quinta-feira, novembro 08, 2012

Augustus Nicodemus Lopes

Calvino 2 - O Retorno

Nas décadas de 50 e 60 o movimento pentecostal exerceu uma grande influência nas igrejas históricas, incluindo as reformadas. Como resultado, houve divisões, rachas e brigas dentro destas igrejas e o surgimento do movimento carismático dentro delas, dando origem, inclusive, à formação de novas denominações (como a Presbiteriana Renovada), igrejas e ministérios independentes.

 Algumas destas igrejas preservaram o sistema eclesiástico das igrejas históricas junto com as doutrinas do batismo com o Espirito Santo, línguas, novas revelações, milagres, sonhos e visões.

Cinqüenta anos depois, vemos o movimento reverso. As doutrinas reformadas estão entrando como uma avalanche dentro das igrejas pentecostais clássicas, neopentecostais, emergentes, comunidades independentes, ministérios apostólicos, enfim... Este movimento se dá especialmente entre os jovens destas igrejas e cresce através do ministério de pastores reformados na internet, YouTube, mídias sociais, blogs e através da vasta literatura reformada publicada em português. Anda não dá para ver qual será o resultado disto tudo: divisões? rachas? novas denominações? igrejas independentes? Sinceramente, espero que os efeitos da influência do pensamento calvinista nestas igrejas sirva para reformar e fortalecer o movimento evangélico em nosso país, sem provocar divisões amargas como na década de sessenta.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

38 comentários

comentários
Luciano Sena
AUTOR
8/11/12 19:03 delete

Os rachas e brigas, em cada local e contexto terão seus promotores.

Os do lado tradicional e denominacional que são ameaçados, olhando para a 'raiz histórica do grupo' e os do outro lado requerendo uma renovação...


(Só uma correção "anda não dá" seria "ainda não dá"...)

Responder
avatar
8/11/12 19:17 delete

Seria isso cíclico? Estaria a igreja agindo assim, por não mais buscar a revelação do Espírito e por conseguinte, estando sem direção voltaria as origens? Seria isso obra do Espírito agindo nas igrejas? Uma coisa é certa: O Senhor, nosso Deus continua no controle e continua sendo o cabeça da sua igreja. A Ele e só a Ele a honra, a glória e o louvor eternamemte.

Responder
avatar
8/11/12 19:52 delete

Os neomontanistas auto-nomeados carismáticos estão bebendo do próprio veneno cinquenta anos depois, com a teologia anacrônica dessa gente naufragando na exaustão de uma busca acintosa, por vezes inútil e por outras vezes dissimulada de dons ultrapassados e no naufrágio causado pela corrupção endêmica dos líderes deles ávidos por poder.

A soberba precedeu a queda dos enroladores de língua pentecostais.

Soli Deo gloria!

Ecclesia reformata et semper reformanda est!

