sexta-feira, maio 18, 2012

Deus, Prosperidade e Trabalho

A prosperidade financeira obedece a normas, regras e métodos estabelecidos. Por outro lado, da perspectiva bíblica, a prosperidade é um dom de Deus. É ele quem concede saúde, oportunidades, inteligência, e tudo o mais que é necessário para o sucesso financeiro. E isso, sem distinção de pessoas quanto ao que crêem e quanto ao que contribuem financeiramente para as comunidades às quais pertencem. Deus faz com que a chuva caia e o sol nasça para todos, justos e injustos, crentes e descrentes, conforme Jesus ensinou (Mateus 5:45). Não é possível, de acordo com a tradição reformada, estabelecer uma relação constante de causa e efeito entre contribuições, pagamento de dízimos e ofertas e mesmo a religiosidade, com a prosperidade financeira. Várias passagens da Bíblia ensinam os crentes a não terem inveja dos ímpios que prosperam, pois cedo ou tarde haverão de ser punidos por suas impiedades, aqui ou no mundo vindouro.

Através dos séculos, as religiões vêm pregando que existe uma relação entre Deus e a prosperidade material das pessoas. No Antigo Oriente, as religiões consideradas pagãs estabeleceram milênios atrás um sistema de culto às suas divindades que se baseava nos ciclos das estações do ano, na busca do favor dessas divindades mediante sacrifícios de vários tipos e na manifestação da aceitação divina mediante as chuvas e as vitórias nas guerras. A prosperidade da nação e dos indivíduos era vista como favor dos deuses, favor esse que era obtido por meio dos sacrifícios, inclusive humanos, como os oferecidos ao deus Moloque. No Egito antigo a divindade e poder de Faraó eram mensurados pelas cheias do Nilo. As religiões gregas, da mesma forma, associavam a prosperidade material ao favor dos deuses, embora estes fossem caprichosos e imprevisíveis. As oferendas e sacrifícios lhes eram oferecidas em templos espalhados pelas principais cidades espalhadas pela bacia do Mediterrâneo, onde também haviam templos erigidos ao imperador romano, cultuado como deus.

A religião dos judeus no período antes de Cristo, baseada no Antigo Testamento, também incluía essa relação entre a ação divina e a prosperidade de Israel. Tal relação era entendida como um dos termos da aliança entre Deus e Abraão e sua descendência. Na aliança, Deus prometia, entre outras coisas, abençoar a nação e seus indivíduos com colheitas abundantes, ausência de pragas, chuvas no tempo certo, saúde e vitória contra os inimigos. Essas coisas eram vistas como alguns dos sinais e evidências do favor de Deus e como testes da dependência dele. Todavia, elas eram condicionadas à obediência e só viriam caso Israel andasse nos seus mandamentos, preceitos, leis e estatutos. Estes incluíam a entrega de sacrifícios de animais e ofertas de vários tipos, a fidelidade exclusiva a Deus como único Deus verdadeiro, uma vida moral de acordo com os padrões revelados e a prática do amor ao próximo. A falha em cumprir com os termos da aliança acarretava a suspensão dessas bênçãos. Contudo, a inclusão na aliança, o favor de Deus e a concessão das bênçãos não eram vistos como meritórios, mas como favor gracioso de Deus que soberanamente havia escolhido Israel como seu povo especial.

O Cristianismo, mesmo se entendendo como a extensão dessa aliança de Deus com Abraão, o pai da fé, deu outro enfoque ao papel da prosperidade na relação com Deus. Para os primeiros cristãos, a evidência do favor de Deus não eram necessariamente as bênçãos materiais, mas a capacidade de crer em Jesus de Nazaré como o Cristo, a mudança do coração e da vida, a certeza de que haviam sido perdoados de seus pecados, o privilégio de participar da Igreja e, acima de tudo, o dom do Espírito Santo, enviado pelo próprio Deus ao coração dos que criam. A exultação com as realidades espirituais da nova era que raiou com a vinda de Cristo e a esperança apocalíptica do mundo vindouro fizeram recuar para os bastidores o foco na felicidade terrena temporal, trazida pelas riquezas e pela prosperidade, até porque o próprio Jesus era pobre, bem como os seus apóstolos e os primeiros cristãos, constituídos na maior parte de órfãos, viúvas, soldados, diaristas, pequenos comerciantes e lavradores. Havia exceções, mas poucas. Os primeiros cristãos, seguindo o ensino de Jesus, se viam como peregrinos e forasteiros nesse mundo. O foco era nos tesouros do céu.

