segunda-feira, outubro 16, 2006

Augustus Nicodemus Lopes

Lições da Reeleição de Lula


As primeiras pesquisas após o primeiro turno dão vitória de Lula sobre Alckmin no segundo. Inclusive por margem maior. Espero estar errado, mas tenho um pressentimento de que, desta feita, as pesquisas estão certas. Tenho lido diversos artigos nos jornais e revistas de grande circulação dando as causas dessa vitória, apesar dos escândalos no qual o partido de Lula e seu círculo íntimo de colaboradores estão envolvidos até o pescoço. Nenhum deles, evidentemente, analisa o fenômeno do ponto de vista da fé cristã reformada.

Se Lula for reeleito, será pela vontade de Deus. Como não sou teólogo relacional, não posso dizer "Deus não tem nada a ver com a reeleição de Lula". Tenho que assumir as implicações da minha crença que o Deus da Bíblia domina e guia a História conforme o seu soberano querer. É Ele quem põe e depõe os reis e os que estão em autoridade, qualquer que seja o sistema --- inclusive aquele que exalta o livre arbítrio do povo, o voto direto.

Como "não há autoridade que não proceda de Deus" (Romanos 13), entendo que isso inclui as que forem corruptas, déspotas, mentirosas e injustas. O imperador de Roma era Nero quando Paulo escreveu essas palavras. Devemos, todavia, refletir nas razões pelas quais Deus permitiria que um governante sob intensas suspeitas de corrupção e mentiras continuasse no poder em um país democrático cujo povo teria o poder do voto para tirá-lo de lá. Estou falando do Brasil, é claro. Desconheço, como os demais calvinistas, que motivos específicos Deus teria para isso, mas posso pensar em algumas razões gerais, a partir da revelação que Ele nos deu na Bíblia:

1. Juízo sobre nós. A Bíblia ensina que um dos castigos que Deus envia sobre um povo que se recusa a reconhê-Lo é entregá-lo às corrupções e desejos de seus corações. Veja a expressão "Deus os entregou..." três vezes em Romanos 1, quando Paulo diz de que forma Deus retribuiu a rejeição da sua revelação natural por parte da cultura de sua época. A cegueira moral e espiritual que é própria da humanidade decaída se torna ainda mais acentuada quanto a graça preventiva de Deus, aquela que permite que ainda tenhamos alguma lucidez, sensatez e verdade nesse mundo, é retirada. Povos cegados elegem governantes sem levar em conta questões morais e espirituais. Uma eventual reeleição de Lula em meio a todos esses escândalos pode indicar o juízo de Deus sobre nós como nação.

2. Expor a hipocrisia da nossa cultura. Todo mundo está atacando Lula e tentando desqualificá-lo com base no seu [suposto] envolvimento em todos esses escândalos. Mas, convenhamos: qual a base para se clamar por honestidade, sensibilidade, verdade, sinceridade, integridade e altruísmo na política se estes são conceitos considerados relativos e subordinados ao pragmatismo individualista, conforme a mentalidade de nossa época? Qual a base para se clamar por moralidade, verdade e honestidade em nosso país se o ser humano é visto como fruto do meio e da seleção natural, onde sobrevivem os mais aptos, leia-se, os mais espertos, independentemente dos meios que se utilizam para isto? Mesmo que Lula não seja reeleito, já ficou exposta a nossa hipocrisia, a hipocrisia inclusive do povo indignado, povo do jeitinho, que fura fila, avança farol, sonega impostos, tira vantagem quando pode. A doutrina da depravação total silencia nossa voz, especialmente quando encontramos os escândalos da corrupção dentro do próprio arraial evangélico.

3. Mostrar que nem todos os brasileiros são tão pragmáticos assim. Lula será reeleito não somente pelo povão, mas pelos intelectuais, pelos universitários, pelos artistas, pelos formadores de opinião. Penso que uma razão possível é porque são pássaros da mesma plumagem. São de esquerda. A minha ficha caiu quando vadiando pelo Orkut numa sexta-feira a noite, sem ter nada para fazer, acabei caindo numa comunidade onde reconheci uma foto de uma jovem intelectual nordestina, filha de amigos meus, cuja foto orgulhosamente trazia ao peito um "Lula 13". Há brasileiros ideológicos, que se orientam por princípios e convicções. É verdade que esses princípios e convicções foram forjados pela propaganda socialista-comunista que sempre permeou nossa cultura. Como a Norma Braga costuma dizer, e com razão, não há um pensamento legitimamente conservador na política brasileira. Há milhões de brasileiros que são de esquerda, cujas idéias são as mesmas do PT e da agenda de Lula, embora ele, para muitos, já abandonou ideologia há tempos. Para quem pensa ideologicamente, roubalheira e corrupção acaba ficando em segundo plano em nome da sinergia doutrinária. Muitos se decepcionaram com o PT e com Lula, mas continuam de esquerda. E isso vai falar mais alto. A reeleição de Lula mostra que os reformados erraram quando julgaram que os brasileiros estão interessados mesmo é em tirar vantagem das coisas.

4. Para repreender a Igreja evangélica. Lula recebeu um monte de cantores evangélicos no Planalto. Que vergonha! Mas, quão previsível! Afinal, há dezenas de evangélicos envolvidos nos escândalos de corrupção descobertos pela Polícia Federal e pelas CPIs. Segundo o IBGE de 2000, agora pelo ano 2006 os evangélicos deveriam estar na casa dos 20 milhões. É um número considerável. Somos uns dos maiores países evangélicos do mundo. Mas, qual a diferença que isso tem feito nos costumes, na moral e na cultura brasileira? Uma igreja evangélica sem rumos teológicos, com crise de liderança, enganada por aproveitadores que ensinam que Deus existe para nos fazer prósperos financeiramente e satisfazer todas as necessidades imediatas dessa vida... o que mais poderíamos esperar? A reeleição de Lula e do PT é um atestado da falta de autoridade doutrinária, moral e espiritual dos evangélicos em nosso país.

Insisto em aprender com os fatos e com a história, a fazer sentido do cotidiano à luz do ensinamento bíblico de que Deus está no controle. Outras lições poderiam ser tiradas, eu sei, mas por enquanto só me passam estas na cabeça. Quem sabe nos comentários aparecerão outras. Mas, por enquanto, basta.

PS: Já vou avisando aos engraçadinhos que qualquer semelhança entre a foto do gorila pensativo e a minha à direita desse post é mera coincidência.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

76 comentários

comentários
Alex
AUTOR
16/10/06 11:29 delete

Olá pastor Nicodemus

Excelente post. Só num trecho tenho lá minhas dúvidas:

"Somos uns dos maiores países evangélicos do mundo."

Há quem diga que aqui no Brasil só tem macumbeiro, e uma boa está disfarçada de cristão.

Alex

Responder
avatar
16/10/06 11:43 delete

Alex,

Você provavelmente está correto. Eu estava apenas citando as cifras e a classificação do IBOPE, que não consegue chegar a esse nível de sofisticação na pesquisa...

Abraços.

Responder
avatar
16/10/06 12:16 delete

Pastor Augustus,

interessante mesmo analisar as eleições a luz da Palavra de Deus!

Creio que como povo de Deus devemos orar e clamar por avivamento na Igreja de Cristo e consequentemente na sociedade.

Creio que devemos orar para Deus levantar vocacionados para política como Wilberforce e Kuyper, preparados biblicamente e sem misturar as esferas (vejo exatamente o contrário nos candidatos evangélicos).

Então a reeleição do presidente e o caos que se encontra, creio fazer parte sim do juizo de Deus sobre nossa nação.

Que Deus nos perdoe e tenha misericódia de nós! Que Ele nos visite com poder para gerar mudança em nosso país!

Deus te abençoe Pastor,
Juan

Responder
avatar
JP
AUTOR
16/10/06 13:48 delete

Olá Nicodemus..

Vc tocou num ponto interessante. Nesse Brasil ninguém é santo...nem mesmo os evangélicos que é o mais absurdo...
Quando vejo determinadas propagandas políticas falando sobre ética (nessa o tucano e em outras passadas o Ptista) é decepcionante.
Minha pergunta é: Deve o cristão ser ético?
A resposta é óbvia, mas então porque pergunto isso...
Uma vez que o cristão almeja e deseja e assume o caráter ético esta incorrendo numa possibilidade muito grande de derrapar e cair....ai todos nós sabemos as consequências...ou seja, é muito dificil para o ser humano ser ético...
Dessa maneira eu reformulo a questão: O evangelho de Jesus Cristo para o homem é baseado ética?

Abraços
JP

Responder
avatar
Joao d'Eça
AUTOR
16/10/06 14:16 delete

Caro professor Nicodemos, quero começar dizendo que é impressionante como as fotos são bem parecidas.

Agora, falando sério, creio que a reeleição de Lula deve-seprincipalmente à situação social do Brasil. Enquanto o Sudeste e o Sul são mais desenvolvidos, onde as pessoas tem mais oportunidades, onde já não existem mais "coronéis", aqui no nosso Nordeste querido, o povo sofrido espera pela "Bolsa Família" e pelo mínimo de Infra-Estrutura que os possibilite viver um pouco melhor.

Na verdade o Governo Lula acertou em cheio quando decidiu expandir a política assistencialista de compra de votos, chamada "Bolsa isso ou aquilo". É claro que o povo nordestino precisa de alimento, mas precisa muito mais de oportunidades para desenvolver todo o seu potencial, toda sua criatividade, todo o seu talento. Enquanto isso não vem o povo carente do Nordeste e de outras regiões querem somente garantir o seu quinhão.

Esse povo sofrido não acredita que um político como o Alkmim, que vive numa região rica, rodeado de prosperidade, se comparado com o Norte e Nordeste, se interesse pelo seu sofrimento ou seja solidário com eles. Não, eles não acreditam. Pensam que o Geraldo ou outro candidato do eixo Sudeste/Sul, querem continuar a mesma política, igual àquela do Café com Leite, enquanto o País de "cima" perde em qualidade para o País de "baixo".

Creio que a culpa é dos "bairristas" que estão no Congresso e que estão impedindo que o desenvolvimento cheque por aqui. Quando aparece um candidato com uma proposta de suprir, mesmo que minimamente, o sofrimento dessas pessoas, eles não perdem a oportunidade de elegê-lo novamente. Mesmo como nordestino, não é o meu caso.

Responder
avatar
Cleber Leite
AUTOR
16/10/06 14:49 delete

Caro Prof Augusto

Aproveitando a deixa, gostaria de um comentário sobre o movimento Teonomico Reconstrucionista.

Cleber

Responder
avatar
16/10/06 15:33 delete

Dr. Augustus,

Gostei muito de vossa análise, só encontro algum probleminha com a profecia, que quando falsa, no AT, uma vez verificado o fato, o profeta era tratado com pedras.

Não adianta, eu, irremediavelemente, sou otimista, e ainda creio que os ventos da corrupção podem virar os rumos da eleição.

