segunda-feira, junho 25, 2007

Heterofóbicos atacam novamente

Esta breve postagem é só uma continuidade de outras anteriores tratando da chamada lei contra a homofobia, o PLC 122/2006, que cria uma casta especial de cidadãos homossexuais, com direitos especiais, que ninguém mais tem, proibindo o direito da liberdade de expressão de quem quer que seja. A lei legaliza a heterofobia. Se quiser se inteirar sobre o assunto neste blog, leia:

Já começou, e para mim fica evidente, o que esta lei vai provocar: bagunça e tumulto.

Está por todos os jornais e noticiários o que aconteceu em Campina Grande, na Paraíba. Uma associação evangélica local resolveu se manifestar contra o tal projeto e contra a prática homossexual, algo condenado pelas Escrituras judaico-cristãs (http://www.conscienciacrista.org.br/). Resultado: uma juíza local proibiu a manifestação através de outdoors e também uma manifestação pública pacífica onde o direito da liberdade de expressão foi cerceado. Os outdoors foram retirados e a manifestação só aconteceu porque a ordem expedida pela juíza não chegou a tempo. (veja nos links abaixo as reportagens da TV para ver os outdoors, porque em Campina Grande foram retirados, e a imagem no site, também):
http://www.youtube.com/watch?v=EzuehhPHuJM&mode=related&search=
http://www.youtube.com/watch?v=hcKLksg2xY0
http://video.globo.com/videos/player/noticias/0,,gim692002-7823-polemica+em+outdoors+de+campina+grande,00.html (é claro que as matérias, principalmente da Globo, têm uma certa inclinação, mas não precisa dizer prá que lado...).

A alegação contra a associação é que seus outdoors e a manifestação pública promovem a homofobia. É mentira, mais uma mentira dentro deste conjunto nefasto de associações que querem, com o apoio total do governo, nos colocar reféns desta visão de mundo (veja a postagem acima, do Solano). Concordo com Olavo Carvalho, esta lei vai promover a homofobia (JB Online, Porcaria de Lei)! Em uma das reportagens acima, o entrevistado, presidente da rede nacional Vivendo e Convivendo com HIV/ AIDS diz que o Ministério da Saúde lhes enviou correspondência instruindo que tomassem providências legais a respeito do caso! Outdoor virou motivo de manifestação do Ministério da Saúde que acusa a campanha por internet e os outdoors como desrespeito aos direitos humanos e que fere vários dispositivos constitucionais! O Ministério da Saúde coloca a sua acessória jurídica "totalmente a disposição" para que a associação efetive a orientação dada. Antigamente, quando havia crime, o ministério público era o encarregado. Onde vamos parar?

Para não ficar só no negativo, vejo um lado interessante: o episódio heterofóbico em Campina Grande servirá como um teste quando recursos surgirem nos tribunais superiores e um alerta maior à população mais esclarecida do país quanto à ditadura homossexual que se planeja impor por lei, mas que na prática já está funcionando. Já se ouve relatos de líderes religiosos sendo perseguidos assim como de políticos contra a lei que estão sendo pressionados por seus partidos para votarem a favor do projeto. Daqui a alguns dias, quando voltarem ao Tempora, pode ser que encontrem mensagens do tipo: "Post retirado do ar por ordem judicial"! "Blogueiros presos: favor voltar em três (3) anos".

Um colega, pastor, enviou a seguinte carta aos Procuradores do Estado da Paraíba,ilustrativa do tipo de ação que devemos tomar:

Exmos. Senhores Procuradores do Estado da Paraíba,

Tenho acompanhado pela mídia o caso dos out-doors em Campina Grande-PB e fiquei estarrecido e muito preocupado com a decisão judicial contra a exposição da mensagem dos referidos cartazes.

Pois trata-se tão somente da manifestação da convicção religiosa de cidadãos brasileiros da Paraíba, que simplesmente transcreveram um texto da Bíblia, sem nenhum traço de violência ou de incitação à mesma.

Porque será que um grupo pode manifestar livremente as suas opiniões e convicções e outros não? Será que temos em nosso país, brasileiros que sejam mais brasileiros do que os demais? Será que temos uma casta de brasileiros da qual ninguém pode discordar? É crime ter opinião e expressa-la?

