quinta-feira, abril 24, 2008

Vejam só - Solano Portela debate sobre o dízimo


Hoje, 24/04/2008, Solano estará na RIT TV, no programa Vejam só. Esta é uma TV transmitida por UHF e na internet. Ainda que concordemos com muito pouco dos conteúdos, cremos que a participação sóbria pode trazer benefícios a espectadores (uma rede ligada ao ministério de R. R. Soares). Augustus e eu já participamos em outras ocasiões. Solano falará sobre o dízimo, num ambiente controverso, conforme a proposta do programa.

Se hoje nem os judeus são dizimistas, por que a igreja se mantém na época da lei?

Assista online a partir das 22h.

Visite o Site do Programa - bem ao centro está o ícone para assistir ao programa online.

Vejam Só
Debates, entrevistas, reflexão e entretenimento. Assim é formado o Vejam Só! Um programa ao vivo, repleto de informações e curiosidades para o fim de noite.

Éber Cocareli entrevista, diariamente, personalidades dos mais variados ramos de atividade, sempre utilizando uma linguagem simples e objetiva. Os debates, em sua maioria bastante polêmicos, são sempre conduzidos com imparcialidade e dinamismo, a fim de esclarecer as dúvidas que surgem durante cada conversa. Os assuntos discutidos são diversos, com um tema diferente por dia.

sábado, abril 12, 2008

Por Que as Igrejas dos Neo-pentecostais Não Cresceram como Eles Gostariam


Não estou falando dos pentecostais clássicos e dos neo-pentecostais que têm suas próprias denominações e igrejas, as quais, geralmente, são numerosas e grandes. Os neo-pentecostais a que me refiro nesse post são os pastores de igrejas e denominações tradicionais e conservadoras que adotaram idéias e práticas típicas do movimento neo-pentecostal, na expectativa de verem crescer numericamente as igrejas que pastoreiam. Na minha observação, isso não tem acontecido. As igrejas deles permaneceram do mesmo tamanho de antes, ou mostraram um crescimento pequeno, em pouco ou em nada se sobressaindo às igrejas dos pastores conservadores dentro da denominação

Eu não sei quantos deles existem nas denominações históricas, como a presbiteriana, luterana, metodista, episcopal e batista, por exemplo. Acredito que são muitos. Eles permanecem filiados a essas denominações, estão ligados aos seus concílios, mas abraçam idéias e práticas dos neo-pentecostais, as quais são geralmente distintas daquelas que suas denominações, pelo menos oficialmente, aceitam. Como eu sou presbiteriano, vou me concentrar especificamente na minha própria denominação.

Acredito que alguns deles, quando entraram em igrejas presbiterianas, já tinham convicções neo-pentecostais. Por falta de maior cuidado no processo de formação pastoral e na ordenação ou consagração ao ministério da Palavra, eles se tornaram normalmente pastores e obreiros e tão logo assumiram uma igreja passaram à missão de "neo-pentecostalizá-la". Mais uma vez, nada contra os neo-pentecostais. Desde que eles permaneçam em suas próprias denominações e igrejas.

Outros viraram neo-pentecostais já dentro das igrejas históricas movidos pela pressão de fazer sua igreja crescer. A lógica é simples: os neo-pentecostais estão crescendo muito no Brasil. O que eles têm que eu não tenho? Qual a causa desse crescimento? Em que eles acreditam e o que praticam? E a resposta parece simples: batismo com fogo, batalha espiritual, expulsão de demônios, sinais e prodígios, unção com óleo, teologia da prosperidade, danças litúrgicas, coreografias, cultos de descarrego, quebra de maldições, línguas, profecias e visões, e por ai vai.

Assim, muitos pastores, líderes e obreiros presbiterianos e de outras denominações históricas resolveram adotar esse cardápio, ou parte dele, na expectativa de que fazer a sua igreja crescer, exatamente como crescem as igrejas dos neo-pentecostais.

Contudo, salvo melhor juízo da minha parte, as igrejas de pastores neo-pentecostais dentro de denominações históricas e conservadoras, particularmente a presbiteriana, não são muito diferentes em tamanho, força, pujança e alcance do que as outras da mesma denominação. São igrejas que têm, em média, 150 a 300 membros -- como as conservadoras. Conheço pastores presbiterianos que jejuam, profetizam, falam em línguas, dançam, pregam batismo com fogo e teologia da prosperidade, expulsam demônios, quebram maldições e decretam a bênção, mas cujas igrejas são pequenas, exatamente como aquelas dos conservadores de quem falei em outro post. Não chegam nem perto do tamanho das igrejas dos verdadeiros neo-pentecostais que eles querem imitar.


