segunda-feira, setembro 23, 2013

Augustus Nicodemus Lopes

Os Desigrejados

(reprint do post de 2010 - ainda bastante atual)

Para mim resta pouca dúvida de que a igreja institucional e organizada está hoje no centro de acirradas discussões em praticamente todos os quartéis da cristandade, e mesmo fora dela. O surgimento de milhares de denominações evangélicas, o poderio apostólico de igrejas neopentecostais, a institucionalização e secularização das denominações históricas, a profissionalização do ministério pastoral, a busca de diplomas teológicos reconhecidos pelo estado, a variedade infindável de métodos de crescimento de igrejas, de sucesso pastoral, os escândalos ocorridos nas igrejas, a falta de crescimento das igrejas tradicionais, o fracasso das igrejas emergentes – tudo isto tem levado muitos a se desencantarem com a igreja institucional e organizada.Alguns simplesmente abandonaram a igreja e a fé. Mas, outros, querem abandonar apenas a igreja e manter a fé. Querem ser cristãos, mas sem a igreja. 

Muitos destes estão apenas decepcionados com a igreja institucional e tentam continuar a ser cristãos sem pertencer ou frequentar nenhuma. Todavia, existem aqueles que, além de não mais frequentarem a igreja, tomaram esta bandeira e passaram a defender abertamente o fracasso total da igreja organizada, a necessidade de um cristianismo sem igreja e a necessidade de sairmos da igreja para podermos encontrar Deus. Estas idéias vêm sendo veiculadas através de livros, palestras e da mídia. Viraram um movimento que cresce a cada dia. São os desigrejados.
Muitos livros recentes têm defendido a desigrejação do cristianismo (*). 

Em linhas gerais, os desigrejados defendem os seguintes pontos.

1) Cristo não deixou qualquer forma de igreja organizada e institucional.

2) Já nos primeiros séculos os cristãos se afastaram dos ensinos de Jesus, organizando-se como uma instituição, a Igreja, criando estruturas, inventando ofícios para substituir os carismas, elaborando hierarquias para proteger e defender a própria instituição, e de tal maneira se organizaram que acabaram deixando Deus de fora. Com a influência da filosofia grega na teologia e a oficialização do cristianismo por Constantino, a igreja corrompeu-se completamente.

3) Apesar da Reforma ter se levantado contra esta corrupção, os protestantes e evangélicos acabaram caindo nos mesmíssimos erros, ao criarem denominações organizadas, sistemas interligados de hierarquia e processos de manutenção do sistema, como a disciplina e a exclusão dos dissidentes, e ao elaborarem confissões de fé, catecismos e declarações de fé, que engessaram a mensagem de Jesus e impediram o livre pensamento teológico.

4) A igreja verdadeira não tem templos, cultos regulares aos domingos, tesouraria, hierarquia, ofícios, ofertas, dízimos, clero oficial, confissões de fé, rol de membros, propriedades, escolas, seminários.

5) De acordo com Jesus, onde estiverem dois ou três que crêem nele, ali está a igreja, pois Cristo está com eles, conforme prometeu em Mateus 18. Assim, se dois ou três amigos cristãos se encontrarem no Frans Café numa sexta a noite para falar sobre as lições espirituais do filme O Livro de Eli, por exemplo, ali é a igreja, não sendo necessário absolutamente mais nada do tipo ir à igreja no domingo ou pertencer a uma igreja organizada.

6) A igreja, como organização humana, tem falhado e caído em muitos erros, pecados e escândalos, e prestado um desserviço ao Evangelho. Precisamos sair dela para podermos encontrar a Deus.

Eu concordo com vários dos pontos defendidos pelos desigrejados. Infelizmente, eles estão certos quanto ao fato de que muitos evangélicos confundem a igreja organizada com a igreja de Cristo e têm lutado com unhas e dentes para defender sua denominação e sua igreja, mesmo quando estas não representam genuinamente os valores da Igreja de Cristo. Concordo também que a igreja de Cristo não precisa de templos construídos e nem de todo o aparato necessário para sua manutenção. Ela, na verdade, subsistiu de forma vigorosa nos quatro primeiros séculos se reunindo em casas, cavernas, vales, campos, e até cemitérios. Os templos cristãos só foram erigidos após a oficialização do Cristianismo por Constantino, no séc. IV.

Os desigrejados estão certos ao criticar os sistemas de defesa criados para perpetuar as estruturas e a hierarquia das igrejas organizadas, esquecendo-se das pessoas e dando prioridade à organização. Concordo com eles que não podemos identificar a igreja com cultos organizados, programações sem fim durante a semana, cargos e funções como superintendente de Escola Dominical, organizações internas como uniões de moços, adolescentes, senhoras e homens, e métodos como células, encontros de casais e de jovens, e por ai vai. E também estou de acordo com a constatação de que a igreja institucional tem cometido muitos erros no decorrer de sua longa história.

Dito isto, pergunto se ainda assim está correto abandonarmos a igreja institucional e seguirmos um cristianismo em vôo solo. Pergunto ainda se os desigrejados não estão jogando fora o bebê junto com a água suja da banheira. Ao final, parece que a revolta deles não é somente contra a institucionalização da igreja, mas contra qualquer coisa que imponha limites ou restrições à sua maneira de pensar e de agir. Fico com a impressão que eles querem se livrar da igreja para poderem ser cristãos do jeito que entendem, acreditarem no que quiserem – sendo livres pensadores sem conclusões ou convicções definidas – fazerem o que quiserem, para poderem experimentar de tudo na vida sem receio de penalizações e correções. Esse tipo de atitude anti-instituição, antidisciplina, anti-regras, anti-autoridade, antilimites de todo tipo se encaixa perfeitamente na mentalidade secular e revolucionária de nosso tempo, que entra nas igrejas travestida de cristianismo.
É verdade que Jesus não deixou uma igreja institucionalizada aqui neste mundo. Todavia, ele disse algumas coisas sobre a igreja que levaram seus discípulos a se organizarem em comunidades ainda no período apostólico e muito antes de Constantino.

1) Jesus disse aos discípulos que sua igreja seria edificada sobre a declaração de Pedro, que ele era o Cristo, o Filho do Deus vivo (Mt 16.15-19). A igreja foi fundada sobre esta pedra, que é a verdade sobre a pessoa de Jesus (cf. 1Pd 2.4-8). O que se desviar desta verdade – a divindade e exclusividade da pessoa de Cristo – não é igreja cristã. Não admira que os apóstolos estivessem prontos a rejeitar os livre-pensadores de sua época, que queriam dar uma outra interpretação à pessoa e obra de Cristo diferente daquela que eles receberam do próprio Cristo. As igrejas foram instruídas pelos apóstolos a rejeitar os livre-pensadores como os gnósticos e judaizantes, e libertinos desobedientes, como os seguidores de Balaão e os nicolaítas (cf. 2Jo 10; Rm 16.17; 1Co 5.11; 2Ts 3.6; 3.14; Tt 3.10; Jd 4; Ap 2.14; 2.6,15). Fica praticamente impossível nos mantermos sobre a rocha, Cristo, e sobre a tradição dos apóstolos registrada nas Escrituras, sem sermos igreja, onde somos ensinados, corrigidos, admoestados, advertidos, confirmados, e onde os que se desviam da verdade apostólica são rejeitados.