Responder
avatar
8/11/12 21:38 delete

Oi Rev. Augustus

Fico feliz em ter um canal para me comunicar com o sr. e poder saber sua opinião sobre as coisas, tendo em vista que apesar de conhecer o sr. a pouco tempo já o considero platônicamente meu amigo e sempre falo bem do sr.
Rev. fiquei muito pensativo sobre seu post porque efetivamente atraves de suas palavras foi feito de modo simples e real uma descrição de nossos tempos, mesmo o sr. estando do lado dos reformados fico nao surpreso tendo em vista seu intelecto avantajado, mas sim feliz de saber que há pessoas que conseguem enxergar essa realidade.
E na minha opinião seria melhor que esses jovens que estão tentando de algum modo mudar algo em suas igrejas migrassem não sei se migrassem é a melhor expressão, mas vou usa-la agora, que esses jovens migrassem para as igrejas históricas, desde que essas estejam fiéis as Escrituras. Posso dar o meu exemplo, não que eu tenha agido 100 % certo nessa minha mudança, também porque não tive direcionamento de alguém para isso, vi que a igreja estava desviando da Palavra de Deus muito rápido, não que antes de eu perceber ja não estava, eu como um dos mais ativos na igreja quase de segunda a segunda trabalhava na área musical, misericórdia que arrependimento, de 300 músicas da pasta, hoje teria de consciência pura coragem pra tocar umas 10 talvez, fui ungido a diácono, mas meu sonho era ser pregador, pensava nisso o dia todo, todo dia, tanta vontade que até em velório eu preguei, mesmo sem saber pregar porque quem quiser pregar tem que se virar sozinho porque não tinha um que sabia pregar de verdade, muito menos pra ensinar. Mas uma vez um missionário dirigiu o culto e sem precisar da autorização da Pastora, mais uma vez perdão SENHOR pela ignorância, esse missionário me chamou pra pregar, tinha 25 minutos, o culto de 3 horas, mas pregação se passar de 25 tinha um presbítero que reclamava porque enfadava o povo, na minha ignorância eu tinha feito um esboço e falei 45 minutos, uma mensagem da Páscoa que eu havia produzido, até aí só olharam torto pra mim, mas segui sabendo que minha cabeça estava prestes a rolar, mas não temi, passaram-se uns 2 meses o mesmo missionário me chamou de novo de surpresa nas duas vezes, eu havia produzido um sermão que era pra exaltar a Palavra de Deus, foi bom porque pude também abordar diversos assuntos, comparei as músicas de hoje com os salmos que eram os cânticos do templo, frisando a superioridade da Palavra de Deus, falei sobre os impactos dessas músicas de hoje no ensino das crianças que na minha opinião é o grande perigo e o principal alvo do adversário em relação a essas músicas, a necessidade da doutrina no ensino infantil, a prioridade que deve ser dada no ensino infantil, baseado em João 21:15, e principalmente a Suprema Autoridade da Palavra de Deus na igreja, 45 minutos ou mais, foi o bastante Rev. desci do púlpito com a consciência que minha cabeça havia rolado, e efetivamente assim aconteceu, meses depois fiquei um pouco ausente no fim de ano porque fui passear na praia, mas avisei que iria, fiquei ausente na campanha dos 12 dias seguidos começando no dia 1 de janeiro, ate o dia 12 de janeiro direto, consegui ir 2 dias, foi o bastante, faltei num culto pra ir na faculdade e quando cheguei em casa passou-se 1 hora recebi um irmão que congregava comigo e ele veio a pedido da Pastora trazer meu teclado e meus instrumentos na porta da minha casa, porque tinha outro tecladista e não cabia 2 teclados na igreja, minha mãe que não é crente ficou revoltada, minha esposa é crente mas ficou arrasada e chorou muito, e quando peguei meu teclado eu me senti livre porque eu não sai de lá porque decidimos tentar mais uma vez na esperança de Deus estar pretendendo mudar as coisas por lá, mas Deus me tirou de lá e fiquei feliz, voltei formalizei minha saída.

Responder
avatar
8/11/12 21:38 delete

continuando... , e graças a Deus na rua da minha casa tem uma Igreja Presbiteriana Rev. Odair Reges ministra lá e foi a melhor benção espiritual que já recebi até hoje, uma igreja de verdade pra eu e minha esposa ouvir a Palavra de Deus e esse pastor é piedoso e fiel a Palavra de Deus, concluindo descobri minha identificação denominacional, as doutrinas da graça é assunto normal que se conversa com as crianças de 10 anos nessa igreja, amigos verdadeiros, irmãos e pastores exemplares, estou muito feliz e entusiasmado com o que me espera no futuro, porque estão analisando se eu fui vocacionado ao ministério, e se sim até onde sei é que a Igreja custeará meu seminário, isso me emociona muito Rev. sou apologista da denominação e creio que não seja pecado porque a denominação é fiel a Palavra de Deus, convido todos sem medo, certo de que o Evangelho será anunciado e que o Senhor efetivamente salvará os seus em função do anuncio de Sua Palavra, cheio de esperança, Grande abraço.

Responder
avatar
Dani Lima
AUTOR
8/11/12 21:45 delete

Querido rev Augustos, o chamo assim pois pra mim realmente é um querido. Alguém que abriu a porta da correta adoração, não me canso de indica-lo aos amigos que querem entender melhor as os pilares da fé reformada. Faz um ano cheguei a denominação (IPB)a dois a reforma bateu as portas do meu coração e continuo tão feliz como antes, pois cheguei sem grandes expectativas nas pessoas más com meus olhos focados em Cristo, talvez o fato de ter reformado antes de chegar a igreja foi de grande valia para adaptação, que foi muito fácil. Quanto ao assunto vejo com alegria a questão e acho que veremos boas coisas é claro que o bizarro sempre "pode acontecer" conheço bem de onde vim!
Más vamos crer que uniremos força para tornarmo-nos cristãos
melhores, o cristão reformado é atento a palavra gosta da escritura prioriza a dedicação ao estudo e o cristão pentecostal gosta da pratica de botar a mão no arado, um pode completar o outro se os dois tiverem a humildade de melhorar, bom termino por aqui. ABRAÇO DANI lIMA

Responder
avatar
marcelo
AUTOR
8/11/12 23:17 delete

por favor , faça um artigo sobre a pena de morte. pelo que venho vendo os teologos norteamericanos são a favor. concordo com os argumentos deles. o que vc acha?

