domingo, setembro 06, 2009

Gays e Lésbicas praticantes agora podem ser Ministros do Evangelho na Igreja Luterana Americana

Leiam aqui a notícia sobre a decisão recente da maior Igreja Luterana dos Estados Unidos de confirmar gays e lésbicas praticantes como pastores e bispos luteranos. Antes, eles eram aceitos somente se permanecessem no celibato. A reunião foi presidida pelo bispo Mark Hanson (foto).

Não pretendo neste post entrar na questão da homossexualidade como uma quebra do padrão bíblico para a família, indivíduo e sexualidade. Quem quiser ler sobre isto, faça uma busca aqui no blog da palavra "homossexual" e encontrará diversos posts sobre o assunto. O que eu quero destacar é que a Igreja Luterana dos Estados Unidos, ao decidir pela maioria de seus representantes que gays e lésbicas podem ser ministros do Evangelho, estava simplesmente levando o liberalismo teológico às suas últimas conseqüências lógicas.

Sim, a ELCA (Igreja Evangélica Luterana da América) é outra daquelas igrejas históricas oriundas da Reforma que abandonaram a visão dos Reformadores quanto às Escrituras e sua autoridade e adotou o método crítico de interpretação. Para os que lêem inglês, vejam o que a ELCA pensa sobre a Bíblia. Em resumo, para os que não lêem inglês, a ELCA acredita que:

1) A Bíblia é o mais importante meio de Deus revelar seu ser e sua presença. Não é sua revelação exclusiva, uma vez que a ELCA é ecumênica e acredita que existe salvação em outras religiões.

2) A Bíblia contém a história da interação de Deus com os homens. Nada mais que isto. Ela não é a Palavra de Deus, mas o registro humano daquilo que os judeus e os cristãos acreditavam sobre Deus.

3) Como tal, este registro é falível e contém erros. Nele encontramos o reflexo dos preconceitos da época em que a Bíblia foi escrita. Este registro é por vezes contraditório internamente, pois os escritores da Bíblia registraram idéias diferentes e contraditórias sobre Deus, sua palavra, caminhos e vontade.

4) Quem pode dizer o que é certo ou errado dentro da Bíblia é a Igreja, a comunidade do Cristo. Este é o critério os luteranos americanos para aceitar ou rejeitar partes da Bíblia. Se alguma coisa edifica e leva a Cristo, então é de Deus. Se não, é coisa humana. E se perguntarmos qual o critério para decidirmos, por exemplo, que a homoafetividade edifica e leva à Cristo, a resposta será “aquilo que a Igreja decidir”.

5) Nos gêneros literários da Bíblia temos lendas de heroísmo e "estórias", outro nome para mitos. Entre estes a ELCA certamente coloca o nascimento virginal de Jesus -- assunto que ela declara estar aberto para discussão -- e a ressurreição de Jesus, que para eles não é um fato da história.

Quando uma igreja adota esta visão liberal da Bíblia é só uma questão de tempo até começar a rejeitar o ensino bíblico sobre o homossexualismo. Todas as igrejas ditas cristãs e que hoje aceitam que homossexuais praticantes sejam pastores e bispos são também igrejas que adotaram o método crítico e o liberalismo teológico em primeiro lugar: A Metodista Unida dos Estados Unidos, a Presbiteriana dos Estados Unidos, a Episcopal americana e agora a Luterana, também nos Estados Unidos. Na Europa, o padrão é o mesmo.

É preciso ressalvar que nem todos os pastores e membros destas igrejas concordam com isto. Houve rachas, dissensões, protestos, por parte das minorias discordantes. Todavia, estas minorias não têm força para lutar dentro de denominações que já rejeitaram a idéia de um cânon definido, inspirado, autoritativo e infalível, única regra de fé e prática.

É fácil ver que a ordenação de gays e lésbicas como ministros do Evangelho é fruto do liberalismo teológico. Uma vez que boa parte da sociedade já aceita o homossexualismo como algo natural, normal e até desejável, resolve-se que aquelas partes da Bíblia que caracterizam a homossexualidade como desvio moral e abominação sejam consideradas como mais um reflexo do preconceito cultural da época, a opinião pessoal dos escritores, mas jamais como uma norma, um conceito ou uma verdade de Deus, válida para todas as épocas e culturas. E assim a Igreja passa a julgar a Bíblia e decidir o que vale e o que não vale para hoje, a partir do seu entendimento da sociedade, da cultura e da época.