2) A declaração de Jesus acima, que a sua igreja se ergue sobre a confissão acerca de sua Pessoa, nos mostra a ligação estreita, orgânica e indissolúvel entre ele e sua igreja. Em outro lugar, ele ilustrou esta relação com a figura da videira e seus galhos (João 15). Esta união foi muito bem compreendida pelos seus discípulos, que a compararam à relação entre a cabeça e o corpo (Ef 1.22-23), a relação marido e mulher (Ef 5.22-33) e entre o edifício e a pedra sobre o qual ele se assenta (1Pd 2.4-8). Os desigrejados querem Cristo, mas não querem sua igreja. Querem o noivo, mas rejeitam sua noiva. Mas, aquilo que Deus ajuntou, não o separe o homem. Não podemos ter um sem o outro.

3) Jesus instituiu também o que chamamos de processo disciplinar, quando ensinou aos seus discípulos de que maneira deveriam proceder no caso de um irmão que caiu em pecado (Mt 18.15-20). Após repetidas advertências em particular, o irmão faltoso, porém endurecido, deveria ser excluído da “igreja” – pois é, Jesus usou o termo – e não deveria mais ser tratado como parte dela (Mt 18.17). Os apóstolos entenderam isto muito bem, pois encontramos em suas cartas dezenas de advertências às igrejas que eles organizaram para que se afastassem e excluíssem os que não quisessem se arrepender dos seus pecados e que não andassem de acordo com a verdade apostólica. Um bom exemplo disto é a exclusão do “irmão” imoral da igreja de Corinto (1Co 5). Não entendo como isto pode ser feito numa fraternidade informal e livre que se reúne para bebericar café nas sextas à noite e discutir assuntos culturais, onde não existe a consciência de pertencemos a um corpo que se guia conforme as regras estabelecidas por Cristo.

4) Jesus determinou que seus seguidores fizessem discípulos em todo o mundo, e que os batizassem e ensinassem a eles tudo o que ele havia mandado (Mt 28.19-20). Os discípulos entenderam isto muito bem. Eles organizaram os convertidos em igrejas, os quais eram batizados e instruídos no ensino apostólico. Eles estabeleceram líderes espirituais sobre estas igrejas, que eram responsáveis por instruir os convertidos, advertir os faltosos e cuidar dos necessitados (At 6.1-6; At 14.23). Definiram claramente o perfil destes líderes e suas funções, que iam desde o governo espiritual das comunidades até a oração pelos enfermos (1Tm 31-13; Tt 1.5-9; Tg 5.14).

5) Não demorou também para que os cristãos apostólicos elaborassem as primeiras declarações ou confissões de fé que encontramos (cf. Rm 10.9; 1Jo 4.15; At 8.36-37; Fp 2.5-11; etc.), que serviam de base para a catequese e instrução dos novos convertidos, e para examinarem e rejeitarem os falsos mestres. Veja, por exemplo, João usando uma destas declarações para repelir livre-pensadores gnósticos das igrejas da Ásia (2Jo 7-10; 1Jo 4.1-3). Ainda no período apostólico já encontramos sinais de que as igrejas haviam se organizado e estruturado, tendo presbíteros, diáconos, mestres e guias, uma ordem de viúvas e ainda presbitérios (1Tm 3.1; 5.17,19; Tt 1.5; Fp 1.1; 1Tm 3.8,12; 1Tm 5.9; 1Tm 4.14). O exemplo mais antigo que temos desta organização é a reunião dos apóstolos e presbíteros em Jerusalém para tratar de um caso de doutrina – a inclusão dos gentios na igreja e as condições para que houvesse comunhão com os judeus convertidos (At 15.1-6). A decisão deste que ficou conhecido como o “concílio de Jerusalém” foi levada para ser obedecida nas demais igrejas (At 16.4), mostrando que havia desde cedo uma rede hierárquica entre as igrejas apostólicas, poucos anos depois de Pentecostes e muitos anos antes de Constantino.

6) Jesus também mandou que seus discípulos se reunissem regularmente para comer o pão e beber o vinho em memória dele (Lc 22.14-20). Os apóstolos seguiram a ordem, e reuniam-se regularmente para celebrar a Ceia (At 2.42; 20.7; 1Co 10.16). Todavia, dada à natureza da Ceia, cedo introduziram normas para a participação nela, como fica evidente no caso da igreja de Corinto (1Co 11.23-34). Não sei direito como os desigrejados celebram a Ceia, mas deve ser difícil fazer isto sem que estejamos na companhia de irmãos que partilham da mesma fé e que crêem a mesma coisa sobre o Senhor.

É curioso que a passagem predileta dos desigrejados – “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mt 18.20) – foi proferida por Jesus no contexto da igreja organizada. Estes dois ou três que ele menciona são os dois ou três que vão tentar ganhar o irmão faltoso e reconduzi-lo à comunhão da igreja (Mt 18.16). Ou seja, são os dois ou três que estão agindo para preservar a pureza da igreja como corpo, e não dois ou três que se separam dos demais e resolvem fazer sua própria igrejinha informal ou seguir carreira solo como cristãos.

O meu ponto é este: que muito antes do período pós-apostólico, da intrusão da filosofia grega na teologia da Igreja e do decreto de Constantino – os três marcos que segundo os desigrejados são responsáveis pela corrupção da igreja institucional – a igreja de Cristo já estava organizada, com seus ofícios, hierarquia, sistema disciplinar, funcionamento regular, credos e confissões. A ponto de Paulo se referir a ela como “coluna e baluarte da verdade” (1Tm 3.15) e o autor de Hebreus repreender os que deixavam de se congregar com os demais cristãos (Hb 10.25). O livro de Atos faz diversas menções das “igrejas”, referindo-se a elas como corpos definidos e organizados nas cidades (cf. At 15.41; 16.5; veja também Rm 16.4,16; 1Co 7.17; 11.16; 14.33; 16.1; etc. – a relação é muito grande).

No final, fico com a impressão que os desigrejados, na verdade, não são contra a igreja organizada meramente porque desejam uma forma mais pura de Cristianismo, mais próxima da forma original – pois esta forma original já nasceu organizada e estruturada, nos Evangelhos e no restante do Novo Testamento. Acho que eles querem mesmo é liberdade para serem cristãos do jeito deles, acreditar no que quiserem e viver do jeito que acham correto, sem ter que prestar contas a ninguém. Pertencer a uma igreja organizada, especialmente àquelas que historicamente são confessionais e que têm autoridades constituídas, conselhos e concílios, significa submeter nossas idéias e nossa maneira de viver ao crivo do Evangelho, conforme entendido pelo Cristianismo histórico. Para muitos, isto é pedir demais.

Eu não tenho ilusões quanto ao estado atual da igreja. Ela é imperfeita e continuará assim enquanto eu for membro dela. A teologia Reformada não deixa dúvidas quanto ao estado de imperfeição, corrupção, falibilidade e miséria em que a igreja militante se encontra no presente, enquanto aguarda a vinda do Senhor Jesus, ocasião em que se tornará igreja triunfante. Ao mesmo tempo, ensina que não podemos ser cristãos sem ela. Que apesar de tudo, precisamos uns dos outros, precisamos da pregação da Palavra, da disciplina e dos sacramentos, da comunhão de irmãos e dos cultos regulares.

