terça-feira, março 23, 2010

Solano Portela

Pluralismo e Intolerância

A palavra pluralismo representa muitas coisas no contexto pós-moderno. Pode significar apenas diversidade de opiniões ou coexistência lado a lado de posições antagônicas. No entanto, com frequência ela expressa tanto um desprezo pela existência de uma verdade absoluta como a rejeição de posições absolutas. No seu aspecto mais cruel ela indica uma falsa visão de tolerância, que se revela intolerante para com a fé cristã.


A origem do termo pluralismo é geralmente colocada no início do século 20, criado por um filósofo judeu, Horace Kallen (1882-1974), que tinha bastante orgulho de sua linhagem judaica.[1] Preocupado com a preservação de suas convicções e com as pressões sofridas por imigrantes, ele levantou a questão da sobrevivência de uma cultura minoritária, no meio de muitas outras, como sendo um fator positivo ao progresso do mundo.


Ao longo dos anos e, principalmente, ao entrarmos no final do século 20 e início deste século, o pluralismo foi se abrigando no pós modernismo, aventando a possibilidade de verdades contraditórias entre si coexistirem pacificamente. Isso significa que proponentes de alguma convicção não deveriam tentar impor a sua visão sobre as demais persuasões, ou pessoas. Nesse sentido pós-moderno, o pluralismo representa um descaso pela existência de uma verdade, pois princípios ou preceitos absolutos não poderiam existir, ou não deveriam ser asseverados ou defendidos por ninguém.


Na realidade o termo tem várias definições e aplicações, por exemplo: pluralismo político, pluralismo filosófico, pluralismo cultural, pluralismo científico, etc. Em cada um desses aspectos o significado é diferente e, como cristãos, temos que nos posicionar adequadamente, mas igualmente de forma diferente a essas vertentes.

Pós modernismo

O pós-modernismo tem sido definido, por vezes como a filosofia da nossa era, mas na realidade não é uma filosofia, em si (e nem uma teologia). O termo representa uma persuasão que questiona as definições e limites que considera simplista, nas proposições da era moderna.[2] É mais um tipo de atitude, encontrada nas mais diversas correntes de pensamento contemporâneo, que, ressaltando a complexidade das diferentes posições filosóficas ou teológicas, se esquiva de permitir que um conjunto de convicções prevaleça sobre outros.


Nesse sentido, uma mente pós-moderna, é representada por:

  • Aquela pessoa que, como o rei Agripa (Atos 26.28), diz: "por pouco me persuades...", mas, adicionaria a isso: “como verdades conflitantes podem coexistir pacificamente lado-a-lado, fico na minha e você na sua”.
  • Aquela pessoa que tem a consciência cauterizada pela convivência continuada com o erro e pela prolongada falta de ênfase em absolutos e em verdades universais.

  • Aquela pessoa que tem a sensibilidade distorcida pela freqüente exposição à pecaminosidade da era e já não se choca mais com descalabro algum, por maior que seja o pecado apresentado, mas aceita tudo como parte de uma sociedade pluralista e multiforme. Essa sociedade é encarada por tais mentes como não apenas uma realidade inexorável, mas uma forma desejável de existência.

Como cristãos, deveríamos constatar como essa rejeição à persuasão vai contra a obrigação à conversão, à mudança de vida. Como a acomodação ao erro, vai contra a santidade requerida do servo de Deus. E como a repetida acomodação leva à perda dos objetivos de vida e da glorificação a Deus, que é o propósito máximo da nossa existência. É nesse contexto de um mundo carente por convicções, que somos chamados a entender o pluralismo e a sermos persistentes proclamadores das verdades de Deus!

Pluralismo religioso

O pluralismo religioso é a posição que afirma a igualdade e propriedade de todas as religiões. Nenhuma religião poderia se posicionar como sendo a verdadeira e, assim, todas devem ser não somente estudadas, mas aceitas como legítimas expressões de fé. A sinceridade dos participantes é o que contaria e cada um definiria Deus ou a divindade a seu próprio modo.