É claro que há coisas na Bíblia que são reflexo da cultura do Antigo Oriente, onde ela foi escrita, como saudar com beijos, usar véu, a escravidão e a poligamia. Contudo, saudação com ósculo santo e uso do véu não estão na mesma categoria de relações sexuais. A poligamia já é claramente abolida no Novo Testamento, onde também estão plantadas as sementes para a abolição da escravidão. O tema da homossexualidade, contudo, é tratado uniformemente, no Antigo Testamento e no Novo Testamento como uma questão moral e espiritual que tem raízes na natureza corrompida e decaída do ser humano.

O liberalismo teológico está firmemente plantado no coração de várias denominações históricas no Brasil. As sementes estão lá. Cedo ou tarde elas amadurecerão e seu fruto não será diferente do que tem acontecido com as igrejas nos Estados Unidos e Europa, que durante décadas ensinaram o método histórico-crítico em seus seminários. Já ficou claro historicamente quais as conseqüências morais uma vez que se rejeita a autoridade e infalibilidade da Escritura: não existem valores morais que sejam absolutos e intocáveis.

[Vejam aqui o meu comentário quando a PCUSA (Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos) passou a aceitar gays e lésbicas como membros comungantes de suas igrejas locais.]

52 comentários:

amaury disse...

pois é, caro Augustus.
e sabe o que é pior? o pior é que, ao debater o projeto de lei 122, que pretende tornar a "homofobia" um crime, em fóruns cristãos, quem se posiciona contra tal projeto de lei imediatamente ganha a antipatia dos outros debatedores, que, por sua vez, desfilam os mesmos argumentos utilizados pelo movimento homossexual.
em resumo, quem defende a Bíblia nesse assunto, apanha dos crentes em fóruns de crentes.
segundo eles, não devemos impor nossa visão de mundo bíblica em um estado laico.
primeiro: estado laico é um ponto de apoio muito utilizado pelos liberais (notadamente socialistas/esquerdistas) para defender pontos de vista antibíblicos e sua legalização formal na sociedade.
segundo: somos nós, os crentes que acreditam na Bíblia como única regra de fé e prática, que estamos tentando impor nossa crença ou opinião por meio de leis, ou são os outros que estão a ponto de fazer isto conosco e com toda a sociedade?
terceiro: se, com base no conceito do "estado laico" nossa crença ou opinião baseada na Bíblia é tão válida quanto qualquer outra, baseada em qualquer outro conjunto de valores religiosos, místicos ou mesmo não-religiosos, então de que valeu a cruz de Cristo?

Andre Marques disse...

Pastor Augustus Nicodemus, tenho dificuldades para entender quais criterios sao utilizados para estabelecer se uma lei e' moral, civica ou cerimonial? Tambem tenho dificuldades para entender quando uma lei e'atemporal, e quando uma lei e' restrita ao contexto cultural da epoca em que foi escrita. O senhor pode me ajudar a melhor compreeder as Escrituras Sagradas? Obrigado, Andre Marques

Cristiano Silva disse...

Triste, para dizer o mínimo.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

André,

Veja o artigo de Solano sobre o que você me perguntou:

http://www.solanoportela.net/palestras/tres_aspectos.htm

Abs.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

André,

Veja o artigo de Solano sobre o que você me perguntou:

http://www.solanoportela.net/palestras/tres_aspectos.htm

Abs.

Danilo Neves disse...

"...levando o liberalismo teológico as suas últimas consequências lógicas".

De hermenêutica o senhor entende. Fiquei pensando em quais seriam as consequências imediatas e por fim as últimas, reverendo. Sei que esse método não trata a Escritura como inerrante, autoritativa e suficiente em todas as questões de fé e conduta. Mas verificar as práticas ou melhor saber o que vai vir daqui pra frente quanto a heteropraxia, identificar os desdobramentos dessa teologia liberal ("satânica") não é ainda perceptível pra mim. Se Francis Schaeffer estivesse lendo esse post ele iria fazer um mapeamento da cultura e da igreja e nos mostrar como o método histórico-crítico está caminhando e quais são as roupas que ele veste hoje. Se ele fosse brasileiro, falaria da igreja brasileira. É certo que a sua obra é tida por muitos como universal e ainda fala hoje como nunca. Mas acredito que desde o seu falecimento até hoje, há traços novos (ou não?). Diante de tudo o que o senhor tem visto e lido, dá pra ver algo, digamos, "novo" quanto as manifestações pós-modernas dentro e fora da igreja?

