiritual" para dizer que estava certo e o meu pastor errado e alguns membros da minha igreja estavam tão infectados com a má interpretação dada ao texto de Davi falando "não toqueis no ungido do Senhor" que falaram que meu pastor estava errado por pregar algo diferente do que o Salis Aiafalam queria, apesar de ser verdade que meu pastor estava pregando. Alguns desses irmãos não falam mais comigo, nem sequer olham no meu rosto quando passo pelos mesmos.

Venho deixar isso aqui como um testemunho do que aconteceu comigo, para dizer que a má interpretação do "não toqueis no ungido do Senhor" pode acabar com a comunhão de uma igreja inteira e que a má interpretação de "autoridade espiritual" só serve para criar uma ditadura na igreja. Hoje, tenho orgulho de falar que sou membro da Igreja Congregacional da Estância e sou ovelha do Pr. Aurivan Marinho!

Que Deus os abençoe.

Responder
avatar
9/4/13 07:53 delete

Gostei muito deste texto, essa "imunidade da unção" é exatamente apelação por pessoas que não possuem conhecimento adequado da palavra e mostram um despreparo muito grande para assumirem uma posição de liderança seja onde for. Como sempre estes textos tem abençoado muito a minha vida.

abs,
Thiago

Responder
avatar
9/4/13 09:39 delete Este comentário foi removido por um administrador do blog.
avatar
9/4/13 18:41 delete

Prezado Pr. Augustus, saúde||!

Li seu excelente artigo, com o qual concordo.
Meses atrás escrevi arrazoado semelhante aos irmãos e gostaria de enviar para o senhor.
Meu e-mail é: jdbmiranda@gmail.com
Shalom, João.

Responder
avatar
Rodrigo
AUTOR
9/4/13 23:05 delete

Matheus Sobreira,

Que lamentável o ocorrido em sua Igreja! Fiquei estarrecido com o que foi relatado por você.

Até tentei procurar adivinhar quem poderia ser esse pastor. Uma pena que você foi tão discreto em seu relato, que nos deixou sem a menor ideia de quem possa ser este nefasto e misterioso líder! Hahahahahaha

Responder
avatar
10/4/13 10:47 delete

Rodrigo, basta ler ao contrário.

Responder
avatar
10/4/13 12:39 delete

Muitos tem se usado dessa premissa, para ratificar suas ações. Com isso, calam a boca das ovelhas impondo sobre elas o medo de um castigo divino.

Responder
avatar
10/4/13 14:57 delete

Olha que engraçado Pastor, eu tinha acabado de ver um vídeo de um pastor falando no templo de uma igreja que eles estavam pecando em pregar um outro evangelho e depois leio esse texto do senhor. Digo engraçado pq em muitos fatos relatados aqui no texto me fez lembrar esse vídeo, que tinha me parecido até muito sensacionalista, até mesmo pelo título do vídeo (Pastor desmascara uma falsa profetiza), mas veja se não se encaixa no seu texto em boa parte do vídeo q tem 2m24s.
http://www.youtube.com/watch?NR=1&v=hNY1RKgaEVU&feature=fvwp

Responder
avatar
Oliveira
AUTOR
13/4/13 21:57 delete

Muito bom!

Vou publicar no meu blog.

Aguardarei alguns dias para tanto.

Se nada em contrário for publicado aqui, vou considerar como aprovação para eu lá republique seu texto.

Alguns amigos meus assembleianos precisam ler esta reflexão.

Abraço!

Responder
avatar
18/4/13 09:30 delete

Algumas igrejas ditas evangélicas têm usado o mesmo expediente tantas vezes criticados dos nossos irmãos cristãos católicos Romanos. Criticamos a venda de indulgências na Idade Média, e tem gente hoje vendendo perdão e bênção em troca de dízimos; criticamos a infalibilidade do papa (Dogmas) e agora dizem que tem "autoridade espiritual" para dizer o que querem e agir como convém... lamentável. Talvez os evangélicos de verdade tem que inventar outro substantivo para os representarem. Dizer hoje que é 'evangélico', corre o risco de ser confundido com estas pessoas que 'não podem ser tocadas' porque são 'ungidas'...