Senhores isto é muito sério, pois tal decisão fere o sagrado direito à liberdade de consciência e de expressão;

POR ISSO SOLICITO A INTERVENÇÃO DOS SENHORES NESTA SITUAÇÃO FAZENDO VALER OS DIREITOS CONSTITUCIONAIS DAQUELES QUE, RESPEITOSAMENTE, SE MANIFESTARAM CONTRA A PRÁTICA HOMOSSEXUAL.

Rev. Paulo Fontes
Igreja Presbiteriana Ebenézer, SP

Pensamentos posteriores:

1. Foi anunciado em alta voz o assassinato de um homossexual francês depois da parada gay. Dizem que foi homofobia. Pois bem, um garçom, brasileiro mesmo, foi assassinado na mesma região. Será que agora vão incluir na lei os garçons?

2. As emissoras de televisão e governo não chegam a um acordo quanto à questão do grupo que deve fazer a classificação da programação nas emissoras. O governo quer colocar seus representantes e as emissoras insistem em fazer auto-gestão. O temor das emissoras é a 'censura'. Não vi nenhum dos artistas ativistas falando contra a censura aos outdoors e site da VINAAC.

sábado, junho 16, 2007

Diálogo Inacabado entre um Pastor e um Cientista cristão sobre a linguagem de Gênesis 1-3

Esse diálogo de fato aconteceu. Durante cerca de uma semana troquei e-mails com um querido amigo meu que além de cristão comprometido, é um renomado cientista. O ponto central foi a natureza da linguagem de Gênesis 1 a 3. O diálogo terminou inacabado. Mesmo assim, até onde ele foi, desafiou-me bastante a refletir sobre essas questões. Pedi permissão para reproduzir o diálogo, editado em parte por causa do espaço, omitindo o nome dele.

CIENTISTA:

Precisamos encorajar os jovens cristãos a ter uma visão alternativa da criação que possa combater mais eficazmente o naturalismo. A Bíblia não é um livro científico e precisamos ter cuidado para não usá-lo da forma errada. Entre os pontos de uma visão alternativa, eu menciono que Gênesis é primariamente a proclamação de que Deus é o Criador dos céus e da terra. Gênesis 1-2 está proclamando a mensagem da atividade de Deus que é incompreensível aos seres humanos. A proclamação foi colocada em linguagem e imagens humanas para acomodar-se às limitações do entendimento humano, como criaturas finitas que somos. Portanto, qualquer tentativa de leitura de Gênesis 1-2 como se a passagem fosse descritiva equivale a colocar a atividade de Deus dentro das limitações da compreensão humana.

PASTOR:

Muito interessante. Todavia, uma pergunta apenas: por que você só se referiu a Gênesis 1-2 e deixou de fora Gênesis 3, que relata a Queda do homem? Não deveríamos ler Gênesis 3 também dessa forma, como não descritivo, e como se referindo a algo acima da nossa compreensão? Ou seja, você está dizendo que devemos ler Gênesis 1-2 de forma figurada, mas Gênesis 3 como história real?

CIENTISTA:

Há! Estou vendo sua pergunta capciosa! Eu diria que a Queda do homem presume que a Criação já havia sido realizada. Eu também não usei a palavra "figurada" – o que estou dizendo é que o relato não é científico. Eu estou falando de "verdade". Gênesis 1, 2 e 3 é um relato fiel da criação, mas não descrição científica. Faz sentido?


Aqui vai uma citação de Herman Bavinck: "Não existe separação inerente de ciência e religião. Da mesma forma, não deveria haver um biblicismo ingênuo que confunda a linguagem da Escritura com a linguagem da ciência". Eu gostaria de ouvir, agora, onde é que estou sendo herético!


PASTOR:

Bela citação, concordo integralmente com ela. Você concorda que, apesar da Bíblia não ter uma linguagem científica, nada do que ela diz contradiz a realidade das coisas? Em outras palavras, que a Bíblia não tem erros naquilo que ela afirma sobre o mundo, a realidade, a humanidade, a história, a geografia, por exemplo, mesmo que essas coisas sejam ditas de maneira fenomenológica e descritiva? Ah! Não fui eu quem usou a palavra "herético", nem mesmo sugeri que você fosse herético.


CIENTISTA:


Eu estava brincando com esse negócio de heresia! Creio plenamente em Adão e Eva, mas não aprecio muito as teorias criacionistas que defendem uma terra jovem – acho que elas prestam um desserviço ao Cristianismo.