Historicamente as consequências são conhecidas, cf. o senhor encerrou o post. O meu ponto é tentar entender, o quanto for possível entender, como essas consequências irão se manifestar numa igreja cercada por coisas que antes não havia, como por exemplo internet de fácil acesso e grande interatividade entre os meios de comunicação.

Não sei se o senhor conseguiu entendeu a minha colocação sobre o post.

Abraço!

Márcio Mamed disse...

Que tempos os nossos...

É Pr Augustus,

Vivemos em tempos difíceis.

Que Deus tenha misericórdia desta geração e fortaleça o que resta.

Um abraço de Manaus.

Márcio Mamed

Rev. Sandro disse...

Caro Rev. Augustus,

Muito boa sua abordagem sobre o tema, concordo plenamente com ela. Só gostaria de fazer uma observação à sua frase: "uma vez que a ELCA é ecumênica e acredita que existe salvação em outras religiões". Ecumenismo é a relação dialogal entre as diversas denominações cristãs, relações de diálogo com "outras religiões" é diálogo inter-religioso e não ecumenismo (segundo definição oficial do CONIC). Realmente a grande imprensa confude os termos, agora até inventaram o tal macroecumenismo (seria um sinônimo de 'diálogo inter-religioso'), mas a imprensa também confude luteranos, presbiterianos, anglicanos com os membros da IURD e nós sabemos que não é a mesma coisa.

Parabéns pelo post e pelo blog.

CAMILO disse...

Olá pastor,
Infelizmente o liberalismo teológico tem crescido no mundo e até mesmo através de pessoas que se dizem reformadas.
Infelizmente, o método critico de interpretação tem sido o método de alguns que se dizem da IPB.
O que está acontecendo?
Como mudar essa situação?
De que maneira podemos zelar pela teologia reformada?
Abraços

Fabio Marchiori disse...

Caro prof. Nicodemus.

Quero dizer que foi brilhante o desenvolvimento do seu post sobre a questão ministerial da ELCA. O que eu gostaria de colocar é que muitos no nosso país acreditam que este tema está muito longe de nos atingir. Pensam que isso é somente coisa de americano e europeu. Quem pensa assim está enganado. Hoje igrejas centenárias, e que foram fundadas sob a tradição reformada, estão a pleno vapor para chegarem a "estatura" da PCUSA e da ELCA, no tratar do homossexualismo. Falo pq sou uma dessas "minorias"que o sr cita no post.
Nós precisamos entender que somos bombardeados pelo pós-modernismo e por esta necessidade pecaminosa de algumas igrejas se tornarem antropocêntricas. Louvo a Deus por existirem vozes com do prof., que não temem opiniões humanas, mas se mantém fiel as Escrituras. Deus continue o abençoando.

Fabio Marchiori
www.bereiablog.com

Anônimo disse...

Prezado Rev. Augustus

compartilhando abaixo o link para a carta que a LCMS - Lutheran Church/Missouri Synod - ramo evangélico e conservador dos luteranos na América - dirigiu à Assembleia da ELCA em 22.08.2009 sobre esse assunto:
http://www.lcms.org/pages/internal.asp?NavID=15618

Abraços

Osvaldo Pimentel Filho
IP Vila Mariana - S. Paulo

Adalberto A. R. Taques disse...

É triste ver igrejas históricas seguindo pro este caminho. É preocupante saber que no Brasil existem grãos de mostarda do inferno plantados em igrejas históricas também. Sei que a apostasia é prevista na Bíblia, e que é só uma questão de tempo até que essa mostarda floreça aqui como já o fez na Europa e Estados Unidos. Mas vivemos pela fé, e a certeza de que Deus trará vingança sobre toda desobediência a sua Palavra. O desafio é crer na justiça de Deus não querendo ser mais justo que Ele adiantando seu julgamento. Até lá, permaneçamos firmes na pregação fiel da Palavra, contra tudo e contra todos, inclusive os de "dentro de casa". Que Deus nos ajude!

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Sandro,

Obrigado pela correção, você está certo. A ELCA, além de ecumênica pratica o diálogo interreligioso.

Abs.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Sandro,

Obrigado pela correção, você está certo. A ELCA, além de ecumênica pratica o diálogo interreligioso.