Responder
avatar
22/4/13 09:26 delete

Excelente!

O povo perece por falta de conhecimento (Os 4:6). Conhecimento este que não é de interesses de muitos "pastores" repassarem às suas ovelhas, pois dessa forma as mantém presas no "cabresto" da ignorância.

Falo por experiência própria, pois sou assembleiano há 25 anos e, depois que passei a contestar alguns absurdos ocorridos na minha igreja por parte da liderança, perdi todos os privilégios que tinha como obreiro e hoje sou tratado como: rebelde, herege, apóstata, ladrão, infiel e até filho do demônio.

Fui proibido de pregar nos púlpitos, mas escrevi dois artigos em meu blog que tratam sobre isso:

LIBERDADE DE EXPRESSÃO NÃO É REBELIÃO!
http://crentefeliz.blogspot.com.br/2013/04/liberdade-de-expressao-nao-e-rebeliao_11.html

EU NÃO SOU LADRÃO!
http://crentefeliz.blogspot.com.br/2013/04/eu-nao-sou-ladrao.html

Responder
avatar
Augusto Men
AUTOR
23/4/13 11:32 delete

Não se dá o mesmo nome, mas essa doutrina é a mesma coisa que a 'infalibilidade papal'.
Utilizam-se uma falsa afirmação para assegurar o poder dos que estão em cargos.

Responder
avatar
23/4/13 13:06 delete

Tenho testemunhado este tipo de comportamento.Pregadores que antes ou no meio da pregação contam historias suas com o intuito de criar uma aurea de "espiritualidade superior" ou fazer que as pessoas acreditem na marra que ele é um "ungido" ou coisa parecida.O grande problema é que na maioria das vezes que isso acontece o conteudo da mensagem pregada não parece de alguem que esta na unção.Sem falar no apelo comercial antes ou depois de pregaçôes para que as pessoas comprem seus materiais;alguns ainda justificam que vivem pela fé e que precisam pagar o carro(na maioria das vezes o melhor carro na frente na igreja)que compraram e que precisam da ajuda dos irmãos(que muitas vezes não tem carro).
E maravilharam-se da sua doutrina, porque os ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas. Marcos 1:22
Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo. João 7:17

Responder
avatar
Jluis x
AUTOR
17/7/13 20:57 delete

Olá!

Fiquei na dúvida na questão devido a critica que Miriã fez a Moises e por isso pegou lepra

Responder
avatar
17/7/13 23:34 delete

Peço a devida permissão ao Pr. Augustus para responder.

Prezado JLuís x, saúde!
O texto faz uma clara distinção entre as funções no VT e no NT.
E, Moisés em momento algum se escudou na autoridade que tinha para se justificar. (Se todos que alegam ser ungido agissem como Moisés...).
Entretanto, quanto ao pecado de Miriã, ela não se rebelou contra um ato de governo de Moisés, mas em razão de uma decisão dele que afetava a família, i.e., aos irmãos: Arão, Miriã, Moisés e os filhos de todos
Tudo porque Moisés decidiu se casar, após a viuvez, com uma cuxita, i.e., com uma negra.
Foi esse o problema que a decisão, particular, de Moisés suscitou no seio familiar.
E como Deus é o juiz de todo pecado, a afronta de Miriã não foi contra Moisés, mas contra o Deus criador e contra a humanidade.
Assim, se o problema era cor de pele, Deus tocou no seu cerne, transformando a pele dela em algo tão desprezível e humilhante, já que o leproso tinha que se afastar do lar, da sociedade, ficar fora do arraial.
Não só isso, Deus ainda justificou Moisés, pois falou com os irmãos que tratava os assuntos com Moisés face a face, boca a boca, em diálogo. E que com eles outros falava por visões em mistério, ou seja, que ainda careciam de serem decifradas, entendidas.
Em suma: "Não passou pela cabeça de vocês que Moisés conversou esse assunto Comigo e que Eu aprovei?
Vocês perderam o juízo?
E, sua pele branca é melhor que a negra em quê? Fique leprosa!"
O exemplo, registrado nos primórdios, é muito útil contra quem acha que pode discriminar pessoas.
Espero ter auxiliado.
Shalom, JD

