terça-feira, janeiro 24, 2012

Decepcionados com ordenação de homossexuais, presbiterianos deixam a denominação (PCUSA) em massa

Foto da reunião
Como todos sabem, no ano de 2011 a PCUSA (Presbyterian Church of the United States) tomou a decisão em sua Assembléia Geral de aceitar como pastores e pastoras da denominação gays e lésbicas praticantes. Nós já havíamos tratado deste assunto aqui no blog, anunciando que uma divisão na PCUSA estava prestes a acontecer.

Os presbiterianos daquela denominação que não aceitaram esta decisão e que também estavam já preocupados com outros rumos desta denominação marcaram uma reunião para janeiro deste ano (2012), que aconteceu em Orlando, na Flórida. Havia cerca de 2100 participantes inscritos presentes representando cerca de 500 congregações da PCUSA. Lembremos que há aproximadamente 11.000 igrejas da PCUSA nos Estados Unidos.

Na reunião ficou decidida a fundação de uma nova entidade reformada, que será chamada “The Evangelical Covenant Order of Presbyterians” (“A Ordem Pactual Evangélica de Presbiterianos”), abreviada como ECO. Os detalhes ainda estão sendo trabalhados, mas provavelmente esta “Ordem” deverá funcionar como uma nova denominação, embora este ponto ainda não esteja claro.

Foi distribuída uma lista com os “valores” teológicos e pastorais da ECO:
  • Identidade moldada por Jesus (em que a questão essencial é se a pessoa é realmente um discípulo de Jesus);
  • Integridade bíblica (em que a questão essencial é saber se as Escrituras, única Palavra de Deus e que tem autoridade absoluta, realmente define a nossa identidade);
  • Teologia Reflexiva (em que a educação teológica reformada é estimada);
  • Comunidade responsável (em que as igrejas são comunidades onde a orientação é realmente uma experiência corporativa espiritual);
  • Ministério igualitário (em que os dons espirituais de ambos os sexos e de todos os grupos raciais e étnicos são “desencadeados”);
  • Centralidade missional (em que a Igreja “vive” a toda a Grande Comissão “, incluindo a evangelização, formação espiritual, compaixão e justiça redentora”)
  • Espiritualidade focada no centro (em que a Igreja chama as pessoas para o núcleo do que significa seguir a Jesus e “não se fixa sobre os limites”)
  • Liderança rápida (em que a Igreja identifica e desenvolve os líderes que são dispostos a assumir riscos, inovadores e orgânicos);
  • Vitalidade do Reino (pelo qual a igreja reproduz ativamente comunidades missionais).
Pastor e Pastora liderando a reunião
Já foram redigidos os documentos principais da futura enteidade e foram apresentados na reunião - um projeto dos compromissos teológicos do grupo e um outro com o projeto de estatuto da nova instituição.

Bom, na minha avaliação este novo corpo eclesiástico - denominação ou coisa parecida - será maior do que as duas principais denominações presbiterianas nos Estados Unidos que são conservadoras, a saber, a PCA (Presbyterian Church of America) e a EPC (Evangelical Presbyterian Church), embora ainda menor do que a PCUSA.

Fiquei feliz por ver que ainda há crentes verdadeiros e que amam a Palavra de Deus dentro de uma denominação que vem apostatando da verdade há muitos anos. Espero sinceramente que os que resolveram ficar na PCUSA e continuar a luta consigam, quem sabe, um dia retomar a histórica denominação para os caminhos do Evangelho de Cristo.

Dá para ver pela relação de valores acima que este novo grupo pretende realmente ser reformado, bíblico e conservador. Todavia, revendo a lista uma coisa me preocupa, que é o ítem chamado de "ministério igualitário". Trocado em miúdos, este item significa que a nova organização não somente aceitará como encorajará a ordenação de pastoras e presbíteras, como faziam na PCUSA de onde saíram. Algo similar ao fato de que Lutero, ao sair da Igreja Católica, manteve por um tempo determinadas idéias romanas. Aguardemos que da mesma forma que Lutero livrou-se deste ranço católico com o tempo, que os novos presbiterianos também tenham coragem para fazer a reforma completa e abolir a ordenação feminina.

