segunda-feira, setembro 04, 2006

Mauro Meister

Chega a hora de votar novamente...

As eleições se aproximam e a frustração diante da situação política da nação cresce. Vemos todo tipo de propaganda política, das mais ridículas e/ou intelctualóides até algumas que fazem algum sentido. Na internet correm milhares de emails com as mais estranhas ideias a respeito de política e políticos, inclusive a crescente campanha ‘eu não voto em pastor’, que deve ter muitos adeptos entre evangélicos e não evangélicos (com provável razão). Em alguns casos, denominações fecham apoio político com um ou mais candidatos e pressionam seus fiéis a votarem, num tipo de antigo ‘voto de cabresto’. Existem, ainda, aqueles que entendem que a separação entre Igreja e Estado envolve o silêncio absoluto de pastores e líderes quanto a política, ou seja, no ensejo de separar as esferas de soberania, as igrejas locais e seus líderes devem ficar mudos... Tudo isto faz com que tomar uma decisão de voto se torne ainda mais difícil.

É obvio que quando nos voltamos para as Escrituras não vamos encontrar instruções diretas sobre como votar nas eleições brasileiras. Logo, temos que buscar os princípios da Escritura que nos orientam na escolha de nossos líderes, na igreja e fora dela.

Volto-me para o texto em que Moisés é orientado por seu sogro, Jetro, na escolha de líderes para ajudá-lo no árduo trabalho de julgar o povo durante a sua caminhada pelo deserto (Êxodo 18):

21 Procura dentre o povo homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez; 22 para que julguem este povo em todo tempo. Toda causa grave trarão a ti, mas toda causa pequena eles mesmos julgarão; será assim mais fácil para ti, e eles levarão a carga contigo. 23 Se isto fizeres, e assim Deus to mandar, poderás, então, suportar; e assim também todo este povo tornará em paz ao seu lugar. 24 Moisés atendeu às palavras de seu sogro e fez tudo quanto este lhe dissera. 25 Escolheu Moisés homens capazes, de todo o Israel, e os constituiu por cabeças sobre o povo: chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez. 26 Estes julgaram o povo em todo tempo; a causa grave trouxeram a Moisés e toda causa simples julgaram eles. 27 Então, se despediu Moisés de seu sogro, e este se foi para a sua terra.

O que este texto nos ensina, basicamente, é que deve-se buscar para a liderança do povo homens com determinados traços na sua capacidade e caráter:

• Capazes
• Tementes a Deus
• Homens de verdade
• Que aborreçam a avareza

Logo, ao buscar o candidato em quem votar, deve-se buscar alguém competente para desempenhar seu papel político, com competência, habilidade e compromisso na qualidade de agente político. Votar em alguém incompetente é votar contra a nação. Dificilmente os candidatos são ‘marinheiros de primeira viagem’, logo, neste quesito é possível avaliar grande parte dos candidatos.

No segundo ponto, ‘tementes a Deus’, fica mais difícil de avaliar, mas não é impossível. Obviamente um candidato não cristão não poderá ser ‘temente a Deus’. No entanto, ao tratar-se de votos para cargos políticos, não precisamos, primariamente, escolher “políticos crentes”. Se pudéssemos ajuntar as duas coisas, melhor, mas caso não seja possível, precisamos observar a ideologia do candidato e verificar se suas propostas políticas não são conflitantes com os princípios mais básicos da fé cristã. Mesmo os candidatos não cristãos podem manifestar conceitos e ideais que se aproximem mais dos valores do cristianismo. Não podemos nos esquecer que Deus criou o homem com consciência e esta pode estar mais ou menos cauterizada pela prática do pecado. Observar a vida de um candidato pode nos mostrar a respeito de sua consciência.

O terceiro aspecto trata do caráter do candidato. Os seus candidatos são homens que costumam falar a verdade e sustentá-la em meio às tempestades políticas? São candidatos que lutaram pelas propostas que fizeram nas últimas eleições ou em cargos que ocuparam? Estão envolvidos em casos de corrupção? Tem coragem de declarar seu voto? Estas são perguntas básicas que podem servir de guia para nossa busca de ‘homens da verdade’.

O quarto e último quesito torna-se mais fácil de ser avaliado com as novas regras eleitorais estabelecidas que exigem a publicação na internet a declaração de bens dos candidatos. Mas também significa estar sintonizado com o que o político tem feito em sua vida pública, quais os escândalos nos quais tem se envolvido; quais as negociatas das quais tem participado. Aborrecer a avareza é o antônimo de enriquecimento ilícito, escândalos, fuga de esclarecimentos e atitudes duvidosas diante de problemas. A avareza é sinônima da aceitação de suborno e perversão do direito.

