sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Augustus Nicodemus Lopes

Sobre Puritanos, Puritânicos e Neopuritanos


À semelhança de outros rótulos que rolam no meio evangélico, “puritano” é um dos mais mal compreendidos e um dos que é usado mais eficazmente para destruir a reputação de alguém. O termo tem conotação pejorativa hoje em dia. Um puritano é visto como alguém de moralidade falsa ou hipócrita, e por mais que os simpatizantes dos antigos puritanos tentem passar uma imagem positiva a respeito deles, a mancha negativa (e injusta) permanece. Os puritanos viveram entre o século XVI e XVIII. Eram leigos e ministros ordenados da Igreja da Inglaterra e das igrejas presbiterianas, batistas e congregacionais.

O apelido “puritanos” foi colocado por seus inimigos, para ironizar o ideal de pureza que defendiam. O puritanismo não era uma denominação, mas um movimento dentro da Igreja da Inglaterra e das igrejas independentes, que desejava maior pureza na Igreja, no estado e na sociedade. Queriam que a Reforma, iniciada antes, fosse completa. Acusavam que a igreja inglesa havia parado entre Roma e Genebra. Estavam insatisfeitos porque ela havia se reformado apenas parcialmente, conservando ainda muitos elementos do catolicismo que consideravam como contrários às Escrituras.

Os puritanos escreveram e produziram muito material teológico. Foram eles os responsáveis pela famosa Confissão de Fé de Westminster, que até hoje é a confissão de fé de igrejas presbiterianas e batistas reformadas. A firmeza com que defendiam suas convicções, o rigor teológico e exegético de suas obras, o modo de vida frugal, austero e simples que defendiam, valeu-lhes uma reputação de gente inflexível, sisuda, pudica, e obtusa, especialmente depois que caíram em desgraça política na Inglaterra e se desviaram para uma religião legalista e introspectiva após o período de Cromwell, desembocando no não conformismo.

O movimento puritano foi um momento importante na história da Igreja. Apesar de ter passado, sua teologia permanece viva nos documentos históricos de denominações reformadas e na vasta literatura que os pastores puritanos deixaram. Charles Spurgeon e Martyn Lloyd-Jones são considerados, entre outros, como últimos remanescentes do que havia de melhor no puritanismo. Em nossos dias, todavia, um interesse crescente pela teologia puritana, sua piedade, devoção e espiritualidade tem crescido cada vez mais, não somente no Brasil, como especialmente no exterior. Uma editora inglesa – a Banner of Truth Trust foi a responsável pela reimpressão de obras de puritanos famosos como John Owen, John Flavel, Jonathan Edwards. Muitas delas têm sido traduzidas e publicas no Brasil. Além disso, autores modernos têm se colocado dentro da tradição puritana, como J.I. Packer, R.C. Sproul, John MacArthur, entre outros.

O termo “puritânicos”, por sua vez, foi usado algumas vezes aqui no Brasil, em 2001, na finada revista teológica Fides Reformata semper Reformanda Est, para estigmatizar quem segue hoje a teologia puritana de Westminster e quem se recusa a aceitar a pluralidade teológica e o inclusivismo acrítico nas instituições de teologia reformadas. Os “puritânicos” foram também chamados de fundamentalistas xiitas da linha de Carl McIntire. Pode-se inferir que o termo realmente visava marcar negativamente um determinado segmento dentro da igreja evangélica como intransigente, obscurantista, ativistas teológicos rebeldes, etc.

O termo neopuritanos tem sido usado para designar os adeptos da teologia puritana no Brasil que passaram a usar determinadas doutrinas e práticas como identificadoras dos verdadeiros reformados, como o cântico exclusivo de salmos sem instrumentos musicais no culto, o silêncio total das mulheres no culto, a defesa do cessacionismo com base em 1Coríntios 13.8 (posição contrária à de Calvino), um entendimento e uma aplicação estreitos do princípio regulador do culto e outros distintivos semelhantes. Essas posições acabaram isolando os adeptos dessa linha do movimento de outros reformados que adotavam a teologia de Westminster, mas que discordavam que os pontos acima fizessem parte da essência da fé reformada ou mesmo do puritanismo.