Eles deveriam ser os primeiros a saber que foi a ordenação feminina quem abriu a porta para a ordenação de homossexuais na denominação deles. Tudo começou quando a PCUSA passou a tolerar que o liberalismo teológico fosse ensinado nas suas instituições teológicas, as quais são responsáveis pela formação teológica, eclesiástica e ministerial dos seus pastores. O liberalismo teológico retira toda a autoridade das Escrituras como palavra de Deus, introduz o conceito de que ela é fruto do pensamento ultrapassado de gerações antigas e que traz valores e conceitos que não podem mais ser aceitos pelo homem moderno. Assim, coloca a Bíblia debaixo da crítica cultural. O passo seguinte foi a aprovação da ordenação de mulheres cristãs ao ministério, em meados da década de 60, com base exatamente no argumento de que os textos bíblicos que impõem restrições ao exercício da autoridade eclesiástica por parte da mulher cristã eram culturalmente condicionados, e portanto impróprios para a nossa época, em que a mulher já galgou todas as posições de autoridade.

O argumento que vem sendo usado há décadas pelos defensores do homossexualismo dentro da PCUSA segue na mesma linha. Os textos bíblicos contrários ao homossexualismo são vistos como resultantes da cosmovisão cultural ultrapassada dos escritores bíblicos, refletindo os valores daquela época. Em especial, os textos de Paulo contra o homossexualismo (Romanos 1 em particular) são entendidos como condicionados pelos preconceitos da cultura antiga e pela falta de conhecimento científico, que segundo os defensores do homossexualismo hoje já demonstra que ser gay é genético, não podendo, portanto, ser mais considerado como desvio moral ou pecado. Já que a cultura moderna mais e mais aceita o homossexualismo como normal, chegando mesmo a reconhecer o casamento entre eles em alguns casos, por que a Igreja, que deveria sempre dar o primeiro exemplo em tolerância, aceitação e amor, não pode receber os homossexuais como membros comungantes e pastores da Igreja? Essa foi a argumentação que finalmente prevaleceu, pois a decisão permite que homossexuais praticantes considerem a sua escolha sexual como uma questão secundária e não como matéria de fé, sujeita à disciplina eclesiástica da denominação.

Infelizmente, uma das lições que se aprende com a história é que poucos aprendem alguma coisa com ela. Vamos esperar que este seja um destes casos...

25 comentários:

Fábio Vaz disse...

Rev. Augustus: irmãos da OPC (Igreja Presbiteriana Ortodoxa dos Estados Unidos)estão iniciando trabalhos no Uruguai, o que muito me alegrou, pois sou natural da fronteira Sant'Ana do Livramento (Brasil) - Rivera (Uruguai), sendo meu pai brasileiro e minha mãe uruguaia. E o Uruguai (assim como o Rio Grande do Sul) precisa de uma presença mais forte de irmãos presbiterianos (como batista reformado, amo e respeito os irmãos presbiterianos e sempre que posso estou apoiando suas atividades em prol do Reino de Deus). O senhor pode acessar o blog da OPC em Rivera, Uruguai, aqui: http://www.lareformaenmarcha.org/. Escrevo isso porque o senhor citou a PCA e a EPC como conservadoras, mas não a OPC (a menos que ela seja uma denominação de menor porte comparada a essas, não tenho essa informação). Porém quero dar testemunho de minha alegria por poder me relacionar com os irmãos da OPC no Uruguai. Grande abraço e deixo-lhe um convite para dar uma espiada no blog "Calvinismo Hoje" (www.alegrem-se.blogspot.com) que compartilho com um amado irmão presbiteriano.

zilda disse...

Estranho ao meu ver é ovelha mais forte e mais firme na palavra de Deus que pastor!
Que as ovelhas conduzam o pastor a vales verdejantes,pois estes estão completamente perdidos na palavra!
Que o braço forte do senhor nós livre do mal feito por aqueles que deveriam pregar o evangelho.

- disse...

Pr. Nicodemos

Não compreendo a não aceitação da mulheres no sagrado ministério.

Se ministério são dons de Deus à Igreja, por quê as mulheres não estão incluídas ?, tendo em vista que em Cristo não há homem, mulher, macho, fêmea, gentio, grego...

Terá a cultura antiga suprimido a participação das mulheres no ministério ?, não acredito.

Realmente eu não entendo esse literalismo radical em questões que a bíblia não proíbe, a não ser em casos pontuais.