Não quero generalizar. Para ser justo, existem pastores presbiterianos neo-pentecostais que fazem tudo isso e têm, realmente, igrejas grandes. São muito poucos, todavia, e duvido que o tamanho da igreja deles seja resultado da implantação de práticas neo-pentecostais. Parece-me mais fruto do carisma pessoal desses pastores. As igrejas deles cresceriam de qualquer jeito, mesmo se eles fossem conservadores. E mesmo grandes, essas igrejas não são maiores do que a de outros pastores da mesma denominação que são conservadores, com delegação de atividades e que se preocupam com a doutrina e o crescimento espiritual do rebanho.


Creio que existem vários motivos para esse fracasso dos pastores neo-pentecostais dentro das igrejas históricas. Não estou duvidando ou questionando a integridade, santidade e honestidade deles -- somente esse ponto específico do crescimento de suas igrejas.

1) Por causa do treinamento e da teologia conservadora que tiveram nos seminários, não conseguem se liberar totalmente da carga e da herança tradicional e acabam sendo apenas pastores neo-pentecostais meia-boca. Neo-pentecostal mesmo, como o Pr. José Roberto, conhecido como o Zé Galinha do Mato Grosso, tem visão de galinhas falando em línguas e de galo interpretando, usa sal grosso e ramo de arruda, planta bananeira no culto se sentir vontade. Mas, os neo-pentecosterianos não conseguem ir até as últimas conseqüências. E ai vem o problema -- sempre haverá pastores mais neo-pentecostais do que eles, atrás de quem o seu povo vai. Conheço o caso de um pastor desses que introduziu um meio-pentecostalismo em sua igreja, abriu o apetite do povo, e em breve, uma grande parte da igreja saiu para outra igreja, dessa feita neo-pentecostal de verdade, onde o "fogo" e a "unção" eram maiores. No fim, esses pastores não são nem presbiterianos e nem neo-pentecostais, e acabam sem agradar nem a um lado e nem a outro. Suas igrejas permanecem bem menores do que as igrejas neo-pentecostais de verdade e do mesmo tamanho de igrejas conservadoras.


2) Outra razão é que pastores neo-pentecostais dentro das denominações históricas e conservadoras estão sujeitos à supervisão dos concílios. Nas igrejas neo-pentecostais os pastores são líderes incontestes. São apóstolos, bispos, fundadores e donos. Eles podem fazer o que quiserem e não prestam contas a ninguém. Já, por exemplo, os presbiterianos que são neo-pentecostais não têm metade dessa liberdade. Eles têm que dar contas aos demais pastores nos presbitérios e podem ser mandados embora de suas igrejas se exagerarem na dose de neo-pentecostalismo. Apóstolos podem exportar dólares dentro da Bíblia e ainda continuar sendo donos de suas igrejas. Eles podem alegar que passaram a noite batendo papo com Jesus, cara a cara, e ainda permanecerão em sua posição. Eles podem profetizar à vontade sem que nada do que disseram aconteça e fica por isso mesmo. Mas, os neo-pentecosterianos não têm essa imunidade eclesiástica. É por esse motivo que eles, de vez em quando, saem da denominação e fundam comunidades independentes, na tentativa de poderem fazer o que quiserem em termos de neo-pentecostalismo. Pelo que tenho observado, algumas dessas comunidades crescem, outras não. E as que crescem, ainda assim, raramente chegam ao menos perto das igrejas neo-pentecostais.


3) A verdade é que pastores neo-pentecostais dentro de denominações históricas e tradicionais serão sempre uma imitação pobre dos verdadeiros neo-pentecostais e não podem concorrer com eles. Os neo-pentecostais são muito mais experientes e profissionais em encher seus templos e movimentar as massas. Os nossos neo-pentecostais são meros aprendizes. Ao mesmo tempo em que digo isso, preciso ser justo. Com certeza existem pastores neo-pentecostais dentro das denominações históricas que são o que são por convicções pessoais, e não por mero desejo de ver sua igreja crescer. O que eu espero é que a realidade dos fatos (o não crescimento de suas próprias igrejas) produza alguma reflexão quanto a essas convicções.