PASTOR:


Tem mais um caso. Jesus podia transformar água em vinho numa fração de segundos e ao mesmo tempo fazer com que esse vinho "jovem" fosse tão velho como o melhor vinho. Ou seja, ele fez um vinho novo, mas com "aparência" de velho.


Estou feliz que você, quanto à questão da realidade (verdade), mantém a posição teológica reformada.


CIENTISTA:


Meu problema com sua declaração é que quando você usa o argumento que Jesus fez vinho com aparência de velho para justificar a criação da terra já com aparência de velha. Ao fazer isso, você está dizendo que os cientistas não deveriam examinar a terra com o objetivo de descobrir as leis de Deus na natureza, porque ele criou as coisas de forma a nos confundir. Isso quer dizer que nunca entenderemos o que vemos. Não se esqueça que a mesma física que descreve o comportamento astronômico do universo é a mesma que tem permitido a produção de imagens por ressonância magnética (MRI) e outras tecnologias redentivas maravilhosas.

PASTOR:

Entendo. Mas, responda-me. Se um cientista achasse Adão poucas horas após ter sido criado por Deus do pó da terra, qual seria sua conclusão acerca da idade de Adão? Adão teria poucas horas de vida, mas foi criado como um ser humano completo, adulto, e teria aparência adulta.

CIENTISTA:

Agora você está inferindo os detalhes técnicos de como Deus criou Adão. Prefiro não tocar nesse ponto. Quando eu digo que acredito que Deus criou Adão, acredito que ele tornou-se plenamente humano em um certo momento do tempo – eu não especulo se Deus aguardou pelo barro secar antes de soprar o espírito nele, ou se usou um método diferente para trazer o corpo de Adão a essa condição.

PASTOR:

Meu problema não é com a idade do universo, mas com seu argumento de que Deus não poderia ter criado uma terra jovem com aparência de velha pois isso seria iludir e desencaminhar os cientistas. Se Deus não pode criar coisas já crescidas, amadurecidas e com aparência de velha, o que dizer da criação de Adão e do vinho com sabor de velho? Deus não seria igualmente desonesto?


CIENTISTA:

Não!!!! Não vejo esse paralelo. Lembre-se de Gênesis 2.5, etc., as plantas e as florestas levaram tempo para crescer à medida que a água veio... Portanto, eu acho que existe uma diferença entre as diferentes classes de coisas criadas.


PASTOR:


Ainda não é o meu ponto. Se Deus estaria iludindo os cientistas ao criar a terra com aparência de velha, como se tivesse bilhões de anos, não estaria igualmente iludindo os cientistas criando um ser humano já crescido, amadurecido, aparentando mais idade do que realmente tinha? Eu acho que existe um paralelo, sim.


Além do mais, você esquece que de acordo com Gênesis "plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado." (Gn 2.8) Ou seja, não somente você tem um homem crescido (criado em uma fração de segundos) mas também um jardim inteiro com as árvores carregadas de frutas criadas em uma questão de segundos, senão Adão e Eva não teriam o que comer. Agora, temos não somente Adão e Eva e o vinho com gosto de velho, mas um jardim inteiro, todos criados já plenamente amadurecidos, completos, com aparência de terem muito mais tempo do que realmente tinham.


CIENTISTA:

É por isso que não penso que Deus nos ilude. Quando dizemos, a partir de observações astronômicas, por exemplo, que o universo tem bilhões de anos, essa declaração deveria ser aceita, em vez de encontrar explicações para a não-validade das leis físicas para satisfazer uma teoria criacionista do universo jovem.


Veja abaixo um sumário do professor Hooykaas sobre esse ponto. Ele era Reformado e foi um dos maiores historiadores da ciência. Leiam o que ele diz sobre o comentário de Calvino nas Institutas e digam-me onde Calvino e Hooykaas estão errados:


"Calvino percebeu, como talvez ninguém antes dele, a discrepância entre a astronomia nada ingênua do século XVI e a visão de mundo dos tempos bíblicos. Ainda assim, a despeito de sua reverência pela Escritura, ele não rejeitou a astronomia de seus dias... De acordo com Calvino, o Espírito Santo abre uma mesma escola para o ignorante e o erudito, e escolhe o que seja inteligível a todos. Se Moisés tivesse falado de uma forma científica, o ignorante poderia apresentar a desculpa de que estas coisas estão além de sua compreensão. Calvino diz, 'A Bíblia é um livro para o leigo; aquele que desejar aprender astronomia e outras artes recônditas, que vá aprender em outros lugares'. Evidentemente, Calvino sustenta que Deus deseja que as pessoas de todas as épocas compreendam a sua revelação e, portanto, se acomodou a nós."