Responder
avatar
José Moglia
AUTOR
9/11/12 10:11 delete

Sou da Igreja do Deus Vivo, nascida em 1960, considerada pentecostal, porém mantem certa distinção pois sempre priorizou o evangelho da graça, a salvação em Cristo, tive contato com os calvinistas através do Dr. Bill Backler quando li numa livraria próximo a praça da Sé, a Casa da Bíblia, numa capa uma introdução a um sermão de Spurgeon, e logo mais acabei passando em outra livraria, a Bom Pastor, também no centro de São Paulo, li também na capa de um livro que chamou-me muito a atenção, Efésios vol 2 do Dr. Martin Lloyd Jonnes, chamado Reconciliação o método de Deus, confesso que tudo que já ouvira de meu pastor, ficou ainda mais claro e Deus abriu-me uma porta, através de seu Espírito Santo, para um conhecimento mais sólido do que é o Evangelho. Sou muito grato a Deus, não tenho do que reclamar de minha igreja, apesar de sermos chamados de pentecostais, meu pastor ele usa um termo, pentecostal clássico, pois ele mantem um certo equilíbrio entre a palavra e tudo aquilo que sabemos ser as práticas pentecostais, pois cremos sim no Espírito Santo, na ação de Deus, mas não somos exagerados a ponto de não ver que as Escrituras são a fonte da Revelação de Deus, e toda a prioridade deve ser a obediência a Palavra. Meu pastor fala que no início da obra não sabia muita coisa, houve muitas curas, bençãos, mas que Deus foi moldando a Igreja do Deus Vivo, a pregar o Evangelho, a Salvação em Cristo e não ficar somente nas práticas de curas, libertações e etc, como foi no início dessa obra. Hoje prezamos muitos pela palavra e respeitamos apesar de tudo outros pentecostais extremados, mas sempre que possível damos mostras da graça salvadora de Cristo, e mostramos que a palavra é a Revelação de Deus em Cristo Jesus. Tenho sido muito influênciado por todas as palestras da Editora Fiel, e tenho certeza que Deus tem trabalhado em minha vida a fim de que ajude outros pentecostais extremados a voltarem os olhos à palavra, à Deus e suas promessas! Deus os abençõe. Por ser do meio pentecostal (considerado)quero deixar apenas uma grande recomendação: é necessário muito amor da parte dos reformados e muito cuidados, pois há muitos pentecostais sinceros e com grande sede da palavra, por isso peço a todos os reformados que tenham paciência e tomem cuidados com a generalização, pois as vezes vejo críticas duríssimas como se todos os pentecostais fossem iguais, embora eu saiba que existem os exagerados que não querem enxergar devido aos benefícios que tem induzidos aos simples a não conhecerem toda "A verdade" mantendo-os com promessas de bençãos e etc. Em fim Deus ajude todos nós, pois uma vez ouvi o Franklin Ferreira dizer algo muito interessnte, que os pentecostais também podem contribuir com a expansão do Evangelho, pois também alcaçaram (do jeito deles) milhares de lugares, pessoas que não foram alcançadas e assim por diante, assim como o reformado pode contribuir com a forte instrução nas Escrituras, e com as doutrinas da graça, o que concluo que os dois podem se ajudar e sermos "Um em Cristo".

Responder
avatar
9/11/12 11:21 delete

Olá Reverendo Nicodemus.
Tenho 26 anos e sou membro da Assembleia de Deus - Madureira, e exerço o cargo de presbítero em minha congregação. Entretanto, nos últimos anos tenho acompanhado este blog O Tempora O Mores, o do Renato Vargens, o Voltemos ao Evangelho, o Monergismo, o Bereianos. Assisto no Youtube os seus vídeos Augustus, os do Hernandes Dias Lopes, Paul Washer, John Piper e Lane Craig. Aceito a Declaração de Cambridge e a Confissão de Westminster. Será que sou reformado? Ou estou "reformando" (risos)?