Infelizmente, a rotulação “puritânicos”, os posicionamentos de alguns neopuritanos, a maneira agressiva com que alguns deles às vezes defendem suas idéias, acabam sendo associados à renitente conotação pejorativa que o nome "puritanos" já carrega. Junte-se a isso a ignorância crassa das massas evangélicas sobre o que realmente foi o puritanismo. Ao final, tem-se uma rejeição generalizada da teologia e da piedade puritana em nossos dias. Digo infelizmente pois acredito que os puritanos foram teólogos de grande envergadura, os verdadeiros intérpretes do pensamento de Calvino e um dos poucos grupos reformado que deu ênfase ao lado experimental desse pensamento. Lamento também porque a espiritualidade deles e sua ênfase na religião prática seria um excelente corretivo para os que buscam espiritualidade nos místicos católicos da idade média.

Não creio que caiba, na realidade multi-cultural brasileira do século XXI, o transplante do puritanismo da Escócia e da Inglaterra dos séculos XVI e XVII com todos os seus detalhes, alguns com um contexto histórico muito marcante. Mas, acredito que se possa resgatar, com os devidos cuidados, sua teologia e sua piedade, se todos os que amam a teologia de Westminster e das outras confissões igualmente influenciadas pelo puritanismo, deixassem de lado as idiossincrasias puritanas dos séculos passados e se concentrassem naquilo que é central no puritanismo: a busca da pureza individual, do culto, na família, na sociedade, na igreja e no estado. Talvez ainda haja esperança para que a teologia puritana sobreviva dentro das igrejas que são historicamente suas herdeiras, e não somente entre os irmãos pentecostais, que mais e mais estão descobrindo e abraçando Matthew Henry, John Gill, John Owen, Jonathan Edwards, C. H. Spurgeon, J. I. Packer, D-M. Lloyd-Jones e John MacArthur.

Terminando, cito um parágrafo do C. S Lewis sobre os puritanos, que me foi enviado pelo Franklin Ferreira. Gosto de pensar neles dessa forma:

Devemos imaginar estes Puritanos como o extremo oposto daqueles que se dizem puritanos hoje, imaginemo-los jovens, intensamente fortes, intelectuais, progressistas, muito atuais. Eles não eram avessos à bebidas com álcool; mesmo à cerveja, mas os bispos eram a sua aversão’. Puritanos fumavam (na época não sabiam dos efeitos danosos do fumo), bebiam (com moderação), caçavam, praticavam esportes, usavam roupas coloridas, faziam amor com suas esposas, tudo isto para a glória de Deus, o qual os colocou em posição de liberdade. (...) [Os primeiros puritanos eram] jovens, vorazes, intelectuais progressistas, muito elegantes e atualizados ... [e] ... não havia animosidade entre os puritanos e humanistas. Eles eram freqüentemente as mesmas pessoas, e quase sempre o mesmo tipo de pessoa: os jovens no Movimento, os impacientes progressistas exigindo uma “limpeza purificadora” (C. S. Lewis).

Créditos: Agradeço a Franklin e a Solano pela revisão crítica do post original.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

33 comentários

comentários
Rubem Fontes
AUTOR
24/2/06 20:13 delete

Caro Augustus Nicodemus,

Realmente, é axiomática a deturpação deste termo que não mais expressa seu real significado. Quando leio os comentários de Matthew Henry(assim como quando leio os de Calvino - apesar dele não ser "tecnicamente" um puritano)vejo uma preocupação pastoral invensível, parece que toda a exegese foi feita em função deste caracter pastoral-devocional de seus autores.

Penso que isto seria o puritanismo aferível da história: o mutualismo entre santidade, piedade e zelo. E por se tratar de uma "mutualística ontológica", nao sobrevive seu sua integridade!

O que vemos e chamamos de puritansmo hoje... penso não ser esta um expressão real e histórica, pois abandona a piedade.

Puritanismo seria talvez Bereanismo... talvez, devoção equilibrada...talvez (e por que não?) cristianismo.

Rubem Fontes.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
25/2/06 00:24 delete

Muito bom!

Adorei ler este texto. Que o Senhor continue a abençoar a vida de vcs!