Esse tipo de pluralismo é mortal para a alma e não deveria encontrar abrigo no pensamento do cristão. Afinal, Jesus declarou (João 14.6) que ele é “o caminho a verdade e a vida; ninguém vem ao pai senão por mim”. A religião cristã é exclusivista, por natureza e isso deve ser apresentado e defendido sem apologias.


No entanto, o mundo subsiste em pluralismo religioso e, surpreendentemente, essa aceitação de um pluralismo religioso não está presente somente naqueles que identificamos como descrentes. Há muitos anos, havia uma expressão na boca do povo: “todo caminho dá na venda”. Normalmente era utilizada quando alguém começava a falar em religião e significava que, independentemente da sua fé, um dia você chegaria a Deus. Era também uma forma de evitar tentativas de pregação da Palavra.


O fato é que muitos cristãos têm sido persuadidos não pela Escritura, mas por essa visão pós moderna. Muitos, em nossas igrejas, acham que Deus terá de honrar a sinceridade de uma tribo remota, por exemplo, e que Ele não será justo em condenar índios às penas eternas, pois haverá “alguma luz” na religião pagã praticada por eles. E existem posições ainda mais pluralistas. Por exemplo, um site, chamado “Centro para o cristianismo progressivo”, apresenta as seguintes idéias:[3]

  • Presumir que a Bíblia é a última palavra em matéria de religião não fará nenhum sentido aos seguidores de outras religiões. Afinal, todas possuem os seus textos sagrados e proclamam possuir a verdade.

  • Insistir na exclusividade da fé cristã é “chauvinismo religioso”.

  • Os trechos bíblicos do evangelho de João, nos quais Jesus se coloca como “Eu sou” o único caminho, são meras expressões poéticas. Jesus era um místico e ele está apenas expressando uma experiência mística, na qual ele se liberta do seu ego e de sua personalidade, experimentando a Deus, como única realidade.

Não é isso que a Bíblia ensina. Mais uma vez, João 11.25-26 traz as palavras de Jesus: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá, eternamente. Crês isso”? Cristo demanda uma tomada de posição da parte das pessoas. È por isso que é correta a pregação do evangelho; a persuasão (Paulo “arrazoava” e “persuadia” a seus ouvintes: Atos 17.2 e 4); a conclamação ao arrependimento (Atos 17.30); é tarefa de todo cristão. É por isso que enviamos missionários, preparamos pregadores, evangelizamos em nossas igrejas; e consideramos necessitados da salvação aqueles que colocam suas esperanças e fé em imagens, em pessoas, em amuletos, em animais, em astros e em tantas outras coisas e situações, como nos avisa Romanos 1.18-32. Quando o crente defende a verdade da Bíblia, a verdade de Deus, ele não está sendo intolerante, mas simplesmente honesto e fiel à verdade, e deve fazer isso com a melhor das intenções, desejando esclarecer e não enganar as pessoas.

Pluralismo cultural

O pluralismo cultural é a coexistência, em uma sociedade, ou nas diversas sociedades da humanidade, de variações diferentes da cultura – algumas apresentando diferenças marcantes, por vezes presente em minorias. Numa sociedade pluralista essa coexistência ocorre com um mínimo de conflitos, e com razoável tolerância, uns pelos outros. Foi nesse sentido que Horace Kallen cunhou o termo pluralismo.[4]


O pluralismo cultural, em um certo sentido, não é antagônico ao ensino cristão A Bíblia ensina verdade absoluta e proclama exclusividade de orientação religiosa. Mas isso não quer dizer que não existe verdade, ou algo a ser apreciado fora da Bíblia. Afinal, o mundo é de Deus (Salmo 24.1 e 2). A teologia da reforma tem sempre ensinado que toda verdade, é verdade de Deus. Existem, na variedade das culturas, muitas coisas de mérito a serem apreciadas e preservadas. Por exemplo, o dito de Confúcio: “não façais aos outros, o que não quereis que eles vos façam”, é certamente verdade e análogo ao ensinamento bíblico de Lucas 6.31 (apesar de podermos verificar com facilidade a superioridade do ensinamento bíblico – que enfatiza o aspecto positivo de “ir e fazer”, em vez do aspecto negativo, do “não fazer”).