Sei que o pessoal do outro lado vai voltar com "os governos anteriores não fizeram muito, tiveram corrupção, blá, blá, blá..." Mas isto ainda não justifica votar no atual presidente... Espero, sim, e ORO ao Senhor da história para que ainda não seja a hora da disciplina, assim como Daniel orou quando entendeu que o tempo do cumprimento da profecia de Jeremias havia chegado (Daniel 9):

Daniel 9:4-10
4 Orei ao SENHOR, meu Deus, confessei e disse: ah! Senhor! Deus grande e temível, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos;
5 temos pecado e cometido iniqüidades, procedemos perversamente e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos;
6 e não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, nossos príncipes e nossos pais, como também a todo o povo da terra.
7 A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê; aos homens de Judá, os moradores de Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto, quer os de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas transgressões que cometeram contra ti.
8 Ó SENHOR, a nós pertence o corar de vergonha, aos nossos reis, aos nossos príncipes e aos nossos pais, porque temos pecado contra ti.
9 Ao Senhor, nosso Deus, pertence a misericórdia e o perdão, pois nos temos rebelado contra ele
10 e não obedecemos à voz do SENHOR, nosso Deus, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de seus servos, os profetas.

No entanto, dia 29 teremos uma resposta, e diante dela, seja qual for, faço também a oração de Habacuque, sabendo o justo viverá por fé (Hab 3:17-19)

17 Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado,

18 todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação.

19 O SENHOR Deus é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente.

abs
Mauro

Responder
avatar
16/10/06 15:39 delete

Prezado Cleber,

Solano é o bloguista especialista em teonomia, vou pedir para ele postar aqui alguma coisa.

Abraços.

Responder
avatar
KILMER
AUTOR
16/10/06 16:14 delete

Caro Professor,

Muito bom esse post. A sua argumentação cai como uma luva nesse momento em que tantos crentes e blogs de orientação reformada esqueceram da Soberania de Deus e estão malhando o candidato do PT com ofensas que atingem até mesmo as suas origens, com o intuito de alardear propaganda contrária. Só acho que a votação do petista se deve mais ao aumento de comida na panela dos pobres do que a questão ideológica. Se o FHC tivesse feito o mesmo o PSDB estaria no poder até hoje. Geralmente a pobreza não se importa com esquerda ou direita, querem é comer.

Responder
avatar
16/10/06 17:39 delete

Augustus,

excelente Post. Que o Senhor continue usando-o como sempre fez. Aliás, o equilíbrio, a sensatez e a precisão no presente artigo são marcas registradas peculiares a tudo que você escreve. PARABÉNS!

Alfredo.

Responder
avatar
16/10/06 18:23 delete

Rev. Augustus Nicodemus, q análise fantástica. Isso edifica em saber q as respostas podem vir de uma boa doutrina e da Palavra de Deus contextualizada e bem interpretada. Parabéns pelo post! Essa crise deve nos fazer entender que o aumento dos evangélicos em si nao significa avivamento nem que a Igreja está muito bem, mas que precisamos clamar a Deus por misericórdia.

Responder
avatar
Norma
AUTOR
16/10/06 19:12 delete

Kilmer,

"Malhar o candidato do PT" é esquecer a soberania de Deus? Tenho minhas dúvidas. A soberania de Deus não pode ser desculpa para calar-se diante da injustiça. Quanto ao aumento de comida na panela dos pobres, bom, isso é relativo. Há quem diga que Lula apenas colhe os frutos da administração de FHC. Não sei, mas confio em Deus, sabendo que sobre uma nação também pode vir juízo por intermédio de governantes que não temem Sua lei.

Responder
avatar
16/10/06 19:42 delete

Eça,

Espero que o gorila da foto o perdoe pela comparação comigo. Você argumenta que a reeleição de Lula (se ocorrer, pace Mauro) se dará porque o povo pobre do Nordeste vê a realidade de forma maniqueísta entre o Sul (império do mal) e o Nordeste (império do bem). Admito. Apenas me pergunto se essa cosmovisão, que não abre espaço para julgamentos de valor, já não seria resultado de termos sido abandonados às paixões de nossos próprios corações. Veja meu alvo não é realmente Lula, mas o fato de que na mentalidade de nosso povo desonestidade conta menos que um monte de outras coisas.

Mauro,

Acho que é a primeira vez que eu gostaria realmente de errar na profecia. Se eu errar e Lula não for reeleito, conto com o seu perdão antecipado, considerando a euforia que encherá sua alma tucana.

Alfredo, Francisco Mário e Norma,

Obrigado pelos comentários.

Abraços a todos.

Responder
avatar
16/10/06 20:11 delete

Sobre teonomia, recomendo o livro " Lei e Evangelho (Coleção Debates Teológicos)", da Editora Vida. A posição teonomista reconstrutivista é defendida nesse livro pelo grande Greg L. Bahnsen, discípulo de Van Til (que também era teonomista reconstrutivista), mas que superou o mestre. :)

Um abraço,
Felipe Sabino

Responder
avatar
16/10/06 20:20 delete

Rev. Augustus,

Do jeito que o povo brasileiro brinca de ser evangélico, o nosso atual presidente brinca de governar.

E eu acho que Deus não está para brincadeira quando realiza seus propósitos.

Mas confesso que não gostaria nem um pouco de sofrer as consequências dos nossos erros. Assim como Daniel se colocou no montante do povo pecador, quem sou eu para me esquivar?

Se Deus quiser, que venham mais quatro anos "governados" pelo Lula. Mas tomara que Ele não queira.

Abraços

Responder
avatar
16/10/06 21:41 delete

Caro Augustus;
Parabéns pelo post - com bastante substância para nossa reflexão.

Pode ser, tambem, que Deus esteja sendo misericordioso com o Brasil. Permitindo a vitória do candidato Lula, impediria um governo do Alckimin, o qual, contra toda aparente gritante evidência - de que seria mais competente, mas austero e mais honesto - poderia ser pior ainda do que o do atual presidente. Quem sabe?

Quanto à solicitação do Cléber, vou colocar o meu próximo post com alguns comentários sobre Teonomia, para atendê-lo, mas antes disso vamos esperar para ver se o seu post consegue persuadir algumas cabeças pensantes de irmãos queridos que estão confundindo o clientelismo das massas, induzido pelo governo, com política social apropriada à nossa nação.

Solano

Responder
avatar
16/10/06 22:51 delete

Caro Rev. Augustus,

Deixando a teonomia de lado, quero parabenizá-lo pelo post.

Gostaria de fazer apenas um comentário: apesar de desejar ardentemente a vitória de Alckmin, realmente a vitória dele, como disse o Pb. Solano, não implica necessariamente que teremos um país melhor, pautado pela ética, como Alckmin gosta de falar.

Como pode haver ética dissociada da Palavra de Deus? É impossível os homens ditarem o que é ético e o que não é, pois conceitos tais como justiça, bondade, certo, errado, etc., são extraídos unicamente da cosmovisão cristã. Assim, não será novidade Alckmin, se eleito, combater o crime organizado e apoiar o casamento gay, para citar apenas um exemplo.

Espero que ele continue lendo (?) Agostinho, e aprenda mais com ele, não ficando apenas na famosa frase: “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me adulam, porque me corrompem”.

Um abraço,
Felipe Sabino

Responder
avatar
Fabio
AUTOR
17/10/06 07:46 delete

Preclaro Dr. Augustus,

Excelente seu post sobre a realidade politica do Brasil. Realmente demonstra precisão na sua analise da conjuntura atual do evangelicalismo brasileiro. É preocupante! Tanto numero para tao pouco impacto. Nos resta orar e trabalhar pelo Reino de Deus e nossa naçao.
obrigado pelo seu post.
Um grande abraço.
Fábio Bezerra
(em transito pelo Brasil)

Responder
avatar
17/10/06 09:04 delete

Augustus,

Só pq insinuei que vc era falso profeta, não precisava ter baixado o nível e me chamar de tucano... ai não...

De fato, tanto Lula quanto Alkimin podem ser disciplina, como apontou o Solano... No entanto, as evidências que temos, até o momento, apontam para um mais do que outro. Voltanto a Habacuque, em seu pensamento inicial, era 'incabível' que a disciplina de Deus viesse pelas mãos dos Caldeus (neo-babilônios). Mas foi assim que Deus fez.

abs

Responder
avatar
JP
AUTOR
17/10/06 12:38 delete

Olá pessoal do Blog...

As discussões sobre política são acaloradas nesse blog...srsrsrs
No entanto, será que na atuação circunstância...o cristão hoje deveria torcer tanto para alguns candidatos?
Será que vale tanto a pena?

Abraços
JP

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
17/10/06 12:54 delete

Estimado Nicodemus, venho lendo seus post regularmente. E apesar de não fazer nenhum cometário sobre eles, considero todos pertinentes e extremamente relevantes.
Exatamente por este motivo, gostaria de saber se não há a possibilidade de que seja publicado o arquivo .XML completo e não somente o primeiro parágrafo. Digo isso porque tenho um leitor de Feed em casa e fica fácil para mim passar os arquivos para um Palm para lê-los regularmente e manter-me atualizado, sem depender de meu computador em casa, como única forma de saber sobre as atualizações do site.
Sem mais para o momento
Graça e Paz...

Responder
avatar
17/10/06 13:36 delete

Creio que nosso Brasil perdeu muito com a filosofia progressista e perde ainda mais com os neo-liberais. Sei que o povo não é educado para pensar políticamente, um exemplo disto é a eleição dos corruptos, dos baderneiros e etc... A política brasileira deve crescer fora dos trilhos do baixo partidarismo, economia é coisa séria. Não tenho em alto estima aqueles que depois de uma pobreza intelectual, demonstram ter uma pobreza moral. Ignorar os bancos das escolas mesmo quando já há condição de ir a ela, é negligenciar a cultura e o saber. Parece que este não é um mal restrito ao Brasil e sim a América Latina.

Responder
avatar
17/10/06 14:28 delete

Felipe, Fábio, JP, Gustavo ,

Obrigado pelos comentário.

Pensador,

Não sei o que está acontecendo, mas publicamos o post completo. Talvez a culpa seja do Mauro, que inventou de colocar esse trem de "leia mais..." dando a impressão que tem mais coisa. É só isso mesmo que está publicado.

Solano,

Pode ser que a reeleição de Lula seja uma bênção, se tomarmos como referencial aquilo que Deus sabe que aconteceria se ele não o fosse, que é a eleição de Alckmin. Meu ponto toma como referencial aquilo que eu sei e posso medir: a eleição pelo voto direto popular de um governante cercado de acusações, denúncias e provas de corrupção, que indica claramente que honestidade não é mais prioridade de ninguém.

Mauro,

Foi mal chamá-lo de tucano, mas a verdade dos fatos está exposta ao público, que lendo os seus comentários e posts políticos poderá decidir.

Um abraço.

PS: Respondi a todos num único comentário porque sou contra aquela tática de dono de blog pouco lido que responde comentário a comentário, inchando o número de comentários para dar a impressão de que o assunto é quente.

Responder
avatar
17/10/06 15:59 delete

prezado o pensador,

sendo mais uma vez caluniado nesta série de posts, depois de ter sido chamado de tucano, esclareço: os posts em nosso blog são postado na integra, na página inicial. O leia mais só leva para o mesmo texto, porém com todos os comentários.

abs
Mauro

Responder
avatar
wilson bento
AUTOR
17/10/06 17:55 delete

Olá Rev. Augustus,

Eu estava sendo consistentemente questionado sobre minha "perseguição" ao Lula, decidi mandar esse recado para algumas pessoas:

O maior problema não são os candidatos, as pessoas que concorrem para estes cargos já têm um princípio de tirar vantagem, qualquer um deles.

O que a gente pode conseguir adiar é a instalação de um estado comunista e mulçumano que vai nos levar para a cadeia pelo simples fato de sermos cristãos, como acontece em Cuba e já começou a acontecer na Venezuela (sem falar na China, Coréia do Norte, Indonésia, entre outros).