Cristianismo sem igreja é uma outra religião, a religião individualista dos livre-pensadores, eternamente em dúvida, incapazes de levar cativos seus pensamentos à obediência de Cristo.------------------------------------------------------------------------------------------
NOTA:(*) Podemos mencionar entre eles: George Barna, Revolution (Revolução), 2005; William P. Young, The Shack: a novel (A Cabana: uma novela), 2007; Brian Sanders, Life After Church(Vida após a igreja), 2007; Jim Palmer, Divine Nobodies: shedding religion to find God(Joões-ninguém divinos: deixando a religião para encontrar a Deus), 2006; Martin Zener,How to Quit Church without Quitting God (Como deixar a Igreja sem deixar a Deus), 2002; Julia Duin, Quitting Church: why the faithful are fleeing and what to do about it (Deixando a Igreja: por que os fiéis estão saindo e o que fazer a respeito disto), 2008; Frank Viola,Pagan Christianity? Exploring the roots of our church practices (Cristianismo pagão? Explorando as raízes das nossas práticas na Igreja), 2007; Paulo Brabo, Bacia das Almas: Confissões de um ex-dependente de igreja (2009).

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

40 comentários

comentários
23/9/13 19:35 delete

Amém! Palavra abençoadora.

Rev. Augustus, sempre que leio algo similar ao seu post, penso naquela famosa mas verdadeira frase "A brasa fora do braseiro se apaga." Eu posso dizer que vi pessoas iniciarem a defesa desses pontos e hoje estão como um gêlo, frios. Com toda a falha que há, embora num outro contexto, fico com o texto de Eclesiastes 4.10, que diz: "Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante." Agradeço a Deus pelos meus irmãos institucionalizados e imperfeitos que nos momentos em que fraquejei e que precisei de apoio, em nome do nosso Senhor, me levantaram. Se estivesse sozinho, provavelmente não estaria aqui lhe escrevendo.

Deus abençoe o irmão!

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
24/9/13 02:27 delete

Gostei desta parte: "Eu não tenho ilusões quanto ao estado atual da igreja. Ela é imperfeita e continuará assim enquanto eu for membro dela."
.
De fato, a Igreja aqui na Terra só é imperfeita por causa de tipos como eu. E enquanto ela estiver aqui e o "eu" estiver nela, será assim. Mas virá o tempo em que ela se tornará essa Igreja triunfante que nós esperamos.

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
24/9/13 02:27 delete

Gostei desta parte: "Eu não tenho ilusões quanto ao estado atual da igreja. Ela é imperfeita e continuará assim enquanto eu for membro dela."
.
De fato, a Igreja aqui na Terra só é imperfeita por causa de tipos como eu. E enquanto ela estiver aqui e o "eu" estiver nela, será assim. Mas virá o tempo em que ela se tornará essa Igreja triunfante que nós esperamos.

Responder
avatar
24/9/13 08:08 delete

Que reflexão pastor Nicodemus!

Estou passando por problemas parecidos com os citados no post. Tem sido doloroso viver isso, e são textos assim que me ajudam a olhar para dentro de mim e não desistir de lutar para estar no Corpo de Cristo; como sua Noiva.

Obrigado meu irmão!!!

Responder
avatar
24/9/13 12:08 delete

Muito bom o texto. Estamos vivendo dias difíceis na igreja brasileira. Que Deus continue abençoando sua vida!

cafeegraca.blogspot.com

Marco Antônio

Responder
avatar
24/9/13 13:08 delete

Irmão gostei muito do post, e estarei republicando em meu blog, com a devida referencia ao seu blog.

A paz do Senhor!

Responder
avatar
24/9/13 18:50 delete

Rev. Nicodemos, que DEUS abençoe e lhe conserve, com esse posicionamento firme e inflexível, quando estão em jogo, os preceitos e os fundamentos da doutrina cristã. Sou cristão, apesar da minha insignificância. "Mas Cristo é que opera em nós, tanto o querer, quanto o realizar". E para finalizar, deixo outra palavra: A luz do justo é como a luz da aurora que vai brilhando, mais e mais até ser dia perfeito.[Prov.4:18].
Abcs.

Responder
avatar
24/9/13 19:39 delete

É impressão minha, ou alguns pensamentos dos desigrejados (ou MSI - Movimento dos Sem Igreja) casam com a teologia neo-ortodoxa que busca em tudo alguma experiência existencial que sirva de para substituir a Bíblia? Penso que a exemplo das comunidades que pipocaram na década de 80, com um discurso de livrar-se da burocracia institucional, mas que hoje são verdadeiras empresas eclesiásticas, esse novo movimento sem paredes tende a tornar-se pior do que o que criticam.

Responder
avatar
EU
AUTOR
25/9/13 00:53 delete

Cristo nos chama para a liberdade: " E conhecereis à Verdade e a Verdade vos Libertará...", " Não vos chamei para ser ouvintes, mas sim cumpridores..." e por aí vai, " Sem Mim, nada podeis fazer...", "Aquele que está em Cristo Nova criatura é as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo....", não concordo muito com o termo desigrajados, posto que o Espírito de Deus habita em cada templo, que somos nós, e a Palavra mesma nos diz que "Ele jamais nos deixaria e nunca jamais nos abandonaria..., poderia passar a noite toda citando textos bíblicos mas todo e qualquer movimento que seja só é válido se o objetivo for um só demonstrar o Amor de Deus, pois é nisso que as pessoas que não conhecem o Senhor vão enxergar a diferença," Nisto conhecerão que sois meus discípulos se vos amardes uns aos outros...!!! Graça e Paz a todos.

Responder
avatar
Joel
AUTOR
25/9/13 11:22 delete

eu estou indo ainda nuas instituilaç religiosa mas não vejo ela como guardiã da minha fé e estou inde uma media de uma vos por mes ja ate preguei,depoi que eu falei a verdade sobre a aberação dos neu pentecostal,e um dos lideres teve a falta d eeducação de me recriminar no pulpio na frente dos membroi isso e falta de descernimento de eespirito,eu estou inda quando quero,,o centurião romano não tenho igreja,mas ele tinha mais fé que os religiosos da epoca de jesus

Responder
avatar
25/9/13 20:27 delete

Irmão Augustus
Que o Pai abençoe sua família e seu lar!
Sou um admirador da sua idoneidade bíblica. Entendo que é fiel as santas escrituras!
Todavia, com amor e respeito se o irmão me permitir, gostaria de discordar em um ponto exclusivo, pois em várias circunstâncias na exposição, concordei plenamente.

Em fim, é deselegante taxar um irmão que não se vincula a denominação como "desigrejado". Nós entendemos que a denominação está muito longe de ser Igreja, pois a mesma é constituída de pessoas, portanto, não é uma estrutura inanimada.
A Igreja, a Noiva de Jesus, não está vinculada a um nome ou regra denominacional/organizacional. Ela precisa simplesmente ter o caráter de Cristo e exercer Justiça.
A Igreja é estabelecida quando há um ajuntamento ou agrupamento de cristãos genuínos que professam Jesus Cristo sendo Nele novas criaturas, sendo assim essas pessoas não precisam carregar em seus ombros o peso de um rótulo, o que elas precisam é ter o peso da responsabilidade de serem e viverem esta nova vida. O fato de se relacionarem como Corpo não vinculado ao Estado não as fazem piores nem melhores, pois o que rege a vida da Igreja e de seus membros são os frutos que eles demonstram e geram em Jesus.
Poderia apresentar alguns textos em seus respectivos contextos para solidificar este argumento, mas não encaramos isto como debate e sim como uma conversa amigável.
Gostaria muito se pudéssemos um dia conversar.

Meu sincero respeito pelo senhor;
Att;
Cristiano.

