domingo, junho 24, 2012

DITOS DIFÍCEIS DE JESUS (II) - Quando os Discípulos Receberam o Espírito?

Quando os Discípulos Receberam o Espírito Santo?
 Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos (João 20.21-23)
No domingo em que ressuscitou, o Senhor Jesus apareceu à tarde aos discípulos, que estavam trancados com medo dos judeus (João 20.19-20). Todos estavam presentes na casa, menos Tomé. Após saudá-los e mostrar-lhes as mãos e o lado, o Senhor assoprou e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo” (Jo 20.22). Este dito é considerado difícil porque sugere que os discípulos receberam o Espírito Santo antes de Pentecostes e antes de Jesus ter sido glorificado, criando os seguintes problemas:

1. Como Jesus pôde conceder o Espírito antes de ser glorificado, quando Ele mesmo havia dito que o Espírito só poderia vir após a Sua glorificação? Confira estas passagens:

Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado (Jo 7.39);
Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei
(Jo 16.7).

2. Os discípulos receberam o Espírito duas vezes, uma antes da exaltação de Cristo e outra após a mesma, no dia de Pentecostes? De acordo com o livro de Atos, os discípulos receberam o Espírito após Jesus ter subido aos céus, ter sido exaltado à direita do Pai, e derramado o Espírito no dia de Pentecostes (veja Atos 2.1-4 e 2.33). A frase de Jesus “recebei o Espírito” (Jo 20.22) parece sugerir que houve um outro momento, antes de Pentecostes, em que Jesus deu o Espírito aos discípulos.

Vejamos as principais tentativas de explicação para este dito difícil de Jesus.

 1. O apóstolo João escreveu uma versão estilizada do dia de Pentecostes
Esta primeira explicação defende que o apóstolo João descreveu o dia de Pentecostes de forma estilizada e simbólica, como sendo Jesus assoprando o Espírito sobre os discípulos. O fato nunca realmente teria acontecido. É apenas uma descrição simbólica do que aconteceu em Pentecostes. Após narrar a ressurreição do Senhor, João menciona a Grande Comissão (“Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio”) e simbolicamente descreve o dia de Pentecostes como sendo o assopro de Jesus sobre os discípulos.

Colocando de uma maneira ainda mais clara: de acordo com esta interpretação, os eventos narrados por João em 20.19-23 nunca aconteceram realmente. Esta passagem seria uma descrição figurada do dia de Pentecostes, que João elaborou de acordo com seu estilo altamente simbólico. Portanto, houve apenas um Pentecostes e apenas um momento em que os discípulos receberam o Espírito. O que temos no Evangelho de João é a versão estilizada deste evento. João 20.22 corresponde a Atos 2.1-4.

Há vários problemas com esta interpretação. (1) Ela não corresponde exatamente aos eventos acontecidos em Pentecostes, pois após terem recebido o Espírito, os discípulos não saíram para evangelizar e nem mesmo foram capazes de convencer Tomé (veja João 20.24-25); (2) Tomé não estava presente e isto quer dizer que ele não recebeu o Espírito; (3) A maior dificuldade é que esta interpretação lança dúvidas sobre a historicidade dos eventos narrados por João em seu Evangelho. Se a narrativa que estamos analisando é simbólica, segue-se que as demais narrativas em João também podem ser simbólicas. E quem vai nos dizer quais são e quais não são? Porém, percebe-se claramente que João relata eventos em seu Evangelho como sendo históricos, e não como sendo eventos que simbolizam outros eventos. Esta interpretação, portanto, deve ser rejeitada.

2. Os discípulos receberam o Espírito duas vezes

Essa segunda interpretação percebe a diferença que há entre o evento narrado em João 20.22 e o relato do dia de Pentecostes em Atos 2.1-4, e por considerar ambos como históricos, conclui que se trata de dois fatos distintos. Ou seja, no dia em que ressuscitou e apareceu aos apóstolos, Jesus lhes deu o Espírito pela primeira vez. Após ter sido exaltado, deu-lhes o Espírito pela segunda vez, no dia de Pentecostes. No primeiro caso, foi para fortalecimento e preparação para a vinda completa e plena do Espírito no dia de Pentecostes. Alguns, como Martyn Lloyd-Jones, sugerem que na primeira vez Jesus deu o Espírito para formar a Igreja, e que na segunda, em Pentecostes, deu o Espírito como poder para testemunhar.