No entanto, a apreciação cultural do cristão nunca poderá ser acrítica (sem confrontá-la com o que a Bíblia diz, com os ensinamentos de Deus). Paulo, escrevendo a Tito (1.10-16), diz que ele tem que se colocar contra a cultura de Creta, ou seja, ele não podia pacificamente aceitar o pluralismo cultural, nos pontos onde ele entraria em contradição com princípios e ensinamentos da Escritura. Semelhantemente, nós brasileiros, não podemos aceitar o “jeitinho” como uma expressão cultural legítima, pois via de regra, esse “jeitinho” não quer dizer apenas flexibilidade ou adaptabilidade, mas ele representa quebra de valores, princípios ou regras, para se atingir um fim.


Mas a Bíblia nos ensina a amar os nossos inimigos, e até os que nos perseguem (Mateus 5.43-47). O cristianismo pode, portanto, certamente coexistir com outras culturas, mas sempre identificará os aspectos culturais que devem ser reprovados ou corrigidos, de acordo com os absolutos de Deus (como Paulo fez, ao alertar a Tito, sobre os aspectos culturais que deveriam ser combatidos e corrigidos, em Creta).


Pluralismo filosófico

O pluralismo filosófico é irmão gêmeo do pluralismo religioso e, portanto, eivado de perigos. Rudolf Carnap (1891-1970) filósofo alemão, naturalizado norte-americano, em um ensaio, chamado Princípios de Tolerância, no qual firmava os alicerces do pluralismo lógico, escreveu: “Na lógica, não existe moral. Cada um tem a liberdade de construir a sua própria lógica”.[5] Note a apresentação de que não existe uma posição lógica, mas muitas. Não existem absolutos; consequentemente, não existe verdade universal – o que é verdade para mim, não é verdade para você. Aliás, uma expressão bem contemporânea, é “a minha verdade, não é a sua verdade”. Verifique, também, que tudo isso é abraçado em nome da tolerância.


Veja, também, o entrelaçamento do pluralismo filosófico com o pluralismo religioso. Em 11 de março de 2003, o famoso entrevistador de “talk show”, Larry King (da rede CNN), recebeu alguns teólogos, filósofos e personalidades, exatamente para explorar a convivência plural com pessoas de persuasões diferentes. Um dos entrevistados foi o pastor John MacArthur. Larry King defendia a cosmovisão dos muçulmanos, como sendo igualmente lógica, coerente e legítima. A bandeira da tolerância é, mais uma vez, brandida, para que não haja essa situação incômoda e politicamente incorreta da conversão. Note, nesse trecho da entrevista, como John MacArthur responde a ele, com sabedoria, sem comprometer um milímetro das verdades cristãs:[6]

  • KING (falando de uma personalidade muçulmana): Ele ora cinco vezes por dia. Ele acha que isso está certo. Ele deve estar orando a algo (ou alguém)...
  • MACARTHUR: Bom, infelizmente ele ora ao Deus errado. Existe apenas um único Deus vivo e verdadeiro, e esse é o Deus da Escritura. O Deus Pai do Nosso Senhor Jesus Cristo. E se você não ora a esse Deus, você ora a ninguém.