Responder
avatar
airo4170
AUTOR
26/9/13 11:00 delete

Já faz quase uma década que deixei os guetos eclesiásticos. Não foi por questões de relacionamento pessoal, nem do tipo “comprei gato por lebre”. Também não deixei a igreja X ou Y, mas sim esse modelo atual [que funcionou durante muito tempo, mas que agora está comprometido por ter se tornado um anacrônico modelo.

Durante o tempo em que estou aqui, desse lado de fora, pude conversar com pessoas e ler artigos sobre os questionamentos feitos, aos chamados "desigrejados" [os crentes que não frequentam nenhum tipo de igreja denominacional/institucionalizada].

Se for apenas isso, até que me encaixo bem nessa simples definição.

Como também me encaixaria em algumas outras, dependendo da ótica de quem vê.

Para os que se dispuseram a tentar entender tal comportamento, de pessoas que se encaixam na definição do título acima, quero deixar algumas impressões que tenho quando leio os seus textos:

1.

A perspectiva é reduzida.

Pois quando pensam em como ser igreja, pensam a partir da ótica da própria igreja.

Pergunto se a igreja é o meio ou a finalidade? E qual é o propósito de Deus?

2.

O crítica é parcial, logo, tendenciosa.

Pois se manifestam em auto defesa.

Seguem nessa mesma linha as pessoas que defendem sua própria igreja/denominação. Parece coerente. Pois se não pudessem fazer isso, também não estariam mais lá.

Nessa mesma linha também seguem os torcedores que defendem o time de seu coração.

Ou seja, dessa maneira, se a crítica não estiver totalmente comprometida, ao menos parcialmente estará.

Já dizia o velho Paulo que somente um louco pode falar [bem] de si mesmo.

3.

Mesmo os bons críticos tem uma análise reduzida.

Percebo que alguns críticos até que sabem fazer uma boa leitura da atual situação da igreja, enquanto instituição organizada. Conhecem boa parte da história e os modismos que surgiram nesses últimos 30 anos. Mas ignoram/desconhecem um pouco da realidade de comportamento dessa nova geração. Para eles a definição desses desigrejados é bem simples [ou tendenciosa]: “Eles não querem se sujeitar a ninguém.”

4.

Geralmente são reféns desse modelo atual.

São vários os motivos. Mas apontarei apenas um:

De alguma maneira, todos eles se alimentam disso.

5.

Não estão dispostos a debater sobre o assunto.

Todos pensam que do lado de fora não existe nenhuma proposta.

6.

Sequer desconfiam que o problema não está no simples fato de ser uma instituição/CNPJ.

Quanto a isso, qual seria o problema senão em sua relevância prática, didática e ritualística; em seu modelo de gestão; ou em sua proposta social.



Enfim, conversas são mais produtivas que somente textos.

O processo pode demorar, mas precisamos preparar um lugar mais apropriado para receber essa nova geração.

Um modelo velho e ultrapassado compromete a essência, de qualquer que seja a mensagem.

O comportamento é diferente. Hoje em dia é mais fácil se informar sem precisar de um mestre de corpo presente. É mais simples pesquisar depois de duvidar.

Os líderes da nova geração não nascerão dentro de guetos teológicos, pois já nascerão com facilidade para subversão.

O moderno dá certo, mas o novo causa espanto.



Precisamos conversar…



Tropical

Responder
avatar
26/9/13 12:36 delete

Tropical,

Só retórica. Você não respondeu a nenhum dos argumentos bíblicos que levantei e nem disse em que minha exegese dos textos está errada. E eu é que sou reducionista? Seu argumento é um só: o novo é o certo e o velho é errado. Caramba, não pode haver nada certo que seja velho e nada novo que seja errado?

Dispensar os mestres? E como ficam as dezenas de passagens da Bíblia que falam de mestres, pastores, guias, líderes que Deus estabeleceu para abençoar a igreja?

Seu comentário é só uma amostra do que acontece quando alguém resolve aprender sozinho...

Responder
avatar
26/9/13 12:42 delete

Cristiano,

Obrigado pelo comentário inteligente e respeitoso. Afinal, tem gente que sabe discordar e perguntar sem partir para desmoralizar o oponente.

Se você reler meu artigo direitinho, você verá que não estou dizendo que a igreja de Cristo são as denominações e nem que alguém precisa estar ligado a uma denominação para ser cristão. Os desigrejados contra os quais escrevi este artigo são os que não querem participar de grupo nenhum onde haja ordem, normas, autoridade, e onde tenham que se submeter à liderança espiritual de outros. Certamente não parece ser o seu caso.

Abraços.
Augustus

Responder
avatar
26/9/13 13:50 delete

Agustus, vamos lá:

1.
Quanto ao que escrevi e sua resposta.
Se ler novamente meu texto, vai perceber que não rejeito os mestres, mas aponto para um tendência de comportamento, característico a nova geração. Principalmente quanto temos a disposição uma sem número de títulos e livros. Um bom exemplo para isso, apesar de ser uma geração passada, o próprio Philip Yancey disse que os livros se tornaram seus mentores. Mais uma vez, apontei uma tendência e não disse ser isso uma coisa certa [como não não escrevi ser errada], a ser feita.

2.
Sim! Pode haver velho certo e novo errado.
Porém esse também não foi meu "argumento" escrito.
Quis deixar minhas impressões sobre coisas que leio, não responder a CADA ponto que descreveu. Mas tenho me disposto a isso, a responder esses argumentos - primeiramente para mim mesmo.

3.
Só um exemplo - se meu objetivo fosse o de responder a sua exegese.
No seu primeiro ponto vc escreveu que "O que se desviar dessa verdade [Cristo]… não é igreja cristã." Sim! Concordo. Mas seria a igreja somente um lugar onde se vai? Bem eu aprendi que igreja é uma palavra utilizada como referência a um agrupamento de cristãos e não a edificações ou templos. Etimologicamente falando, são os "chamados para fora" - a palavra grega ekklesia é composta de dois radicais gregos: ek que significa para fora e klesia que significa chamados. Biblicamente, Igreja não é um lugar onde se vai, mas uma assembléia de cristãos independente de prédios. Igreja não é um lugar, não é um endereço, não são construções humanas, mas um coletivo de pessoas. E se para esse coletivo de pessoas ser chamado de igreja, além de não se desviarem da verdade [Cristo] for necessário que ter um ancião, uma família, algumas crianças, etc… é a continuação do assunto.

4.
Costumo dizer que discuto com os de minha idade, ensino aos mais jovens e ouço os mais velhos.
Ou seja, me desculpe por parecer tão irreverente e desrespeitoso. Pois não abro mão de mestres.

5.
No mais, não aprendo sozinho. Pois sou casado - tenho uma esposa, e dois filhos. Tenho um sogro que é um homem de Deus. Tenho mãe, mas infelizmente meu pai já faleceu. Tenho amigos e irmãos em Cristo. Além disso, estudo e me disponho/exponho para uma boa confrontação.

Tropical

P.S.: Meu nome é Paulo David Muzel.

Responder
avatar
26/9/13 14:40 delete

Augustus,

Já mandei uma resposta, mas, olhando com mais atenção [que deveria ter tido antes], percebi o motivo que causou a mal impressão. Eu escrevi primeiro:
"Para os que se dispuseram a tentar entender tal comportamento, de pessoas que se encaixam na definição do título acima, quero deixar algumas impressões que tenho QUANDO LEIO SEUS TEXTOS:"...