Paz de Cristo.
http://www.sigocaminho.com/

Responder
avatar
9/11/12 13:16 delete

A Paz de Cristo. Meu amado Reverendo,
Sou Cristão - definido como Pentecostal clássico
(prefiro dizer apenas Cristão)-
e estou feliz pelo interesse de muitos pentecostais em aprenderem
mais sobre as doutrinas da Graça, por influência dos pregadores reformados. Porém
eu vejo um pensamento muito distorcido a respeito de nós; pois MUITOS reformados
falam da gente como se estivéssemos fazendo um grande mal ao mundo.
Acredito que o senhor ñ é um destes porque já vi alguns comentários seus bastante positivo
sobre o pentecostalismo CLÁSSICO. Agora, é claro que temos problemas; uma vez que trabalhamos
com pessoas e pessoas são complicadas. As Assembleias de Deus que ñ mudaram sua Doutrina
estão indo muito bem, e não estão contribuindo com esses escândalos que vemos nas mídias. Essas
Igrejas Pentecostais que vemos hoje cometendo as mais absurdas heresias, nós combatemos em
nossas Igrejas com grande energia. pois não concordamos com essas práticas: nova revelação, retété,
cair no "espírito" e etc. Gostaria que o senhor Conhecesse as autoridades que falam por nós pentecostais como:
Pr. Antônio Gilberto - consultor doutrinário CPAD (mestre em teologia, psicólogo,literato e pedagogo), Pr. Ciro Sanchez
Zibord -ambos pastores em minha Igreja- Pr. Claudionor de Andrade, Pr. Elienai Cabral e Etc. Os reformados verão
que temos mais em comum que imaginam. Se esses que taxam os pentecostais como todos iguais procurassem
EXAMINAR sem pré-conceito nossa verdadeira confissão de fé, entenderão a grande contribuição que, pela misericórdia
de Jesus, temos exercido para o crescimento do Reino de Deus. Seria ótimo se estivéssemos trabalhando juntos
- apesar de algumas diferenças - pois amamos os reformados.


No Amor de Deus.
Renato S. EfeitoCristão

Responder
avatar
9/11/12 14:33 delete

Graça, misericórdia e paz reverendo.

Agradeço a Deus pela sua vida e pela maneira como tem sido uma fonte a fim de que possamos aprender e espalhar a palavra de Deus.

De fato, também sou de origem pentecostal. Apesar disto, devido ao cenário eu não me diria pentecostal, mas sim um reformado não cessacionalista.

Oro para que as doutrinas reformadas ganhem cada dia mais destaque e espaço nos meios pentecostais e que possam ajudar a fundamentar melhor a igreja.

Responder
avatar
Wesley Viana
AUTOR
10/11/12 00:50 delete

Caro Rev. sou cristão Batista pentecostal,e leitor do blog a algum tempo. Pelo que li nos comentários acima, fica fácil perceber que existe um grande número de crentes pentecostais que assim como eu se sentem fascinados pela fé reformada. Eu por exemplo, sou apaixonado pela palavra de Deus como revelação suprema, não me identifico com modismos e heresias e outras doutrinas anti-bíblicas pregadas em igrejas neo-pentecostais por exemplo. Admiro muito a abordagem expositiva que os reformados dão à palavra de Deus, entretanto tenho também algumas divergências, no que tange o cessacionismo, o pensamento hiper-calvinista de que não se precisa evangelizar e a questão do livre arbítrio. Diante do exposto eu pergunto: Será que podemos identificar um meio termo entre calvinistas e pentecostais clássicos ou seja, não estamos vendo o surgimento de outra corrente cristã ?

Agradeço a compreensão

Obrigado.

Responder
avatar
Marcelo
AUTOR
10/11/12 15:26 delete

"As doutrinas reformadas estão entrando como uma avalanche dentro das igrejas pentecostais clássicas, neopentecostais, emergentes, comunidades independentes, ministérios apostólicos, enfim..." Não há um pouco de exagero nesta afirmação? Existe algum levantamento não-empírico que demonstre sua veracidade? Apesar de ser este meu caso, pois sou batista pentecostal, mas considero-me calvinista por aceitar o TULIP de Calvino. Mas não vejo nenhuma igreja pentecostal, ou neo, ou comunidade batizando crianças e deixando de crer na contemporaneidade dos dons espirituais.

Responder
avatar
10/11/12 15:49 delete

Marcelo,

Provavelmente fui muito forte nesta afirmação, mas não tanto. Viajo Brasil afora, norte a sul, e onde tenho estado sempre encontro queridos irmãos destas igrejas contando a mesma história: são reformados dentro de igrejas pentecostais.

