terça-feira, outubro 14, 2014

Solano Portela

In Memoriam – Márcio Antonio de Andrade Coelho Gueiros

Morreu meu amigo, meu companheiro de juventude, o irmão de sangue que eu não tive: Márcio Gueiros. Guerreiro, lutador, esposo fiel, pai dedicado, avô derretido, sobretudo, crente firme em Nosso Senhor Jesus Cristo.

Crescemos juntos; ele, uns poucos anos mais velho do que eu. Amizade forjada ao longo de vários anos em várias atividades da Igreja Presbiteriana do Recife. Desfrutei também da amizade e companheirismo de todos os seus muitos irmãos e irmãs e, especialmente, do apreço dos seus pais, hoje igualmente morando com o Senhor. Naquele lar, cheio de vida e que exalava o amor, na Rua Carneiro Vilela, 48, no bairro do Espinheiro, passei muitos fins de semana agradáveis e fui regiamente alimentado em uma mesa que somente não era maior do que o coração dos que estavam ao seu redor.

Todos os jovens daquela casa se destacavam em seus estudos e Márcio era primeiro entre os primeiros, em suas classes. Escolheu a medicina e fez um brilhante curso. Em uma era na qual os médicos eram poucos, muito procurados e bem remunerados, poderia ter ficado rico rapidamente. Em vez disso abraçou a carreira muito mais como um sacerdócio e uma missão – uma extensão de sua fé.

Escolheu a pediatria. Cuidou de incontáveis crianças, entre elas todos os meus quatro filhos. Durante vários anos envolveu-se até o âmago no atendimento de crianças carentes no IMIP (originalmente, Instituto Materno-Infantil de Pernambuco). Ali superou dificuldades estruturais, mas, sobretudo, embalou sua competência médica e cirúrgica no amor que permeava suas palavras e atitudes. Sua sensibilidade cristã fazia com que enxergasse muito além das necessidades físicas dos pequeninos.

Lembro-me como me contou, certa vez, sobre criancinhas que ali chegavam chorando muito, mal nutridas e, principalmente, negligenciadas e carentes de amor. Ela chamava uma enfermeira “de grande porte” e, como parte da terapia, fazia com que ela as segurasse e as abraçasse por um bom tempo. E aí, ele abria seu sorriso largo e expansivo e exclamava: “É impressionante como elas se aquietam só com aquele toque, e como isso auxilia na recuperação”.

Profissionalmente avançou vários degraus e deixou exemplo a ser seguido – mas sempre com intensa modéstia – quer como pesquisador de laboratório de renome, docente da Universidade Federal de Pernambuco, ou em suas atividades em órgãos públicos, ou em sua clínica particular.

Depois de um casamento abençoado com a Stela, juntos criaram uma linda família, que hoje honram o pai com suas vidas. Nessa família, emulou com perfeição o ambiente de amor respeito e temor a Deus, que havia observado e desfrutado de seus pais. O amor e a fidelidade presentes no seu lar sempre impressionaram a muitos e dão testemunho das misericórdias e da graça do Deus Soberano que são derramadas sobre os filhos dos filhos.

Mas o que mais me tocou, nos últimos 25 a 30 anos, quando tive que me distanciar geograficamente da minha cidade natal, foi a intensificação de nossa amizade e de seu cuidado para comigo e para com os meus pais e familiares. Sempre mantivemos contato e cultivamos nossa aproximação espiritual. Era uma amizade saboreada vagarosamente e com cuidado, por ser uma iguaria rara. Na minha ausência forçada, a sua presença perene era um bálsamo restaurador na vida dos meus pais. 

Cuidou de mim e aconselhou-me em minhas enfermidades; cuidou de parentes muito chegados meus, até ser chegada a hora apontada por Deus; esteve presente, como um filho, nas horas de maiores necessidades nas internações do meu pai. Aconselhou, receitou, se esmerou e, acima de tudo, amou. E assim, todo nosso amor por ele e por sua família, nunca chegará a uma fração do que ele representou para nós.

Partiu hoje. Deixa saudades: do seu jeito simples de ser, do seu sorriso, de sua intensidade e convicções profundas, do seu desprendimento, do seu exemplo. Conforta-nos saber que está nos braços do seu SENHOR e SALVADOR, onde não há sofrimento, nem dor, nem choro. Que Deus console a querida família, que consideramos nossa também.

Provérbios 17:17 - Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão.

Solano Portela

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

6 comentários

comentários
Welerson
AUTOR
14/10/14 16:17 delete

Meu sentimentos.
Então ouvi uma voz do céu, que dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, pois as suas obras os acompanham. Ap. 14.13

Responder
avatar
Robinson
AUTOR
14/10/14 16:29 delete

Caro Solano, conheci Marcio e Stela nos encontros de casais e de jovens com Cristo, por meio de suas palestras e testemunhos. Era impressionante a sinceridade da fé em Cristo e a simplicidade de vida. Solidarizo-me em sua dor e saudade, mas, por ser revestida de gratidão pela presença de Jesus na vida dele e, neste momento, em seu coração, certamente também é acompanhada da paz que excede todo o entendimento. Deus abençoe a família e aos amigos. Robinson

Responder
avatar
14/10/14 20:54 delete

Lindas palavras, tio Solano. Louvamos a Deus pela vida de tio Márcio e por Sua graça derramada na vida dele. Manuela Gueiros (filha de Neto e Zeza).

Responder
avatar
Luciana
AUTOR
15/10/14 16:29 delete

Um cristão como poucos. A Deus toda honra e glória. Que a família possa encontrar conforto neste belo e verdadeiro texto. O reconhecimento é a única forma de homenagem, nesta vida. Deus abençoe e conforte a todos e em especial, a Stela, sua companheira.

Responder
avatar
15/10/14 18:46 delete

Belas palavras primo. Abraço!

Responder
avatar
15/10/14 22:07 delete

Conheci o Marcio em 1975 num acampamento da ABU em Paripueira e logo percebi a genuinidade, simplicidade e seriedade de sua fé. O pouco contato que tivemos na ABU foi suficiente para marcar e inspirar minha vida cristã e profissional.

Marcio cumpriu os preceitos do evangelho: era generoso e atencioso para com todos - e nunca julgador ou preconceituoso.

E agora desfruta do descanso eterno na presença do Senhor da Ressurreição e Vida.

Responder
avatar