Bem, copiei o texto que já havia escrito e postado em meu blog e colei aqui. Fora do contexto do meu blog, caiu muito mal.

Sem mais delongas, mais uma vez, me desculpe.
Não é minha idéia ser desrespeitoso quando falo com pessoas.

Tropical

Responder
avatar
26/9/13 15:49 delete

Augustus, continuo incomodado com a maneira que iniciei essa conversa. Errei feio, ainda mais se for levar em conta que, às pessoas mais experientes, sou devedor de dupla honra. Não segui essa regra e por isso eu entendo que qualquer argumento já ficou comprometido pela primeira atitude. Mas fica ai mais um pedido de desculpas e, espero um que dia mudar essa primeira impressão.
Desculpe!

Tropical

Responder
avatar
26/9/13 19:13 delete

Prezado Paulo,

Obrigado pelos comentários e explicações. Da minha parte, está desculpado, sim, fique na paz. Deus abençoe a sua vida e de sua família.

Abs.

Responder
avatar
27/9/13 06:51 delete

Reverendo Algustus, qual é a difernça entre a igreja emergente dos desigrejados? Já que há muitas semelhanças?

atenciosamente,

Daniel Viana Morais

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
27/9/13 08:11 delete

Excelente texto meu caro, realmente é uma realidade complexa a qual o movimento cristão tem vivido atualmente, seja no âmbito evangélico ou católico. Como ex-católico, ex-pentecostal e atual reformado, vejo que a Igreja e os cristãos necessitam de um verdadeiro avivamento, como bem tem insistido Hernandes Dias Lopes nos últimos anos. Talvez esse "desigrejamento" seja um reflexo dessa necessidade de avivamento dentro do meio cristão.

Só gostaria de fazer uma pequena ressalva em uma informação histórica de seu texto. O senhor afirma que foi Constantino que oficializou o cristianismo em Roma. Isso não procede. O cristianismo foi oficializado em Roma no ano de 380, pelo imperador Teodósio. Constantino, pelo Edito de Milão (também conhecido como Edito da Tolerância), firmado em 313, acabou com a perseguição religiosa romana aos cristãos, garantindo aos mesmos a liberdade de crença religiosa.

Responder
avatar
27/9/13 16:51 delete

Os desigrejados são fruto do liberalismo teológico, estou certo? O poder da escolha pessoal não é a questão de fundo desse fenômeno? Sempre encontro alguém com essa ideia da falha institucional como álibi do abandonar a comunhão com a Igreja. De qualquer modo, muito bom seu texto. Claro e sem firulas. Abraço. Em Cristo.

Responder
avatar
Aprendiz
AUTOR
29/9/13 23:50 delete

Eu até tinha simpatia por uma proposta de menos institucionalização. Mas os desigrejados me abriram os olhos. Li os argumentos deles, e vi espantado que eles tem a ilusão da institucionalização nula. Confundem instituição com CNPJ. Imaginam que as denominações são alguma espécie de prisão e se julgam os heróis libertadores.

Instituições em geral não são algo imposto, são produto da própria dinâmica da interação interpessoal. congregações locais são produto da ação comum dos cristãos. Se há cristãos, haverá congregações.

Responder
avatar
Thiago C
AUTOR
30/9/13 17:52 delete

Ola Rev.e irmão Augustos.Boa Tarde.Após ler seu livro ¨o que estão fazendo com a Igreja¨, tenho consumido muito material reformado, novidade para mim pois me acheguei a Cristo e a Bíblia por uma Igreja Neo Pentecostal.
Tenho vivido algumas crises interiores e a Bíblia tem me consolado, porem são tantas dúvidas e pressões perante aos erros teológicos doutrinários e incompreensões quanto a questionamentos que me senti algumas vezes tendencioso a algumas características do seu artigo, me sentindo um desigrejado mesmo que frequentando uma congregação organizada.Até tenho marcado uma conversa com um Presbítero quer saber se há algo de errado por uma aparente frieza espiritual que tenho demonstrado(fato é que tenho orado menos e lido mais, e alguns dos fantasmas do passado como lascívia nos pensamentos tem tentado reviver e achado espaço). Gostaria de conselhos e orações, mas creio que Deus é Soberano ainda que ¨pareça¨ tardio.Obrigado

Responder
avatar
1/10/13 13:38 delete

Salve Reverendo,
Como sempre, suas palavras são um instrumento de sabedoria e aplicação das sagradas escrituras. Muito embora eu seja um calvinista "do papo amarelo" e um cristão reformado convicto, atualmente também sou um "ex-presbiteriano" e "desigrejado". Não por vontade própria, mas por intolerância e incoerência da dita liderança local, diga-se de passagem, criação sua (rsrsrs desculpe-me, não resisti). Temo em dizer que embora eu realmente creia que a fé "desigrejada" fique muito abalada pela falta que faz a comunhão dos santos e todos os demais pontos positivos da igreja instituição, atualmente está impossível ser membro de uma IPB sem ser hipócrita e de ânimo dobre. O século XXI trouxe com ele mudanças no comportamento do indivíduo cristão que se tratadas da forma com que eram tratadas no século XVI vai afastar a maioria dos sinceros.
Infelizmente não os hipócritas... Esses terão sempre lugar na liderança das igrejas, pois seus pecados estão bem escondidinhos debaixo de algum "santo tapete mágico".
Um forte abraço e que Deus seja misericordioso com todos nós.

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
5/10/13 13:06 delete

Não entendi qual a intenção desse artigo, se você concorda com a maioria dos pontos levantados pelos "desigrejados", se você concorda que o sistema está errado, porque desqualificar essas pessoas no final? Se está comprovado que o sistema leva à porta larga, porque não buscar a forma correta, porque não apresentar então outro caminho já que muitos "igrejados" são doutores da lei, fizeram anos e anos de estudos da lei, o que ficou estranho é porque que nunca vi essas pessoas fazerem apologia para o abandono da fé, para que as pessoas fiquem sem comunhão com outros irmãos, pelo contrário vejo muito incentivo para se buscar a comunhão com o necessitado, com o pobre, isso não pode ser criticado ainda mais por grandes doutores da lei que são os "fortes na fé". Por final termino dizendo que fico muito claro no final do artigo que tudo que se diz à respeito do sistema é verdade, veja:

"Cristianismo sem igreja é uma outra religião, a religião individualista dos livre-pensadores, eternamente em dúvida, incapazes de levar cativos seus pensamentos à obediência de Cristo"

Só sai do sistema que busca com sinceridade ao Cristo que Salva, o Cristo que é Testificado nas Escrituras por isso está escrito:

Isaías 54:13 Todos os teus filhos serão ensinados do SENHOR; e será grande a paz de teus filhos.

João 6:45 Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim.

Isso não é para pessoas de mais uma religião Neopentecostal que vive de revelação, isso são para PESSOAS sinceras de coração que sabem onde está o exemplo a ser seguido no CULTO RACIONAL, sem emoção, sem opressão, livres e verdadeiramente livres...

Responder
avatar
Adriana
AUTOR
5/10/13 23:29 delete

Estou desigrejada desde que conheci o verdadeiro evangelho... gostaria muito de uma igreja, visitei várias mas nenhuma pregava a verdade.... é triste ser desigrejado... so me resta reunir com um grupo de 8 pessoas para estudo bíblico e dar o dízimo para uma associação de missionários.
Eu gostaria muito de uma igreja, mas me sinto tão cansada em procurar..