Não me lembro de ter mencionado no meu post batismo infantil e contemporaneidade dos dons - isto você tirou de sua cabeça. E revela falta de conhecimento sobre os reformados, pois muitos deles eram batistas e não batizavam crianças. Portanto, batismo infantil nunca foi um dos "solas" da Reforma.

Sobre cessacionismo, é um termo que precisa de definição cuidadosa: que dons cessaram? Por que? Eles subsistem em alguma forma? Como reconhecê-los? Não entrei nesse ponto - ainda. Mas será objeto de postagem breve.

Abs.

Responder
avatar
Marcelo
AUTOR
10/11/12 20:34 delete

Prezado Rev. Augustus,

É que para nós, os "de fora" do circuito presbiteriano, dizemos que somos calvinistas por aceitar o TULIP, mas dizemos que não somos "reformados" por não aceitarmos todo o pensamento de Calvino.
Diante de sua afirmação "As doutrinas reformadas estão entrando como uma avalanche dentro das igrejas pentecostais clássicas..." minha dedução foi automática.
Estou ansioso para ver seu artigo sobre os dons espirituais.
Também não desconheço que muitos grupos batistas eram calvinistas e não afirmei que o batismo infantil era um dos "solas".
Creio que está tudo explicado.

Responder
avatar
10/11/12 22:09 delete

Caro Rev. Augustus,

Também concordo com a opinião do irmão Marcelo, pois não vejo muita base para afirmar que o calvinismo está vindo como uma avalanche dentro das igrejas de confissão pentecostal (achei o termo "avalanche" um pouco inapropriado, com todo o respeito).

Apesar de não considerar uma avalanche a entrada da teologia calvinista nas igrejas pentecostais, fiquei sabendo hoje que um teólogo pentecostal que chegou a escrever um capítulo num tratado de teologia sistemática sobre esse sistema de interpretação bíblica simpatiza com a TULIP. Ou seja, está havendo uma entrada sim, tímida, mas está.

Em tempo: sou pentecostal, reformado (no sentido de crer e defender os cinco solas) e gosto muito deste blog (apesar de não "morrer de amores" pela TULIP).

Um abraço,

Gilmar

Responder
avatar
11/11/12 17:03 delete

Rev. Augustus. Isso duvida maravilhoso (o que vem ocorrendo de ciquenta anos pra cá, especialmente nesta ultima decada) sobre os prceitos reformados estarem entrando e fincando raizes em meios petencostais etc. A internet possibilitou ao jovem cristão abrir seus olhos para o evangelho verdadeiramente exposto, onde vários pastores oriundos de igrejas históricas/reformadas são seus principais mentores, excelente.

Rev. Augustus. Gostaria de lhe perguntar algo, se puder responder seria muito bom, pois é uma dúvida que a muito tenho. Os católicos dizem que fora a Igreja Católica Apostolica Romana que compilou as escrituras sagradas, e que por conta disto existe uma incongruência em relação ao meio "protestante" sobre o assunto, visto que nós aderimos a biblia compilada pelo catolicismo, e posteriormente se retiraram alguns livros da mesma. Até qual ponto istoé verdade? (Se acaso isto for verdade.).

Obrigado,

Kalel Albuquerque

Responder
avatar
Maykon Johny
AUTOR
12/11/12 01:17 delete

Oro a Deus para que essa avalanche chegue até minha cidade como um todo, assim como tem chegado na pequena Igreja onde tenho congregado.

Até os anos 90, éramos neo-pentecostais em nossa teologia, amorfos em nosso sistema de governo e indefinidos em nossa membresia. Nos anos 2000, começamos a nos aprofundar mais nas Escrituras e a perceber que muitas de nossas práticas não faziam sentido e começamos a abandoná-las gradativamente. Mesmo assim, ainda estávamos sem um referencial.

Até que a uns cinco anos, começamos a ter contato com alguns irmãos das Igrejas Reformadas do Nordeste do Brasil [Somos de Londrina/PR], por correspondência e internet, que prontamente se colocaram a nossa disposição para nos ajudar no que fosse necessário, e hoje finalmente encontramos um porto seguro, um referencial.

Recebemos constantes visitas de dois missionários, um canadense e outro australiano, que dão aulas no Instituto João Calvino, em Pernambuco. São uma benção: sábios, estudiosos, alegres, amorosos, FERVOROSOS, e cheios de vontade de servir e de espalhar o Evangelho da Graça.

Ficamos de 2 a 3 anos fazendo estudos bíblicos todos os domingos sobre a Confissão de Fé de Westminster, e especialmente sobre as Três Formas de Unidade (Confissão Belga, Catecismo de Heidelberg e Cânones de Dort), e em breve estaremos adotando oficialmente as Três Formas de Unidade como as confissões de nossa Igreja pois elas têm nos edificado grandemente, nos guiando em direção às Sagradas Escrituras.