Eliel J. Souza

Responder
avatar
25/2/06 01:46 delete

Rubem,

A conjugação de boa teologia com vida de piedade realmente marca o puritanismo em seu melhor.

Apesar de entender a generalização que você faz, que hoje em dia falta essa dobradinha nos modernos puritanos, deixe um espaço (e grande) para as exceções. Há muita gente que ama a teologia puritana e que almeja viver uma vida santa diante de Deus.

Um abraço!

Responder
avatar
Norma
AUTOR
25/2/06 03:50 delete

Augustus: tirando o álcool, o fumo e (infelizmente) os esportes, eu quero ser como os puritanos de C.S. Lewis! :-))

Abração!

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
26/2/06 20:22 delete

Assim como as questões levantadas sobre a má utilização do termo Fundamentalismo (post de 29/01/06), ser Puritano hoje é sinônimo depreciativo utilizado por àqueles que abandonam a fé cristã genuína (quem lê entenda).

Não é raro encontrarmos professores de seminários (mesmo confessionais pela CFW ou 1689) rotulando teólogos, pastores, e alunos de “fundamentalistas puritanos”, colocando-se assim - numa mistura de arrogância e deboche -, em um patamar superior aos demais.

Adeptos de novidades teológicas (no mesmo ritmo de novidades tecnológicas), quando vêem em outras pessoas traços da fé de seus pais, logo o rotulam. Curioso que o posicionamento que criticam é justamente aqueles os levaram a fé. Em última análise foram piedosos, foram confessionais, foram fundamentalistas, e claro, foram puritanos.

Claro que não faltam os “alunos papagaios” que, sem realizar qualquer análise do assunto, saem rotulando seus “colegas” com esta terminologia. Defendem a visão crítica, mas jamais criticam o que seus “ídolos” falam.

Cabe a nós ao analisarmos a história da igreja, ressaltarmos os grandes feitos de grandes homens usados por Deus. Não deixamos de analisar também seus erros, sem contudo deixar de lado a perspectiva e o momento em que viveram. Triste é constatar que tem muita gente somente com a visão “Bruxas de Salem” quanto se trata do assunto puritano.

Desculpe-me pelo tamanho do post.

Sem. Marcelo Gomes - RJ

Responder
avatar
27/2/06 14:00 delete

Augustus,

você escrever: "Lamento também porque a espiritualidade deles e sua ênfase na religião prática seria um excelente corretivo para os que buscam espiritualidade nos místicos católicos da idade média."

A questão é que tem muito pastor evangélico e cristão que troca a espiritualidade e piedade puritana por outros estilos de espiritualidade mística medieval ou até mesmo oriental.

Livros como "Medita estas coisas" de Richard Baxter e outros são bem pautados na Palavra de Deus e falam muito aos corações dos cristãos.

Responder
avatar
27/2/06 16:53 delete

Marcelo,

Não precisa se desculpar pelo tamanho do post. Você retratou um fato conhecido: mestres presbiterianos que rejeitam a sua herança e que despertam desde cedo nos aprendizes um preconceito contra o puritanismo, impedindo-os de lerem e verem por si mesmos o que esse movimento representou.

Juan, tenho observado o interesse pela mística medieval e ainda estou para estudar mais de perto esse assunto. Quem sabe um post em breve sobre o assunto. Mas já de cara me preocupa busca subsídios para espiritulidade numa fonte turva que é a teologia medieval, enquanto que das águas menos perturbadas da Reforma, não se quer beber.

Um abraço.

Responder
avatar
28/2/06 00:59 delete

Augustus,
Realmente a sua visao em relacao aos termos citados sao exatas.
apenas gostaria de salientar que ha muita gente de teologia boa (que pensa como a gente) e que cre na cessacao dos dons com base numa exegese honesta em I Corintios 13.
Mas mais uma vez, voce tem mostrado por que eh nosso grande lider!
Forte abraco,
Samuel

Responder
avatar
28/2/06 09:17 delete

Grande Samuel,

Você tem razão. Eu deveria ter deixado claro que nem todos que entendem o "perfeito" de 1Co 13.8 como se referindo ao fechamento do cânon são neopuritanos. Faltou esclarecer isso.

