quarta-feira, julho 10, 2013

Augustus Nicodemus Lopes

Mas, e Mateus 18?

Já presenciei diversas situações em que tentativas de exercer a disciplina em pastores e líderes que cometeram faltas em público, abertamente, do conhecimento de todos, foram engavetadas sob a alegação de que os denunciantes ou queixosos não cumpriram antes o que Jesus preceitua em Mateus 18:15, "Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão."

Todavia, esses passos iniciais que Jesus estabeleceu em Mateus 18 têm a ver com irmãos faltosos que pecaram "contra nós" (Mat 18:15-17). Em vários manuscritos gregos antigos a expressão “contra ti” não aparece, o que tem levado estudiosos a concluir que se trata de uma inserção posterior de um escriba. Todavia, existem vários argumentos em favor da sua autenticidade. Primeiro, mais adiante no texto, tratando ainda do mesmo assunto, Pedro pergunta a Jesus: “Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe?” (Mat 18:21). A pergunta de Pedro reflete o entendimento que ele teve das instruções de Jesus quanto ao pecado de um irmão contra ele. Segundo, a expressão “contra ti” aparece na maioria dos manuscritos, ainda que mais recentes. Terceiro, a omissão da expressão nos manuscritos mais antigos pode se explicar pela ação deliberada de um escriba que quis generalizar o alcance das instruções. Por esses motivos, consideramos a expressão como tendo sido originalmente pronunciada por Jesus.

Notemos, portanto, que em Mateus 18 o Senhor não tem em mente os pecados públicos cometidos contra a Igreja de Cristo. O Senhor está tratando do caso em que um irmão pecar "contra mim". Num certo sentido, todos os pecados que um irmão comete acabam sendo contra mim, pois sou membro da Igreja que ele ofendeu. Mas, existem ofensas e faltas que me atingem de forma direta, como indivíduo. É disso que Mateus 18 trata.

Portanto, há que se distinguir duas situações gerais que precisam ser tratadas de forma diferente: aqueles pecados que foram cometidos abertamente e que são do conhecimento público, e aqueles outros que foram cometidos diretamente contra uma pessoa, e que ainda não são do conhecimento público. Os primeiros, os tais pecados abertos e públicos, devem ser tratados imediatamente pela Igreja, e não por indivíduos em conversas privadas. Os segundo, estes sim, exigem o tratamento que Jesus ensina em Mateus 18. Evidentemente, há pecados que se encaixam nas duas categorias e nem sempre é possível distinguir com facilidade o caminho a seguir.

De acordo com Calvino, os pecados abertos e públicos devem ser tratados sem demora pelos conselhos das igrejas, para que os bons membros não sofram uma tentação a mais ao pecado ocasionada pela demora. Calvino apela como prova para a repreensão pública imediata que Paulo fez a Pedro, conforme Gálatas 2:11,14. Paulo não esperou para falar em particular a Pedro. Como o pecado de Pedro, que era a hipocrisia, foi cometido abertamente, Paulo passa a repreendê-lo abertamente, sem demora.

Paulo também orienta Timóteo a disciplinar publicamente aqueles que vivem no pecado: “Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam” (1Tim 5:20). Não há aqui nenhuma menção da necessidade de procurar esses faltosos em particular uma ou duas vezes, mas apenas a necessidade de se estabelecer o fato pelo depoimento de testemunhas.

Quando Paulo tratou do caso do imoral de Corinto, um caso que era público, notório e do conhecimento de todos (cf. 1Cor 5:1), pediu a imediata exclusão do malfeitor (1Cor 5:13), lamentando que isso ainda não tivesse acontecido. Quando Ananias e Safira pecaram, mentindo abertamente sobre o valor das propriedades vendidas, ao trazerem diante dos apóstolos a sua oferta, foram disciplinados imediatamente por Pedro, sem que houvesse quaisquer encontros particulares anteriores com eles (At 5:1-11).

As exortações de Paulo para que nos afastemos dos que ensinam falsas doutrinas (Rom 16:17), para que se admoestem os insubmissos (1Tes 5:14), para que nos apartemos dos desordeiros (2Tes 3:6), para que fujamos e nos separemos dos falsos mestres (2Cor 6:17; 2Tim 3:5) sugerem ação disciplinar exercida pela Igreja sobre membros da comunidades que notoriamente são insubmissos, desordeiros, divisivos, falsos doutrinadores. O apóstolo traz uma lista complementar em 1Coríntios: "Mas, agora, vos escrevo que não vos associeis com alguém que, dizendo-se irmão, for impuro, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com esse tal, nem ainda comais" (1Cor 5:11). No caso de Himeneu e Alexandre, dois notórios blasfemadores e divulgadores de falsas doutrinas, Paulo os entrega diretamente a Satanás (1Tim 1:20).

Essas evidências levam à conclusão de que, no caso de irmãos que vivem notoriamente em pecado e que cometeram esses pecados abertamente, publicamente, não existe a necessidade de exortação particular e individual antes de se iniciar o processo disciplinar pela Igreja.

Aqui cabe mais uma vez citar o pensamento de Calvino, ao comentar Mateus 18:15. O Reformador mais uma vez distingue entre pecados abertos e secretos e exclama: "Certamente seria um absurdo se aquele que cometeu uma ofensa pública, cuja desgraça é conhecida de todos, seja admoestado por indivíduos; pois se mil pessoas tiverem conhecimento dela, ele deveria receber mil admoestações".

Isso não significa negar aos faltosos o direito de se defender e de se explicar. O pleno direito de defesa sempre deve ser garantido a todos. Todavia, eles exercerão esse direito já diante da Igreja, e não diante de um irmão em particular, de maneira informal.