Tenho dificuldade com os pontos IV e IX do Decálogo do Voto Ético publicado em 1998 pela Associação Evangélica Brasileira, mas, no cômputo geral, me parece uma boa orientação quanto ao que não se deve fazer com o voto:

► I. O voto é intransferível e inegociável. Com ele o cristão expressa sua consciência como cidadão. Por isso, o voto precisa refletir a compreensão que o cristão tem de seu País, Estado e Município;
► II. O cristão não deve violar a sua consciência política. Ele não deve negar sua maneira de ver a realidade social, mesmo que um líder da igreja tente conduzir o voto da comunidade numa outra direção;
► III. Os pastores e líderes têm obrigação de orientar os fiéis sobre como votar com ética e com discernimento. No entanto, devem evitar transformar o processo de elucidação política num projeto de manipulação e indução político-partidário;
► IV. Os líderes evangélicos devem ser lúcidos e democráticos. Portanto, melhor do que indicar em quem a comunidade deve votar é organizar debates multi-partidários, nos quais, simultânea ou alternadamente, os vários representantes de correntes políticas possam ser ouvidos sem pré-conceitos; (tenho dificuldades com este ponto. Minha preocupação principal é que a confusão tome conta do povo de Deus ao ver seus líderes promoverem este tipo de debate e que, finalmente, estes debates acabem por descambar em promoção de apoio explícito de um ou de outro candidato)
► V. A diversidade social, econômica e ideológica que caracteriza a igreja evangélica no Brasil deve levar os pastores a não tentar conduzir processos político-partidários dentro da igreja, sob pena de que, em assim fazendo, eles dividam a comunidade em diversos partidos;
► VI. Nenhum cristão deve se sentir obrigado a votar em um candidato pelo simples fato de ele se confessar cristão evangélico. Antes disso, os evangélicos devem discernir se os candidatos ditos cristãos são pessoas lúcidas e comprometidas com as causas de justiça e da verdade. E mais: é fundamental que o candidato evangélico queira se eleger para propósitos maiores do que apenas defender os interesses imediatos de um grupo religioso ou de uma denominação evangélica. É óbvio que a igreja tem interesses que passam também pela dimensão política. Todavia, é mesquinho e pequeno demais pretender eleger alguém apenas para defender interesses restritos às causas temporais da igreja. Um político evangélico tem que ser, sobretudo, um evangélico na política e não apenas um “despachante” de igrejas.
► VII. Os fins não justificam os meios. Portanto, o eleitor cristão não deve jamais aceitar a desculpa de que um político evangélico votou de determinada maneira, apenas porque obteve a promessa de que, em fazendo assim, ele conseguirá alguns benefícios para a igreja, sejam rádios, concessões de TV, terrenos para templos, linhas de crédito bancário, propriedades ou outros “trocos”, ainda que menores. Conquanto todos assumamos que nos bastidores da política haja acordos e composições de interesse, não se pode, entretanto, admitir que tais “acertos” impliquem a prostituição da consciência de um cristão, mesmo que a “recompensa” seja, aparentemente, muito boa para a expansão da causa evangélica. Afinal, Jesus não aceitou ganhar os “reinos deste mundo” por quaisquer meios. Ele preferiu o caminho da cruz;
► VIII. Os eleitores evangélicos devem votar, para Presidente da República, sobretudo, baseados em programas de governo, e não apenas em função de “boatos” do tipo: “O candidato tal é ateu”; ou: “O fulano vai fechar as igrejas”; ou: “O sicrano não vai dar nada para os evangélicos”; ou ainda: “O beltrano é bom porque dará muito para os evangélicos”. É bom saber que a Constituição do país não dá a quem quer que seja o poder de limitar a liberdade religiosa de qualquer grupo. Além disso, é válido observar que aqueles que espalham tais boatos, quase sempre, têm a intenção de induzir os votos dos eleitores assustados e impressionados, na direção de um candidato com o qual estejam comprometidos;
► IX. Sempre que um eleitor evangélico estiver diante de um impasse do tipo: “o candidato evangélico é ótimo, mas seu partido não é o que eu gosto”, é de bom alvitre que, ainda assim, se dê um “voto de confiança” a esse irmão na fé, desde que ele tenha as qualificações para o cargo. A fé deve ser prioritária às simpatias ideológico-partidárias. (minha observação: nem sempre! Apesar de alguns andarem propagando que programa de partido não é programa de governo, o partido, supostamente, defende algumas idéias que devem ser comparadas com os absolutos de justiça que emanam de Deus às sociedades. O irmão que entra em uma canoa furada pode naufragar junto com ela. Ele não tem o direito de esperar um milagre divino que o salve, fazendo-o andar sobre as águas).
► X. Nenhum eleitor evangélico deve se sentir culpado por ter opinião política diferente da de seu pastor ou líder espiritual. O pastor deve ser obedecido em tudo aquilo que ele ensina sobre a Palavra de Deus, de acordo com ela. No entanto, no âmbito político, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e não como uma profecia divina.