A Idade Média viu a cristandade passar por uma mudança nesse ponto (e em muitos outros). A pobreza quase virou sacramento, ao se tornar um dos votos dos monges, apesar de Jesus Cristo e os apóstolos terem condenado o apego às riquezas e não as riquezas em si. Ao mesmo tempo, e de maneira contraditória, a Igreja medieval passou a vender por dinheiro as indulgências, os famosos perdões emitidos pelo papa (como aqueles que fizeram voto de pobreza poderiam comprá-los?). Aquilo que Jesus e os apóstolos disseram que era um favor imerecido de Deus, fruto de sua graça, virou objeto de compra. Milhares de pessoas compraram as indulgências, pensando garantir para si e para familiares mortos o perdão de Deus para pecados passados, presentes e futuros.

A Reforma protestante, nascida em reação à venda das indulgências, entre outras razões, reafirmou o ensino bíblico de que o homem nada tem e nada pode fazer para obter o favor de Deus. Ele soberana e graciosamente o concede ao pecador arrependido que crê em Jesus Cristo, e nele somente. A justificação do pecador é pela fé, sem obras de justiça, afirmaram Lutero, Calvino, Zwinglio e todos os demais líderes da Reforma. Diante disso, resgatou-se o conceito de que o favor de Deus não se pode mensurar pelas dádivas terrenas, mas sim pelo dom do Espírito e pela fé salvadora, que eram dados somente aos eleitos de Deus. O trabalho, através do qual vem a prosperidade, passou a ser visto, particularmente nas obras de Calvino, como tendo caráter religioso. Acabou-se a separação entre o sagrado e o profano que subjaz ao conceito de que Deus abençoa materialmente quem lhe agrada espiritualmente. O calvinismo é, precisamente, a primeira ética cristã que deu ao trabalho um caráter religioso. Mais tarde, esse conceito foi mal compreendido por Max Weber, que traçou sua origem à doutrina da predestinação como entendida pelos puritanos do século XVIII. Weber defendeu que os calvinistas viam a prosperidade como prova da predestinação, de onde extraiu a famosa tese que o calvinismo é o pai do capitalismo. As conclusões de Weber têm sido habilmente contestadas por estudiosos capazes, que gostariam que Weber tivesse estudado as obras de Calvino e não somente os escritos dos puritanos do séc. XVIII.

Atualmente, em nosso país, a idéia de que Deus sempre abençoa materialmente aqueles que lhe agradam vem sendo levada adiante com vigor, não pelos calvinistas e reformados em geral, mas pelas igrejas evangélicas chamadas de neopentecostais, uma segunda geração do movimento pentecostal que chegou ao Brasil na década de 1900. A mensagem dos pastores, bispos e “apóstolos” desse movimento é que a prosperidade financeira e a saúde são a vontade de Deus para todo aquele que for fiel e dedicado à Igreja e que sacrificar-se para dar dízimos e ofertas. Correspondentemente, os que são infiéis nos dízimos e ofertas são amaldiçoados com quebra financeira, doenças, problemas e tormentos da parte de demônios. Na tentativa de obter esses dízimos e ofertas, os profetas da prosperidade promovem campanhas de arrecadação alimentadas por versículos bíblicos freqüentemente deslocados de seu contexto histórico e literário, prometendo prosperidade financeira aos dizimistas e ameaçando com os castigos divinos os que pouco ou nada contribuem.

O crescimento vertiginoso de igrejas neopentecostais que pregam a prosperidade só pode ser explicado pela idéia equivocada que o favor de Deus se mede e se compra pelo dinheiro, pelo gosto que os evangélicos no Brasil ainda têm por bispos e apóstolos, pela idéia nunca totalmente erradicada que pastores são mediadores entre Deus e os homens e pelo misticismo supersticioso da alma brasileira no apego a objetos considerados sagrados que podem abençoar as pessoas. Quando vejo o retorno de grandes massas ditas evangélicas às práticas medievais de usar no culto a Deus objetos ungidos e consagrados, procurando para si bispos e apóstolos, imersas em práticas supersticiosas e procurando obter prosperidade material por meio de pagamento de dízimos e ofertas me pergunto se, ao final das contas, o neopentecostalismo brasileiro e sua teologia da prosperidade não são, na verdade, filhos da Igreja medieval, uma forma de neo-catolicismo tardio que surge e cresce em nosso país onde até os evangélicos têm alma medieval.

13 comentários:

MAC disse...

Graça e paz Rev.

Lendo seu texto surgiu-me uma dúvida com relação ao texto de 2Co 9:6, que diz:

"Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente."

Aqui parece que Paulo faz uma relação entre generosidade e benção (favor de Deus em certo sentido).
Sei que a questão aqui não é "dar mais" apenas para poder "ter mais" - como um fim em si mesmo -, mas gostaria da opinião do sr. sobre esse texto.

Abraço.

Mauricio "MAC" Machado
Joinville, SC.

Tom Alvim disse...

Uma verdadeira aula sobre este tema tão atual. Parabéns e obrigado!

Missionário Elam disse...