  • KING: Mas ele não crê nisso. Como você lida com isso? A crença dele é tão forte quanto a sua.
    MACARTHUR: Você pode crer que pode voar e pular de um prédio de cinco andares. Mas isso não torna a sua crença em realidade. Infelizmente, a religiosidade falsa, é a mentira fatal…

  • KING: O mundo dos muçulmanos é todo falso?
    MACARTHUR: Bem, a teologia do islamismo é falsa. O deus é o deus errado. A visão que têm de Cristo é falsa.

Devemos pedir a Deus sabedoria semelhante para responder a esse tipo comum de questionamento (Tiago 1.4-8).


Grande parte dos articulistas da mídia é filosoficamente pluralista. Sempre proclamam tolerância e indicam que as posições individuais não devem ser questionadas. No entanto, observa-se um fenômeno muito interessante com relação ao cristianismo, mas que não deveria nos surpreender. Eles se ofendem muito com a proclamação da fé cristã. Paulo já nos alertava disso em 1 Coríntios 2.14-16. Assim, as “coisas espirituais”, as “coisas do Espírito de Deus” são consideradas “loucura”. Eles não têm, nem podem ter “a mente de Cristo”, sem a conversão. Por isso, enquanto proclamam tolerância, são tão intolerantes.


Não é raro vermos, nas revistas, ataques aos evangélicos ou textos que colocam os crentes em uma posição ridícula. Por exemplo, um ensaio do jornalista Roberto Pompeu de Toledo, há alguns anos, fez troça dos que oram e lêem as Escrituras todos os dias e têm “Jesus sempre no coração” e ridicularizou a fé, os candidatos evangélicos e as expressões de fé pessoal, na campanha política.[7] Os tolerantes, se apresentam nessas questões totalmente intolerantes. O pluralismo só é válido para conservar a fé cristã fora do dia a dia das pessoas.


Em outra controvérsia, o jornalista André Petry, conhecido por seus textos beligerantes contra os evangélicos, ridicularizou o ensino do criacionismo, como visão alternativa ao evolucionismo, coerente com a fé cristã, por escolas cristãs.[8] Muitas vezes, todos os evangélicos são colocados em uma vala comum com seitas neo-pentecostais, as quais, com suas práticas místicas, supersticiosas e materialistas, proclamam, na realidade um outro evangelho, estranho à Palavra de Deus.[9]

Conclusão

O pluralismo traz várias ameaças à fé cristã, especialmente em duas situações: primeiro, quando cristãos absorvem o pluralismo religioso e perdem a identidade de sua fé, o cerne de sua mensagem, a razão de sua existência. Falando a pluralistas religiosos como os de hoje, que queriam introduzir doutrinas estranhas e negar a ressurreição de Cristo, em 1 Coríntios 15, Paulo raciocina em cima das premissas deles, demonstra que são fundamentos falsos e diz, que se o que ensinam é verdade, “somos os mais infelizes de todos os homens”(14, 17, 19), é vazia nossa pregação, é vazia nossa fé. Segundo, quando os pluralistas e supostos “tolerantes”, se mostram violentos, injustos e totalmente intolerantes para com a verdade que incomoda e fere (mas que redime). Devemos orar a Deus para que nos livre de ambas as situações.


No entanto, o próprio pluralismo pode oferecer oportunidades para a apresentação do evangelho. Aperte os pluralistas dentro de suas próprias premissas. Uma dos conceitos que mais prezam é quanto a existência do “contraditório” – dentro da noção de que as múltiplas vertentes é que construirão o conhecimento. Aproveite essas ocasiões e coloque o seu lado, o lado do evangelho, as verdades de Deus. Insista para que você possa apresentar “o contraditório” – a simples aceitação disso já revelará que há contraste, que há diferença, que há verdade e mentira, luz e trevas, salvação e perdição. Paulo fazia isso, façamos nós, também.


Solano


[2]John Feinberg, Contemporary Theology II – Lecture 21, Institute of Theological Studies, (Grand Rapids: Outreach Inc., 1998). Aulas em fita cassette, de ensino a distância.