Ainda estamos em um processo lento e doloroso de transição pois tivemos algumas "baixas" pelo caminho. Alguns irmãos muito queridos não entenderam ou não aceitaram as reformas e saíram de nosso meio. Ainda estamos em processo de definição de membresia e com poucos oficiais para fazer visitas nas casas, mas estamos treinando alguns irmãos para ajudar os oficiais que temos hoje nos novos desafios que estão por vir, e, em breve, aprovaremos um regimento, que oficialmente nunca tivemos em nosso mais de 25 anos de existência nesta cidade.

Só que o mais importante de tudo é que acreditamos que é Deus quem está conduzindo esta Reforma em nossa congregação e O louvamos e rendemos ações de graças por isso.

Soli Deo Gloria

Maykon

Responder
avatar
Maykon Johny
AUTOR
12/11/12 01:41 delete

Dani Lima: “...o cristão reformado é atento a palavra gosta da escritura prioriza a dedicação ao estudo e o cristão pentecostal gosta da pratica de botar a mão no arado, um pode completar o outro...”

Irmã Dani Lima....

Se tem algo que eu e minha congregação estamos descobrindo de alguns anos pra cá, é que existem muitos mitos no imaginário popular evangélico acerca dos Cristãos de Linha Reformada. Um deles é justamente essa ideia de que todos os reformados se dedicam ao estudo das escrituras e da teologia em detrimento da evangelização e do fervor nos momentos de adoração no culto.

Os irmãos reformados do Nordeste Brasileiro que minha congregação sulista tem conhecido estão nos ensinando que não precisamos ser “pentecostalizados” para sermos fervorosos em nosso louvor ao Senhor e muito menos para irmos a “todo o mundo e pregarmos o Evangelho a toda criatura”, pois tudo o que eles fazem é com amor, dedicação e alegria no Senhor.

É realmente maravilhoso ver o modus operandi deles. Desde a pregação dos sermões até o simples cânticos de um salmo, tudo é feito com um admirável FERVOR que também estamos aprendendo aos poucos a por em prática. Que o Senhor nos ajude para honra de glória de Seu Nome.

Soli Deo Gloria...

Maykon

Responder
avatar
12/11/12 02:37 delete

Kalel, em vista da própria disponibilidade de nosso Reverendo Lopes, se ele permitir a mim responder a você.

Ora, note que a Igreja Romana compilou, sim, o cânon da Bíblia. O problema é que essa comunidade tradicional não segue os preceitos bíblicos em sua simplicidade. As tradições católicas são de um avant la lettre assombroso. Quanto aos livros retirados da Bíblia, segundo você, pelos reformadores, bem, note que os tais livros só fizeram parte das Escrituras, oficialmente, após a Reforma na chamada Contra-reforma católica. Esses livros são mera literatura espúria, as vezes terrivelmente espúria, escrita na época intertestamentária, ou seja, entre o Antigo e o Novo Testamento quando parece que o céu se fechou, ficou de bronze e os homens passaram a escrever fábulas engenhosas e enganosas.

Espero haver ajudado você, Kalel. Deus o abençoe.


JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

Responder
avatar
12/11/12 03:26 delete

Eu sou apenas um jovem de 17 anos, membro da Assembléia de Deus no Estado do Rio Grande do Norte e me encontro nessa situação.

Em algumas oportunidades, já preguei em minha congregação e algumas outras de minha cidade. Já dei aula em EBD por algumas oportunidades. Bem, me veem como um jovem empenhado em minha igreja, que gosta de estudar as Escrituras, e talvez que tenha algum futuro na denominação. Jamais me passa pela cabeça querer ser algo, eu me conheço, sei que sou podre por dentro e sou totalmente dependente da graça de Deus.

Hoje minha fé, teologicamente falando, é reformada. Não tenho nenhum medo em afirmar isso onde quer que esteja, seja dentro da igreja em que congrego ou fora. Tenho amigos que me acompanham na fé, e outros amigos que são arminianos (comum na denominação) com quem gostamos de debater sobre o assunto.

Sim, não posso negar que medito no meu futuro. Já penso em me congregar em uma igreja presbiteriana reformada, mas ao mesmo tempo gosto de onde estou e não consigo me enxergar em outro lugar. A Deus está entregue o meu futuro. Não pretendo ser nenhum Martinho Lutero para os pentecostais, mas também não abro mão do que creio.