Este é o caso do Lula que mantém estreito relacionamento com estes países e até mesmo recebe ajuda financeira para depois dar em troca a nossa liberdade para essa ideologia que matou um número enorme de pastores e missionários com suas famílias na Rússia, Polonia, Tchecoslovaquia, Romenia, Iraque, Irã, Afeganistão, Sudão, Nigéria, Sul do México, Colombia, etc.

OBS.: O Lula tem feito acordos comerciais e de amizade com todos estes países.

A nossa indisposição não é com a pessoa do Lula em si, mas o que o sustenta e apoia.

Claro que a Bíblia fala desses dias tenebrosos, e não temos como mudar a Palavra para podermos viver com mais tranqüilidade, dias piores virão e já estão chegando, o que podemos fazer é atrasar o avanço do mal e com isso dar oportunidade para que a igreja representada pelos pastores e missionários e pelos evangelistas possa sofrer menos por mais tempo, enquanto pregam a mensagem de amor e salvação.

Os não cristãos defendem o Lula ou o Alkimin e não têm a compreensão bíblica que nós temos, eles discutem política e nós discutimos sistemas de governo, que para nós só existem dois o SISTEMA DIVINO e o SISTEMA MALIGNO, porque sabemos que o mundo jaz no maligno e não importa quem ganhe, o mundo continuará no maligno.

Mas se podemos ajudar o caminhar da igreja, isso sim será uma "boa obra" em favor do Reino do nosso Pai.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
17/10/06 18:03 delete

Em primeiro lugar gostaria de agradecer ao Augustus pelo post, até esclareceu a minha visão teológica desse caos político, confesso que não tinha relacionado as coisas, estava tão concentrado em votar nulo que nem estava lembrando da visão espiritual da coisa, mas ainda acho que vou votar nulo, já votei no Lula há quatro anos mas não tenho motivo pra votar nele, muito menos no outro, quem sabe alguém me convença até o dia 29... Sou apolítico por decepção...

Responder
avatar
Ricardo de Abreu Barbosa
AUTOR
17/10/06 18:47 delete

Caro Rev.Nicodemus, Caros irmãos. Gostaria de dar um palpite neste tema acalorado: a personalização no sistema político partidário esconde o problema maior, que é estrutural. Todos pecaram... e pecam... porque a organização do Estado brasileiro foi historicamente concebida para ser assim: éramos uma colônia, um império; tornamo-nos uma república intercalada por momentos de autoritarismo, mas que sempre preservou uma espécie de dinastia daqueles que de fato mandam neste país... O sistema é hipócrita. Os políticos não representam o povo,mas aqueles por quem são patrocinados. Há cerca de 100 sobrenomes no Brasil que representam 90% do nosso PIB e pronto. Não há incompetência, e sim má-fé. A estrutura do governo é meticulasamente calculada para ser ineficiente, gorda, inchada, faminta por impostos e relapsa na realização dos fins do Estado. Como cidadãos, somos coadjuvantes de um Estado maniqueista que validamos periodicamente nas urnas. PSDB e PT foram partidos surgidos na redemocratização do País,com cabedal para propor uma reforma desse Estado. São ainda o que há de mais moderno no pensamento político nacional (pasmem), excetuada uma ou outra figura isolada. Todavia a lógica do sistema eleitoral impôs-lhes o pragmatismo. Primeiro o PSDB, em 1994, faz aliança com PFL (ex-Arena, PSD, de ACM, Sarney, Bornhausen e outros coroneis). Depois, PT faz pior. Junta-se com setores atrasados e que tem em comum apenas um projeto de poder. Para tanto, assumiu uma disciplina autoritária no aparelhamento do Estado, uma política economica monetarista para aplacar o mercado financeiro (vide lucros dos bancos), manteve o corporativismo (para não perder suas raízes sindicalistas) e o assistencialismo, para comprar a "alma" do povão por um prato de comida. Não voto no PT pois ele potencializou e escancarou as contradições já existentes em nosso Estado, nosso governo e nossa sociedade... Mas estou realmente triste pois, seja quem for o presidente, nome ou partido, tenho convicção de que Deus já tem lançado o Juízo sobre essa pátria, que amo e pela qual lamento. E a igreja? A igreja canta, ora, e reclama...Somos meio neognósticos, meio ascéticos... não o pessoal desse blog que respeito muito!! Saudações cristãs.

Responder
avatar
Anthony
AUTOR
17/10/06 23:49 delete

opa, o anônimo ali em cima não é Anônimo, sou eu: Anthony, o Solano e o Augustus me conhecem de alguns emails, hehe...
abração pra vocês... ;)

Responder
avatar
18/10/06 01:32 delete

Diante de dois candidatos, onde um tem o governo envolvido com várias acusações sérias, como acusaçao de assassinato, o principal ministro é achado como chefe de quadrilha pelo ministério público, mensalão, caixa 2 a olho nu, o seu ministro da economia ordena abrir sigilo ao lado do seu gabinete. O outro candidato, que nao é exemplo, mas nao tem a configuração acima, é mais fácil acreditar q se o Lula ganhar será um desastre ético. As pessoas escolhem Lula porque ele reflete o caráter do brasileiro. Por que ele levou votos no 1o turno mesmo tendo outras opçoes q nao o Alkmim? Aqueles q votam no Lula, votariam nele mesmo q o seu adversário fosse Martin Luther King. O voto em Lula reflete a situaçao moral da naçao.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
18/10/06 03:32 delete

Olá Pastor

Apesar de concordar com suas opiniões quanto a doutrina me senti prejudicado em me calar diante da afirmação: "A reeleição de Lula e do PT é um atestado da falta de autoridade doutrinária, moral e espiritual dos evangélicos em nosso país."

Aqui, com todo respeito, achei sua afirmação apelativa e em certo sentido tendenciosa a um messianismo de um candidato “X”. Doutrinariamente falando, corrupção é um "privilegio" de um partido ou de toda a humanidade? Ela afetando toda a humanidade influencia e pontecializa todos a agirem conforme esse condicionamento que na verdade é intrínseco ao homem e que o coloca na condição de não ter outra alternativa em relação ao pecado, certo? O homem não tem a opção diferente do pecado se não foi alcançado por Jesus. Isso implica que quer Lula quer Alckimin, os dois, irão tender para o mal se não forem alcançados pela ação do Espírito que transforma e desencadeia a regeneração. Se os dois estão na mesma condição a ação é uma questão de tempo e oportunidade. Ok já estão expostas a queda de um que teve a oportunidade. Agora, nós sabemos que política envolve não só uma pessoa mas um partido. E a vida pregressa dos dois depõe contra suas reputações. É inegável que a corrupção no Brasil é crônica e estrutural. É inegável também o envolvimento do PSDB com escândalos e do próprio Alckimin. O Solano bem lembrou que nada, e absolutamente nada, garante que votar no Alckimin é a solução para fugir da corrupção até porque até onde eu sei ele não foi alcançado pela graça e nem regenerado para começar a caminhar de forma diferente de sua condição pós queda, o que me daria uma possibilidade de acreditar que ele estaria caminhando em direção contraria a condição humana natural pós queda. O que eu pergunto é porque fica tão claro que votar no Alckimin é uma opção contrária a corrupção? E porque a opção por ele não foi considerada também um atestado da falta de autoridade doutrinária, moral e espiritual ? O que coloca o Alckimin em uma condição tão elevada em relação ao Lula? Lembrando que no segundo turno qualquer ação implica em uma escolha e ate mesmo os votos nulos vão se configura em uma escolha indireta, em ultima instancia.

Outra questão é que para uma afirmação dessas se requer critérios bem firmes e balizadores bem confiáveis. O que eu acho não ser o caso. A baliza que defini a aprovação de um candidato que vai desembocar num comportamento de implicações doutrinarias, moral e espiritual não pode ser considerada imutável e imparcial. E a questão da mídia, de fato ela é uma referencial plausível para definir se minhas decisões são ou não coerentes com minha doutrina? Quem aqui ouvi a mídia quando ela fala de teoria da evolução? Criacionismo? Casamento? Homossexualidade? Sexualidade? Divorcio? Aborto? Provavelmente ninguém ouvi a mídia sobre esses assuntos mas se utilizam dela para definir a aprovação ou não de um candidato isso tendo implicações a questões doutrinarias.

Talvez isso aqui não tenha muito valor mas é importante lembra o que o professor Venício A. de Lima expõe sobre a mídia: “A crise política brasileira não é episódica, é contínua e não foi resolvida pela redemocratização. Ao contrário, foi até agravada porque, a partir de 1985, a distribuição de canais de rádio e tv passou a funcionar de forma ostensiva e regular como moeda de troca para a cooptação do Legislativo pelo Executivo.

Como conseqüência, parte do nosso sistema de comunicação social, e justamente aquela com maior penetração popular, perdeu sua independência e sua capacidade de funcionar soberanamente. Sucedem-se as temporadas de escândalos no Congresso mas o escândalo maior, orgânico, é a sobrevivência da inconstitucionalidade que permite aos congressistas – teoricamente encarregados de fiscalizar a distribuição de concessões – desfrutar do privilégio de serem concessionários de um serviço público. Atentado ao pudor, à isonomia entre os cidadãos e evidência de uma anomalia que põe sob suspeição todo o processo de distribuição de informações.”
Interessante que essa suspeição é valida para questões de fé mas ela não é valida quando ao assunto é política?

O mesmo Venicios lembra: “Muitas das mais importantes crises políticas do mundo contemporâneo, desde a metade do século passado, têm como origem um escândalo político midiático. Isso é verdade no Japão, na Itália, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Argentina e também no Brasil. Nosso exemplo mais significativo, embora pouco estudado e lembrado como tal, talvez seja o escândalo político midiático (epm) que levou Getúlio Vargas ao suicídio em 1954.

A crise política que o país viveu desde maio de 2005 certamente se enquadra nas características identificadas por Thompson como constituidoras de um escândalo político midiático. Ela não existiria se não fosse na e pela mídia. E o que pretendemos examinar, para além da missão investigativa do jornalismo, é como, muitas vezes, a exacerbação dessa missão por jornalistas e empresas de mídia provocou sérios desvios não só das regras elementares do exercício profissional – vale dizer, do ‘bom jornalismo’ – mas, sobretudo, dos princípios éticos básicos da profissão. [...]”

Se o fornecedor de informação é suspeito devo ficar no mínimo atento se suas informações são tacitamente suficientes para determinar decisão A ou decisão B. E o mais complicado, baseado nesse mecanismo afirmar que a opinião B é um atestado a falta de autoridade doutrinária, moral e ética.

Apesar de ser uma opinião do contra espero mesmo que gere reflexão e oportunidade de crescimento para todos nós.


Parabéns pelo trabalho do blog só vai ser duro ser o único de opinião contraria.


Coracy

Responder
avatar
18/10/06 11:26 delete

Nao querendo ser um contestador, mas é difícil concordar com a Coracy. Aceitar q o problema se deve à mídia, é o argumento mais ingênuo q já ouvi e nao é inteligente. Diante da globalizaçao onde todos têm acesso imediato a fatos e eventos, fica mais q claro que isso é normal. O fato é como nao se tem respostas aos escândalos desse governo, vem as desculpas infantis q fere até o bom senso daqueles q pensam um pouco. Ao meu ver, claro que será difícil ter um candidato que seja crente, reformado, ético, temente a Deus. Enquanto isso, deve-se escolher o menos cínico, o menos mentiroso, o menos ignorante dos fatos de seu governo, para assumir. Um dos dois é menos, e pelas denúncias que a Coracy, tenta minimizar, não é o Lula. Portanto, votar com o pressuposto de que ambos sao da mesma forma é uma falácia q demonstra realmente juízo, como escreveu o Rev. Nicodemus.