Responder
avatar
1/8/13 11:45 delete

Ontem lembrei deste texto ao assistir o seguinte vídeo: http://tempora-mores.blogspot.com.br/2013/04/como-assim-nao-toqueis-no-ungido-do.html

Responder
avatar
1/4/14 11:09 delete

Querido irmão Augustus, um bom dia; em nome do amor fraternal em Cristo, venho com todo o respeito informar ao irmão que, recentemente, publiquei em meu blog, JESUS CRISTO, ESPERANÇA NOSSA, um texto tratando exatamente do mesmo assunto, e em alguns pontos, a argumentação que exponho é semelhante; só depois é que tive conhecimento desta postagem do irmão, e peço humildemente que não considere minha postagem como plágio ou algo semelhante, apenas como preocupação em orientar biblicamente o rebanho de Deus; agradeço pela compreensão do irmão, e que Deus o abençoe!

Responder
avatar
7/4/14 13:28 delete

Graça e paz a todos. tenho uma pergunta ....em um grupo de pessoas tem alguém que esta de uma certa forma em pecado e "alguém" descobre ou fica sabendo de alguma forma e fala com o pastor sobre essa pessoa a a atitude do pastor ea seguinte: sem a (pessoa em pecado) saber espera estar todo o grupo Espoem essa pessoa na frente de todo mundo para assim os demais ficarem com medo e não pecar. A PERGUNTA É ISSO É CERTO?. DEUS ORIENTA ASSIM? E TEM QUE SER ASSIM MESMO...
GRANDE ABRAÇO A TODOS, NO AGUARDO DE UMA BREVE RESPONSTA.

Responder
avatar
7/4/14 18:09 delete

Meu irmão Silvio! Veja o que diz Mateus 18:

18.15 Se teu irmão pecar [contra ti], vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão.
18.16 Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça.
18.17 E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.

A ordem bíblica é a seguinte:

1º - vai argüi-lo entre ti e ele só;
2º - Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas;
3º - se ele não os atender, dize-o à igreja.

O ideal, é que o faltoso reconheça sua falta e aceite a disciplina para o bem da igreja e do próprio faltoso.
Recomendo o livro "Mantendo a igreja pura" do Rev. Augustus, ele retrata com muita simplicidade esse tema.

Vale a leitura!

Rodrigo

Responder
avatar
7/4/14 18:10 delete

Meu irmão Silvio! Veja o que diz Mateus 18:

18.15 Se teu irmão pecar [contra ti], vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão.
18.16 Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça.
18.17 E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.

A ordem bíblica é a seguinte:

1º - vai argüi-lo entre ti e ele só;
2º - Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas;
3º - se ele não os atender, dize-o à igreja.

O ideal, é que o faltoso reconheça sua falta e aceite a disciplina para o bem da igreja e do próprio faltoso.
Recomendo o livro "Mantendo a igreja pura" do Rev. Augustus, ele retrata com muita simplicidade esse tema.

Vale a leitura!