[7] Revista Veja, “E Depois Terceiro Mundo Somos Nós?”, por Roberto Pompeu de Toledo (No. 1637 – 23 de fevereiro de 2000) 158

[9] Diogo Mainardi – VEJA 1713 – 15.08.2001 - http://veja.abril.com.br/150801/mainardi.html , acessado em 06.06.2009.

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

27 comentários

comentários
Anônimo
AUTOR
24/3/10 01:57 delete

Preb.Solano Portela,
Graca e Paz,

Estava fazendo uma pesquisa de um bom material para um papel de 8 pagina que tenho que entregar na proxima terca-feira ao meu professor na UF(Florida) sobre a minha posicao - Cristianismo Biblico X Pos-Modernismo. Entao encontrei a sua postagem, muito boa, clara, com funtamentos Biblicos e um alerta a todos nos que professamos a nossa fe em Jesus Cristo nosso salvador. O assunto eh de total importancia para a Igreja. Ao meu ver o Pos-Modernismo, tem se mascarado de varias formas para minar os fundamentos da Igreja de Cristo.Como crentes em Cristo devemos ler e estudar as sagradas escrituras como Pedro alerta. 1Ped.3:15 "...Sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razao da esperanca que ha em vos..."
Estava lendo este tambem do Dr.Albert Mohler.
http://www.albertmohler.com/2009/11/04/is-truth-really-plural-postmodernism-in-full-flower/

Soli Deo Gloria,
Nehemiah

Responder
avatar
24/3/10 09:38 delete

Presb. Solano,

Creio que a leitura do "clássico" cristão contra a mente pós-moderna ainda é muito válida: O Deus que Intervém, de Francis Schaeffer.

http://www.editoraculturacrista.com.br/produtos.asp?codigo=371

Abraços!

Responder
avatar
24/3/10 09:54 delete

Caríssimo Solano,

"O pós-modernismo tem sido definido, por vezes como a filosofia da nossa era, mas na realidade não é uma filosofia, em si (e nem uma teologia)."
De fato não: o pós-modernismo é uma anti-filosofia!

"Larry King defendia a cosmovisão dos muçulmanos, como sendo igualmente lógica, coerente e legítima."
Creio que aqui se pode colocar a coisa no seu lugar. É possível que haja cosmovisões outras que sejam lógicas e coerentes internamente. A questão é se elas são também legítimas. Lembro do louco de Chesterton, em sua Ortodoxia. Ele, o louco, pensa seu mundo dentro de um círculo lógico perfeito. Acontece que este mundo não é real!
Desculpe-me a "propaganda", mas eu costumo fazer uma analogia (creio que nada original) do pensamento como um edifício. Assim me expressei em certo artigo:
"O que falta ao cético, tanto aos antigos quanto à sua versão pós-moderna, não é fé, portanto. É Fundamento! A fé comum, enfim, e não a bíblica, é que é cega, sem fundamento e irracional. E embora eu tenha direcionado todo este arrazoado aos céticos (com um foco especial nos pós-modernos), fica claro que toda filosofia não-cristã padece deste mesmo mal. Há magníficos arranha-céus construídos por eles, pensamentos de uma sutileza ímpar, a razão humana exercitada ao seu extremo. Porém todo edifício rui sobre seu frágil fundamento arenoso.
Apenas o cristão, com sua fé bíblica no Absoluto Deus, terá um Fundamento sobre o qual edificar seu pensamento. E não importa muito o tamanho do edifício que construa. Desde uma pequena igreja até uma imensa catedral, sempre terá a Verdade a assegurar seu conhecimento. Enquanto os enormes arranha-céus nem mesmo de fato o arranham, qualquer igrejinha, se realmente construída sobre a Rocha, levará o cristão aos Céus!"
(http://robertovargas-make.blogspot.com/2009/12/sobre-crencas-fe-e-edificios.html)

Mais um ótimo post!
Um grande abraço, no Senhor,
Roberto

Responder
avatar
24/3/10 19:04 delete

Esse texto é o bicho: se correr pega, se ficar come.
Os pluralistas que amam odiar esse blog, que são plantonistas sempre dispostos para comentar de maneira tão "equilibrada e educada", nesse texto em especial ficaram num beco sem saida:
Tanto calar como falar é consentir.