Abs.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Osvaldo,

Obrigado pela indicação do link. Os Luteranos do Sínodo de Missouri são a ala conservadora dos luteranos nos Estados Unidos. A carta é muito bem escrita, irênica, mas firme. E vai no ponto: diz que o problema é exatamente o afastamento da ELCA do que a Fórmula da Concórdia diz sobre as Escrituras.

Grande abraço!

Norma disse...

Perfeito o post, Augustus!
De fato, se a ELCA já estava liberal desse jeito, é até surpreendente que tal decisão não tenha sido tomada há mais tempo.
Abraços saudosos aos temporinos!

zwinglio rodrigues disse...

Pr. Nicodemus, paz!

Pensei em pedir-lhe desculpas pela minha falta de educação pessoalmente... mas como fiquei bastante constrangido... faço agora... desculpe-me por causa de minhas grosserias contra o irmã aqui nesse blog em uma ocasião anterior...

Para você relembrar, se assim desejar... segue o link do debate realizado aqui em Vitória da Conquista... pra mim foi uma aula...

http://www.4shared.com/embed/129254384/d39bbf99

Bom... quando puder, visite o meu blog... www.blogdokimos.com

Abraços fraternos!

Bruno disse...

Infelizmente não vejo nada de mais nessa notícia. O essencial (como o senhor escreveu) eles já perderam há muito tempo, que é a morte e ressurreição de Cristo, sua realidade inquestionável e significado. Para quem já abriu mão disso, que diferença pode fazer o resto?

Muito obrigado pastor. Deus o abençoe.

Anônimo disse...

daniel correia de recife
bela postagem,estamos vendo uma pratica que como muitas outras vindas de lá em breve estara implantada em algumas igrejas daquí do brasil,até porque muitos dos ideais da igreja emergente já sâo uma realidade em nosso meio,e essa nova prática provavelmente nâo ficara de fora.onde estaremos nós apologetas para combayermos essa prática maligna?

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Norma.

Que bom ler seu comentário! Um grande abraço!

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Zwinglio,

Foi um prazer conhecê-lo pessoalmente em Vitória. Obrigado pelo link do debate e do seu blog.

Quanto ao pedido de desculpas, está aceito, seja bem vindo!

Um abraço fraterno.

Anônimo disse...

Sei que a IPB não esta imune contra a "semente" liberal, mas creio que a confisão de fé de westminster a deixa um passo a frente das outras denominações na luta contra o liberalismo teológico.

Anônimo disse...

Caro anônimo das 09:10h

Se a Igreja Presbiteriana estivesse a frente das outras denominações por seguir a referida confissão, a co-irmã dos Estados Unidos não estaria também aceitando o homossexualismo.

Tales Paranahiba disse...

Quando isso chegará ao Brasil?
Lamentável!
A paz
Tales

www.salmoparavoce.blogspot.com disse...

De fato, o acontecimento é chocante, e soa de forma até mesmo apocalíptico. Deve ser sim uma preocupação nossa, em especial, a forma como olhamos e interpretamos a Bíblia, mas me parece que o post tem a intenção de colocar todo o crédito na "conta" da interpretação bíblica Histórico-Crítica, o que na minha opinião não é. Deve-se levar em consideração outros fatores, entre eles a própria cultura dos países da Europa e América do Norte, onde o pensar teológico é a partir do filosófico (sem querer recriminar a filosofia) coisa que aqui não é. O Dr. Nicodemos mesmo já escreveu sobre a "Alma católica do Protestantismo brasileiro", ou seja, somos Protestantes só no nome, mas não na essência. Por isso, mesmo que o liberalismo Teológico esteja plantado no coração de várias denominações históricas no Brasil, não acredito que o quadro será o mesmo do que está acontecendo nas igrejas da Europa e da América do Norte, como por exemplo, o tema do post. Quero apenas terminar dizendo que também acredito nas Escrituras como Revelada e Inspirada por Deus, infalível e inerrante.

Pr. Kleber Teles
www.salmoparavoce.blogspot.com

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Kleber,

1 - Nenhuma das igrejas nos Estados Unidos e Europa que rejeitam o método histórico-crítico e que defendem a convicção de que a Bíblia é a infalível e inerrante Palavra de Deus adotaram estas idéias sobre homossexualismo, como por exemplo, a Igreja Reformada Vrijgemaakt (Libertada) na Holanda (país mais liberal do mundo quanto a estas coisas) e a Igreja Presbiteriana da América (PCA) nos Estados Unidos. Eu poderia citar mais outros exemplos de igrejas da América e da Europa, onde segundo você o pensar teológico é a partir do filosófico, que não seguiram o caminho das outras. O que estas igrejas têm de diferente das que adotaram o homossexualismo como coisa normal? É que elas não são liberais, não seguem o método crítico. Portanto, o ponto central de meu post é válido e correto.