Apesar de tudo, a situação da Igreja do séc. XXI está tão precária, que de uma coisa tenho certeza: Não posso me calar ao ver a verdade das Escrituras sendo deturbada.

Do futuro, não sei. Não quero racha nem divisão, só quero que Igreja do Senhor Jesus venha está unida, na verdadeira fé do Evangelho bíblico.

Responder
avatar
12/11/12 14:13 delete

Rev. Augustus, acabei de assistir um comentário teu no Curso Fiel de Liderança (link: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ma8dv8l_jIE) sobre Amilenismo, Pré, Pós e Dispensacionalismo. Gostaria de saber se existe alguma incoerência em acreditar na Teologia do Pacto e no Pré-milinismo?

Grato
http://www.sigocaminho.com/

Responder
avatar
12/11/12 19:31 delete

Ricardo,

A doutrina da aliança afirma que Deus sempre teve somente um povo, debaixo da mesma aliança. Esta aliança foi ministrada em duas dispensações, antes e depois de Cristo. Mas era essencialmente a mesma.

Deus não tem dois povos, Israel e a igreja. Esta distinção é válida somente em termos históricos temporais, à medida que Deus veio revelando e executando a história da salvação. MAs, essencialmente, os crentes do AT e do NT sempre foram o mesmo povo.

Se o premilenismo insiste na teoria de que Israel ainda é o povo especial de Deus e que a igreja é plano B, a incompatibilidade entre aliancismo e premilenismo é clara.

Abs.

Responder
avatar
12/11/12 19:35 delete

Anderson,

Obrigado por teu testemunho. Fique firme. Não acho que você deva sair da AD. Fique o máximo que puder.

Abs.

Responder
avatar
12/11/12 19:45 delete

Kalel,

Não foi a igreja que determinou o cânon (relação oficial) dos livros do NT e AT - ela simplesmente reconheceu que os mesmos eram inspirados e de divina autoridade. A base da Igreja é a Bíblia e não o contrário.

Os livros que foram tirados na Reforma na verdade nunca estiveram lá. Sempre foram vistos como apócrifos ou deutero-canônicos.

Abs.

Responder
avatar
13/11/12 14:40 delete

Obrigado Rev. Augustus, o senhor é muito acessível e isso é muito bom. É interessante o costume de que os tratados teológicos devem ser adotados integralmente. Eu, por exemplo, entendo biblicamente que Cristo voltará antes do milênio, que a Igreja é o único povo de Deus e não concordo com o dispensacionalismo. Enfim, as divergências de posicionamento é que tornam a Teologia tão fascinante (pelo menos para mim).

Abraços
http://www.sigocaminho.com/

Responder
avatar
14/11/12 14:42 delete

Querido Reverendo Augustus que Deus o abençoe hoje e sempre! Sou Pastor da Primeira Igreja Batista Regular do Crato - CE e há muito tempo tenho acompanhado este blog e devo confessar que tem sido realmente uma benção em minha vida. Gostaria de parabenizá-los (ao Solano Portela, ao Mauro Meister e a você)pelo bom serviço que tendes prestado à comunidade evangélica brasileira. Espero revê-lo em breve por estas bandas do meu amado Ceará!
Obs: Gostaria de ler aqui algo mais específico a respeito da sua opinão sobre "o perfeito" de I Coríntios 13.

Responder
avatar
15/11/12 22:49 delete

Eu por exemplo sou pentecostal , mas tenho uma admiração , um carinho especial pela teologia Reformada . Eu tenho na minha biblioteca particular literatura escritos por pastores Reformados . Está se tornando cada vez mais normal pastores reformados tradicionais , pregarem em Igrejas pentecostais nós tivemos o privilégio de receber 2 pastores renomados da IPB pregando aqui em nossa igreja sede AD , foi maravilhoso ouvi-los ! Então eu acredito que as "barreiras" entre tradicionais e pentecostais (os clássicos) vem sendo quebrado ! GLÓRIA DEUS POR ISSO !!! Quem ganha com tudo isso é o REINO ! Vidas sendo alcançadas pelo poder da PALAVRA de DEUS ! Abraço

Responder
avatar
16/11/12 12:22 delete

No meu caso - e o que tenho visto que será o destino de muitos amigos meus - eu era membro de uma comunidade neo-pentecostal autônoma, e encontrei abrigo em uma denominação tradicional, a IPIB. Muitos jovens que conheço estão entrando pelo mesmo caminho.