Responder
avatar
Sandro
AUTOR
24/3/10 22:47 delete

Excelente texto! E muito oportuno também! Já se foi o tempo em que os crentes brasileiros tinham convicções claras sobre Jesus ser o único caminho...

Este foi o tema de minha pregação duas semanas atrás... Por isso estou recomendando seu texto como leitura adicional para toda a congregação.

Esses são tempos trabalhosos!

Abraços fraternos,

Sandro Baggio

Responder
avatar
25/3/10 13:10 delete

Paz,

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
25/3/10 17:38 delete

Bom artigo, mas o que me chamou a atenção foi o número - até agora pífio - de comentários sobre este post. Que contraste com o anterior, que teve (até agora) 151 comentários! Tudo bem que este post foi publicado há pouco tempo, e que o número de comentários deverá aumentar qualquer coisa com o passar dos dias. Chego à conclusão que o nosso povo é mesmo chegado a uma discussãozinha... Hehehe!

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
25/3/10 17:54 delete

Texto abominável.

Se você representa o presbiteriano típico, acabei de descobrir que devo fugir da IPB como o diabo foge da cruz.

Espero que você fale por você mesmo, e que a IPB não seja sua refém.

Que o Deus Único e Todo-Poderoso seja o seu juíz.

Amém

Responder
avatar
nós
AUTOR
26/3/10 08:38 delete

Caro Solano, maravilhoso texto!

Acerca da situação dos indígenas e de outros povos que não tem acesso à Palavra, muitas pessoas tentam algum arremedo teológico relativista para a salvação deles, como o senhor mesmo bem expôs em seu texto. Assim, lembrei também de uma frase do Reverendo Ronaldo Lidório no seu livro "Plantando Igrejas": "O homem, portanto, não é condenado por não conhecer a história bíblica. Ele é condenado por não glorificar a Deus. Os homens não são condenados por não ouvirem a Palavra. São condenados cada um por seu pecado". Sabendo-se desta verdade absoluta bíblica e maravilhosa, a Igreja precisa assumir a responsabilidade dela e se esforçar em pregar o evangelho a toda criatura, cônscia de que a salvação pertence somente ao Senhor!
Abraços. E mais uma vez parabéns pela clareza do texto.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
26/3/10 12:34 delete

Atenção, liberal pluralista às 17:54, e batendo em retirada. Bons ventos o levem.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
26/3/10 12:34 delete Este comentário foi removido por um administrador do blog.
avatar
Renato
AUTOR
27/3/10 10:05 delete

Vamos ao que é substantivo:

http://www.deolhonamidia.org.br/Comentarios/mostraComentario.asp?tID=439

A ideologia multiculturalista tem LADO. Ela visa dar armas a outras visões de mondo, e manietar a visão cristã. Atualmente, vemos que os cristãos ocidentais ficaram tão covardes, que não defendem nem mesmo os milhões de cristãos perseguidos. Vejam que o artigo é de um site judeu. Judeus estão sistemáticamente tomando a defesa de cristãos perseguidos, enquanto a maioria dos cristãos ocidentais não faz nada, ou até alia-se aos opressores.