PASTOR:


Estou feliz que você cita Calvino e reconhece a autoridade dele. Então, ouçamos Calvino também quando comenta sobre a criação do mundo (Gn 1.5):


"Aqui se refuta claramente o erro daqueles que dizem que o mundo foi criado em um único momento. Pois é muita violência contender que Moisés distribuiu por seis dias a obra que Deus realizou num só momento simplesmente com o objetivo de nos instruir. É preferível concluir que o próprio Deus levou o espaço de seis dias com o objetivo de acomodar suas obras à capacidade do homem".


Agora, diga-me, cientista: quais das duas citações de Calvino devemos seguir para que sejamos de fato calvinistas? Essa acima, em que Calvino diz que Deus criou o mundo em seis dias, ou aquela que você mencionou, de Hooykaas citando Calvino, que a linguagem da Bíblia é não científica?


CIENTISTA:

Minha posição está perfeitamente dentro da tradição dos cientistas Reformados. Mais umas linhas de Hooykaas:


"Existiam muitos, como o ministro zelandês Philips van Lansbergen, um famoso astrônomo, que era opinião que a Escritura não fala de assuntos de astronomia 'de acordo com a situação real, mas de acordo com as aparências.' De acordo com ele, o testemunho das Escrituras é verdade em si mesmo, mas sua autoridade é erroneamente empregada para demonstrar o movimento dos corpos celestes."


PASTOR:


Estamos andando em círculo aqui. Você citou Calvino como autoridade quanto à questão do caráter não científico da Escritura e nos desafiou a sermos calvinistas consistentes. Eu respondi com uma citação de Calvino, em que ele claramente diz que Deus criou o mundo em seis dias, para provar que o fato dele acreditar que a Bíblia não tem linguagem científica não o impediu de acreditar que o mundo foi criado em seis dias por Deus.


Diga-me: de acordo com Calvino, é possível para quem reconhece que a linguagem da Bíblia não tem caráter científico acreditar que Deus fez o mundo em seis dias?


CIENTISTA:


Eu vou parar o diálogo por aqui dizendo que eu creio que Deus criou os céus e a terra como um ser humano perfeito, mas não posso imaginar que o universo tem somente 6 mil anos e 6 dias, no sentido de um dia literal de 24 horas. Isso está além da minha compreensão. Penso também que Calvino concordaria com as recentes teorias concernentes à distância, propagação da luz e expansão do universo.


PASTOR:


Você ainda não respondeu minha indagação.


CIENTISTA:


Eu diria que apesar da Bíblia ser divinamente inspirada, sua humanidade está também aqui. O resultado não é que ela é a Palavra de Deus no sentido de que cada passagem, em si mesma, traz ciência e história de forma impecável. A Bíblia traz a Palavra de Deus. Se Deus escolheu expressar-se através da fragilidade das palavras humanas, da mesma forma que escolheu revelar-se através da forma humana frágil, quem somos nós para questionar sua sabedoria? A Bíblia não tem linguagem científica.


PASTOR:


Nós podemos (e devemos) admitir que a língua da Bíblia não é científica. Mas isto é diferente de dizer que ela contém erros. Por exemplo: a Bíblia não explica a rota da terra em torno do sol da perspectiva das forças gravitacionais que controlam os corpos cósmicos. A Bíblia indica simplesmente que o sol se levanta e se deita diariamente - que é a linguagem da perspectiva de quem vive na terra. Não é um erro. Este é o ponto que Hooykaas e Calvino estão fazendo.


Na mesma maneira, quando a Bíblia descreve a criação de Adão, não é linguagem científica. Moisés não diz como Deus adicionou a água ao barro e nem implantou os condutores elétricos em seus nervos. Não obstante, permanece o fato que Deus criou o homem do pó da terra e soprou o espírito nele. Quando a Bíblia diz que o sol parou no céu metade de um dia, não se preocupa em explicar como Deus poderia fazer aquilo sem causar uma tremenda bagunça na ordem celestial e no movimento dos planetas de nosso sistema solar. Apesar da falta da explanação científica, permanece um fato que o sol realmente parou esse dia durante esse período de tempo.