Responder
avatar
Ricardo de Abreu Barbosa
AUTOR
18/10/06 12:13 delete

Caro Coracy, você não está sozinho... também reafirmo que a diferença entre PT e PSDB no quesito ética é de grau, mas não de substância.... e já que qualitativamente as coisas andam mal, é segundo a intensidade das contradições e escândalos que iremos decidir... Aí meu voto para Alckmin,... embora saibamos que de antemão, nada mudará... O jugo divino já está instaurado faz tempo....
Ricardo de Abreu Barbosa
ricardobarbosa@terra.com.br

Responder
avatar
18/10/06 16:17 delete

Coracy e Ricardo... intrometo-me, mais uma vez, no post do Augustus (sem bem que o ponto aqui é debate, logo, não é exatamente uma intromissão).

Ainda que concorde em parte com Ricardo, a questão é de grau e substância (veja um post anterior que escrevi sobre o assunto - Aumenta a indignação, surge a esperança, 24/09), a questão não se resume a isto. Juntamente com o alto grau de corrupção do presente governo, existe a tendência ideológica totalitarista da suposta esquerda... Tenho para mim, que tanto para a mídia que Coracy acusa (e em parte concordo) quanto para PT e os seus, a democracia não representa nada. Por exemplo, ambos são amaziados com regimes como o de Fidel.

Para este povo a democracia é apenas um passo para um ideal maluco de ordem social totalitária. Entre isto e o 'menor grau' do outro lado, fico com o outro lado.

Ainda na questão da mídia, é verdade, toda ela é por demais tendenciosa e sem voz discordante. Não há na mídia brasileira uma grande voz discordante, mas isto não significa que os fatos apresentados pela mesma não possam ser inteligentemente interpretados.

abs

Responder
avatar
silvia
AUTOR
19/10/06 10:46 delete

Quando se trata de política o assunto rende...

Gostaria de ter o mesmo otimismo do Rev. Mauro, mas a cada dia o candidato petista aumenta a distância em relação ao candidato tucano (aliás, meu "ex-patrão").

Se não tiver outra saída, ainda bem que o candidato do PT não tem a mesma disposição que tem (melhor, tinha)o amigo Fidel em ficar 06 horas seguidas discursando (será que o povo pode levantar para ir ao banheiro ou beber água?). Já pensou nós aguentando suas metáforas, ou melhor pérolas, como: "minha mãe nasceu analfabeta" (coincidência, a minha mãe também!)?

Que Deus nos ajude!

Rev. Augustus, mais uma vez parabéns pela postagem!

Abraços

Responder
avatar
guilherme burjack
AUTOR
19/10/06 17:19 delete

olá pastor, apenas uma correção.
os dados não são do IBOPE, creio serem do IBGE, 2000.

um grande abraço,
deste que te admira.
guilherme burjack

Responder
avatar
19/10/06 18:15 delete

Prezado Guilherme,

Muuuuito obrigado pela correção. Vou alterar no texto original.
Abraços!

Responder
avatar
Samuel
AUTOR
20/10/06 14:52 delete

Caro pastor:

Gostaria de deixar um pequeno comentário a respeito destas eleiçoes. Sou da classe média e funcionário público graduado. Estou muito decepcionado com o Lula, tanto por causa da corrupção no alto escalão, como pela imitação do prograna de governo implementado na era FHC. Mas votar em Alckimim é dose pra Leão. Bem ou mal, Lula governa muito mais para o País do que os governos do PSDB, PFL etc. É claro que existem problemas enormes ainda não solucionados, mas o PSDB também não os resolveram. Como servidor público vejo que existe muito menos corrupção no governo Lula do que no de FHC. A diferença é que o alto escalão do PT não soube roubar, enquanto o governo de FHC sempre foi especialista em esconder as falcatruas. Não adianta ficar iludido com Alckimim, pois ele não vai dar jeito em coisa nenhuma. Essa estória de cortar gastos é demagogia, pois já se investe muito pouco em quase nada. Cortar gastos é para pagar mais juros. Porque não negociam a dívida como fez a Argentina? Sou a favor, sim, que se administre melhor os gastos. A administração do governo Lula não é ruim como muitos pensam. Como servidor posso constatar que FHC gastava muito mal e para poucos setores, digamos favorecidos. De qualquer forma acho que o Brasil merece políticos melhores que Lula e Geeeeraldo. Que Deus tenha misericordia e graça para nossa nação.

Responder
avatar
Anderson
AUTOR
20/10/06 20:23 delete

Sem comentarios com essa afirmativa "A reeleição de Lula e do PT é um atestado da falta de autoridade doutrinária, moral e espiritual dos evangélicos em nosso país"

Será que pensa o nobre autor de tal artigo que vivemos em um teocracia, e quando os "religiosos de plantão" e defensores do bem estar nacional fizeram um passeata com o sugestivo nome de "Marcha com Deus e a Familia" esses mesmos que abraçaram o golpe miltar em 1964, e que muitas autoridades evangelicas estava em co- participação com o regime mlitar pois muitos membros dessas igrejas tinham "o pensamneto de esquerda comunista" ora bolas para que ter ummebro assim na igreja né vamos deletar ele para o estado Militar pois assim ganhamos beneficios... Vida humana vale bem menos que as benesses do Estado Militar!!!!
Ora meus senhores para alguns pastores do nosso meio ainda é um grande pecado termos uma visão politica diferente da deles ou seja temos que ser de toda forma conservadores de direita e elitista, pois assim estamos agradando aos reformadores e a "Deus".
Vá me desculpar, mas dizer que a reeleição de Lula é juízo de Deus sobre nós enquanto nação é ridículo...

Responder
avatar
20/10/06 21:57 delete

Coracy,

Já houve comentários que lhe deram respostas, mas deixe-me esclarecer um ou dois pontos.

Não creio que Alckmin é a salvação do país. Nosso país, a essa altura, não tem como escolher candidato ideal, pois nenhum dos dois é. A escolha é pelo menos ruim. E aí, entram também as questões ideológicas de cada um. Portanto, não há messianismo algum quanto a Alckmin e nem minha afirmação é apelativa.

O fato de que a corrupção afeta toda a raça humana não quer dizer que devamos concordar com ela. O fato é que temos um candidato-presidente que está cercado, ele, seus ministros, seu partido, seus amigos, de denúncias de corrupção como nunca se viu nesse país. Não quer dizer que o outro não seja corrupto. Mas, como Mauro já disse num comentário, é uma questão de intensidade. Chegou a um ponto nunca visto antes.

Eu creio na graça comum de Deus, pela qual mesmo pessoas não convertidas a Cristo podem ser boas, justas e honestas. Tem muita gente não crente que é honesta e justa. Tudo isso vem de Deus, que abençoa a humanidade em geral com virtudes, qualidades, dádivas e capacidade. Quando Deus retira sua graça comum (Romanos 1), a corrupção inerente do coração humano vem à tona sem mais nada para impedi-la. Essa é uma das maneiras com as quais Deus retribui o pecado. Um exemplo bíblico é o endurecimento do coração de Faraó (Exodo 14.4) e quando Deus desamparou Ezequias e o entregou ao seu próprio coração como forma de punição e disciplina (2Cron 32.31). É por esse motivo que eu disse o que disse: que a eleição pelo voto direto do povo de governantes marcados pela corrupção é sinal da ação disciplinadora de Deus sobre nós, do seu juízo. Quando Deus quer, ele impede os reis de pecarem contra ele (Gênesis 20.6; Gênesis 35.5; 1Samuel 25.26; Provérbios 21.1).

A falta da autoridade moral, doutrinária e espiritual da Igreja evangélica diante disso não é difícil de entender. Somos 20 milhões de pessoas, que se dizem salvas por Jesus e que seguem a Bíblia. Onde está nossa influência nos costumes, na moral, na cultura brasileira? Os crentes sonegam impostos, se divorciam na mesma proporção que os não-crentes, ficam calados diante da corrupção e da injustiça, e assim por diante. Num país de 20 milhões de evangélicos, o fortalecimento e o crescimento avassalador da corrupção depõe contra nós. Creio, como calvinista, que Jesus é Senhor de todas as dimensões da existência humana e que faz parte do dever da Igreja ao menos protestar diante do abuso do poder da parte dos governantes.

Eu não disse em lugar algum que votar em Alckmin era votar em uma opção contrária à corrupção, pois não sou ignorante dos fatos e da história. Como eu disse, a escolha é entre níveis de corrupção, intensidade de corrupção.

Sobre a mídia, você não deixa de ter alguma razão, ela é sempre tendenciosa. Mas, tem mídia contra e a favor, e os candidatos estão tendo ampla oportunidade de dizer diretamente o que pensam, de dar explicações. Tendo escutado os debates, continuo com a mesma opinião do post.

Sua tentativa de desqualificar a mídia corta dos dois lados, inclusive do seu. Puxa o seu tapete também. Ou você pensa que o Venicios [sic] é livre de tendências, de subjetividade, à que ele submete a mídia em geral? O pior de tudo é que a grande mídia no Brasil é contra Lula e vem batendo nele faz tempo. Leia Veja, leia o estadão, leia Isto É, etc. Apesar disso, Lula continua na frente das pesquisas.

Obrigado pelo seu comentário, não faz mal em ser do contra, ouvir o contraditório sempre é bom, desde que o contraditório seja posto com respeito, como você fez.

Um abraço.

Responder
avatar
20/10/06 22:11 delete

Anderson,

Por que "sem comentários"? é tão absurda assim a minha declaração? é absurda diante do fato que somos 20 milhões de evangélicos e nem ao menos protestamos contra as corrupções que estão sendo todo dia desmascaradas diante de nós? é absurda diante do fato que quase todos os políticos evangélicos estão envolvidos em algum esquema de corrupção?

Precisamos viver numa teocracia para poder protestar contra a corrupção, votar levando ética ou falta de ética em conta? Ou você ainda acha que o Reino de Deus se limita à salvação individual da alma e que o mundo todo que vá para o inferno?

Desculpe não comentar o bloco do meio do seu comentário, não entendi nada do que você quis dizer, deve ser por falta de inteligência minha. Tive a ligeira impressão que você estava criticando a igreja que se aliou aos militares na época da revolução, é isso? Pois eu sou crítico de qualquer aliança política que a Igreja faça com o Estado. Mas, o que é que isso tem a ver com meu post? Por acaso preguei aliança com o Estado?

Deve ter pastores que acham pecado quem pensa diferente deles na política. Eu não conheço nenhum. Deve haver pastores assim em Cuba, aliados de Fidel, ou pastores dos regimes comunistas, que costumam fechar igrejas que não sejam estatais. É desses que você está falando?

Você pede desculpas para dizer que é ridícula a minha afirmação que a reeleição de Lula é juízo de Deus. Não lhe desculpo não, primeiro, porque não é um pedido sincero. Segundo, porque você torceu minhas palavras, eu disse que a reeleição de Lula "pode" ser juízo de Deus -- estou trabalhando com hipóteses, tentando entender o evento. E terceiro, porque você só xinga e não consegue rebater a frase com argumentos. Fica me devendo essa.

Responder
avatar
20/10/06 22:16 delete

Samuel,

Entendo sua angústia, que é de todos nós: votar em qualquer um dos dois é dose. Contudo, além do elemento ideológico, que vale muito para mim, levo em conta os níveis de corrupção, que nesse governo bateram recorde.