Também concordo que tem muita gente boa que entende a passagem dessa forma. Ao final, chegamos em termos práticos à (praticamente) mesma conclusão, mas os caminhos exegéticos são diferentes.

Um abraço!

Responder
avatar
1/3/06 18:27 delete

Eu sou como os puritanos de Lewis, no que diz respeito ao álcool e ao fumo. rs.

Bom texto, não concordo, mas bom texto. rs.

Responder
avatar
1/3/06 21:34 delete

Romulo,

Se voce realmente seguir os puritanos de Lewis, mesmo que seja somente no uso moderado do alcool e do fumo, já estará num bom caminho. Entre uma baforada e outra, sugiro que leia Entre os Gigantes de Deus, obra em portugues que introduz ao público evangélico os puritanos, sua vida e obra.

Um abraço.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
2/3/06 14:09 delete

Caro Rev. Augustus.
Certamente que o texto é esclarecedor, principalmente quando, nos nossos dias, ser evangélico é se identificar com alguma coisa, seja liberal, protestante, evangélico, fundamentalista, etc. Menos identificar-se com Cristo. Parafraseando Paulo, "Quem foram os Puritanos? Servos por meio de quem cremos, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um". Até parece que na IPB é preciso se identificar ou ser identificado com algum movimento. Isto fica claro nos Seminários, onde alguns alunos(futuros pastores?) andam com uma máquina de rotular, pronta para estampar na testa de alguém um rótulo seja "Puritano", "Fundamentalista", "Liberal", quando, na verdade, muitos, se não a maioria, não sabem a origem destes termos. É vergonhoso ver pastores e futuro pastores tripudiarem em cima de seus Símbolos (e acredito que para eles é realmente isso) de Fé e ainda desmerecerem os Puritanos e se disserem Presbiterianos. Pastores que não respeitam seus votos de ordenação: lealdade a Confissão de Fé. Ora, o que se é de esperar se muitos não são fiéis as Escrituras, que é a Palavra de Deus, serão leais as palavras de nossos irmãos de Westminster? Há um ciclo vicioso estabelecido - Igreja -> Conselho -> Presbitério -> Seminário -> Presbitério -> Conselho -> Igreja - que promove a descaracterização de nossas igrejas locais. Somos muitas faces(Puritanos, NeoPuritanos, Fundamentelistas, Pentecostais, Carismáticos, Continuistas, Cessacionistas, ufa, são tantos que é melhor parar de digitar para não se ter uma tendinite!). Conheço alunos dos Seminários que são capazes de cantar qualquer música gospel de trás para frente, mas não são capazes de recitar um verso bíblico corretamente. Negócio de "Grego" ou "Hebraico" já não se é enfatizado. Exegese é coisa do passado. Dá muito trabalho. Devocionalidade é coisa apenas para a Capela e para cumprir a cadeira de "Vida Cristã" se não quiser ser reprovado. Corre-se o risco de sermos novamente ou escolástico ou, na pior das hipóteses, emocionalistas! (lá vem o rótulo). Teologia e Piedade: era isso que os Puritanos do passado, e algum remanescente hoje, desejavam e praticavam. Fui ao Seminário na certeza de que encontraria erudição e piedade. Sinto muito em dizer, mas, em muitos casos, nenhum e, na maior parte, nem outro. É claro que não generalizo. Homens como o Valdeci Santos, Carlos Osvaldo(PV), Russell Shedd, Humberto Freitas, o Sr., o Mauro, Solano, Maely, Sérgio Vitalino, Jorge Noda, João Alves, Waldyr Carvalho, Charles Ryrie e tantos outros, conseguiram, graças a Deus, unir Erudição e Piedade. Tornam-se, pois, typos para futura geração de pastores. O problema é que essa futura geração é logo estigmatizada por uma geração anterior que se "fundamentalizaram"(permita-me o termo) contra os "puritanos". Muitos dos quais desejam viver a Teologia Puritana chegam a extremo de fundir as culturas; Tornam-se o que o Leland Ryken diz: legalistas! A mulher não pode orar em voz alta na igreja, a criança não pode sair do "recinto cultual" para uma salinha anexa(berçário), devemos única e exclusivamente cantar os Salmos(sugiro que seja em hebraico acompanhando os sinais de cantilação. Conheço um Rabino que pode ensinar); Se alguém fechar os olhos enquanto canta, deve ser chamado para se explicar. Por outro lado existem aqueles que abriram tanto que só falta alguns "plantarem bananeira" e dizer que é expressão corporal que agrada a Deus; Pelo amor de Deus, é preciso saber que existem coisas mais sérias a ser discutida. O Pluralismo está aí; o Relativismo Moral é ensinado nas escolas as nossas Crianças; Os falsos ensinos estão na Televisão; Os Políticos Corruptos estão se apoderando do País; Um Socialismo disfarçado de Democracia é implantado aos poucos e nós nada fazemos. Brigamos para saber se o vaso fica ou não em cima da Mesa na hora da Ceia; Se a SAF deve ou não enfeitar com Flores o púlpito; Se devemos fazer menção às datas comemorativas no Culto. Já levei nome de Puritano, Fundamentalista (esse não posso ser, pois, no sol quente, verão de 38 graus, na praia ou em casa, hummmm, aaahhhhh!). Só me falta chamarem de Liberal. Bom, também afirmo que não sou este último, pois confesso publicamente as Doutrinas Clássicas do Cristianismo, subscrevo os Credos e Confissões históricos do Cristianismo, principalmente a CFW, Londrina(1689), Helvética, Dort, Belga, Heidelberg e outras reconhecidamente Cristãs. Sou Cristão, sou Protestante. Faço questão destes dois “rótulos” apenas.
Desculpe o desabafo, Rev. Augustus. Desculpe pelo tamanho do post. Deus continue abençoando ao Sr. Agradeço pelos posts escritos por vocês. São esclarecedores e edificantes. Continuem assim, pois certamente glorificam a Deus, sabendo que também este vosso trabalho, “não é vão no Senhor”.
Rodrigues