Num pequeno artigo, nosso colega, Dr. Valdeci Santos, levanta 4 pontos muito pertinentes quanto ao votar em candidatos evangélicos:

1. Descubra se o candidato evangélico é um evangélico candidato;
2. Conheça o conceito de “serviço cristão” que o candidato possui;
3. Procure fazer distinção entre caráter e carisma;
4. Entenda que o moto “irmão vota em irmão” só é justificado quando o irmão em Cristo possui vocação política comprovada (e adiciono, uma agenda política apropriada).

No mais, eu gostaria de encontrar candidatos que se encaixassem no perfil e que nosso espaço no blog servisse para que apresentássemos perfis, ferramentas de busca para candidatos. Fundamental, em tudo, é obedecer a ordem de Paulo na carta a Timóteo:


Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, 2 em favor dos reis de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito.( 1Tm 2:1-2)

Recursos:
Para investigar a vida de políticos:
http://noticias.uol.com.br/fernandorodrigues/politicosdobrasil/
Para uma aula de política, veja os mais experientes: http://www.youtube.com/watch?v=ArQ2AtzMv4I

Piada eleitoral (Publicada no Blog da Revista Época http://www.blogbrasil.globolog.com.br/)

Xeque Humberto, o candidato do PTC ao governo do Rio Grande do Norte, não desiste. Depois de prometer leite encanado e um trem-bala entre as cidades de Natal e Mossoró, num e-mail enviado a ÉPOCA na manhã de hoje diz que vai construir um disco voador para a polícia atender às ocorrências com mais rapidez.

Mauro Meister

Postado por Mauro Meister.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

10 comentários

comentários
6/9/06 20:14 delete

Rev. Mauro Meister

Muito pertinente este artigo!

Peço-lhe permissão para postar aqui algumas palavras de Rev. Frans Leonard Schalkwijk relativas a esse assunto que pus recentemente no meu blog:

---


"Quando morávamos no Recife, numa época de eleições, muitos nos perguntavam quem era o nosso candidato. Mas, por termos passaportes holandeses e não brasileiros, não podíamos opinar sobre esse assunto. Por outro lado, o muro da nossa casa ficava coberto de propagandas eleitorais de pessoas que nunca escolheríamos como nossos candidatos. Oramos sobre o que fazer.

Então, chamei um letreiro para pintar no muro um boneco grande, vestindo a camisa do Brasil, com o lema ORDEM E PROGRESSO. No braço direito, que se estendia para cima, estava inscrita a palavra JUSTIÇA. O braço esquerdo, trazendo a palavra MISERICÓRDIA, estendia-se para baixo, uma alusão à ajuda aos necessitados. Na perna direita, estava escrito CAPACIDADE e, na esquerda, RESPONSABILIDADE; finalmente, na cabeça, as palavras AMOR DE DEUS. Ao lado do nosso candidato, colocamos o versículo "O fruto da justiça será paz" com a referencia em baixo, Isaías 32:17. Depois, alguém sugeriu que colocássemos, entre parênteses, por baixo da referencia, a palavra Bíblia, para que ninguém pensasse que 3217 era o número eleitoral de nosso candidato Isaías...

Quando terminou, o letreiro perguntou que significava tudo aquilo. Expliquei que era o retrato do nosso candidato. Com tristeza, ele observou que não havia ninguém assim no grande Recife. Lembrei-lhe que nem no mundo inteiro havia, mas que deveríamos comparar aquele retrato-falado com os candidatos que se apresentavam. Quem estivesse mais parecido com o desenho seria o nosso candidato. Mas, e se não acharmos alguém assim? Quem sabe, um dia, comunidades poderão procurar uma pessoa honesta com DONS ADMINISTRATIVOS e simplesmente proclamá-la e apoiá-la como candidato apartidário. De qualquer forma, por enquanto, nenhum reino humano será isento de sombras e fraquezas, mas esperamos novos céus e nova terá onde, graças a Deus, paz e justiça se encontrarão (Sl 85:10; Zc 14:9; 2 Pe 3:13)."