A determinação de Paulo a Tito, para que ele se afaste do homem faccioso após adverti-lo duas vezes (Tit 3:10-11), pode parecer militar contra o que estamos dizendo acerca do tratamento de pecados públicos. Todavia, é provável que as duas advertências que Paulo menciona já sejam públicas e abertas, pois se trata de homem faccioso, isso é, que promove divisões na igreja pelo ensino de falsas doutrinas. Se as mesmas não surtem efeito, como disciplina preliminar, a exclusão (implícita no mandamento para separar-se) é o passo definitivo e final.

Infelizmente, pela falta de distinção entre pecados públicos e pessoais, concílios e igrejas apelam para o não cumprimento de Mateus 18 em casos de denúncias feitas contra seus pastores, para travar administrativamente processos disciplinares contra os mesmos. Presenciei diversos casos de denúncias feitas contra pastores que haviam cometido faltas notórias e que foram arquivadas por seus concílios sob a alegação de que os passos de Mateus 18 não haviam sido cumpridos. Todavia, não se tratavam de faltas cometidas contra irmãos específicos, mas de erros públicos, notórios, que afetavam a Igreja de Cristo como um todo.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

10 comentários

comentários
Machado
AUTOR
11/7/13 08:36 delete

Paz Rev. Augustos.
Deus o abençoe pelo texto.
Alguns dias atrás, os líderes da denominação que faço parte, prefiro não dizer qual, decidiram parar com a disciplina pública/individual. Alegando que o disciplinado pode "Processar" a Igreja por "humilhação" e "danos morais". Tivemos já alguns casos onde toda a congregação ficou escandalizada com o ocorrido, porém nada pode ser feito. Fomos ordenados a manter o silêncio, até que a congregação, por si só, abandonasse o pecador.
Agora pergunto, como podemos aplicar este texto em nossos dias?
Fica com DEUS

Responder
avatar
11/7/13 09:35 delete

Os líderes atuais Rev. Sofrem pelo relativismo e falta de preparo....

Responder
avatar
Marcelo
AUTOR
11/7/13 10:07 delete

Reverendo Augustus,

O pior ainda ocorre quando citam o famoso texto "não julgueis para não serdes julgados", como se não pudéssemos disciplinar ninguém. Se o faltoso é ainda uma pessoa influente na igreja, a coisa fica pior ainda.
Pastor sofre!

Marcelo

Responder
avatar
11/7/13 12:37 delete

Tenho visto que a falta de disciplina nas igrejas tem produzido um estado de desconfiança e decepção com os lideres da igreja.Muitas vezes fica notório erros graves de lideres e ministros na casa de Deus e nada é feito para que haja uma correção para com estas pessoas visando a recuperação espiritual dos mesmos.Muitas vezes ,tenho presenciado,que pregadores,pastores e outros irmãos exercem atividades na igreja como pregação e ministração de louvor estando em faltas contra Deus e que são do conhecimento de todos.Acho que alguns lideres pensam que só com o passar do tempo tudo se resolverá não precisando por em pratica os mandamentos bíblicos que nos foram deixados por Deus.
Ótimo texto.Deus continue abençoando.

Responder
avatar
Gladstonier
AUTOR
11/7/13 13:16 delete

Infelizmente vemos no seio da IPB pastores medrosos, que têm medo de disciplinar membros por causa da sua posição social ou econômica. Houve um caso que um presbítero disse que não chamaria um irmão ao conselho porque senão teria que chamar também uma outra irmã, que tem uma posição social melhor. Achei um enorme desrespeito com o evangelho... Glorifico a Deus pela sua sabedoria reverendo.. que todos os nossos pastores possa ter o mesmo compromisso com o evangelho.

Responder
avatar
tadeu
AUTOR
11/7/13 16:05 delete

boa tarde! Na literatura evangélica, há poucos livros sobre disciplina na igreja; pouco mesmo! O senhor conhece algum livro que fale a respeito de como deve ser aplicado uma disciplina ou exclusão de membros ou líderes de uma igreja?

Responder
avatar
Unknown
AUTOR
15/7/13 12:39 delete

Paz rev. O sr abordou um tema extremamente importante quando aplicado de forma sensata e bíblica, pois conforme os textos que foram citados acima sabemos que se faz necessária as aplicações de disciplinas nas igrejas em relação aos insubordinados e faltosos. Porém tenho observado de uns tempos para cá que sistema de disciplina tem faltado nas maiorias das igrejas, fica a minha pergunta.
Porque igrejas não estão mais usando a disciplina da forma que está na palavra de Deus? como alguém já disse, será medo de processos ou conformismo?

Responder
avatar
17/7/13 23:57 delete

Fiel exposição da Palavra, correta celebração dos sacramentos e diligente exercício da disciplina. São as marcas da igreja verdadeira. Tem-se visto mais e mais irmãos preocupados com boa sólida exposição das Escrituras. Queira Deus que rapidamente a última marca receba igual destaque

Responder
avatar
19/7/13 15:51 delete

Muito claro e contundente. O problema de hoje é a verdade relativa que atua em detrimento a verdade absoluta. "Pegam textos, saem do contexto com pretextos e não voltam mais para o texto" homens corruptos que fazem do seus concílios leis tendenciosa que concluem em pizza.
Parabéns pela forma expositiva tal como Calvino.

Responder
avatar
Djaik Neves
AUTOR
22/7/13 15:33 delete

Muito pertinente o post Rev. Nicodemus. É muito triste mesmo vermos o pecados deixar de ser tratado por manobras políticas e constitucionais. O mais triste, no entanto, é que tanto na igreja em geral quanto entre pastores e concílios o pecado tem deixado de ser tratado por conta da covardia de muitos que, por medo de perderem privilégios e regalias (ou mesmo, a amizade de alguém), preferem desagradar a Deus a se "queimar" com os homens.

Responder
avatar