Responder
avatar
7/10/13 09:28 delete

Reverendo, Graça e Paz.

Muito interessante o post. Nos faz repensar qual o verdadeiro papel da Igreja. Enquanto na Igreja católica centraliza autoridade, parece que algumas denominações evangélicas desmerecem o papel da Igreja. O comentário do Thiago C. me lembrou uma pregação do reverendo na qual falava que, mesmo estudando a palavra para pregar e ensinar, é necessário um tempo de oração e leitura pessoal. Se alimentar de poder, digamos assim. Recomendo isso a ele e a mim também! Além disso, há um livro chamado A Luta de todo homem, que pode ajudá-lo.

Obrigado!

Responder
avatar
18/10/13 14:32 delete

Gostaria de deixar algumas humildes considerações a respeito desse assunto um tanto polêmico.
A igreja é um organismo vivo, composta de individuos vivos, onde cada membro se configura como parte desse organismo sendo chamado pelo apóstolo Pedro de pedras vivas, e biblicamente correto, porém, não há nenhuma passagem bíblica que corrobore a construção de templos.
Igreja é a congregação dos salvos, e ela está intrisecamente vinculada ao corpo de Cristo.
Ref. João 4.19-24; Atos 17.24; 1Pedro 2.5.
O meu posicionamento sobre este assunto é baseado no que Cristo disse a mulher samaritana: Deus é espírito e importa que seus adoradores o adorem em espírito e em verdade e mais adiante Paulo diz aos Romanos que nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
Perder tempo discutindo se é no templo ou se deve ou não construir templo torna-se apenas enfado da carne.

Responder
avatar
jaime alves
AUTOR
18/10/13 18:57 delete

Pastor Nicodemus.

Teologicamente não há o que contribuir a um texto tão basilar, tão arraigado na hermenêutica cristã.

Mas acredito que é justamente aí é que está o grande valor da igreja, a parte solida do corpo místico ainda que haja tantas discrepâncias.

Como a tese do senhor veio corroborada de textos irrefutáveis, parto para um outro principio que evidencia-se dando o foco a originalidade.

É imprescindível que o abstrato torne-se algo mais concreto para que não se torne volátil e /ou volúvel.

Paradoxalmente grita de forma silenciosa a consciência coletiva em que o mundo das idéias que horas nos edifica, horas nos corrompe, que horas nos ludibria, porém inegavelmente sei que ao manifestar-se gera os conflitos de uma sociedade que depende do campo das idéias para sobreviver.

O importante e quando se constitui, quando se consolida e ainda que haja corporativismos, e infelizmente ainda que muitos corporativismos destoem, somos parte que se inteira que se ajusta que se necessitam para que haja o equilíbrio cognitivo.

Parece irônico, mas somos as diferenças que fazem com que as influencias polarizem se identifiquem.

E já que sua tese está tão complexa tão embasada, deixa-me introduzir apenas um versículo um tanto propicio.

“Prov. 18: 01”

Acho ele tão antagônico a filosofia dos desigreijados!

O que me faz pensar em um magnífico poema escrito no século XVII

"Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo;
todos são parte do continente,
uma parte de um todo.

Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar,
a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório,
como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio;
a morte de qualquer homem me diminui,
porque sou parte do gênero humano.

E por isso não perguntes por quem os sinos dobram;
eles dobram por ti".

Jonh Donne

Responder
avatar
20/10/13 15:53 delete

Reverendo Augustus, graça e paz seja contigo.

Venho dizer-te que há algum tempo acompanho o seu blog e sempre fico maravilhado com a profundidade das explicações dadas. Isso tem me ajudado a combater certas afirmações de alguns tipos de "crente" que se apresentam por aí.

Obrigado por ter aberto este espaço, e estou ansioso pelo próximo texto.

Abraços diretamente de Natal, RN.

Responder
avatar
22/10/13 19:49 delete

Prezado Sr Augustus, chamo-me Rubens Rodrigues e sempre procuro ler os posts do blog O Tempora o Mores, pois aprecio muito a sobriedade de vossos artigos(gostei muito dos artigos que desmascararam as teorias evolucionistas, dentre muitos outros). Não pertenço a qualquer movimento denominacional, porém já fiz parte de alguns por muitos anos. Entendo inclusive que tais movimentos denominacionais são hoje frondosas árvores, oriundas das sementes partidárias que surgiram no início da Igreja, como vemos descrito em I Corintios. Sobre este artigo, entendo que o termo "desigrejado" deva ser aplicado somente àqueles que se afastaram de denominações e de instituições religiosas, e não mais mantem comunhão pratica com o Corpo de Cristo. Alguns irmãos tem se reunido fora dos sistemas clericais, porem de forma idônea e de conformidade com as Escrituras. No meu caso, por exemplo, me reúno regularmente com irmãos em uma residência, e procuramos fazê-lo nas bases mencionadas pelo prezado em Mateus 18, dentre outras também mencionadas ao longo do texto. Temos o objetivo de observarmos a sã doutrina e a ela nos conformarmos. Todavia, isto é um alvo e ainda não uma realidade plena e madura. Somos contra o liberalismo teológico, bem como de tantas outras aberrações tão largamente utilizadas nos currais religiosos que hoje proliferam no seio da cristandade. Desta forma a respeito deste tema, enxergo hoje 03 classes distintas de cristãos. Os denominacionados, os sem denominação e, os desigrejados. Agradeço a oportunidade e rogo ao Senhor que continue iluminando os olhos do vosso e do nosso entendimento, afim de que cresçamos na graça e no conhecimento de Cristo. Fraternal abraço!

Responder
avatar
23/10/13 15:49 delete

Teleevangelismo, faceevangelismo, twitterevangelismo e todas as neotecnologias estão contribuindo para a fragmentação da unicidade da igreja terrena.

Responder
avatar
Pablo Diego
AUTOR
24/10/13 12:56 delete

Primeiramente: não creio que exista Cristão desigrejado, o que existe é Cristão Adenominacional. Porque igreja nós fazemos à todo momento contribuindo mutuamente pelo anúncio do evangelho da Cruz sem levantar bandeira da instituição. Do contrario não há cristo nisso.

Segundo ponto: todos os irmãos que resolveram andar nesse caminho, pelo menos que tive conhecimento até o momento, têm uma consciência absurdamente menos alienante que os "igrejados ou denominacionalistas". Claro, para romperem com a denominação passaram por um período de maturação sem precedentes. E numa visão bem crítica e corajosa resolveram não se contaminar com o comodismo e o medo de perder suas posições nas instituições e foram na fé.

Conclusão: esse movimento deverá, como todo outro, gerar prejuízos sérios ao próprio evangelho. No momento atual a causa do rompimento denominacional é "nobre", porque não visa vantagem pessoal para tanto e sim por pura consciência de romper com alguns entraves denominacionais ainda em tempo. Portanto logo que houver um nicho mercadológico nisso, um fim em si próprio, Será tão maléfico quanto os atuais rumos denominacionais.

Responder
avatar
Marcelo
AUTOR
6/4/14 19:42 delete

Deixar de frequentar a igreja não é correto. A instituição Igreja é de suma importância para a manutenção do ide de Jesus. Porém existe outro tipo de desigrejado. São aqueles que não conseguem uma igreja para frequentar. Pra quem mora nas capitais é simples, pois o leque de opções é muito grande. Quem mora no interior e tem uma visão tradicional e/ou reformada é muito difícil. A internet tem ajudado bastante. Varias igrejas transmitem cultos ao vivo, porém a comunhão fica prejudicada. Encontrar uma igreja não esteja contaminada é cada vez mais difícil.