Um abraço.

Responder
avatar
samuel
AUTOR
21/10/06 10:16 delete

Caro pastor Nicodemus:

Sou Policial Federal e posso dar minah opinião, acho que isenta sobre os níveis de corrupção. A corrupção no governo FHC era pior, era escondida, bem feita. A Polícia não tinha liberdade para investigar, nem se investia nela. Por isso não se prendia ninguém. No governo Lula houve reforço do efetivo da PF, investimentos e liberdade de atuação. A máquina administrativa federal é razoavelmente administrada. O baixo escalão do PT é formada de gente de bem, séria e esforçada. No alto escalão é que está a corja. Já no PSDB, PFL etc é roubalheira na base, começa com os pequenos, os laranjas, e chaga lá em cima. Só que não é fácil pegar as ratatuias, porque eles estão há anos roubando, já são especialistas. O pessoal do PT não sabia como roubar direito, por isso veio tudo à tona. Mas os níveis de corrupção no governo de FHC eram os mesmos ou piores, não se engane. Há esquemas que investigamos que vem desde 1994. Todo mundo da turam do FHc e deputados sabiam destes esquemas de fraudes, principalmente em licitações, e não faziam nada para apurar, porque se beneficiavam do esquema. Com isso não estou dizendo que Lula é muito bom. Só estou afirmando que a corrupção no governo de FHC era a mesma coisa ou pior. Aqui na PF temos liberdade para atuar, nunca um chefe falou pra deixar de investigar esta ou aquela pessoa. Prova disso é que o dossiê foi descoberto pela PF.Acredito que Lula foi, no mínimo, omisso com a corrupção. Mas FHC, tenho certeza, sabia e compactuava com ela.

Abraços.

Responder
avatar
Julio Severo
AUTOR
21/10/06 15:50 delete

Parabéns pelo excelente texto, escrito com muita lucidez e sabedoria, Rev. Augustus! Gostei tanto que estou repassando a todos os meus amigos.

Responder
avatar
21/10/06 19:03 delete

Júlio,

Obrigado, fico honrado com sua decisão, abraços aos amigos todos.

Augustus

Responder
avatar
21/10/06 19:12 delete

Samuel,

Corajosa sua declaração aqui. É uma opinião de dentro da corporação, o que pode lançar luz sobre um monte de coisas.

Eu lhe perguntaria somente o seguinte: nos governos anteriores, quaisquer que tenham sido, a corrupção atingiu níveis institucionais? Note, nesse governo a corrupção é organizada e se instalou nas nossas instituições: Banco do Brasil, Correios, ministérios, etc. etc., assessoria da presidência, cúpula inteira do partido do governo, etc. Eu sei de escândalos e corrupções envolvendo indivíduos nos governos anteriores, mas organizações e instituições públicas inteiras?

De qualquer forma, mesmo que fosse a mesma coisa (o que duvido), ainda assim meu ponto no post continua: vamos eleger pelo voto direto um governante sob suspeita de corrupção clara, exposta e publicada, COMO NUNCA TINHA SIDO DESCOBERTO E DIVULGADO ANTES. Se relegeram FHC antes é porque não sabiam, como você disse. Mas agora, o povo sabe e marcha para a reeleição como se corrupção não fosse importante. Daí minhas ponderações.

Um abraço.

Responder
avatar
samuel
AUTOR
22/10/06 13:44 delete

Caro Pastor Nicodemus:

A corrupção é a mesma, sempre em órgãos e empresas que movimentam muito dinheiro. E o que veio a tona ainda é pouco. É igual ao tráfico, só pega 10% do que é movimentado. De qualquer forma, os dois candidatos são ruins. mas não é elegendo o Geraldo que se pensa que a corrupção vai acabar. Acho que o PSDB e o PFL tem programas de governos voltados para beneficiar poucos empresários, botando a culpa do atraso nos servidores. Lula fica com programas assistenciais, como se fosse dar jeito. Não sou contra eles, mas são 10 milhões de votos garantidos. Mas com toda certeza os governos de esquerda tendem a prestigiar os servidores, enquanto os de direita ficam terceirizando tudo para os da turminha, isto é, parentes, irmãos etc. Não falo isso pra defender meus interesses. Acho que o serviço público deve ser efeiciente, enxugado e cobrado. Mas não é ficando 8 anos sem aumento, como em FHC, que se melhora as instituções. Hoje no governo Lula os servidores estão tendo seus salários reajustados. A Polícia Federal está trabalhando porque os policiais ganham uma bom salário. Aí em são Paulo a Polícia se mistura ao PCC porque um Delegado ganha 3000 Reais. É isso que o PSDB e o PFL fazem. Eles deixam tudo que é público se estragar, para depois vender por preço de banana. Aí vem para o público e diz que foi a privatização que deu jeito. Não sou contra a privatização, mas eles privatizam para a patota deles. são milhões de reais e interesses envolvidos.
Legal este espaço de voces. Só espero que não se envolvam muito diretamente com política, ou melhor, baixa política que é feita no Brasil. Que Deus abençoe vocês a encontrar uma forma de participar sem se misturar com esses interesses mesquinhos que rola no congresso, assembléias, prefeituras etc. É muita roubalheira. Os sanguessungas que sirvam de exemplo para todos os evangélicos. Que DEus tenha misericórdia de nós e nos abençoe.

abraços e bom trabalho.

Responder
avatar
allen vaz
AUTOR
23/10/06 01:25 delete

Prezado Pastor,

Concordo com suas assertivas.

Gostaria de dizer que os evangélicos hoje no Brasil estariam mais para o atual PMDB, buscam muito mais os favores do poder do que influenciar positivamente este poder. Acho que aí falta a leitura de Nancy Pearcey, a falta de uma cosmovisão cristã para dar alicerce cristão e ético para as decisões dos blocos evangélicos.
O Brasil fica com os exemplos ruins e oportunismos de evangélicos e os políticos.
O duro é que grande parte da pequena inteligetsia evangélica, sempre foi de esquerda, assim para não se contradizerem, não poderão ficar ao lado da ética, e vão bandear para conveniência, não do poder, mas do prestígio, que não deixa de ser a mesma carne no fundo.

Falta aos evangélicos:

1o. Uma penetração mais profunda nos costumes e cultura nacional. O atual presidente jacta-se de ser o 1o. a ser evangélico. Será que foi?
A media tem uma visão distorcida que nós somos todos imbecis e sem qualquer opinião política.

Até quando ficaremos negando o que pensamos, ficaremos andando no bonde da imorelidade e seguindo os exemplos ruins.

Quando resolveremos ser sal da terra afinal?

Responder
avatar
23/10/06 12:14 delete

O q se pode notar nos comentários e q se percebe da maioria daqueles q optam por votar em Lula é q eles sempre têm a motivaçao de melhora corporativista, como falou o Samuel. Aqueles q votam no Alkmim, tem apenas uma motivaçao: ética. Já q esse governo foi desmacarado pela corrupçao, devemos puni-lo; caso o Alkmim ganhe e seja desmacarado, deve-se punir também como o voto.

Responder
avatar
Patrícia Pacheco
AUTOR
23/10/06 13:33 delete

Olá Pr. Augustus,
Até agora eu não tinha lido nada sobre a eleição tratado à luz do cristianismo.
Achei brilhante o seu post. Apesar de atualmente estar bastante inclinada a votar nulo (algo que nunca fiz em nenhuma outra eleição), achei mto interessante ler o seu texto.
Me esclareceu muitas dúvidas, não especificamente sobre o governo Lula, mas principalmente sobre o contexto de corrupção e "lei de Gerson" - todo mundo querendo tirar vantagem de tudo - que vivemos em nosso país.
Grande abraço,
Patrícia Pacheco

Responder
avatar
23/10/06 14:09 delete

Prezado Samuel,

Faço uma 'infiltração' nas respostas. Creio que ainda faltou vc entender a diferença entre duas coisas que Augustus diferencia no post: se houve a mesma ou pior corrupção anteriormente, o povo não sabia, mas agora sabe... essa corrupção, obvia e visivelemente, esta instituida entre todos os escalões próximos do atual presidente e, ao contrário do mesmo, TODO MUNDO SABE, está por toda a mídia com provas irrefutáveis. Votar para o atual estado de coisas é BARATEAR ainda mais o estado da moral da nação que ELGEU o ministro que, se sabe, MANDOU QUEBRAR O SIGILO bancário de um caseiro para tentar se livrar de seu próprio ato de corrupção. Ou seja, em tudo isto vamos terminar de assinar o decreto do ROUBA, ENGANA, mas faz. Essa é a diferença.

Eu acredito no que vc diz, que só 10% da corrupção vem a tona, mas quando a oficializamos, a moral ainda se torna mais baixa e o juizo pode se tornar ainda maior...

abs
Mauro

Responder
avatar
Michelson
AUTOR
23/10/06 15:33 delete

Realmente salta à vista a hipocrisia de um povo que condena verbalmente a roubalheira governamental, mas que, no dia-a-dia, vive sob a Lei de Gerson.

www.michelsonborges.com

Responder
avatar
23/10/06 20:26 delete

Irretocável.

Abração, professor!

Responder
avatar
24/10/06 10:12 delete

Prezado,
Texto muito bem escrito e fundamentado! Porém creio que Deus quando se referia "nao há autoridade que não venha de Deus" estivesse falando de autoridade no sentido literal da palavra. Aquela em que o lider comanda sem coações. Exemplo: Jesus.

A política proveniente do sistema atual não pode ser comparada com autoridade, e sim com poder, e existe uma grande diferença entre poder e autoridade (veja no livro " O Monge e o Executivo).
Assim quando Lula e seu bando se reelegem mostra-nos uma outra lição: Poder gera poder. Ele manipula a massa e a massa o reelege!
Assim será enquanto estivermos no sistema "democrático" e capitalista....E creio, Deus nada tem haver com isso!
Ele nos deu livre arbítrio, assim fazemos escolhas e colhemos os frutos dela.

At;

Ivânia

Responder
avatar
24/10/06 21:21 delete

É bom saber que ainda existem homens de Deus que olham pra história do Brasil pelos óculos da soberania de Deus.

Deus o abençôe grandemente Pr. Nicodemus.

Responder
avatar
Leonardo Menezes
AUTOR
25/10/06 10:49 delete

Ao senhor Augustus Nicodemus, será que podemos considerar iguais a atitude de Deus, em reeleger lula, a rebelião de lúcifer ou com a queda de Adão e eva?
Com tudo isso, teremos um partido por mais quatro anos roubando na cara dura, que tem ligações fortes com o comunismo,da mesma forma que as atitudes do primeiro casal trouxe morte,doença e etc.
Eu poderia até aceitar o calvinismo, o controle total de Deus, mas aceitaria por ser menor que Ele, não por amor.
Porque eu serviria um Deus soberano não amoroso.

Responder
avatar
25/10/06 12:01 delete

Augustus, cumprimento-o em Cristo.

Por favor, o que é "teologia relacional". Onde posso ler mais sobre isso?

Responder
avatar
25/10/06 21:14 delete

Luis Eduardo,

Tem um artigo meu sobre o assunto nesse endereço: http://www.monergismo.com/textos/presciencia/augustus_teologia_relacional.htm

Abraços.

Responder
avatar
25/10/06 21:27 delete

Caro Leonardo,

VocÊ pergunta "será que podemos considerar iguais a atitude de Deus, em reeleger lula, a rebelião de lúcifer ou com a queda de Adão e eva?"