2 - Infelizmente creio que você está equivocado quanto à situação do Brasil. É só acompanhar a mídia. O Brasil tem a maior parada gay do mundo e se movimenta rapidamente para implementar leis, como este PL da criminalização da homofobia, que farão dos homossexuais super cidadãos, imunes à críticas e a serem demitidos de seus empregos. Nossa mídia divulga e defende abertamente o jeito gay de ser. Não vejo porque igrejas brasileiras liberais não chegarão no mesmo ponto das suas co-irmãs européias e americanas.

Mas, sinceramente, espero que neste ponto você esteja certo, e eu, errado.

Abraços fraternos!

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Anônimos das 09:10h e 09:44h,

Tudo depende de como uma denominação se relaciona com a Confissão de Fé. A Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos não exige mais que seus pastores sejam fiéis à Confissão, que é recebida apenas como um referencial histórico, ao lado de várias outras confissões.

A IPB ainda exige que os pastores, presbíteros e diáconos prestem voto de lealdade e submissão à Confissão de Fé. Isto pode fazer a diferença por um tempo.

Abs.

Anônimo disse...

"A IPB ainda exige que os pastores, presbíteros e diáconos prestem voto de lealdade e submissão à Confissão de Fé. Isto pode fazer a diferença por um tempo."

Reverendo,

Para que alguém se torne membro da IPB é necessário que preste esse voto?

Saudações em Cristo

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Anônimo -- está na hora de identificar-se, rsrsrs!

Não, membros não fazem este voto, mas são geralmente entrevistados no Conselho da Igreja quanto ao que acreditam, antes de serem aceitos como membros.

Abs.

www.salmoparavoce.blogspot.com disse...

Dr. Nicodemos, só gostaria de corrigir o que você disse no ponto 2 da sua resposta em relação ao meu comentário, pois parece que está dizendo que eu estou desinformado. Eu não disse que o movimento homossexual no Brasil não cresce, eu disse que não acredito que pelo fato de usar o método Histórico-Crítico de Interpretação nossas igrejas sofrerão o mesmo que as nossas igrejas co-irmãs, pelo fato do pensar teológico que é diferente. E aqui gostaria de acrescentar, que tal método Histórico-Crítico pode até ser conhecido por alguns círculos evangélicos brasileiros, mas a maioria nem sabe o que é isso. Podem até interpretar a Biblia fazendo uso excessivo da subjetividade, o que torna sua interpretação bastante prejudicada, e deixando de lado o método Gramático-Histórico que é o que o você defende, como eu também, mas não vejo a Igreja Evangélica Protestante (se é que podemos chamá-la assim) utilizando o método Histórico-Crítico na sua interpretação bíblica. Volto a dizer, a análise da que fazemos da Igreja evangélica Brasileira deve ser diferente da feita a países da Europa e América do Norte.

Pr. Kleber Teles
www.salmoparavoce.blogspot.com

Anônimo disse...

Reverendo,

Eu me identificaria prontamente se meu nome fosse Augustus ou Caius. Mas meu nome é "Spartacus" (rsrs!)

Abs

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Rev. Augustus,

Fiquei estarrecido com a notícia!!! Mas, me chocou ainda mais, saber que eles põem em dúvida o nascimento virginal do Sr. JESUS CRISTO e sua ressureição.

Afinal, eles crêem em quê?? A ordenação homossexual é uma aberração, mas poderia se dizer que a Igreja está em pecado, ou sei lá, manifestamente equivocada e precisando ser disciplinada.

Mas, duvidar do nascimento virginal do Sr. JESUS CRISTO e de sua ressureição, é um absurdo tão grande pois desnatura a Igreja. A Igreja só tem significado com os postulados básicos da encarnação, nascimento virginal, morte vicária e ressureição.

Se são retirados esses dois postulados não há Igreja!!! O Apóstolo Paulo nos diz, com todas as letras, se o Sr. JESUS não ressuscitou é vã a nossa fé (1 Co 15.17).