Muito bom! Que todos os que se dizem Reformados possam firmar as estacas em solos rochosos tendo realmente a Bíblia como regra de fé e prática, vivemos dias difíceis na propagação da sã doutrina, a doutrina apostólica.

André Scordamaglio disse...

Rev.,

O movimento neopentecostal já não está em decadência no Brasil? Ou o sr. ainda crê que ele tem força para continuar arrastando pessoas por muito mais tempo?

Abs

Jair Ventuara disse...

A graça e a paz de Jesus,

Eh, acho que a igreja evangelica brasileica esta esquecendo da real graça de Deus
" Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus;
não vem das obras, para que ninguém se glorie."
Efesios 2: 8-9

Ricardo Mamedes disse...

Excelente! Claro, translúcido. Incrível que as pessoas não compreendam e continuem a correr atrás desses movimentos, cujas propostas contrariam herneneuticamente a Bíblia. Creio que no tempo certo Deus livrará os Seus de tais armadilhas, ainda que estejam "lá" enganados.

Ricardo

Marcio Alexandre Prata Ferreira disse...

Olá Reverendo graca e paz. Gostaria que vc fizesse um comentario sobre o que vou dizer.
Não seria um tamanho erro de grande parte da cristandade contemporânea querer aplicar a nova Alianca, as recompensas e consequências concer nentes a antiga Alianca (Dt 28,29 p.ex)? Me parece claro que essas promessas de recompensas e conse quências foram definitivamente abolidas com o advento da nova Alianca, onde tb percebemos uma certa mudanca na perspectiva missiologica. Quando lemos o novo testamento descobrimos que, dife rente do velho, quanto mais obede cemos a Deus, mais sujeitos a perse guicões, dificuldades e sofrimento estaremos. Isso não quer dizer que Deus não possa nos abencoar caso assim ele deseje. Mas aquelas prome ssas de recompensas e consequencias ligadas aquele povo e aquela terra não existem mais, e por consequên cia, não podem mais ser prometidas pelos pregadores da nova Alianca. Douglas stuart chega a dizer as seguintes palavras sobre a questão: "Para aqueles que obedecem às estipulacões da nova Alianca (amar a Deus e ao seu próximo), o resultado final e eterno será de bencãos, embora os resultados neste mundo não tenham a garantia de serem tão encorajadores. Para os que desobedecem, o resultado somen te pode ser maldicão, independente da 'sorte' que este possa ter duran te sua vida aqui nesta terra. Outro dia li tb uma palavra do Ed rene sobre isso. Não lembro bem de todas as suas palavras, mas acho que ele estava dizendo que o maior erro dos pregadores da Teologia da prosperi dade consistia na falta de compreen são de que as recompensas e conse quencias da antiga Alianca não se aplicavam mais a nova.

Jônatas Amorim Henriques disse...

Pastor,

essa semana aqui no Mackenzie discutimos nas aulas de Sociologia a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, do Weber. E, depois, fiquei pensando comigo mesmo sobre a nossa Igreja. Por que, muitas vezes, nos classificam como uma denominação de classe-média. Esse esteriótipo estaria relacionado com nosso passado, ou seria resultado, em parte, das bençãos de Deus sobre os seus filhos.

Um abraço,

Jônatas

João Emiliano Neto disse...

Penso que seja na prosperidade ou na penúria quando a Igreja chega a tal dilema binário meramente economicista, é porque muitas igrejas já estão com um Cristianismo esvaziado espiritualmente.

Weliton Borges disse...

Olá Rev. O senhor poderia me dizer quais puritanos tinham essa ideia de que a prosperidade era sinal de predestinação?

O puritanos não trabalhavam em sua gigantesca maioria em comunidade rurais e pobres?

att,

Alex Barbosa disse...

Belo post, enriquecedor.

Segue uma publicação sobre a igreja perseguida:http://despertarhoje.blogspot.com.br/2012/06/nossos-irmaos-estao-morrendo.html

Alex Barbosa disse...

Belíssimo post Reverendo. Os puritanos que ligavam a predestinação à prosperidade eram os da classe da burguesia, ou estou enganado?

http://despertarhoje.blogspot.com.br/2012/06/nossos-irmaos-estao-morrendo.html

Alexander de Araújo Boechat disse...

Caro Rev. Augustus, ainda nesta semana vi uma vídeo-aula de história, num site dedicado ao ensino,onde o professor fala, com um tom de verdade comprovada e incontestável, que Calvino via na prosperidade material uma marca da predestinação. Não me contive ao ímpeto de responder a mensagem. Infelizmente não tinha no dia essa informação sobre a análise equivocada de Weber. Limitei-me a dizer que, ao ler as institutas, a obra máxima de Calvino, não encontrei nada lá que deixasse aquela afirmação almenos subentendida. Entretanto, visando a me preparar para futuros embates desse calibre, gostaria de sugestões de leitura específica sobre esse ponto, já que Weber é sempre festejado como paladino da verdade.