Sim e não. Sim, pois todas essas coisas acontecem pela permissão divina, ainda que nem sempre entendamos os motivos. E não, porque a rebelião de Lúcifer e a queda de Adão e Eva foram eventos de efeito cósmico que afetaram espiritualmente a humanidade até hoje. Sem dúvida, ocorreram porque Deus assim permitiu. A reeleição de um lider por voto democrático do povo, líder esse cercado de denúncias e mais denúncias de envolvimento direto em corrupção, é um sinal, para mim, de que Deus está nos entregando à cegueira de nossos corações, conforme Romanos 1:24,26 e 28.

Esse líder poderia ser de qualquer partido. Meu ponto é que corrupção não está mais fazendo diferença alguma no julgamento do povo.

Você disse: "Eu poderia até aceitar o calvinismo, o controle total de Deus, mas aceitaria por ser menor que Ele, não por amor." Eu respondo que continuo amando a Deus, até mais, desde que me tornei calvinista em 1999. O que me "constrangeu" não foi um senso esmagador de tirania, mas a glória, o poder, a sabedoria e a majestade de Deus.

Você pergunta, "Porque eu serviria um Deus soberano não amoroso." Eu respondo, esse não é o Deus da Bíblia. A Bíblia diz, "Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho". Ele é amor. Só que a mesma Bíblia diz que Deus predeterminou que Seu Filho fosse traído e crucificado por mão de pecadores, para que Seu amor pudesse ser concretizado. Ou seja, ele é Soberano e Amoroso ao mesmo tempo.

Um abraço.

Responder
avatar
25/10/06 21:38 delete

Ivânia,

Você disse, "creio que Deus quando se referia 'nao há autoridade que não venha de Deus' estivesse falando de autoridade no sentido literal da palavra. Aquela em que o lider comanda sem coações. Exemplo: Jesus".

Eu respondo que "autoridade" em Romanos 13 é a autoridade civil, do Estado e não de líderes religiosos que lideram pelo exemplo, como Jesus foi e todos os demais líderes religiosos devem ser. Note que Paulo diz em Romanos 13 que a autoridade traz a espada, que ela pune os malfeitores. O que é isso, senão poder para impor a verdade e para punir a injustiça? Sua interpretaçção não faz sentido.

Você disse ainda, "Assim será enquanto estivermos no sistema 'democrático' e capitalista....E creio, Deus nada tem haver com isso!" Não sei exatamente a que você se referiu, mas acredito que Deus tem a ver com tudo, sem que com isso ele seja o autor do mal ou responsável pelo pecado de suas criaturas. Leia aqui mesmo nesse blog meus posts sobre Calvinismo, predestinação, soberania de Deus e liberdade humana.

E por fim, você disse, "Ele nos deu livre arbítrio, assim fazemos escolhas e colhemos os frutos dela." Bom, espero que não seja esse meu caso, pois se Deus fosse realmente me julgar e recompensar por todas as minhas escolhas, eu estaria perdido e condenado. Já errei muito na vida. Acho que você também, Ivânia. Contudo, a misericórdia e o amor de Deus triunfaram sobre seu "livre" arbítrio, não é mesmo? Eu confio no Deus soberano que apesar das minhas escolhas erradas determinou me amar, me salvar, me preservar e me chamar para ser um de seus filhos. Hoje eu o amo e sigo por tudo o que Ele fez por mim, miserável pecador que já errou muito na vida.

Um abraço.

Responder
avatar
Leonardo Menezes
AUTOR
26/10/06 08:46 delete

Caro Nicodemus, se a uma predestinação defendida pelo calvinismo, eu não vejo razões para se ensinar a biblia ou ler a biblia, por ja esta predestinado oque vai ocorrer com todos nós.
O motivo que leio a biblia, para minha edificação,o motivo que prego a biblia para os não cristãos conheçam a cristo.
Mas para que pregar, se há uma predestinação?

Peço que o senhor não me tenha mal, oque quero é dialogar.

Abraços...

Responder
avatar
26/10/06 13:00 delete

Rev Augustus,

Vou postar aqui o que já escrevi em outro blog, pois tem a ver com o assunto trato aqui:

Uma das marcas históricas dos partidos de esquerda é que como enxergam a História do ponto de vista material de luta de classes, e assim os fins acabam justificando os meios, se preciso for, usa-se a força, mente-se, mata-se gente, rouba-se, mas implanta-se, à força a reforma agrária, para citar um exemplo. Até guerrilha se faz e fez aqui no Brasil por causa disso. A História está aí para provar. É este desrespeito ao Estado de Direito, às leis, aos contratos, ao cidadão que trabalhou, conseguiu, pela benção de Deus ser próspero, e agora, deve dar "ao Partido/Estado", forçosamente, aquilo que por bem, honestamente, adquiriu ao longo do tempo. O que não implica que não devemos pregar a ajuda ao próximo. Mas confiemos no poder do Evangelho e não das espadas para isso.

O populismo precisa acabar neztepaís, pois parece que anda de mãos dadas com Nimrode. Porém quem tem dado o pior exemplo público e notório contribuído para a perpetuação da imagem popular acima de quaisquer valores é o Lula, infelizmente. Enquanto na Europa se exige que o governante que mentiu sobre números da economia renuncie, aqui no Brasil, por muito mais, ninguém nada faz. Enquanto que na Suécia, as ministras da cultura e do comércio pedem demissão porque foi descoberto que elas não assinavam a carteira de suas respectivas babás, aqui no Brasil, por muito mais, ninguém faz nada.

Além disso, Jesus não veio pregar a igualdade social, e sim, a salvação para todos (judeus e gentios, ricos e pobres), o que é diferente do discurso que se faz na leitura da Bíblia com as lentes da Teologia da Libertação. O sermão do monte e outras passagens que falam sobre o amor ao próximo se refere somente aos crentes, aos que podem, pelo Espírito agir desta forma. Não somos como os muçulmanos que querem colocar por meio da força os padrões do Al Corão para a humanidade. O melhor exemplo, neste sentido, é o caso de Atos dos Apóstolos. A Igreja, sem coerção, sem constrangimento, recebia doações voluntárias. Quando alguém tentou se utilizar deste expediente para se destacar - Ananias e Safira - foram fulminados pela ira divina. Ou seja, "Não é por força ou por violência, mas por meu Espírito, diz o Senhor".

Como Lloyd-Jones entendia, o mundo iria mudar muito mais se cada cristão fizesse a sua parte. Os regimes totalitários/autoritários temem o que a Igreja pode fazer pelo mundo ainda! A corrupção dos valores cristãos na nossa sociedade é notória e quanto pior, melhor para estes regimes. Lembremo-nos que não houve um "revolução francesa" na Inglaterra porque haviam ali cristãos comprometidos com os valores cristãos. Um dos testemunhos mais significativos foi quando o protestantismo na Inglaterra acabou com a pobreza praticamente. Não se via mais mendigos ou vagabundos. O espírito puritano do trabalho, da responsabilidade individual e da conceito de "beruf" (vocação divina) em qualquer área da vida, fez com que a sociedade ocidental, principalmente a germânica-anglo-saxônica, fundamentados sob os princípios da ética cristã, da responsabilidade social de cada indivíduo, a confiança da Providência Divina, e de que não é nem por força e nem por violência, mas pelo Espírito que o homem e a sociedade são transformados, são evidência de como um sociedade transformada pelo Evangelho pode vir a ser um farol no meio de tantas trevas.

Devemos ter uma discurso que privilegia verdadeiramente a responsabilidade individual e a comunhão direta com o nosso Provedor, Deus e pedir que o Senhor avive a Sua Igreja para que o mundo não venha a se socorrer de ideologias políticas que consideram a História do ponto de vista material do confronto de classes para sua esperança.

Incentivemos a liberalidade, a voluntariedade, a alegria de ajudar. Para muitos é inconcebível que um dos maiores ícones do mundo capitalista, Bill Gates, pudesse doar milhões para ajudar outros seres humanos. Onde fica aí a luta de classes? Um exemplo destes é terrível para este discurso. Se cada um de nós fizesse a sua parte, como cristãos, não teríamos tanta gente morta por estes "regimes salvadores" e populistas, principalmente na Europa Oriental. Regimes que inspiraram a luta armada e guerrilhas aqui na América Latina, inclusive aqui no Brasil e que foi um dos motivos do golpe de 64.

Se cada um de nós, como cristãos fizer a sua parte, se cada igreja estiver vivendo fazendo a sua parte, não serão regimes políticos que mudarão o nosso País, mas a exemplo da História Protestante, teremos uma mudança genuína. Basta que o Senhor tenha misericórdia de nós e derrame sobre nós o Seu Santo Espírito. E digo mais, misericórdia não só da Igreja, mas dos pecadores que levantam outros deuses para si esperançosos de que a salvação se encontre ali.

Responder
avatar
26/10/06 13:05 delete

Irmão Leonardo,

Se me permite, sugiro que leia o texto do seguinte link: http://pro-nobis.blogspot.com/2006/07/predestinao-algumas-reflexes.html e consulte o site www.monergismo.com

Responder
avatar
irmão Alex
AUTOR
26/10/06 16:24 delete

Caro Augusto,

Depois de ler seu artigo não tive como evitar o pensamento de que o presidente Lula é a réplica, guardadas as devidas proporçôes, da mulher pega em flagrantes adultério como descrto em João 8.
A diferença é que seus acusadores não hesitam em jogar as pedras.

Abraços

irmão Alex

Responder
avatar
Carlos Trapp
AUTOR
26/10/06 16:34 delete

Rev. Nicodemus,
Interessante o que foi postado. E eu gostaria de acrescentar uma preocupação minha. Porque a Igreja Evangélica não luta mais contra a homossexualidade, a promiscuidade, a indisciplina, as novelas que divulgam lixo?
Quero destacar uma coisa: a promiscuidade, indiretamente estimulada pelo governo através das campanhas mal conduzidas contra a Aids, ao estimular o uso de camisinhas, pois isto avilta e embrutece o ser humano, sendo que nós temos a solução para a questão que é a pureza sexual. O que está acontecendo? Temos vergonha de falar sobre isso? Não vemos nada de errado com a promiscuidade? Pensamos que não podemos propor isso para todas pessoas, todos os cidadãos?
A igreja deve ser a consciência da sociedade; não precisamos rotular essa proposta como coisa religiosa, mas como questão de saúde.
A Igreja Católica é bem mais clara nisto; agora, nós evangélicos parece que concordamos com a promiscuidade.
Tal campanha (do governo), não serve para mim, nem para a igreja, muito menos para a sociedade.
De tanto se tocar nesta tecla do uso da camisinha, já se criou a idéia de que não há necessidade de respeitar ninguém e que o único erro é não usar camisinha.
A igreja deve influenciar positivamente a sociedade, caso contrário o Brasil se tornará um grande prostíbulo.
Acho estranho as vezes pegarmos no pé dos políticos, que estão errados, mas deixar de confessar nossos erros e não ensinar o que convém.
Viva o respeito, a dignidade e a pureza sexual! E sonhemos com um país onde se pode confiar nas instituições e se pode vender jornais numa praça, apenas colocando o preço e uma caixinha para colocar o dinheiro, ou seja, um 'self-service' de venda de jornais.
Espero ter sido útil.