Lamentável...

Mas, Graças a DEUS há um remanescente fiel!!!

Um forte abraço e que DEUS continue lhe abençoando e sustentando seu Ministério!!!

Cristiano Pereira de Magalhães

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Kléber,

Com certeza a igreja brasileira não usa o método crítico na mesma proporção que os EStados Unidos e Europa.

Foi por isto que eu disse que "as sementes" do liberalismo estão plantadas no coração de algumas denominações aqui no Brasil. Sementes ainda não são o fruto maduro. Indica que existe um começo e que se projeta para o fim.

O que eu quero dizer é que se estas sementes brotarem, se as igrejas passarem a usar o método crítico em seus seminários com a mesma intensidade com que é usado lá, os resultados serão os mesmos aqui.

E as sementes continuam a ser plantadas. Veja o lançamento recente no Brasil, pela Editora Reflexão, do livro "O que é o Cristianismo" de Adolf Harnack, que a própria editora chama de "o último grande representante da Teologia Liberal". As obras dos liberais vêem sendo traduzidas e publicadas no Brasil numa proporção muito grande. Antes era só as editoras católicas e a ASTE. Hoje, um punhado de editoras pequenas, mas comprometidas com o liberalismo, vêm semeando o mercado evangélico com as obras dos liberais.

Pegue a bibliografia dos cursos de teologia oferecidos nas universidades reconhecidas pelo MEC, ou mesmo a bibliografia de seminários não reconhecidos e você verá um número crescente de obras dos liberais sendo recomendadas aos alunos, enquanto que o número de boas obras conservadoras (e elas existem e têm sido publicadas) diminui cada vez mais.

Eu sinceramente espero que o irmão esteja certo, e que eu esteja errado em minha avaliação. Quem viver, verá.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Cristiano,

A ELCA tem a seguinte posição sobre estes dois assuntos, extraídos do site dela, nos links que dei acima:

1) Eles dizem que têm membros na ELCA que não aceitam o nascimento virginal e aqueles que aceitam. Como o apóstolo Paulo não toca neste assunto em suas cartas, então eles consideram o assunto irrelevante para a fé cristã. Leia lá e confira.

2) Sobre a ressurreição de Jesus, eles dizem que Jesus apareceu somente a quem era crente, e que portanto esta ressurreição é algo que só pode ser comprovado pela fé. Ela não aconteceu na história, mas na meta-história, um nível de acontecimentos onde somente a fé penetra. Esta é a maneira politicamente correta deles dizerem que a ressurreição não foi fisica, não foi um cadáver voltar à vida.

Uma vez que nada da Bíblia escapa à crítica racionalista deles, é evidente que a mesma coisa, cedo ou tarde, se aplica aos valores cristãos, à ética cristã.

Paulo, em Romanos 1, diz que o homossexualismo é a etapa final de um processo que se inicia com a rejeição da revelação que Deus faz de si mesmo na própria natureza.

Abs.

Leandro disse...

Rev. Augustus,
o irmão saberia dizer qual o posicionamento das duas igrejas luteranas brasileiras em relação ao homossexualismo, ou em geral ao liberalismo, a Luterana do Brasil e a Confissão Luterana?

Cristiano Pereira de Magalhães disse...

Rev. Augustus,

Sempre vi e admirei a sua luta contra o Liberalismo Teológico. Contudo, nunca imaginei (ingenuidade minha, confesso) que tivesse tamanha implicação...

Corrija-me se eu estiver errado: os luteranos norte-americanos que concordaram com toda essa barbárie literalmente falando apostataram!!!

Realmente, não podemos, em momento algum, concordar com o liberalismo, temos que seguir a orientação da Epístola de Judas (v. 3) e lutar, com diligência, contra essas heresias.

O que me conforta é saber que a batalha já está ganha!!! Não por nós, pobres pecadores, mas pelo SENHOR DOS SENHORES!!!

Não tenho dúvidas que em médio prazo a perseguição à Igreja (com "i" maísculo) se iniciará a partir da questão do homossexualismo (aquela prevista em Mateus 24).

Que o Sr. JESUS CRISTO nos conserve fiéis à sua PALAVRA e tudo mais!!!

Cordialmente.

Cristiano

Anônimo disse...