Responder
avatar
2/3/06 18:33 delete

Rodrigues,

Seu desabafo tem razão de ser. Mas, apesar da realidade que você percebe e está vivendo, abra espaço para os sete mil que não dobraram os joelhos a Baal.

Fique firme!
Um abraço.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
3/3/06 08:26 delete

O que você me diz disso?
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=3123246

Responder
avatar
3/3/06 14:22 delete

Caro ANÔNIMO,

Entrei no orkut e vi que se trata de uma comunidade chamada Movimento AntiPuritanismo. Não vi nada de especial ou de novo. Por exemplo, um artigo que trata da relação entre Calvino e os puritanos é terreno batido. Leia o outro lado em http://www.mackenzie.com.br/teologia/fides/vol03/num02/Anglada.pdf

No mais, as pessoas têm o direito de se organizar e de se expressar contra ou a favor disto ou aquilo.

Um abraço.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
4/3/06 01:29 delete

Rev. Augustus, conforme conversamos outrora, vale salientar o uso do termo neopuritanos no exterior,
especialmente na própria Inglaterra. De acordo com "The Guardian" um movimento chamado
de neopuritanismo estaria crescendo silencionamente por lá, estando mais ligado a um comportamento
ético de "não conformismo" com relação ao consumismo do mundo atual e político, defendendo de certa forma o chamado "Nanny state", ou o maior intervencionismo do estado na vida da população, chegando até
mesmo em seus costumes mais primários.
Porém, o artigo do link abaixo não menciona nada sobre o aspecto teológico puritano:

http://observer.guardian.co.uk/magazine/story/0,11913,1596540,00.html

Quanto aos neopuritanos brazucas, será que eles não aceitariam nem mesmo um alaúde com cordas de
pele de carneiro acompanhando os salmos ???? (Brincadeira)

Abraços !