 Muita embora esta interpretação seja melhor do que a primeira por considerar a historicidade e realidade do relato de João, ela ainda deixa a desejar em alguns aspectos, o mais importante sendo o fato de que acarreta três recebimentos distintos do Espírito Santo por parte dos discípulos. Entendemos que o Espírito Santo agia nos crentes antes de Pentecostes exatamente da mesma forma como agia nos crentes que viveram após Pentecostes, isto é, regenerando-os e habitando neles. De que outra forma eles poderiam crer e ser santificados? Os discípulos eram crentes antes de Jesus morrer e ressuscitar. O próprio Senhor reconheceu que Pedro havia crido nEle, por revelação de Deus (Mt 16.17), que os discípulos já estavam limpos (Jo 15.3). Portanto, os discípulos eram crentes e tinham o Espírito. Se a interpretação de João 20.22 que estamos analisando é correta, significa que eles receberam o Espírito três vezes: ao serem convertidos durante o ministério terreno de Jesus, no dia da ressurreição de Cristo na sala trancada, e finalmente no dia de Pentecostes.

 Essa multiplicidade de recebimentos do Espírito – coisa que nos parece bastante estranha ao Novo Testamento – tornam esta interpretação inaceitável.

 3. Jesus fez apenas uma promessa

De acordo com esta interpretação, o Senhor Jesus apenas reforçou a promessa da vinda do Espírito, a qual se deu no dia de Pentecostes. Apesar dEle ter dito “recebei o Espírito”, os apóstolos só receberam de fato no dia de Pentecostes. A expressão no imperativo (“recebei”) foi para indicar a certeza de que eles haveriam de receber o Espírito: era tão certo que já poderiam considerar com algo acontecido. Em outras palavras, João 20.22 é a versão de João, não de Pentecostes, mas daquelas ocasiões em que o Senhor ressurreto prometeu aos discípulos que haveriam de receber o Espírito, veja Atos 1.4-5 e 8.

Jesus soprou e nada parece ter acontecido, pela razão simples de que era uma promessa, a qual cumpriu-se em Pentecostes. Essa é a interpretação que preferimos.

7 comentários:

Pb/teólogo Leonardo Dâmaso disse...

Shalom reverendo Nicodemus. Gostei muito do post sobre: "Quando os discípulos receberam o Espírito Santo. Entendi perfeitamente sobre o o que vc quis sintetizar. Todavia, se o Espírito Santo já habitava nos crentes do A.T. e consequentemente nos discípulos também, como então, concliar as passagens de Jo 14.16 com o verso 17, 26 e 15.26? E para concluir a minha pequena pergunta, entendo que a fase de transição da antiga dispensação para a nova dispensação, ou da antiga para a nova aliança se deu no pentecostes com a descida do Espírito Santo. Ou se deu no momento em que Cristo rescussitou? Me corriga se estiver errado, pois muitos pensam que a partir de que Jesus começou o seu ministério já se iniciou o período da nova aliança da graça, e não no dia do pentecostes.Se puder me esclareça este ponto. Agradeço. Abraços...

André Augusto da Silva disse...

Pr. Nicodemus,
Tenho uma dúvida que me acompanha a algum tempo. Certos textos bíblicos são contextualizados facilmente, por exemplo 1 Corintios 11:4-15. Já outros percebo que não são contextualizados, por exemplo Levítico 19:28. Minha pergunta é: QUANDO eu posso (ou devo) contextualizar um texto bíblico? Desculpe se esta pergunta está meio fora do tópico principal e desde já agradeço.

Thiago disse...

Prezado irmão Nicodemus,

Creio que o Espírito Santo acompanhava os crentes antes de pentecostes para revesti-los com o fim de realizar sinais e prodígios, tal qual os feitos pelos 70 na grande comissão.

Também creio que o Espírito Santo já agia na vida dos crentes do Antigo Testamento e pré-pentecostes para sustentá-los na fé.

Todavia, o Espírito dado como penhor, com o fim de batizar a igreja e habitar verdadeiramente nos crentes que a constituem só é algo acontecido a partir do dia de Pentecostes.

O que você acha desta interpretação?

Amós Augusto - Jack disse...

Rev. Augustus! Apenas gostaria de apenas de deixar minha pequena pegada aqui. rsrsrs.Faz muito tempo que acompanho o Blog, crescendo em espirito cada vez mais.