Responder
avatar
theoz
AUTOR
30/11/14 12:28 delete

13. Jesus veio para fundar uma religião ou veio para trazer vida?
14. O caminho, a verdade, a vida, acaso é uma é uma denominação, uma organização religiosa? Acaso é uma empresa especializada? (João 14:6)
15. Se Jesus é o caminho para que atalhos? Se Jesus é o caminho para que buscar uma instituição fundada por homens? (Jo 14:6)
16. Quem usou cada segundo do seu tempo, cada momento da sua vida e cada gota do seu sangue dando sua vida por você? Acaso foi o sistema religioso? (1 Cor 1:13)
17. Para o discípulo, apenas Jesus serve como exemplo, ou homens e doutrinas são INDISPENSÁVEIS? O que diz o evangelho? (João 6:68) (Mateus 15:9)
18. Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização religiosa? Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações?
19. Quando Cristo disse que fora de uma organização religiosa não há salvação? Pode ela ser detentora da salvação? (João 3:16; João 3:36)
20. De onde surge o direito divino de vincular a salvação de alguém a uma instituição criada por homens? O que diz o evangelho? (João 5:21-24; 1 João 5:12)
21. Onde está escrito que a relação Criador e Criatura passa por uma instituição religiosa? Pode ela toma o lugar do Criador para si, como se fosse o próprio? (Rm 8:39)
22. Quando Cristo afirmou que para ser discípulo você deveria ser membro de alguma denominação religiosa? (João 13:35)
23. Onde está escrito que para estar em Cristo devemos estar em uma instituição? E dar fruto, é participar de atividades religiosas? (João 15:12)
24. Onde está escrito que para congregar, ou seja, reunir-se, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa fundada por homens? (Mateus 18:20)
25. Jesus mentiu ao dizer que “onde estiver dois ou mais reunidos em seu nome” ali está ele? Instituições são dispensáveis. (Mateus 18:20)
26. Se Cristianismo é exercício de amor ao próximo, pra que fundar instituição e estruturas para ensinar algo tão simples? (Mt 25:42) (1Jo 3:14)(1 Jo 4:7-8)
27. Para adorar a Deus é preciso de templo, instituição e horário especifico? Ou adorar-se a Deus é no lazer, na rua, no trabalho e onde quer que estejamos? (João 4:21-23)
28. De acordo com Jesus, a adoração se atrela a ritualismos, exterioridades limitada a locais sagrados, ou é aplicada a internalidade, ao mapa do coração a todos os povos?
29. Se a palavra está nas escrituras para que buscar um líder religioso? Pode ele revelar algo além das escrituras? (João 8:31)(Hb 8:10-11)(João 6:45)
30. Por que as pessoas acreditam que homenzinhos vestidos de roxo, ou de terno/gravata são representantes de Deus na terra?
31. Para que o templocentrismo? Se onde estiver dois ou mais em seu nome ali ele estará! Para que o pulpitocentrismo? Voltemos a instruirmos uns aos outros!
32. Para que o clericalismo? Bispos e diáconos? Se todos nós somos sacerdotes?Voltemos a escrituras para nos instruir.(Mateus 20:25-28;Mateus 23:10)
33. Bispos e Pastores? Qual o contexto? Tinham os Cristãos primitivos acesso a palavra por escrito como nós? Ou apenas por intermédio da reunião dos apóstolos?
34. Para Deus há hierarquias ou apenas dons e funções?
35. O evangelho é Cristo se oferecendo em sacrifício para que a graça de Deus alcance o homem, Religião é o homem oferecendo sacrifício para alcançar a graça de Deus.
36. Não está escrito que a palavra do Criador é vida, que deve ser vivida dia a dia, ao invés de ficarmos enclausurados em sinagogas? (M 2 Cor 3:3)
37. Não está escrito, que a Religião de verdade é atender aos necessitados? (Tg1:27) O Criador Mentiu ao dizer que servir a Deus é servir ao próximo? (Mt 25:42)
38. O que importa mais, fazermos nossas orações em casa, praticarmos a justiça, a bondade, a humildade, a caridade, e a misericórdia no dia a dia! Ou sermos membros de instituição religiosa? (Gálatas 5:22 Rm 2:7)

Responder
avatar
theoz
AUTOR
30/11/14 12:29 delete

1. Os cristãos do século primeiro, se reuniam para estudar a palavra e amparar uns aos outros ou fundaram estruturas, placas e organizações denominacionais? At 2:44-47
2. É necessária a existência de uma empresa, instituição ou corporação para haver a ação do CRIADOR? A relação Criador Criatura passa por uma instituição? Mt 6:6
3. Jesus deixou alguma organização religiosa, com processos, sistemas e estruturas? Caso afirmativo dessas inúmeras denominações, onde está aquela fundada por ele?
4. A sua instituição religiosa foi fundada por Jesus e pelos apóstolos ou foi fundada por qualquer um, depois da era Apostólica?
5. Sua denominação foi fundada por Paulo? Pelo sobrinho de Paulo? Pelo sucessor de Paulo? Tem algum documento apostólico de Paulo autorizando sua fundação?
6. Que sentido há em seguir uma denominação fundada por outros homens, ao invés de seguir aquela que seria fundada por Jesus e pelos apóstolos?
7. Quem deu a autoridade para sua instituição e seus líderes interpretarem as escrituras? (Mt 11:27)
8. Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações? Pode ela ser isenta de erros? Pode ser infalível?
9. Onde está a referencia bíblica de que um homem pode fundar instituições religiosas para representar a o Criador?
10. Se o Criador quer que sigamos uma denominação por que ele não pediu para seus profetas fundarem uma? Desde o V.t até hoje. Ao invés de homens da reforma?
11. Por que o Criador jamais escolheu uma instituição para representá-lo? Por que Jonas, João Batista e os profetas estavam afastados delas?
12. Se Cristo destruiu o monopólio do deus reducionista institucional, entendendo a salvação a todos os povos, porque voltam a monopolizar Deus?
13. Jesus veio para fundar uma religião ou veio para trazer vida?
14. O caminho, a verdade, a vida, acaso é uma é uma denominação, uma organização religiosa? Acaso é uma empresa especializada? (João 14:6)
15. Se Jesus é o caminho para que atalhos? Se Jesus é o caminho para que buscar uma instituição fundada por homens? (Jo 14:6)
16. Quem usou cada segundo do seu tempo, cada momento da sua vida e cada gota do seu sangue dando sua vida por você? Acaso foi o sistema religioso? (1 Cor 1:13)
17. Para o discípulo, apenas Jesus serve como exemplo, ou homens e doutrinas são INDISPENSÁVEIS? O que diz o evangelho? (João 6:68) (Mateus 15:9)
18. Se a palavra está nas escrituras para que buscar uma organização religiosa? Quem é o magistério de uma instituição religiosa para garantir suas próprias interpretações?
19. Quando Cristo disse que fora de uma organização religiosa não há salvação? Pode ela ser detentora da salvação? (João 3:16; João 3:36)
20. De onde surge o direito divino de vincular a salvação de alguém a uma instituição criada por homens? O que diz o evangelho? (João 5:21-24; 1 João 5:12)
21. Onde está escrito que a relação Criador e Criatura passa por uma instituição religiosa? Pode ela toma o lugar do Criador para si, como se fosse o próprio? (Rm 8:39)
22. Quando Cristo afirmou que para ser discípulo você deveria ser membro de alguma denominação religiosa? (João 13:35)
23. Onde está escrito que para estar em Cristo devemos estar em uma instituição? E dar fruto, é participar de atividades religiosas? (João 15:12)
24. Onde está escrito que para congregar, ou seja, reunir-se, precisamos fazer parte de alguma instituição religiosa fundada por homens? (Mateus 18:20)

