quarta-feira, janeiro 29, 2014

Solano Portela

AUTONOMIA leva à Baderna?

Autonomia significa “lei própria”. O conceito implica em subjetividade de normas, ausência de princípios
universais, “descolamento” da lei. Muitas vezes o termo é colocado erroneamente, como sinônimo de “responsabilidade”, mas é muito mais do que isso. Principalmente na esfera pedagógica, autores de renome expressam o seu entendimento sobre a questão de forma perturbadora. Há uma avidez por uma autonomia que rejeita princípios universais:

Por exemplo, Josep Maria Puig Rovira (A Construção da Personalidade Moral, 45, Ática, 1998), na defesa da autonomia, rejeita o conceito de autoridade e de valores normativos universais, quando escreve: “A intervenção educativa deve estar centrada na passagem da moral heteronômica para a moral autônoma. Para que esse objetivo seja atingido deve- se proporcionar experiências que favoreçam o abandono da moral autoritária e convidem a valorizar e a adotar a moral de respeito mútuo e da autonomia”.

Neste mesmo livro, Puig, fazendo referência ao educador Norte americano John DEWEY (1859-1952 - em seu livro, Moral Principles in Education, Leffer&Simons, 1975), considera a autonomia o próprio objetivo da educação, o último nível a ser atingido: “No último nível, ou nível autônomo, o indivíduo atua de acordo com seu pensamento e estabelece juízos em relação aos modelos estabelecidos”.

O conhecido "filósofo da autonomia", Castoriadis (1922-1997), um dos inspiradores do movimento estudantil anarquista, na França (1968) fazia o equalização de autonomia, com liberdade: “Se quisermos ser livres, ninguém deve poder dizer-nos o que devemos pensar".

Se utilizássemos AUTONOMIA somente como sinônimo de RESPONSABILIDADE seria apropriado – afinal, o ideal é que todos cumprissem normas e princípios por convencimento próprio, e não, apenas, por imposição. Mas, como vimos, não é assim que o termo é utilizado - busca-se (e ensina-se) a rejeição de leis e normas - e é por essa razão que esta geração "autônoma" não respeita nada e nem ninguém!

A Escritura nos ensina diferentemente. Nela encontramos, sim, HETERONOMIA – o oposto de autonomia. Regras, princípios, uma lei que emana do Deus sábio e todo- poderoso. As normas não procedem de nós próprios, do nosso íntimo; mas aquelas a serem observadas, universais, procedem de Deus, de fora de nós. Elas são heteronômicas! Estão acima dos regramentos culturais - esses sim, relativos aos tempos e épocas de uma civilização.

No livro de Duteronômio (4.6), temos palavras de Moisés ao Povo de Deus. Moisés, ensina ao Povo que a dádiva de uma lei externa, procedente de Deus, é uma grande bênção. Ele ensina os benefícios da subordinação à Lei de Deus. Não é autonomia que significa liberdade. Na realidade, autonomia de Deus é caracterizada pela escravidão ao pecado. Liberdade real vem como conseqüência do enquadramento nos propósitos de Deus, da observância à heteronômica Lei de Deus. E às nossas leis, na medida em que elas refletem esses regramentos universais divinos. Isso quer dizer, respeito á vida, à propriedade; comprometimento com a verdade; não à violência e à destruição; utilização de vias corretas de protestar ou apelar de uma situação que incomoda. Em suma, ausência de baderna e tratamento exemplar dos violadores da lei - sem uma complacência supostamente humanitária, mas que destrói a frágil estrutura da sociedade e impede a convivência pacífica dos cidadãos.

Não nos enganemos, portanto, com os falsos conceitos de liberdade presentes em nossa sociedade. Principalmente os jovens não deveriam se enganar com uma falsa autonomia do direcionamento dos seus pais, representantes de Deus em suas vidas, ou de outras autoridades que resguardam a lei e os direitos. Devemos nos render à sabedoria dos princípios de Deus explicitados em sua Lei. Usufruamos dos benefícios obtidos no respeito aos seus mandamentos.

Solano Portela

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

8 comentários

comentários
29/1/14 20:53 delete

Totalmente de acordo!

Responder
avatar
29/1/14 20:53 delete

Totalmente de acordo!

Responder
avatar
30/1/14 07:57 delete

Sugiro, a esse respeito: Da Liberdade do Cristão (1520): Prefácios à Bíblia, de Martinho Lutero. Editora UNESP, 1998.

Responder
avatar
30/1/14 09:20 delete

Ótimas colocações. Sou estudante de pedagogia e é explícito o discurso da autonomia como um ideário da educação que DEVE ser buscado (ai de nós se discordarmos...). Acho estranho que na universidade parece que os professores não estão muito interessados com honestidade filosófica e intelectual... Afinal das contas, a nossa liberdade sempre esteve condicionada à lei. Esses discursos que enaltecem essa falsa autonomia e detratam a heteronomia conseguem chegar a um cúmulo de contraditoriedade...

Responder
avatar
30/1/14 15:30 delete

É o pecado da rebeldia elevado ao status de meio principal para plena felicidade e realização humana.

Responder
avatar
Filipe
AUTOR
31/1/14 10:42 delete

Ótimo texto!

Uma observação: A referência bíblica não seria Dt 4:6 ao invés de Dt 4:16?

Abs

Responder
avatar
31/1/14 15:49 delete

Caro Filipe:
Corretíssimo. É Dt 4.6 - vou acertar!
Obrigado.

Responder
avatar
Maria Rita
AUTOR
6/2/14 22:37 delete

Concordo plenamente pastor...obrigada pela Palavra.
Que Deus o abençoe

Responder
avatar