Olá, Rev. Augustus. Falando ainda em método histórico-crítico, creio que é do conhecimento do irmão o fato de termos (IPB) um seminário (RJ) que utiliza o método em exegese do Pentateuco e, ainda por cima, usa a "Nova Perspectiva Paulina" como fundamento exegético das Cartas Paulinas. As ementas estão disponíveis no site de lá. Fiz o download de cada uma ementa. Gostaria de pergunta se a JET tem algum posicionamento sobre isso.
Forte abraço,

Neto

Maurício de Almeida Soares disse...

Rev, belo post.
com relação à IPB, em q pé o senhor pensa q está o liberalismo?
quais as sementes hj q podem dar lugar a ele no futuro?
A minha opinião é q hj tolera-se q os pastores e presbíteros tenham práticas contrárias aos símbolos de fé desde q jurem aceitar os mesmos na ordenação.
A começar pela guarda do dia do Senhor. quantos líderes guardam e ensinam a igreja a guardá-lo como está na confissão? isso não indica a aceitação de q podemos "jurar fidelidade" aos símbolos e na prática ignorá-los? já não somos nós, em parte, confessionais só no nome?
é assim q temos hj, bem acolhidos em nosso meio (como pastores e presbíteros), pentecostais (para não dizer neo-pentecostais), q vão além das Escrituras; evolucionistas convictos e liberais, q ficam aquém das Escrituras.
quanto tempo até q na IPB a confissão se torne apenas uma relíquia do passado?
o q podemos fazer para evitar isso?
não quero ser pessimista; mas depois do q aconteceu com denominações históricas pelo mundo afora...

alan:cristie disse...

Boa noite, Rev. Nicodemus.

Sempre me perguntei se seria possível uma nova Reforma. Sempre me respondi que não; afinal, uma igreja foi reformada: a Católica. Como poderíamos reformar as dezenas de denominações e centenas de pequenas igrejas independentes que há? Mas pude ver com essa notícia que nosso país pode um (breve) dia chegar ao ponto dos nossos "irmãos" dos Estados Unidos. E no dia em que todos nós que ainda cremos que a bíblia é a perfeita Palavra de Deus formos impreterívelmente tachados de intolerantes e formos caçados por isso, haverá uma nova Reforma. No dia em que a minoria inverter, os lobos serão separados das ovelhas.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Neto,

Pelo que entendo das últimas resoluções da CE-IPB, as ementas dos seminários foram aprovadas pela JET e devem ser seguidas à risca. E pelo que sei, nelas não consta o ensino do método crítico e da nova perspectiva sobre Paulo a não ser para dar conhecimento aos alunos para que possam criticar estas posturas. Com certeza a JET irá verificar a situação.

Abs.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Maurício,

Existem liberais na IPB, sim, mas por enquanto são poucos e não detêm postos de comando e de influência política. Todavia, continuam semeando as sementes do liberalismo teológico, que hoje já tem outro nome e outras versões, embora o fruto seja o mesmo.

O velho liberalismo teológico alemão teoricamente teria passado, mas seus pressupostos e seu método, que é o histórico-crítico, continuam a ser empregados.

Pelo que eu entendo da IPB, ela deseja ser uma igreja firmemente ancorada na Palavra de Deus conforme interpretada pela Confissão de Westminster. As decisões do SC e da CE mostram isto claramente, que nosso povo, uma vez bem informado, sempre vota contra a agenda liberal e neopentecostal. Mas, não estamos imunes. É um conflito constante, onde se precisa sabedoria para distinguirmos corretamente as coisas. Na verdade, além do liberalismo teológico, existem outros problemas, como o crescimento do neo-puritanismo.

Abs.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Alan Cristie,

Nova Reforma? Dificilmente, pelo menos nos termos daquela do séc. XVI. Mas, Deus tem seus caminhos. À época, ninguém imaginava que os caminhos de Deus passava pela conversão de Lutero e seu desafio à teologia católica de seus dias. Quem sabe o que Deus está preparando para nossa época, se é que nossa época terá o privilégio de ver uma mudança profunda no evangelicalismo brasileiro?

Bernardo W. D. disse...

Olá reverendo! Sempre leio seu blog, mas quase nunca posto algum comentário... Sou meio leigo nesse assunto de calvinismo e arminianismo, e queria saber qual é a visão calvinista sobre a salvação dessas pessoas que estão agora indo contra a Bíblia e a fé cristã genuína. Ainda são salvos? O calvinismo diz mesmo 'uma vez salvo salvo para sempre'? Como ficam os apóstatas aí?