Responder
avatar
tania cassiano
AUTOR
27/3/10 14:41 delete

Presb. Solano,
Muito bom o post!
É sempre bom ter a memória revigorada.
Louvo à Deus por sua vida, de sua família, pela continuidade do blog, sempre esclarecedor, e pela
"nossa" Igreja Presbiteriana do Brasil e as outras que zelam pela
sã doutrina.
Um abraço
Tânia Cassiano

Responder
avatar
27/3/10 23:04 delete

Kharis kai eirene

O pluralismo e o multiculturalismo são tendências irremediáveis de nosso tempo. A sociedade planetária caminha para o estabelecimento, pelo menos no Ocidente, desse projeto. Pensadores, humanistas, educadores, filósofos, cientista e vertentes do cristianismo caminham em direção ao mais completo relativismo. Esse relativismo (moral, epistemológico, religioso, etc.)é fundamentado pelo pluralismo e multiculturalismo. Responder a esses desafios é o compromisso da Igreja de nosso Senhor Jesus. Comunicar a verdade do Evangelho em um contexto pós-metafísico é um grande desafio à linguagem teológica contemporânea.
Esdras Bentho

Responder
avatar
28/3/10 20:45 delete

Parabéns Presb. Solano!

Estive ensiando na E.B.D. sobre "Os Inimigos da Bíblia!" e o artigo foi de execelente valia para a aula.
Deus o conserve com essa sua sabedoria! Estou sempre ligado no blog!
Abraços e que Paz Seja Contigo!
Presb. Djalma Aves

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
29/3/10 11:03 delete

A Paz de Cristo, Pb. Solano!

Em relação aos povos indígenas, pediria que o Senhor me sanasse uma dúvida que já me "perturba" há algum tempo.
Mesmo aqueles índios que nunca tiveram contato com a civilização, e que, portanto, nunca ouviram o evangelho ou a história de Cristo, foram ensinados pelos seus antepassados a adorarem o sol ou qualquer outra coisa que lhe pareça deus, se morrerem sem nunca conhecerem ao verdadeiro Deus que nos é revelado pela Bíblia, não tem eles direito a salvação, salvação essa que se manifestaria na ignorância deles?

Desde já, grato pela ajuda!
em Cristo,

Cleiton Tenório
São Sebastião/SP

Responder
avatar
29/3/10 14:18 delete

Augustus Nicodemus,

Não sei bem se a pergunta cabe ao tema, mas queria saber sobre a tua opinião quanto a musica secular (ex: Legião Urbana, e outras neste estilo), tenho acompanhado suas mensagens e tenho aprendido muito, e acho que uma pessoa interesante a responder esta pergunta.

Soli Deo gloria

Responder
avatar
29/3/10 19:23 delete

Phillipe,

Eu escuto música secular. Gosto de blues e rock clássico, e MPB (algumas). Nunca gostei do estilo do Legião Urbana.

Todavia, procuro filtrar as músicas, o que nem sempre é fácil. Geralmente tento evitar músicas com letras de apologia ao sexo e drogas, bem como explicitamente anti-cristãs.

Se a música gospel fosse de boa qualidade e tivesse conteúdo, provavelmente eu escutaria mais.

Abs.

Responder
avatar
Sérgio Cartellani
AUTOR
29/3/10 21:27 delete

Graça e Paz a todos

Gostaria de perguntar ao Solano ou a qualquer um dos membros do blog Tempora Mores, sobre os vídeos do congresso Religião, Teologia e Igreja com Michel Horton, foi disponibilizado alguns vídeos, porem nem todos, faltando alguns. Esses vídeos serão disponibilizados para assistirmos/baixarmos também?

Abraços na graça e paz de Cristo Jesus.

Sérgio Cartellani

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
30/3/10 01:42 delete

Dr. Augustus,

Com relacao a filtrar musica que em muitas vezes eh um verdadeiro lixo, como senhor falou "com letras de apologia ao sexo e drogas, bem como explicitamente anti-cristãs".Aqui nos Estados Unidos tenho usado para resolver este problema, eh um site chamado -www.pandora.com , aonde voce pode criar a sua estacao de musica.