Rodrigo

Responder
avatar
4/5/14 08:35 delete

Sinto que o verdadeiro sentido comunitário da igreja, conforme nos relata o livro de Atos dos Apóstolos, esteja cada vez mais esquecido pelos cristãos, pois quando o nosso senhor Jesus Cristo, falando ao apóstolo Pedro, disse que sobre esta pedra edificaria a sua igreja, com certeza ele não estava falando de uma inscrição CNPJ. Pois esta inscrição, tem sido a desculpa de todos os desmandos finançeiros cometidos pela maioria dos líderes evangelicos no Brasil e no mundo, porque quando são questinados acerca das suas fortunas, enquanto nas suas comunidades existem tantos miseráveis, usam a desculpa que tudo é da Igreja (CNPJ). A todos aqueles que amam a Deus, e perseveram na doutrina dos apóstolos, pratiquem o modelo da igreja primitiva, lute para que o amor prevaleça, e o mundo vendo as nossas boas obras, glorifiquem ao nosso pai que está nos céus. Beijo para todos.

Responder
avatar
Jorge Belem
AUTOR
11/5/14 16:43 delete

Tenho uma pergunta: Onde no Novo Testamento está escrito que um líder da Igreja de Cristo foi ungido com óleo para exercer o ministério?

Responder
avatar
13/5/14 20:38 delete

Tenho ainda uma outra, Jorge. Onde se fala na Bíblia sobre ofício instituído, ou seja, cargos eclesiásticos ou ministeriais?

Responder
avatar
14/5/14 09:46 delete

Pô Andrias, vc agora pegou pesado.
No VT, constituição de sacerdotes por famílias e turmas, e os levitas (e que fique claro que os levitas não eram apenas cantores, mas serviçais responsáveis pela limpeza, manutenção, guarda e transporte do tabernáculo, e ensino da Lei), bem assim os profetas e reis.
No NT, constituição de diáconos no livro de Atos, Paulo cobstitui presbíteros (pastores) nas igrejas que fundou ou por onde passou, a exemplo de Timóteo, Tito, etc.
Paulo menciona a existência de Presbitério à Timóteo, etc.
Somente é possível ler e compreender a Bíblia com espírito de humildade e sinceridade, despojando-se de quaisquer idéias pré-concebidas (que são os pré-conceitos), de teorias, ideologias, doutrinas equivocadas ou satânicas.
Creio que falta essa postura no irmão, tendo em vista o descalabro da pergunta.
Não confuda prescrição bíblica com inconformidade dos atos humanos.
Veja como Deus chama a atenção dos sacerdotes e profetas no passado.
Veja como Paulo exorta as Igrejas em suas cartas.
Veja como Cristo exorta as Igrejas em Apocalipse.
Shalom, JD

Responder
avatar
15/5/14 20:59 delete

Oi João, eu estava me referindo apenas à cargos ministeriais na igreja. Sim, existem ofícios instituídos claros no AT, é que penso que os modelos do Antigo Testamento não servem como base dentro desse assunto proposto, já que o sacerdócio é diferente. Mas a culpa não foi sua, eu é que não fui específico...

João, eu sempre vi o caso de Tito, Timóteo, etc., como uma confirmação pública do dom ou ministério recebido de Deus, e que era reconhecido pelo restante da comunidade. Desculpe, mas não vejo isso como cargo eclesiástico, e sim como um reconhecimento público do dom de Deus, que era confirmado com a imposição de mãos. Talvez não seja você que não deva confundir títulos hierárquicos na igreja (como é hoje) com dom ministerial.

Torcendo para que você não veja meu pensamento como um escalabro, espero que você também entenda que julgar meu caráter e pensamento por causa de um simples comentário, como sendo um vergonhoso escalabro. Falo isto porque não vi o “espírito de humildade” de que você parece ter tanto zelo no comentário que você mesmo fez.

Abraços, João.

Responder
avatar
Real Nobre
AUTOR
11/6/15 23:55 delete

Esse lider se chama silas malafaias

Responder
avatar
Alexandra
AUTOR
9/2/16 10:00 delete

As igrejas estão cheias de "ungidos do Senhor" corruptos e que se dizem blindados pela unção que receberam de Deus. Gostaria muito de saber no novo testamento se tem alguma passagem onde Jesus diz para ungir pastores ou líderes religiosos. Essa unção da época de Davi era muito precisa, hj em dia é brm diferente. Qq um é ungido e acha que pode tudo pq nada o poderá atingi-lo.ai de ti homem mal.Se Deus permitiu que vir tamanha desgraça sobre a vida de Sul que era escolhido e ungido por Deus, calcule vc.