Responder
avatar
17/11/12 14:40 delete

Sou pastor de uma igreja Batista que se tornou reformada há dois anos.
O incrível é que Deus usou um irmão da igreja O Brasil para Cristo. Ele fez um churrasco em sua casa e convidou um pastor presbiteriano e este pastor me levou para a conferencia da Fiel dai foi só benção. É claro que tive uma enorme crise hehehe.

Responder
avatar
19/11/12 18:18 delete

Michel Borges,

Desculpe a demora. Sobre o "perfeito," sigo a interpretação de Calvino, de que se trata da vinda de Cristo.

Um abraço.

Responder
avatar
19/11/12 22:26 delete Este comentário foi removido pelo autor.
avatar
Dani Lima
AUTOR
20/11/12 00:03 delete

Irmão Maykon Johny, talvez não tenha me feito entender bem, desculpe!
Más o detrimento, ficou por sua conta!
É fato e é bom, que o reformado tenha em 1° lugar apego a palavra,para só depois lançar fundamentos em algo tão especial quanto o evangelismo, uma igreja reformada tem menos chances de erros doutrinários do que muitas igrejas pentecostais, por causa da própria forma mais lenta e cuidadosa de se fazer. Más não é por isso que podemos desfazer de td forma pentecostal, não é?!Podemos sim, melhorar e trocar experiencias, fugindo do pragmatismo e crescendo em unidade e amor!

Responder
avatar
22/11/12 20:53 delete

Caro Rev. Augustus, gostaria de sugerir postagem sobre um movimento que prega um modelo de igreja não-institucional, como se as denominações fossem algo puramente humano. O radicalismo desse movimento é tanto que chega ao ponto de não possuirem oficiais, cultos com liturgia ou local próprio para os cultos! Dizem que não frequentam a igreja, eles são a igreja. Graça e paz!

Responder
avatar
25/11/12 01:54 delete

Rev. Augustus,

Obrigado pela atenção. O Senhor lhe abençoe.

Abs.

Responder
avatar
Maykon Johny
AUTOR
28/11/12 16:08 delete

Cara irmã Dani Lima...

Essa idéia equivocada que se tem sobre o cristão reformado e que eu mencionei anteriormente é muito comum entre os pentecostais sim. Portanto, o “em detrimento” não é por minha conta não, é por conta de todos os pentecostais com quem já conversei até hoje, sem exceção. E é justamente a eles a quem me referi no primeiro comentário. Até mesmo os mais piedosos, sinceros e bem intencionados que conheci, sempre reproduziram esse tipo de pensamento, mesmo que alguns deles o tenham feito inconscientemente ou sem más intenções.

Por sinal, existe até mesmo uma terminologia pentecostal para rotular as denominações que eles acham que precisam aprender com eles como se louva e como se evangeliza da forma que eles consideram correta, a saber: “Igreja Fria”. É desta forma que eles costumam nos chamar: “crentes frios”. [Um deles, não tão bem intencionado assim, já chegou a me chamar de “pingüim”, e mais de uma vez... rsrs]

Por isso acho importante desmistificar essas idéias. Afinal, tudo o que pode ser encontrado de bom no meio pentecostal, também pode ser encontrado entre os autênticos reformados, especialmente o fervor na adoração a Deus e a paixão pelas almas. Não precisamos importar, copiar ou aprender deles aquilo que podemos encontrar em nosso meio e fazer por nós mesmos. Compreende? Um abraço e fique com Deus....

Maykon Johny

Responder
avatar
9/3/13 11:37 delete

Rev. Augustus Nicodemus, eu tenho uma dúvida sobre uma pregação sua sobre Cristo e Melquisedeque, onde o Sr. diz bem proximo do final do vídeo que: Cristo como nosso cordeiro foi imolado antes da fundação do mundo. Eu sinceramente quero saber a base para essa afirmação, pois escuto isso nas pregações de minha Igreja, mas não vejo na Bíblia uma afirmação como essa, vejo outra, vejo apocalipse 13.8 que diz "o cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo", eu realmente quero saber a base para isso. A eleição sim "antes da fundação do mundo Ef. 1.4". Desculpe por fazer uma pergunta tão distante do tema proposto pelo posto.

Responder
avatar
14/3/13 12:19 delete

Ivan

Você está certo, o texto bíblico diz que Ele foi morto "desde" a fundação do mundo. Acredito que fazemos a confusão conflacionando com o texto de Efésios 1:4. Obrigado pela correção. Um abraço.

Responder
avatar