Não vamos confundir estas duas coisas: linguagem científica e verdade. Algo pode ser verdadeiro mesmo se não for vazado em jargão científico. Meu problema é que você não está fazendo esta distinção claramente e que você ainda parece sugerir, cada vez que diz que a Bíblia não tem nenhuma linguagem científica, que a história da criação não poderia ter acontecido na maneira como é descrita em Gênesis 1-2.


CIENTISTA:


Esse ponto sobre algo ser verdadeiro mesmo sem estar em linguagem científica é o que venho dizendo desde o início. Acho que você não me entendeu. Em essência, acredito no que a Bíblia diz – porque é verdade. Mas, Deus não intencionou que a linguagem dela fosse científica. Calvino aceitava a astronomia moderna e ao mesmo tempo não perdeu o respeito pela mensagem da Bíblia. A astronomia corrente tem implicações que rejeitam completamente o conceito de um universo com 6 mil anos e 6 dias de idade. Por que é tão difícil aceitar isso e ainda continuar crendo que a Bíblia contém a Palavra de Deus?


PASTOR:


Fico feliz em ver que concordamos em muitas coisas. Todavia, só mais uma observação. A Bíblia não contém a Palavra de Deus, ela é a Palavra de Deus. Dizer que contém a palavra de Deus, e assim fazer uma distinção entre Escritura e Palavra, é a posição de Karl Barth. Para ele, a Bíblia estava cheio dos erros - especialmente científicos - mas o milagre era que Deus nos falava através deste livro imperfeito. Você soa um bocado como Barth neste ponto, a menos que eu o entendi mal.


CIENTISTA:


Eu não sou barthiano, não quero nada com liberais. Segue minha última citação de Hooykaas sobre biblicismo. E ele não era um liberal:


"Minha tese é que a liberdade interna necessária ao trabalho científico está garantida inteiramente por uma religião biblica. Isto pode parecer um paradoxo. Todos sabem o quanto uma exegese de textos bíblicos impediu o desenvolvimento livre da teoria científica. Os textos de Josué e dos Salmos tornaram impossível para muitos ortodoxos aceitarem a teoria do movimento da terra; textos de Genesis impediram o desenvolvimento livre da geologia enquanto pareceram limitar o tempo geológico a 6.000 anos e corroboraram a opinião sobre um dilúvio universal. Genesis foi usado também a fim manter a constância das espécie..."


PASTOR:


Eu já li o livro de Hooykaas sobre a contribuição do Cristianismo para o surgimento da ciência moderna. Também não creio que ele seja um liberal, mas questiono algumas de suas opiniões.

Por exemplo, concordo quando ele diz que a liberdade interna é necessária para o trabalho científico, mas eu gostaria de acrescentar "desde que você mantenha os pressupostos de que Deus criou o mundo e o homem".

Ele também não faz uma importante distinção entre o catolicismo romano e a Reforma, quando diz que a exegese bíblica impediu que ortodoxos aceitassem o heliocentrismo (que a terra gira em torno do sol). Da mesma forma, acho que ele não foi exato ao dar a impressão que teólogos em geral sempre afirmaram com base nos textos de Gênesis que o mundo não poderia ter mais de 6 mil anos. Essa idéia é de um grupo que tentou calcular a idade da terra através das genealogias, algo infundado. Acho que Hooykaas acaba passando uma imagem incorreta da posição Reformada.

Ele pode não ser liberal, mas parece que não acredita num dilúvio universal. Isso faz dele o que? Reformado ou liberal? Outra coisa: ele diz que Gênesis tem sido usado para manter a constância das espécies. Isso é muito controverso. A microevolução (mudança dentro das espécies) está bem provada e atestada, mas a macroevolução (mudança de uma espécie em outra) ainda não foi provada. As espécies são estáveis e estabelecidas, até onde sei.

CIENTISTA:


Concordo com quase tudo que você disse, só acho que é muita coragem dizer que Hooykaas, um dos maiores historiadores da religião, passa uma imagem errada da posição reformada.

PASTOR:

Tem razão. Eu quis apenas dizer que nesse ponto ele equivocou-se.