Fico por aqui.

Vlademir Fernandes disse...

"Aí dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do amargo, doce e do doce, amargo!" Isaías 5.20

Casal 20 disse...

"Infelizmente, uma das lições que se aprende com a história é que poucos aprendem alguma coisa com ela" - eita frasezinha certeira!

Grande Reverendo, abraços sempre afetuosos.

Fábio e Lu.

Servos de Deus disse...

É interessante os rumos da igreja no mundo, principalmente quando vemos com olhar das caracteristicas das 7 igrejas do apocalipse, onde o Senhor conhecer cada uma delas e anda meio delas. Boa noticia essa.
Com relação a ordenação feminina é que as pessoas confundem pastorado (ordenação biblica - conforme ordem da criação) e pastoreio (ordem dada a todos cristão - cuidado com o próximo). Renato Ilkiw IPB SP

Leandro Hüttl Dias disse...

Ecclesia Reformata et Semper Reformanda Est. E concordo com o trocar em miúdos do ítem chamado de "ministério igualitário".

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Ao comentarista anônimo de 24/12/ 23:59.

Você disse, "Não compreendo a não aceitação da mulheres no sagrado ministério."

Se quiser entender as razões pelas quais não somente eu, mas muitos evangélicos não aceitamos a ordenação de mulheres aos ofícios da Igreja, por favor leia estes posts aqui mesmo no blog:

http://tempora-mores.blogspot.com/2010/06/carta-bispa-evonia.html

http://tempora-mores.blogspot.com/2011/12/o-feminismo-cristao-como-tudo-comecou.html

Se quiser um estudo mais profundo, inclusive analisando esta passagem que você cita, que não tem mais homem, mulher, etc., leia este artigo que escrevi sobre as passagens bíblicas que tratam de mulheres como pastoras:

http://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLUME_II__1997__1/ordenacao....pdf

Espero que este material ajude a você encontrar as respostas às perguntas que colocou aqui.

Um abraço.

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Caro Pedro Vaz,

Conheço a OPC e tenho vários amigos lá. É uma denominação reformada, firme e histórica.

Não a citei porque seu tamanho é pequeno em comparação com as outras duas reformadas PCA e EPC.

Um abraço.

Carlos Roberto da Silva disse...

Sempre bom é a repetição,quando se tem dúvida e quando outros,(irmãos ou não)desconhecem um assunto que me parece a controversia desse século=Ordenação de mulheres ao pastorado.
Reverendo,na década de 90 eu, sem uma avaliação bem analitica do assunto,era a favor do pastorado feminino,sem pestanejar;mesmo sendo de uma igreja tradicional pentecostal(Assembléia de Deus)ouvia as pregações,estudos de uma missionária(na época)chamada Valnice Milhomens.Tenho que admitir,ela era sincera e honesta em seus estudos,as vezes melhor que muitos pastores diga-se.Porém me sentia incomodado quando ela fazia pouco caso de comentários de teólogos,ela achava que todos são farinha do mesmo saco(conservadores e liberais),talvez por alguns não acreditarem na atualidade dos dons.Bem só sei que eu comecei já no final da Década de 90,querer saber porque ela tinha esse ranço com teólogos;comecei por mim mesmo adquirir uma bibliografia onde tinha várias opiniões a respeito de vários assuntos,inclusive o pastorado feminino.Pra quem só tinha livro de Kennethy Hagin,Valnice e poucos da minha denominação,foi um salto enorme.Minha visão Bíblica mudou muito porque além de ler muitos livros teólogicos minha leitura bíblica ficou mais clara como agua limpa.Não quero dizer com isso que agora sei tudo,de maneira nenhuma,longe disso,é que por muita repetição de assuntos como esse(Ordenação Feminina)vejo como eu estava sinceramente enganado,apesar de reconhecer a sinceridade e a boa intenção de muitas mulheres que já vi que são pastoras.

Rosimary Vasconcelos disse...

Graça e paz amado,foco estarrecida em ver como uma denominação como a presbiteriana pode mudar tanto em seus preceitos seculares,entendo perfeitamente a postura destes membros pois eu mesma recentemente desliguei-me de uma denominação da qual fiz parte por 15 anos,também não concordei com muitas posturas que estavam sendo implementadas,que Deus no ajude nestes últimos tempos,pois creio que o fim aproxima-se...


http://wwwserenissima.blogspot.com/

leo disse...