Responder
avatar
Leci Miriam Silva
AUTOR
26/10/06 20:21 delete

Pr. Nicodemos

Observando bem de perto a foto do gorila, e depois comparando com a sua, começo a pensar se Darwin não tinha mesmo razão! (hihihi)

Um grande abraço, e obrigada pelo brilhante texto.

Leci

Responder
avatar
Alberto Costa
AUTOR
27/10/06 13:22 delete

Prezado Nicodemus,
Sendo um cristão de confissão reformada, batista por convicção e tradição histórica, presbiteriano circunstancialmente (por ter-me tornado membro de uma igreja presbiteriana recentemente - isso pode ser difícil de explicar e não pretendo fazê-lo aqui), estou absolutamente de acordo com suas premissas e com a maior parte de suas conclusões em seu post. Vou votar no Alckmin porque entendo que o PSDB tem um projeto de governo menos pior que o do PT (isso é uma convicção que remonta à fundação dos dois partidos, que presenciei - tô velhinho, em meus 46 anos!). Jamais votei em pessoas para a função da presidência da república (quando as alternativas eram o Lula e o Collor, anulei o voto naquele segundo turno, pois no PT eu não voto e o Collor não tinha um partido que pudesse usar esse nome legitimamente). Naquele momento, o Lula parecia melhor candidato que o Collor para mim, naquele momento. A história nos conta o resto.

Assim, não sou homem de ter qualquer ilusão a respeito do caráter de homem algum. Somos todos, por justiça, dignos do inferno com louvor e medalhinha de honra ao mérito. Creio que concordamos nisto. Isto para que você e os outros saibam com quem estão falando nesse assunto.

Há algo que gostaria de salientar, talvez em oposição (não estou tão certo disso) a algumas afirmações feitas nessa discussão. E tem a ver com as afirmações a respeito da quantidade de evangélicos neste país. Primeiro, nesse balaio de gatos o IBGE enfia todo tipo de animista que usa o nome de Jesus em seus rituais mágicos e todo tipo de escritor/compositor de música "cóspel", a maior parte da qual não vale o guardanapo de mesa em que foi escrita. Segundo, dado o nível da pregação "evangélica", mesmo nas igrejas mais tradicionais, é preciso lembrar que a fé vem pelo ouvir e o ouvir pela pregação da Palavra de Deus. Se esta não for pregada ou for pregada de modo distorcido, não há como falar dos resultados como conversão de homens pecadores em discípulos de Jesus. Então, sem fazer julgamentos individuais, tenho razões para crer que, grosso modo, devamos falar em não mais que poucos milhares de efetivos discípulos de Jesus neste país. E, individualmente, cada um de nós deve ter a postura de Paulo, que, conquanto tivesse a consciência tranqüila, sabia que o único julgamento válido é o do Senhor - e manter o temor de Deus (do qual pouco se fala, lendo-se erroneamente Romanos 8), porque, como disse Jesus, é necessário fazê-lo em face da possibilidade de perda da nossa alma no inferno. Isso não elimina a alegria em Cristo, mas dá sobriedade em lugar de ufanismo.

O IBGE não tem ferramenta ou critério algum que permita dizer quantos discípulos de Jesus há neste país. Mas creio ser possível encontrar mais cristãos verdadeiros em alguns países asiáticos em que se sofrem grandes restrições, do que neste enorme país, que se jacta de enviar missionários para a janela 10-40 e outras área menos livres. E, hoje, vale o mesmo para as nações de onde proveio o Evangelho que nos alcançou.

Tenho dito que este é um país católico e que todos nós somos católicos. Porque, naquilo que é inconsciente, nós reproduzimos automaticamente a cultura-mãe (isso é o que Paulo presume em Rm 12:1-2). Então, eu sou batista, porque creio no batismo de crentes após profissão de fé, etc., etc., etc.... Como esse é um tema inicial do tornar-se batista, torna-se consciente e torno-me batista. Como meu pastor ou discipulador nunca discutiu comigo as questões referentes à questão da autoridade (em todas as suas aplicações), nesse assunto permaneço católico (minha cultura de berço). Resultado: confesso-me batista, mas admito ser democrata (típico de batistas), socialista (típico de evangélicos de classe média com senso de culpa em face da pobreza no mundo e no país), neo-pentecostal (em minha forma de culto e na "evolução" do meu conceito de governo da igreja, que equivale a ser católico, episcopal, etc.). Por que? Porque nesse tema, não tendo sido refletido à luz das Escrituras, não fui convertido do catolicismo básico, cujo conceito de autoridade embasa (por ação ou por reação) essas outras "identidades". Romanos 12:1-2 é O texto numa situação cultural como a que vivemos.

E mais não digo, pois outras tarefas me chamam.

Mas foi bom lê-lo e à maior parte dos comentários que provocou. Abraços.

Responder
avatar
Monica
AUTOR
27/10/06 21:15 delete

Olá.

Não sou nenhuma estudiosa nem nada, mas, na minha visão tudo é bem diferente...

Na minha opinião, não tenho a menor dúvida de que o Alkmin vai ser o nosso próximo presidente.

Tenho visto o operar de Deus no nosso país. Ele tem humilhado os soberbos e exaltado os humildes. Tem mostrado ao povo dele que é ele quem manda, e que é digno de temor.

Este blog e estes comentários confirmaram ainda mais a minha opinião de que o Alkmin vai ganhar, porque Deus quer mostrar que ele reina, e que é justo e soberano.

Em Provérbios está escrito que quando o ímpio reina o povo geme, mas quando o justo governa, o povo se alegra.

Creio que o povo já gemeu o bastante, e Deus ouviu a nossa súplica.

Penso que a maioria dos pobres que vão votar no Lula, não sabem o que é melhor para eles, mas Deus sabe.

Creio que Deus quer o bem de todos, não importa o que queremos.
Muitas vezes perdemos um ente querido, ou algo inesperado acontece, mas com sabedoria conseguimos visualizar a obra de Deus e o glorificamos!

Na minha opinião, Deus está fazendo uma obra gigante neste país, e muitos, inclusive evangélicos que pensam que o conhecem, ainda se surpreenderão e verão que Deus é bom.

Responder
avatar
allen vaz
AUTOR
28/10/06 15:24 delete

Estive lendo um livro importante e talvez non grato por aqui Políticas dos Homens e Políticas de Deus do Jacques Ellul.

Dentro do perfil traçados dos reis no periódo de Eliseu, quem seria Lula hoje?
Jéu ou Jeroboão?

Um homem que desmonstra a morbidez e insenssibilidade que se chegou a sociedade brasileira, onde valores são apenas questões monetárias. Vejam as campanhas é só números para lá e pra cá, valores do ponto de vista de axiologia acabaram-se.

Se a política não tem nenhuma valoração, é simplesmente um cálculo racional e secular, o reino do possível, mesmo assim continuar a mesma panacéia desmontra que nem calcular nós sabemos mais, quanto mais buscar valores além de números, além do pó que somos.

O Luis Nassif disse algo interessante: quando se fala mto em numero é porque nao se sabe o que falar.

Qto a mulher adúltera:

A mulher adúltera teve a dignidade do auto-conhecimento e da confissão...não se esqueçam...E no caso da mulher adúltera não foge do texto do Pr. Augustus, afinal lá tanto aqui, o dedo está apontado muito mais para nós que não enxergamos a realidade nossa do que para o presidente que também não quer enxergar a sua.

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
30/10/06 10:10 delete

Pois é, o Lula foi reeleito, se cremos que Deus é soberano e que nada, absoutamente nada esta fora do Seu controle e dominio e força, então somos levados a afirmar que Deus não só permitiu, como pré-ordenou. confesso ainda que queria que o Alkmin ganhasse, mas ele perdeu.
Nosso presidente agora, é o Lula, e devemos orar por ele, por mais que não queiramos, por mais que lutemos contra essa idéia.

É com muita relutancia que me coloco a orar.

Abraços e fiquem com Deus.

Responder
avatar
Leonardo Menezes
AUTOR
30/10/06 11:52 delete

Caro Charles L. Grimm,
Eu não consigo enxergar tudo programado por Deus, isso é permitir que pessoas "não escolhidas", venha a esse mundo para apenas sofrer, sem ter a oportunidade de escolha.Escolha que Adão e Eva tiveram, a mesma que lúcifer e seus anjos tiveram.
Ao lado de Jesus na cruz, eram dois ladrãos, oque se arrependeu estava então "predestinado"? Ele provavelmente matou, ou roubou e mesmo assim por ser "escolhido", naquele dia mesmo estaria com o Senhor no paraiso.
Isso tudo no minimo é servir a um Deus controlador, sendo assim seria o lógico nem ter tido a iniciativa de ter nos criado, e sim ter continuado com a adoração de seus anjos.
abraços Charles L. Grimm.

Responder
avatar
31/10/06 02:25 delete

Algumas horas passadas das eleições tento refletir sobre pensamentos (!?) que ouvi e li nos últimos dias.
Vi muita gente, usando religião para criticar o governo que se repetirá por quatro anos tendo como pretexto a defesa da ética política.
Além disso ouvi coisa séria. Ouvi gente despejando maldição sobre o país. Maldição que nem Deus colocou, mas que colocaram sobre o Brasil aqueles que as proferiram em nome do que “entendem ser Deus”.

Li sobre a ira de Deus que estaria sobre o Brasil se o Lula ganhasse de novo. Ouvi isso de amigos calvinistas (poxa, logo os calvinistas que eu prezo tanto!) e tento entender como chegam a esta conclusão.

Não consigo.

Como tiveram a audácia de sondar a mente do Senhor desta forma? (I Co 2.16)
Ou será que as previsões políticas, quando não são do seu agrado, também não são do agrado de Deus?

Ora, porque se, como calvinistas que são, entendem que mais um ano do PT é castigo de Deus sobre a nação, então esta só poderia ser a vontade de Deus: castigar a nação!
E sabendo que esta era a vontade de Deus desde o início, votando eles no Alckmin, votaram contra a vontade de Deus!

Sei que não fizeram isso.

Fizeram sim justificar a vitória do governo com o qual não concordam (e tem todo o direito de não concordar) com suas visões pessoais de Deus. E isso é perigoso. Tornar Deus tão pessoal, tão domesticado, que podemos abençoar e amaldiçoar, dizendo que foi Ele.
Guarde-se de fazer isto.

Vi e ouvi gente dizendo que não ia votar no Lula por causa da corrupção[1] do primeiro mandato. Mas foram poucos os que vi declarando o porquê de votar no Geraldo.
Fizeram do seu voto uma inutilidade, não como suporte de uma realidade política que condizia com o seu ideal, mas para evitar algo que não gostariam que acontecesse. Até aí é o direito de cada um, apesar de não entender essa posição. Afinal tornaram seu voto inútil, não porque votaram em quem votaram, mas porque votaram sem acreditar nem conhecer as propostas do candidato escolhido.

Seu direito... Sua escolha...

Mas não me venha falar de castigo de Deus sobre o Brasil!
Vamos crescer como gente e em nosso relacionamento com o Senhor, aprender a perder (se é que evitar os girondinos é derrota!) e – principalmente – orar pela paz de nossa cidade (Jeremias 29.7).

“Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR; este, segundo o seu querer, o inclina.” (Pv 21.1)


[1] Aliás esqueceram completamente dos anos de corrupção com PSDB e FHC, com propinas e favorecimentos nas privatizações, compra de votos de parlamentares, Proer, Sudam, verbas do BNDES, Fundação Teotônio Vilela, Calote no Fundef, desvios na Sudene, Marka/FonteCindam, Sivam... dentre outras barbeiragens. Afinal corrupção é novidade do governo Lula? Faça-me o favor!