SCHALKWIJK, Frans Leonard. Confissão de um peregrino. Ultimato. 2002. p. 100

Responder
avatar
6/9/06 20:33 delete

Rev. Mauro,

Adorei o post! Um perfeito exemplo de leitura antes de fazer a escolha no voto. Posso imprimi-lo e usá-lo na minha igreja?

Obrigado

Abraços Reformados

Responder
avatar
Daniel M.S.
AUTOR
7/9/06 11:54 delete

José Saramago apesar de ser um ateu confesso, o seu livro "apelo ao voto em branco", é uma boa proposta ou resposta à influência negativa e destrutiva dos políticos em geral-neste caso o Brasil. Não encontro base bíblica para que os crentes se tornem cumplíces do roubo e injustiça. Pelo contrário, devemos nós ter o dever ético cristão de denunciar com ousadiaaqeles que destroem e exploram a ignorância e sensibilidade dos outros.

Responder
avatar
7/9/06 13:04 delete

Rev. Mauro,

obrigado pela orientação pastoral para o povo de Deus em tempos de eleição.

Na minha ignorância política creio que está difícil achar candidatos com as características mencionadas por você acima. Por isso a ideologia do voto nulo me é interessante, ou seja, não concordo ainda com a proposta de nenhum deles, ou por não crer na proposta (por motivos de foro íntimo) ou não concorda em si com tal.

No mais , praticar o texto de Paulo para Timóteo é preciso: devemos orar!!!!!!!

Que Deus tenha misericórdia de nosso Brasil e levante vocacionados para a política como Abraham Kuyper e William Wilberforce!

Abração,
Juan

Responder
avatar
7/9/06 13:35 delete

Execelente artigo, Re. Mauro. Diante deste, nao temos nada q escrever mais, apenas indicar este blog, pois é muito rico. Um abraço

Responder
avatar
8/9/06 13:44 delete

Rev. Creio que o melhor caminho é o de uma consciência política e não a indicação de candidatos. A postura cristã é democratica e intolerante aos corruptos e etc...

Responder
avatar
9/9/06 14:48 delete

Prezados leitores...

Perdoem a falta de prontas respostas... estou em viagem, na quente Cuiabá, onde estive dando um curso. Mas para a alegria geral, caiu uma grande chuva e o calor está bem diminuido...

Obrigado pelas várias sugestões interessantes. Se alguém quer usar o texto, a vontade.

O post do Pb. Solano continua nos mostrando caminhos... provavelmente começando por "em quem não votar". Triste será se chegarmos ao fim e não sobrar ninguém...

Na segunda estamos na ativa novamente...
abs
Mauro

Responder
avatar
Elton
AUTOR
9/9/10 16:18 delete

Olá,

Não concordo com a utilização de trechos que tratam de escolha de líderes que terão papel religioso para se falar de escolha de candidatos. Isso porque nenhum político, independente do cargo, se investe de autoridade religiosa. Portanto creio que é um erro...

Não vejo base bíblica para apoiar qualquer candidato, mesmo cristão. Mesmo um candidato que julguemos "perfeito". Não sei se esse candidato, caso existisse, deveria ser jogado em Brasília. Talvez fosse muito mais útil trabalhando para Deus em outras esferas.

Por fim, na falta de instruções bíblicas sobre eleições, acredito que a melhor opção é a abstenção e oração. E foco no trabalho cristão.

Responder
avatar
Diogo Bochio
AUTOR
15/9/10 01:04 delete

Ola Rev. Meister,

Estou publicando o seu artigo no meu blog e espalhando o link porque achei muito bom tanto o desenvolvimento de suas ideais quanto suas conclusões.

Muito obrigado pelas suas palavras!

Abraço,

Diogo

Responder
avatar
Emilianu's
AUTOR
19/9/10 23:01 delete

Mauro, sempre é muito edifiante a leitura de seus textos.
Foi muito bom e oportuna esta matéria.
Uma pergunta: Como você compreende a questão de mulheres no poder político de uma nação, à luz da Bíblia, na perspectiva da teologia reformada, onde se tem dificuldades textuais e exegéticas para se aceitar, por exemplo a ordenação de mulheres para cargos eclesiásticos? Como coadunar a autoridade da mulher sobre o homem no âmbito político nacional em contraposição a mesma autoridade sobre homens no campo eclesiológico? Que tal um artigo nesta direção?
Seu irmão e amigo, Emiliano.

Responder
avatar