Responder
avatar
31/5/16 22:26 delete

MEUS QUERIDOS E AMADOS EM CRISTO, SOU EVANGÉLICO A DEZ ANOS E CONFESSO AOS IRMÃOS QUE SOU UM BEBE AINDA NA FÉ CONHEÇO MUITO POUCO A PALAVRA DE DEUS, MAS SABEMOS QUE TODOS NÓS SOMOS FILHOS DE CRIAÇÃO , MAS PARA TORNARMOS FILHOS LEGITIMADOS NA FÉ , TEMOS QUE ACEITAR A CRISTO , COMO NOSSO ÚNICO E SUFICIENTE SALVADOR EM NOSSAS VIDAS E DESCERMOS NO BATISMO DAS ÁGUAS , AÍ SIM , SOMOS VERDADEIROS FILHOS DE DEUS , MAS SE DEPOIS DE NÓS DESCERMOS NO BATISMO ,TORNARMOS FILHOS LEGITIMADOS DE DEUS E CONTINUARMOS NO PECADO , AÍ É QUE ESTÁ A QUESTÃO , NOS TORNAMOS FILHOS DO DIABO PORQUE PASSAMOS A CONHECER A VERDADE E NÃO PRATICA-LAS ; FREQUENTEI MUITAS IGREJAS E HOJE EU DIGO COM TODA A CERTEZA EM MEU CORAÇÃO, NÃO GENERALIZANDO , MAS 80% SÃO TODOS LADRÃO , O TEMPLO DE DEUS É UM HOSPITAL PRA RECEBER PESSOAS COM DOENÇAS FÍSICAS E ESPIRITUAIS E MUITAS ENTRAM E SAEM DA MESMA FORMA , PORQUE A MAIORIA DOS PASTORES ESTÃO INTERESSADOS NO DINHEIRO DOS MEMBROS E NÃO SE IMPORTAM E NEM PERGUNTAM COMO ESTÁ A VIDA DOS IRMÃOS SE ESTÁ TUDO BEM OU NÃO; DEUS É MARAVILHOSO E TEM PRAZER DE NOS ABENÇOAR, NOS CURAR E TRANSFORMAR AS NOSSAS VIDAS , E HOJE EM DIA NADA TEM ACONTECIDO,PORQUE AQUELES QUE SÃO LEVANTADOS POR CABEÇA E NÃO POR CAUDA ACABAM SE DESVIANDO DA FÉ E NÃO TEM COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS, QUE DEUS ABENÇOE A TODOS E FIQUEM NA PAZ DE CRISTO QUE EXCEDE TODO O AMOR.

Responder
avatar
20/6/16 22:49 delete

obrigado meu irmao por esta explicaçao maravilhosa amei o seu estudo parabens, eu muitas veses fui considerado murmurador quando falava de pastores perseguidores e invejosos como eu nao aceito e nao fico calado eu falo mesmo, muitas pessoas me chamou de murmurador mas Deus conhece o meu coraçao eu nao faço acepiçao de pessoas

Responder
avatar
4/11/16 21:50 delete

Na minha igreja também não é diferente nosso pastor não gosta que fala dele porque ele diz que ele é ungido do Senhor ainda lança maldição quem falar mal dele Vai Ser castigado, porque ele não pastoreia gosta do dinheiro do povo não visita ninguém e quando você fala alguma coisa você é rebelde não aceita ser questionado Se isso for ser ungido nós temos sérios problemas nas igrejas de hoje pastor não visita mais ovelha visita o bolso delas Isto é muito triste a igreja deixou de ser um hospital e passou a ser um banco a onde as almas são Roubadas e o evangelho legítimo não é pregado que é a salvação por Cristo Jesus nosso senhor

Responder
avatar