Esta interpretação de "quando os discípulos receberam o Espírito", coincidiu com os estudos que eu estava fazendo esses dias... Confesso que estava um tanto difícil e agradeço pelos esclarecimentos!

-Amós Augusto
(ah, ainda sou muito novo, mas os estudos teológicos, principalmente ligados a Teologia Missionária me ocupam cada vez mais! rsrsrs. E ainda mais agora que estou com o volume II de Juan Calvino - Institución de la Religión Crisiana, estou mais convencido que a Bíblia é a escola do Espírito Santo)

Abraços, de um dos seus leitores e pupilo rsrs!

MARIO CESAR DE ABREU disse...

PAZ REVERENDO AUGUSTUS!

É,AGORA FIQUEI COM ALGUMAS DÚVIDAS POIS, ACREDITAVA QUE OS DISCÍPULOS NÃO ERAM CONVERTIDOS ENQUANTO COM JESUS,ANTES DE SUA MORTE E RESSURREIÇÃO; SENDO QUE,NESTA ÉPOCA, DEUS REVELOU A ELES ALGUMAS COISAS COMO O FATO QUE O SR. CITOU, DE PEDRO TER CRIDO. A BIBLIA TB DIZ QUE OS IRMÃOS DE JESUS NÃO CRIAM NELE EM CONTRASTE COM O CEGO BARTIMEU QUE O CHAMOU DE FILHO DE DAVI,CRENDO QUE ELE ERA O MESSIAS E COM CERTEZA,PENSAVA EU,PELA REVELAÇÃO DE DEUS EM PARTICULAR, NESTE CASO. OUTROS FATOS COMO POR EX. QUANDO JESUS DIZ QUE AOS DISCIPULOS ERA DADO SABER CERTAS COISAS E AOS FARIZEUS NÃO(NÃO CITO OS TEXTOS E NEM PORMENORES PARA SER RAPIDO ATÉ PORQUE, SEI QUE O SR.É CONHECEDOR DE TUDO ISSO).

NO VELHO TESTAMENTO O ESPÍRITO SANTO AGIA EM "ALGUNS" COMO ELIAS,DAVI,SANSÃO,MOISÉS ETC E NO NOVO ANTES DO ESPÍRITO SANTO SER DADO A TODA A CARNE(CRENTES EM GERAL),ALGUNS RECEBIAM O SEU AGIR EM TER OS OLHOS ABERTOS PARA ALGUMAS QUESTÕES,CRIA EU.

OUTRA COISA EM QUE ACREDITAVA É QUE JESUS SOPROU SOBRE ELES O ESPIRITO SANTO E HOUVE O NOVO NASCIMENTO DELES E NO PENTECOSTES RECEBERAM A PLENITUDE DO ESPÍRITO SANTO E AS DEMAIS PESSOAS(TALVEZ ATÉ TOMÉ) RECEBERAM NÃO SÓ O NOVO NASCIMENTO COMO O PODER AO MESMO TEMPO.

BOM, É ISSO,VOU TER QUE REVER ALGUMAS COISAS.

EM CRISTO,

MARIO CESAR DE ABREU

Casal 20 disse...

Xiiii, Pastor! Como diz minha mãe: "Agora a porca torceu o rabo"! Eis que se revela uma deficiência (mais uma) em meus entendimentos. Eu também pensava que Pedro não era convertido: Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos (Lc 22:32). E pensava que o momento da conversão dele seria no encontro com Jesus na praia onde ele "desnega" três vezes o que fizera antes com Jesus!

Agora, lendo os comentários, creio que seguia o entendimento do Leonardo e do Thiago! E agora?

Abraços sempre afetuosos.

Fábio.

António Jesus Batalha disse...

Olá meus queridos irmãos. Paz e graça de Jesus.
Parabéns pelo blog muito edificante. Eu acredito que; crescemos quando lemos, quando compartilhamos.
Aprendendo uns com os outros, crescemos na graça e conhecimento da Palavra.
Aproveito a oportunidade para compartilhar também meu blog. Contém ensinos, de crescimento, edificação e exortação, muitos poemas e algumas músicas tudo dentro do carisma evangélico.
Ficarei feliz por vossa visita e muito mais ainda se nos seguir.
Que Deus continue a abençoar-vos ricamente. Antonio Batalha.