Rev. Augustus, Calvino fala alguma coisa sobre a questão do homossexualismo?

Abs!

José Leonardo Santos

Leandro Hüttl Dias disse...

Rev. Augustus, eu vou mais longe. O senhor tem conhecimento se algum reformador tratou da matéria (homossexualismo)?

Augustus Nicodemus Lopes disse...

José Leonardo e Leandro,

Não tenho conhecimento de que os reformadores trataram deste assunto. A não ser nos comentários bíblicos de passagens como Romanos 1, em que Calvino, por exemplo, trata a prática homossexual como realmente pecaminosa. Lembremos que à época não havia qualquer questionamento desse assunto.

Leandro Hüttl Dias disse...

Rev. Nicodemos, José Leonardo e demais irmãos.
Parece que a questão homossexualismo ficou para nós, Igreja deste século, trabalharmos; sendo sal da terra e luz do mundo. Porque a luz e o tempero para tanto estão sendo necessários agora, mais do que nunca (não que não houvesse homossexualismo antes - que digam Sodoma e Gomorra); mas a maneira como se está lidando com o assunto é diferente em nossa era, segundo nosso conhecimento ao contrastar passado e presente.
Se for assim, que Deus nos dê graça para este fim, sabedoria, humildade, amor e ousadia; contudo importando obedecer a Deus e não homem.
Shalom!

leo disse...

Pena que não tenho tenho o comentário do Reformador Calvino sobre os homossexuais.

Fico pensando o que Calvino diria a estes grupos que defendem o homossexualismo e ainda se dizem reformados. Penso que ele diria como disse aqueles que não aceitavam a doutrina da predestinação: "Satanás foi quem arrancou os olhos deles para que não vejam"

belinaso disse...

Pastor.

Acredito que a questão que levanta sobre a Bíblia estar sobre a crítica cultural da atualidade é bastante pertinente e elucidativa, pois nos faz refletir sobre a desconstrução e relativização das verdades bíblicas no seio da própria Igreja reformada. Porém, eu pergunto se a própria vida comunitária da Igreja não estaria também sob o jugo da crítica cultural dos nossos tempos? Afinal, a prática da piedade, da adoração, da oração e da meditação sobre a palavra não foram, muitas vezes, substituídas pela centralidade do grupo de louvor nos cultos, por teatros, danças, videogames, filmes etc como forma de adequar as práticas comunitárias à satisfação do "público"? Parece que traços culturais transitórios e efêmeros tem mais poder do que a própria palavra de Deus.

Abraços.

Ricardo N. disse...

Rev. Augustus,
Por que a criação de uma nova denominação? Qual a razão de existirem vários corpos eclesiásticos presbiterianos e conservadores em um mesmo país?

Quero dizer, se uma denominação adota o liberalismo teológico, é plenamente justificado separar-se dela. Mas por que existem várias denominações presbiterianas, que adotam as mesmas confissões e catecismos? Não é uma incoerência? Não seria muito melhor se a Igreja almejasse unidade de governo também?

Entendo que não podemos unir em um mesmo corpo eclesiástico presbiterianos, batistas, luteranos, anglicanos, católicos, ortodoxos, etc. Mas a existência de diversos grupos presbiterianos (ou luteranos, etc) parece errado, não? Isso não torna a Igreja cada vez mais sujeita ao processo de desintegração que vemos no Protestantismo no último século?

Antonio Batalha disse...

Ao passar encontrei seu blog, li algumas coisas e fiquei ciente de que o autor é um vaso nas mãos de Jesus,creio que é algo importante ser-se rendido e submetido ao serviço do Mestre, é bom encontrar blogs onde o autor não tenha medo de desmascarar o pecado venha ele de onde vier.Sei que ninguém é perfeito, mas o que caminha para a perfeição deixa atrás de si o que impede de ser perfeito.
Deixo a paz de Jesus e minhas saudações.
Ps. Gostava que pertencesse aos meus amigos e seguidores na Verdade Que Liberta.

Marcelo disse...

Prof. Augustus Nicodemus,


Não há textos bíblicos que tratam do ministério (pastoral) feminino. O que há são interpretações ao sabor do freguês, falta de análise do contexto. Acredito que o grande problema é a aceitação de homossexuais, não como membros, mas como pastores. O problema é maior ainda! Não há fundamento algum para isso.