Fábio Luís Franco

Responder
avatar
Naziaseno Torres
AUTOR
10/3/06 21:19 delete

Caro Professor Augustus,

Fiquei bastante feliz e animado ao ler esse artigos sobre os puritanos históricos. O senhor deixa transparecer uma certa doce fascinação pessoal sobre eles e, ao mesmo tempo, um forte elemento de nostalgia. Vejo os puritanos como guias espirituais que pautaram uma época e que servem de exemplo paro o nosso cristianismo. Agora há algo importante: devemos resgatar os pricípios postulados por eles, mas é preciso sacudir um pouco afim de tirar a poeira e o morfo; caso contrário, o odor será desagradável.

Um abraço

Pr. Naziaseno Cordeiro Torres

Responder
avatar
14/3/06 18:30 delete

Fábio,

Muito interessante a informação sobre esse uso do termo neopuritanismo. Guarda do termo teológico a não-conformidade ao status quo e a busca da pureza e simplicidade -- embora sejam dois movimentos em duas áreas distintas.

Quanto à sua pergunta, se "os neopuritanos brazucas não aceitariam nem mesmo um alaúde com cordas de pele de carneiro acompanhando os salmos ???? (Brincadeira)", acho que há quem defenda de forma estrita o não emprego de instrumentos musicais, mas devem ser um ou outro. Ainda bem!

Um abraço.

Responder
avatar
Romulo.
AUTOR
16/3/06 13:16 delete

Reverendo, "impedindo-os de lerem e verem por si mesmos o que esse movimento representou." nao concordo quando o senhor diz isso. Sempre fui incentivado a ler os puritanos, e estudei por 3 anos e meio, faltando somente um semestre para me formar no mesmo seminario do Marcelo.

E sempre guardo um espaço no meu mes para ler um puritano. rs. Sèrio!

Responder
avatar
17/3/06 14:49 delete

Rômulo,

Fico feliz em saber que os ataques generalizados e constantes contra o puritanismo não o impediram de ir buscar na fonte o que eles realmente disseram e viveram. Sua prática de ler um puritanos por mês é saudável! Parabéns e continue firme nela.

Um abraço.

Responder
avatar
3/5/06 17:29 delete

é triste você perceber que existe uma antipatia ao termo puritano até mesmo dentro dos circulos denominacionais de origem puritana. De duas uma ou não conhecem a sua própria história(que vergonha), ou a conhecem e a desprezam e a negam(vergonha maior ainda). Aqueles ministros que não concordam com a teologia puritana ou até mesmo com o termo puritano deviam procurar outras denominações, associadas a termos como Armínio, Charles Finney, etc. Talvez estes sejam nomes mais significativos. Se assim for saiam do presbiterianismo ou demais igrejas confessionais. Rev. quanto a cessação dos dons você não acredita? E o que diz a CFW quando falam daqueles antigos modos de Deus revelar-se"?

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
3/5/06 17:35 delete

seu comentário é muito pertinente Rev.

Responder
avatar
3/5/06 22:02 delete

Caro Protestante Reformado,

Mesmo que você não tenha mencionado seu nome, vou respónder seu comentário, apenas pedindo que na próxima você nos dê a graça de saber com quem estamos falando.

Concordo com você que é vergonha dupla pastores, oficiais e membros de igrejas reformadas desconhecerem ou ainda negarem a herança reformada puritana.

Conceda, todavia, que em parte muitos estão reagindo aos excessos de grupos que se identificam com os puritanos.

Sobre a cessação dos dons, creio plenamente naquilo que a CFW declara, que cessaram os modos antigos de Deus se revelar aos homens. Não creio em novas revelações hoje. Creio que todos os dons revelacionais cessaram.

Um abraço.

Responder
avatar
4/5/06 20:57 delete

Rev. peço desculpas por não ter mencionado o meu nome. O motivo de não mencioná-lo não foi outro senão o simples fato de que protestante reformado é o meu e-mail e geralmente me indentifico assim. Não tem problema nenhum indentificar-me, todavia, deixo aqui o meu pedido de desculpas.
Meu nome é Jefferson Medeiros e sou da Igreja Presbiteriana Fundamentalista em São José do Egito - PE

Responder
avatar
4/5/06 21:37 delete

Jefferson,

Obrigado por identificar-se. Assim seu comentário ganha ao menos um nome e uma cara (mesmo sem foto).

Um abraço!