Responder
avatar
20/1/15 16:28 delete

Ler a bíblia sem estar na igreja é uma coisa. Agora estas pessoas sem igreja tem que tomar decisões, e não poucas. Casamento. Aborto. Sexo. Batismo. Neste momento esses grupos formado por poucas pessoas estão tomando decisões baseadas na bíblia. Não importando quanto tempo estão nesta condição. Há relatos de pessoas sendo batizadas na primeira visita que fazem nestas reuniões dos desigrejados. Casando pessoas com 1 mês após aceitar entrar no grupo deles. Se auto declarando Santos. Daqui a pouco vão aceitar os homens terem mais de uma esposa, pois isto esta na bíblia. Buscam a Cristo? Sim buscam, mas de que maneira? É um plano perfeito do capeta, usar a busca de Cristo que é legítima colocando pessoas a tomar decisões que demandam tempo e muito conhecimento. Numa auto-proclamação sem fim! Chego até acreditar que em algum momento eles vão acreditar serem o próprio Cristo! Se perdem na própria loucura da busca, sem direção!!!

Responder
avatar
29/6/15 12:53 delete

Graça e Paz queridos Irmãos, faço parte deste grupo de cristãos que não se conforma com este mundo e com os abusos que a Igreja de cristo esta sofrendo hoje, e por isto sai da denominação e não da Igreja com é falado (aos sem Igreja) e junto com milhares de Irmãos descobrimos que é possível voltar a simplicidade da Igreja de Cristo.
Segundo a semântica da palavra, Igreja vem de Eclésia, palavra grega que significa: Assembleia dos chamados para fora. Segundo a Palavra de Deus, a Igreja compõe-se de todos aqueles que foram redimidos e regenerados pelo Espírito Santo, e pelo sangue de Jesus através do crer e receber Jesus como seu Senhor e Salvador, do passado, presente e futuro. Se formos ver pelo princípio da palavra, realmente ser Igreja é ser chamado para fora do mundo, separado, raça eleita, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus. A Igreja é o Corpo de Cristo, é a continuidade do que o Senhor Jesus fez aqui na terra, é o Sonho de Deus. Na Igreja existe a realidade do Reino de Deus aqui na Terra, é aonde o Senhor age, fala, se move, abençoa, pois Ele mesmo é o cabeça do Corpo, ou seja, a Igreja é a continuidade do próprio Cristo. A Igreja não é uma organização, ou um templo físico, uma instituição, a Igreja é um organismo vivo, é o noiva do Cordeiro, que é Cristo, e um dia será arrebatada na segunda vinda de Cristo.
Blogs e Sites que também estão ajudando muito com um bom conteúdo a Respeito; http://equiorganica.com/ http://faleidejesus.com.br/ http://igrejanoslares.com.br/http://paoevinho.org/http://www.irmaosemsamonte.com.br/ http://igrejaorganica.blogspot.com http://faleidejesus.com.br/ http://igrejanoslaresemaltinho.blogspot.com.br/

Responder
avatar
22/7/16 08:40 delete

Olá, a Paz do Senhor, tenho visto os desigrejados usarem muito as redes socias, para fazerem suas "igrejas" e tentar cooptar outros crentes, ou seja, praticar o proselitismo, mas não os vejo pregarem o evangelho para os que não conhecem a Cristo.

Responder
avatar
10/10/16 07:12 delete

Caro irmão,

A princípio acreditei que o texto era contraditório, más numa observação mais atenta percebi que as suas idéias estão turbadas. Porque inicialmente o senhor concorda com caos da igreja institucionalizada e depois defende que os seguidores do Messias devam estar ali, na instituição, recebendo todas as formas de “desenvagelização” da Graça de Deus.

Quanto a questão do termo desigrejado, por não pertencer uma instituição organizada aos olhos humanos, posso lhe garantir que primeiro desigrejado foi o próprio Senhor Jesus visto não concordar com os ideais dos lideres religiosos de sua época, a ponto de perseguirem e matarem o Mestre (Mt. 16,21).

Também, neste mesmo afã o Salvador disse ser a Videira Verdadeira, porque o sistema religioso estava completamente corrompido. Depois, no mesmo propósito, o Senhor disse em que não se deve por remendo de pano novo... (Mateus 9,16-17).

O que Eu acredito é que o Espírito Santo está falando no seu coração, entretanto o senhor está relutante em aceitar a verdade e prefere, ainda que não bem acomodado, permanecer na roupa velha e tentando colocar remendo novo. Só piora a coisa.

Este sentimento se dá devido a novidade. Inclusive era a grande dificuldade enfrentada pelo apostolo Paulo em seu evangelismo entre os judeus. Como fazer um judeu rejeitar a sua religião de seus ancestrais? Como ensinar um judeu que ele não deve circuncidar-se? Como explicar para um judeu que todo o sistema religioso apenas serviu de espelho para uma Graça ainda maior?

Concordo com senhor que não existe seguidor de cristo em “carreira solo”. Seguir a Jesus é estar em comunhão, é reunir-se em assembléia, é igreja. Não quer dizer que tenha que haver uma casinha com uma cruz em cima, um placa com nome na porta e um líder religioso registrado, carimbado e nomeado por uma instituição dita cristã.

As comunidades (igrejas) na época apostólica eram independentes entre si. Uma igreja não dependia ou sustentava a outra. Não havia esta relação de dependência ou de hierarquia. Houve casos de uma igreja ajudar a outra com dinheiro. Também, o apostolo Paulo recebeu verba de igrejas para manter a sua evangelização. Más nada era obrigatório ou com relação de dependência ou de subordinação.

O que é inadmissível é ver um irmão doar uma oferta para igreja no Rio de Janeiro e parte do dinheiro cair na conta corrente do Manoel Ferreira em Brasília; ou numa igreja em São Paulo e cair na conta do Edir Macedo em Miami.

De forma que a igreja hoje se tornou um grande negócio como as empresas contemporâneas. Em que há pastores assemelhados a grandes empresários, a diretores de empresas, e outros a gerentes. E as verbas angariadas com pretextos de ser para a “obra de Deus”, más na verdade apenas servem para financiar estas castas de pastores-empresários e aumentar o patrimônio das instituições religiosas.

Por isso disse anteriormente, o senhor está confuso porque sabe que a igreja não é mais lugar para os seguidores do evangelho de Jesus, por outro lado, também crê que fora da igreja não há salvação.

Para finalizar, gostaria que o senhor refletisse e meditasse sobre este texto apocalíptico: “E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas” (Ap. 18:4). Não estaria Deus falando no seu coração também para sair dessa Babilônia que se tornou as igrejas evangélicas de nossa época.

O Conselho do Senhor dado ao apostolo Paulo em Atos 9:4 foi o seguinte: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões”.

Que o irmão venha me perdoar no nome do Senhor se houve algum excesso ou imprudência de minha parte.

irmaorogerinho@gmail.com.

Responder
avatar