Responder
avatar
31/10/06 09:40 delete

André Aguiar Lisboa,

VOCÊ DISSE: "Vi muita gente, usando religião para criticar o governo que se repetirá por quatro anos tendo como pretexto a defesa da ética política."

RESPONDO: Sim, e da minha parte é o que você vai ouvir por quatro anos, mesmo que Alckmin tivesse ganhado a eleição. É tarefa do cristão sério e instruido aplicar os princípios éticos do Reino inclusive à política.

VOCÊ DISSE: "Além disso ouvi coisa séria. Ouvi gente despejando maldição sobre o país. Maldição que nem Deus colocou, mas que colocaram sobre o Brasil aqueles que as proferiram em nome do que “entendem ser Deus”."

RESPONDO: É coisa séria mesmo. Mas, você entendeu errado. Não despejei maldição sobre o país. Disse apenas que um país que elege um governante pelo voto direto, governante esse envolvido em escândalos relacionados com malversação da coisa pública, escândalos que nunca antes foram tão conhecidos, expostos, declarados e do conhecimento do povo, é sinal de que a ética, a moralidade, a verdade, a justiça e a honestidade deixaram de ser valores importantes e prioritários para o eleitor brasileiro. Sempre teve corrupção, mas era abafada, desconhecida. Dessa feita, veio à público de maneira inusitada. E ainda assim, foi eleito. Entendo como sinal de que Deus retirou o discernimento espiritual de sobre nós, o que é uma forma de juizo.

VOCÊ DISSE: !Li sobre a ira de Deus que estaria sobre o Brasil se o Lula ganhasse de novo. Ouvi isso de amigos calvinistas (poxa, logo os calvinistas que eu prezo tanto!) e tento entender como chegam a esta conclusão. Não consigo."

RESPONDO: Obrigado por nos prezar. Quanto a não entender, acho que continuará a não entender até que seu conceito de Deus mude de um ser tolerante, sem padrões éticos, sem vontade soberana, sem noção de justiça e sem zelo pela sua glória, para o Deus da Bíblia.

VOCÊ DISSE: "Como tiveram a audácia de sondar a mente do Senhor desta forma? (I Co 2.16)"

RESPONDO: Você está usando o texto de 1Cor 2.16 errado. O texto está falando do mistério de Cristo que antes estava oculto e que agora foi revelado pelo Seu Espírito. E que os espirituais, que têm a mente de Cristo, esses, sim, conhecem a mente do Senhor, pois têm a mente de Cristo. É impressionante como vocês distorcem a Bíblia, ignoram o contexto. Conmo você tem a audácia de usar a Bíblia de forma tão errada para dizer exatamente o contrário daquilo que ela está dizendo? E quando você afirma no início de seu comentário que Deus não colocou maldição alguma -- que audácia a sua de afirmar isso! Como você sabe?

VOCÊ DISSE: "Ou será que as previsões políticas, quando não são do seu agrado, também não são do agrado de Deus?"

RESPONDO: De forma alguma. Se você leu o início do meu post, verá que eu comecei dizendo que se Lula for reeleito, será pela vontade de Deus.

VOCÊ DISSE: "Ora, porque se, como calvinistas que são, entendem que mais um ano do PT é castigo de Deus sobre a nação, então esta só poderia ser a vontade de Deus: castigar a nação! E sabendo que esta era a vontade de Deus desde o início, votando eles no Alckmin, votaram contra a vontade de Deus!"

RESPONDO: Que lógica torta, André! Que caricatura mal feita do nosso pensamento! Para começar, não é um ano de PT, mas quatro, a não ser que você esteja profetizando um impeachment.

VOCÊ DISSE: "Fizeram sim justificar a vitória do governo com o qual não concordam (e tem todo o direito de não concordar) com suas visões pessoais de Deus. E isso é perigoso. Tornar Deus tão pessoal, tão domesticado, que podemos abençoar e amaldiçoar, dizendo que foi Ele. Guarde-se de fazer isto."

RESPONDO: André, para nós, calvinistas, Deus tem controle de todas as coisas de uma forma em que nem a liberdade das criaturas e nem as causas secundárias ficam prejudicadas, e nem Deus é o autor do mal. É esse o pensamento calvinista, exposto, declarado e pregado a todos. Dentro dessa perspectiva, que evidentemente você ignora, Deus pode permitir a ascenção de autoridades para cumprir seus propósitos de julgamento e juízo. Se fosse o Alckmin que estivesse cercado de denúncias tão claras de corrupção e ele fosse eleito, minha palavra ainda seria a mesma.

VOCÊ DISSE: "Vi e ouvi gente dizendo que não ia votar no Lula por causa da corrupção[1] do primeiro mandato. Mas foram poucos os que vi declarando o porquê de votar no Geraldo. Fizeram do seu voto uma inutilidade, não como suporte de uma realidade política que condizia com o seu ideal, mas para evitar algo que não gostariam que acontecesse. Até aí é o direito de cada um, apesar de não entender essa posição. Afinal tornaram seu voto inútil, não porque votaram em quem votaram, mas porque votaram sem acreditar nem conhecer as propostas do candidato escolhido."

RESPONDO: Quanta bobagem, André! Você me critica por ter feito julgamentos e você mesmo julga, condena e generaliza os eleitores de Alckmin, dizendo que votaram sem conhecer as propostas, como se Lula tivesse alguma coisa diferente, ou como se as propostas de ambos não fossem praticamente idênticas a não ser em pontos como privatização, etc.

VOCÊ DISSE: "Mas não me venha falar de castigo de Deus sobre o Brasil! Vamos crescer como gente e em nosso relacionamento com o Senhor, aprender a perder (se é que evitar os girondinos é derrota!) e – principalmente – orar pela paz de nossa cidade (Jeremias 29.7)."

RESPONDO: Está mandando eu me calar, André? Está tolhendo meu direito de expressão? Quão típico de esquerdistas! É exatamente por que gente como você chega ao poder, gente que não respeita, não aceita e não consegue viver com quem pensa diferente, que eu disse o que disse e continuo dizendo. Você não vai me calar, com seu Evangelho frouxo, acomodado, indiferente à corrupção.

VOCÊ DISSE: [1] Aliás esqueceram completamente dos anos de corrupção com PSDB e FHC, com propinas e favorecimentos nas privatizações, compra de votos de parlamentares, Proer, Sudam, verbas do BNDES, Fundação Teotônio Vilela, Calote no Fundef, desvios na Sudene, Marka/FonteCindam, Sivam... dentre outras barbeiragens. Afinal corrupção é novidade do governo Lula? Faça-me o favor!

RESPONDO: Tem razão. Houve corrupção em todos os governos anteriores. Mas, pergunto: o churrasqueiro dos presidentes anteriores estavam envolvidos? Os homens mais íntimos e perto do presidente estavam envolvidos? praticamente quase todos os seus ministros? O povo brasileiro tomou conhecimento desses escândalos como tomou agora, com uma divulgação nunca antes conhecida? Faça-me o favor você, André, de querer tapar o sol com a peneira e como evangélico querer usar o argumento "todo mundo é corrupto". Isso é uma vergonha para nós, evangélicos, quando gente como você usa esse tipo de argumento.

Responder
avatar
Filipe Niel
AUTOR
1/11/06 11:06 delete

Um pouco assustado com a resposta dura dura ao André, creio que nesse caso aplicou se (Provérbios 26.5). Gostei muito de seu texto, e aproveito a oportunidade para agradecer por seus artigos e livros, ferramentas usadas por Deus em meu crescimento.
Em Cristo,
Filipe Niel

Responder
avatar
Anônimo
AUTOR
4/11/06 10:09 delete

Rev. Nicodemos
Porque o senhor esta tão revoltado, com reeleição do presidente Lula. O senhor crê que Deus tem o controle - porque não gostamos respeitar a decisão de Deus, e que Deus, pode esta fazendo algo que nos no momento não entendamos - a policia federal tem feito o bom trabalho - concordo eram pessoas próximas do presidente - porém se Deus não deixou povo enxergar da maneira que senhor acha que deveria, será que um propósito maior não exista? Ou somente castigo? A China cresce assustadoramente, pelo que eu saiba, ela persegue o povo de Deus que está lá - porque o Brasil, foi condenado por Deus, tão somente porque reelegeu o presidente Lula - ainda bem Rev. Nicodemos que nos nem estamos sempre certo em nossos pontos pessoais, somos homens, podemos falhar - nem sabemos o que realmente Deus pensa na totalidade, por mais tenhamos um grande conhecimento das Sagradas Escrituras. Eu espero que realmente Deus mude um pouco da história nefasta desse país, que povo de Deus cresça em qualidade e não quantidade. Oro para que o presidente cumpra as promessas, não todas elas, mas aquelas que possam ser alavanca para o crescimento do país.
Davi Lima

Responder
avatar
4/11/06 12:21 delete

Caro Davi Lima,

1) Não estou revoltado com a reeleição do presidente Lula, somente pesaroso em ver que ética e amor à verdade não fazem mais tanta diferença para o eleitor brasileiro. Releia o meu post e verá que esse é o ponto.

2) Em nenhum momento estou desrespeitando a vontade de Deus. Lula é o presidente e terá meu respeito, minhas orações a seu favor e minha obediência naquilo que seu governo fizer de certo. Entendo também que é parte da vontade de Deus manifestar-me diante da corrupção, como fiz e continaurei fazendo.

3) Pode ser que Deus tenha outros propósitos maiores quando não permitiu que o povo enxergasse todo o mar de corrupção cercando o candidato à reeleição. Eu não posso saber quais são, pois são ocultos. Todavia, a revelação de Deus para nós, a Bíblia, diz que Deus costuma entregar um povo aos desejos de seu próprio coração, à cegueira da mente, ao embotamento do discernimento, como parte de seus juízos temporais aqui nesse mundo. Esse ponto encontra-se em Romanos 1, quando três vezes Paulo diz que Deus entregou aquela geração aos seus próprios entendimentos (Rm 1.24,26 e 28). É nisso que me baseio.

4) O crescimento da China não tem absolutamente nada a ver com meu ponto. Na China, o presidente não é eleito pelo voto direto do povo. A China não escolhe seus governantes tão livremente como o Brasil. Nós temos a chance de escolher e ao fazê-lo, acabamos preferindo aquela máxima: "rouba mas faz", de um famoso político de São Paulo. E isso vem de longe, não é de hoje, e nem dessa eleição. O que me entristece é que nessa eleição esse ponto ficou mais claro ainda.

5) Sim, Davi, nem sempre estamos certos em nossos pontos pessoais, somos homens e podemos falhar. Eu me incluo nisso, já errei antes. Mas, já acertei antes, também.

6) Sim, Davi, junto-me com você às orações pelo presidente, mas não estou orando somente para que o Brasil prospere -- acho que é aqui que você não me entendeu. Estou orando para que Deus, através da sua Igreja, nos conceda uma mudança de mentalidade, uma transformação em nossa maneira de ver a política e a realidade, de forma que o povo, o Senado, o Judiciário, julguem os corruptos, e que a impunidade ao menos deixe de ser tão escandalosa em nosso país.

Responder
avatar
7/6/09 15:53 delete

hehehe, estou lendo este post quase 3 anos depois. E o problema é que já se fala em 3° mandato. Senhor, 12 anos de castigo é muito, se for possivel, por amor aos escolhidos e em Nome de Jesus abrevie esse tempo.

Deus nos abençoe.

Responder
avatar