Graca e Paz,
Rev.Nehemiah - PCA

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
30/3/10 04:48 delete

Texto muito interessante, importante para os dias em que dizer a verdade não basta, pois a “tolerância” de muitos, faz com que continuem com suas crenças a despeito de qualquer argumentação contra ou a favor.

Porém, gostaria de observar o que acredito ter sido uma má interpretação do filósofo Rudolf Carnap. Como é de conhecimento geral, Carnap fez parte do famoso Círculo de Viena, e defendeu o Positivismo Lógico, que é uma tentativa de analisar todas as proposições sintéticas, pelo crivo do experimento científico. Negando, assim, toda tentativa de metafísica. As proposições analíticas, que para ele, assim como para Wittgenstein são tautológicas, não precisam passar pelo experimento, pois são evidentes em si mesmas. Dentro deste contexto ao analisar a frase:

“[We] do not want to impose restrictions but to state conventions . . . In logic there are no morals. Everyone can construct his logic, i.e. his language form, as he wishes. All that is required of him is that, if he wishes to discuss it, he must state his methods clearly, and give syntactical rules instead of philosophical arguments. (CARNAP, Rudolf. Logical Syntax of Linguage. Trad. Amethe Smeaton. London: C.K Ogden, 2001. Pág. 52.)

“[Nós] não queremos impor restrições, mas expor convenções... na lógica não existe moral. Qualquer um pode construir sua lógica, i.e. sua forma linguística, como ele deseja. Tudo que lhe é requerido é que, se ele deseja discuti-la, ele deve expor seus métodos claramente, e dar regras sintáticas, ao invés de argumentos filosóficos."

Percebemos que ele não está tratando de um relativismo da verdade, mas das estruturas linguísticas para falar sobre o mundo. Não existe moral na lógica, porque como diz Wittgenstein "Todas as proposições da lógica dizem, porém, o mesmo; a saber, nada." (Tratactus Logico-Philosophicus), a lógica é vazia, pois é apenas forma linguística. Esta tolerância é uma defesa da possibilidade de se falar sobre o mundo externo em vários graus, portanto, assim como há uma linguagem informal para descrever o mundo, há também uma formal. Além disto há os aspectos da linguagem não cientifica e a linguagem científica, que para Carnap, é a melhor linguagem para descrever o mundo. Não por algum desmerecimento das outras linguagens, mas por ser a ciência quem detém o método experimental, e assim, quem pode aferir se a proposição fala ou não do real.
Particularmente, eu não concordo com o empirismo de Carnap, mas para fazer jus ao contexto do filósofo faço este comentário.

Abraços.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
30/3/10 07:27 delete

O pluralismo é uma consequência necessária da Reforma Protestante. A luta para tal foi de vida ou morte, tendo prevalecido a postura de defesa da consciência individual defendida por Lutero contra a ditatuda da Igreja Católica.

Abraços em Cristo

Responder
avatar
Elton
AUTOR
30/3/10 12:22 delete

Quem tem os links do congresso Religião, Teologia e Igreja com Michel Horton?

Agradecido.

Responder
avatar
Danilo Neves
AUTOR
30/3/10 12:32 delete

Vc viu essa do Gondim, Solano? Pluralismo malévolo esse, pra não dizer outra coisa:

http://www.youtube.com/watch?v=vg6e_3hkPQk

Responder
avatar
30/3/10 15:49 delete

Sérgio Cartellani,

Somente os vídeos que estão no site.

Abs.
Augustus

Responder
avatar
30/3/10 15:50 delete

Grande Nehemiah,

Obrigado pela dica, que espero sirva tb para nossos leitores.

Abs.

Responder
avatar
30/3/10 15:53 delete

Caríssimo Augustus,

Postei um comentário que não foi publicado. Não havendo mal nele, suponho que tenha se perdido. Então digo de novo: você é o cara! Calvinista, motociclista e blueseiro?! É mesmo o cara!

Grande abraço, no Senhor,
Roberto

Responder
avatar