Obrigado!
Atenciosamente,
Bernardo W. D.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Bernardo,

A visão calvinista é aquela da Bíblia: quem rejeita a Cristo, quem nega a fé, quem vira as costas para Deus, este não entrará no Reino dos céus.

Obviamente, um cristão verdadeiro, ainda que passe por momentos difíceis, tentações e até quedas, jamais abandonará ao Senhor. Os que porventura fizerem isto de maneira final e definitiva, estão dando sinais de que nunca foram de fato regenerados e nascidos de novo.

IBFiladelfia disse...

Emobra não seja o aspecto central do seu texto, é importante lembrar que o lobby homossexual no Brasil está de vento em popa. E causa gay ganha adpetos em todos os poderes do nosso país. Veja esta notícia:

http://macfly.multiply.com/journal/item/119

Felipe Huvos Ribas disse...

Rev. Augustus Nicodemus, lembro-me de ter digitado um comentário referetne a este post. Não sei se eu cometi algum erro na hora de "publicar" o comentário.
Pode ser também que eu escrevi algo que o senhor considerou ofensivo, não sei.
Caso algo em meu comentário tenha sido ofensivo - e esse foi o motivo da não publicação -, quero pedir perdão.
Caso eu tenha cometido algum erro na hora da publicação, por favor, desconsidere este texto.
Deus te abençoe.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Felipe,

Não me recordo de ter visto um comentário seu. Pode reenviar!

Abs.

Bernardo W. D. disse...

Reverendo,

Qual é a visão que os calvinistas tem então a respeito de Judas Iscariotes? Ele nunca foi realmente um cristão, regenerado? Mas ele não recebeu o chamado de Jesus e o aceitou? Não andou com Jesus por um tempo, fazendo a sua vontade?

Obrigado!

Rodrigo Arthur D. S. Melo disse...

Se por um lado a igreja se torna mais humana para com as diferenças sexuais, também se torna mais pecaminosa.

Simon Lino disse...

Uma coisa leva a outra, com o passar do tempo.
O Arminianismo leva ao liberalismo que por sua vez leva a seletividade dos textos bíblicos que leva a permissividade dessas praticas pecaminosas.
Eu sei que muita gente vai esperniar com minha afirmação, mais é verdade. Basta estudar a história da igreja.
Voltemos ao Deus Soberano e lembrando de sua ira para com o pecado. Que Deus ilumine a mente de todos nois.

cynt_nunes disse...

Pr. Augustus,

Esse post foi muito esclarecedor. Apesar de saber da existência do liberalismo dentro das igrejas evangélicas, não conhecia o método científico de interpretação. É muito triste ver o que está acontecendo nas igrejas dos Estados Unidos e Europa, e que ameaça chegar por aqui. O que resta às pessoas que relativizam as escrituras e negam a ressurreição? somente a perdição eterna, visto que sua fé é vã (I Co 15: 17-19. Ap. 22:18,19). Graças a Deus, que tem mantido um remanescente fiel. Oremos para que Ele nos dê intrepidez para levantar a voz contra toda essa distorção das escrituras e dos valores instituídos por Deus, mesmo que venhamos a sofrer perseguição, como de fato sofreremos(At. 4:29).

NeoPravda disse...

A recente debandada de parte dos membros da Igreja Episcopal/Anglicana para a Igreja Católica me fez pensar que a Palavra de Deus é extraordinária na certeza de seus vaticínios. Como poderia, pensava eu, haver pessoas no catolicismo que seriam parte do rebanho de Cristo? Então vem a notícia de que o Papa Bento XVI aceitou a liturgia Anglicana/Episcopal e suas tradições (pastores casados) com a única condição de não haverem Bispos casados (por enquanto), e aceitarem a autoridade papal. Milhares de fiés descontentes com ordenação de gays e lésbicas estão rumando para a paróquia mais próxima. Então, o que ocorrerá com a Luterana e outras ditas tradicionais? Aparentemente o mesmo. Aliás, deve também ocorrer em boa parte com pentecostais, neo-pentecostais, pragmáticas, e toda a fauna de denominações que vemos hoje em dia...estamos testemunhando o nascimento da GRANDE PROSTITUTA, que ainda assim é formada por aqueles que hão de herdar a salvação ("sai dela, povo meu").

Tudo se passa conforme a vontade soberanda de Deus Pai.

Em Cristo, que era, que é e que há de vir,

Emerson