Estou certo que a maioria esmagadora das pastoras, independente da denominação, abominam a ideia de homossexuais pastoreando ou aceitos como membros de uma igreja.

Marcelo Hagah
João Pessoa-PB

Augustus Nicodemus Lopes disse...

Marcelo,

Dá para se explicar melhor? Lendo seu comentário, não consigo perceber se você é contra ou a favor do pastorado feminino.

Um abraço.

toninho disse...

PR AUGUSTO NICODEMOS.
MUITO O ADMIRO POR SEUS ARTIGOS.
TENHO UM FILHO QUE ESTUDA NO MACKENZIE, E DESDE SEU VINCULO LÁ, PASSEI A RECEBER A REVISTA DA ESCOLA, E A APRECIAR SEUS ARTIGOS NELA.

A PALAVRA DE DEUS É ABSOLUTA, E DEUS PROMETE QUE SEUS FILHOS NÃO SERIAM ENGANADOS E CONFUNDIDOS SE NELA CRESSEM. TAMBÉM NOS EXORTA AO QUESTIONAR OS FARISEUS SOBRE INVALIDAR AS ESCRITURAS ATRAVÉS DE SUAS VÃS TRADIÇÕES. DA MESMA FORMA EXORTA-NOS AO DIZER QUE SEU POVO PERECERIA POR NÃO CONHECER AS ESCRITURAS E O PODER DE DEUS (O ESPIRITO SANTO...)
DIANTE DE TANTAS PALAVRAS DO SENHOR, PENSO QUE A IGREJA DEVERIA REFLETIR E VERIFICAR EM SI MESMA SEUS FRACASSOS, SEUS DESVIOS... UM EXEMPLO QUE POSSO CITAR É EM RELAÇÃO AO DIVÓRCIO , EM QUE A IGREJA HOJE TEM SE DIFERENCIADO DO MUNDO ? QUANTOS DIVORCIOS NA IGREJA... QUANTOS PASTORES DIVORCIADOS E CASADOS NOVAMENTE.... TENTAM TRONAR ESSA PRÁTICA NORMAL... JAMAIS SERÁ, PODE SER QUE SE TORNE COMUM, MAS NUNCA SERÁ NORMAL... É A DUREZA DO CORAÇÃO DO HOMEM (E DA MULHER...)
VAMOS VOLTAR AO PRIMEIRO AMOR, AO EVANGELHO SIMPLES, A BUSCA DE SANTIDADE, A SERMOS PUROS.... QUE DEUS ILUMINE OS LIDERES DA SUA IGREJA PARA QUE SEJAM SÁBIOS...

ANTONIO DE ALMEIDA NETO

Israel oliveira disse...

Sou de uma denominação que ao longo dos anos vem sendo criticada,principalmente pelos os tradicionais históricos que seus líderes ñ tem formação teologica, secular e etc,sendo os seus rebanhos compo ferteis para heresias e desvio doutrinário de toda sorte.
Minha pergunta é?? Como uma denominação tão fortemente armada teologicamente,que ñ ordena ministro que ñ tenha formaçao teológica e tal e esses mesmo lideres tão preparados são capazes disso???? O que dizer agora?? de que serviu tanto estudo??detalhe,ñ sou contra o ensino teológico faço bacharelado.Entendo que temos que Crescer muito na graça e no conhecimento. veja a ordem na graça depois no conhecimento. graça e paz Rv. só uma ultima coisa. gosto muito da teologia reformada só falta um molhinho pentecostal bem de leve pra ficar no sabor ideal rsrs.

haghios disse...

Vejo com profunda tristeza o que está acontecendo com PCUSA... pois foi através da Visão Missionária desta Igreja, que o Evangelho chegou até o Brasil.... Tenho Orado muito .. no sentido que a Bússola da Palavra de Deus esteja orientando as mentes e os Corações dos Irmãos

Gladstonier disse...

O rev Augustus Nicodemus tem um video sobre o pastorado feminino:
http://www.youtube.com/watch?v=T57-dF25_-E

É bem esclarecedor.. O pastorado feminino não encontra base nas escrituras..
"Sola Scriptura" já.