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
8/5/06 20:59 delete

Rev. Augustus, gostaria de saber a sua posição sobre o culto litúrgico. Deve haver no culto a Deus espaço para apresentação de corais, grupos de louvor, duetos, trios, solos, etc? Não seria isso uma quebra do princípio regulador do culto defendido pelos puritanos? O cântico de hinos, salmos e cânticos espirituais não devem ser entoados por toda a congregação?

Responder
avatar
9/5/06 21:18 delete

Meu caro Anônimo,

Mantendo a regra, gostaria que você primeiro se identificasse, antes que eu lhe responda.

Um abraço.

Responder
avatar
11/5/06 19:42 delete

Caro Rev. aproveitando a pergunta do anônimo acima, gostaria de saber a sua opinião acerca do culto cristão. É correto biblicamente, teologicamente e confessionalmente a prática de duetos, solos, trios, coral no culto? Isso não é contrário ao princípio regulador do culto?

Um abraço,
Jefferson Medeiros

Responder
avatar
7/8/06 11:46 delete

Caro Rev. aproveitando a pergunta do anônimo acima, gostaria de saber a sua opinião acerca do culto cristão. É correto biblicamente, teologicamente e confessionalmente a prática de duetos, solos, trios, coral no culto? Isso não é contrário ao princípio regulador do culto?

atenciosamente, gostaria que me respondesse se possível.

saudações reformadas
soli Deo gloria

Responder
avatar
Rogério
AUTOR
25/1/08 10:56 delete

Queridos irmãos Mauro Meister, Augustus Nicodemos Lopes e Solano Portela, Fico maravilhado profundamente em saber que ainda existem, em pleno século XXI, pessoas como vocês, que anelam pela santidade e comunhão verdadeira com o ETERNO DEUS, através do qual temos a redenção, não porque mereçamos alguma coisa, mas pelo "simples fato" dele dispensar à nós sua infinita misericórdia. Sabe queridos, estou afastado desta comunhão com o altíssimo hà alguns anos, mais através de vocês tenho encontrado uma profunda e imensa força de vontade, a qual me tem feito pensar em voltar e deixar que Ele novamente controle a minha vida por inteiro ( se é que Ele, em algum momento deixou de controlar, particularmente acho que não) sem mais me importar com o que vão pensar de mim, afinal de contas, sempre irão falar de nós!!! Vocês estão de parabéns!!!
Termino deixando um palavra mui propícia para a ocasião que diz:"Mostre-me uma nação que abandonou o dia do Senhor e eu lhe mostrarei uma nação que se apropriou da semente da decadência"
(D. L. Moody)
Grande abraço!!!

Rogério Dos Santos Rolim

Responder
avatar
2/12/09 15:51 delete

Rev. Nicodemus, o senhor menciona que os neopuritanos têm "...um entendimento e uma aplicação estreitos do princípio regulador do culto...".

Gostaria que o Pastor comentasse de maneira mais ampla a sua postura teológica com relação a este princípio e como o mesmo deve ser aplicado em nosso tempo e cultura.

Um abraço fraternal

Responder
avatar
2/12/09 19:18 delete

Daniel,

Aqui mesmo no blog escrevi diversos posts que tratam do culto e do princípio regulador. Veja:

http://tempora-mores.blogspot.com/2009/08/ainda-o-culto-elementos-e.html

http://tempora-mores.blogspot.com/2009/08/liberdade-do-espirito-e-dancas-no-culto.html

http://tempora-mores.blogspot.com/2009/08/salmo-150-dancando-no-santuario.html

Veja ainda este artigo do Solano:

http://tempora-mores.blogspot.com/2006/12/calvino-contra-o-natal.html

Um abraço.

Responder
avatar
29/4/13 17:28 delete

Graça e Paz Reverendo. Eu ouvi dias desses sua mensagem sobre ''Calvino e a Juventude'', como sou cristão e curso História, resolvi criar um texto sobre o Puritanismo que tanto estudei e tanto dou graças ao Altíssimo de ser. Usei suas palavras no sermão (e agora vi aqui também), espero que não sei importe. Deus abençoe.

http://nopphistoriador.blogspot.com.br/2013/04/sou-puritano-gracas-deus.html

Responder
avatar