4) O histórico de divisões, confusão e brigas nas igrejas neo-pentecostais dentro das denominações tradicionais nos aponta para outro fator que impede o crescimento das mesmas. Como os pastores neo-pentecostais estão tentando transformar igrejas que eram tradicionais em igrejas neo-pentecostais, irão encontrar resistência da parte de alguns, líderes e membros, que ainda acreditam que ser conservador é a melhor postura. Aí vêm as brigas internas, as divisões e as confusões, que cobram sempre um pedágio elevado no rol de membros. Muita gente sai dessas igrejas neo-pentecostalizadas por discordarem das novidades que seus pastores estão sempre trazendo, algumas chegando às raias do absurdo.


5) Apesar dos pastores neo-pentecostais jejuarem, orarem noite afora em cima do monte, decretarem o avivamento e a cura dos doentes, serem batizados com fogo, amarrarem e expelirem todos os demônios e Satanás inclusive, na prática, isso faz pouca diferença em suas igrejas. O número continua o mesmo, e a cada domingo é a mesma rotina de sempre. Nada realmente extraordinário acontece. Expelir demônios, dançar, cair no chão todo domingo, acaba virando rotina exatamente como a rotina das igrejas conservadoras. No fundo, muitos neo-pentecostais dentro das igrejas conservadoras lutam contra a cruel realidade dos fatos: não está dando certo, não está funcionando, a igreja não está crescendo. E o que acontece com os outros pastores que não são neo-pentecostais acontece com eles também: adultério, roubo, abuso de poder, e igrejas pequenas. E aí vêm as racionalizações e as justificativas: a culpa é dos conservadores incrédulos dentro da igreja, que impedem o fluir da ação do Espírito. A culpa é da máquina burocrática, da instituição pesada da denominação. Ou então, a culpa é do diabo.


Resta, agora, a inquietante pergunta: por que esses pastores neo-pentecostais ainda permanecem dentro das denominações tradicionais e não se desligam dela? Posso pensar em algumas razões. Quem sabe, gostam do prestígio da estrutura; gostam da auréola da rebeldia; gostam da sensação de superioridade espiritual que os envolve, principalmente quando comparados a alguns conservadores lamentáveis cujas igrejas são realmente minúsculas; se alimentam da organização denominacional – de seus seminários, institutos bíblicos, comissões, etc.; são apegados à propriedade (prédios e terrenos); alguns poucos, talvez permaneçam sinceramente, tentando “converter” a denominação de sua frieza e ênfase em doutrina e teologia. Há certamente ainda outras razões.


Quaisquer que sejam essas razões, a verdade permanece: não funcionou como eles pensavam que funcionaria. No fundo, a causa maior é simples. Neo-pentecostalismo não é sinônimo de verdadeiro avivamento espiritual. Crescimento de igrejas por conversão de pecadores não é como receita de bolo, que basta a gente achar os ingredientes e misturá-los na proporção correta. Há igrejas conservadoras que crescem mais que as neo-pentecostais dentro das denominações históricas. Um pastor presbiteriano pode fazer tudo que os neo-pentecostais fazem e ainda assim poderá não ver sua igreja aumentar de tamanho. Ao contrário, pode inclusive fazê-la diminuir, como tem sido alguns casos, pela divisão. É a Palavra de Deus, anunciada fielmente no poder do Espírito, por pastores e líderes com motivações corretas, que fará a Igreja crescer. Sem isso, poderemos gemer, clamar, decretar e profetizar até o fim do milênio, e a igreja vai continuar minúscula. Inclusive, a dos presbiterianos neo-pentecostais.

quinta-feira, abril 10, 2008

Por Que Falar Disso


Estou familiarizado com a posição de que fé e ciência são magistérios distintos, dois campos diferentes com linguagem própria e que não devem ser misturados. Essa postura parece bastante atraente, pois propõe uma convivência pacífica da religião e da ciência, marcada pelo respeito, sem que uma interfira na outra.

É interessante que tenho conhecido não somente criacionistas que pensam assim, mas até evolucionistas. Ouvi esse conceito sendo proferido em público recentemente por destacado darwinista.

Aqui no blog temos recebido comentários de nossos amigos leitores questionando por que damos atenção a essa antiga polêmica entre fé e ciência, religião e academia, criacionismo, Design inteligente e evolucionismo. Bem, a resposta é que a ciência, hoje praticamente dominada pelo pensamento darwinista, está longe de se restringir somente a fazer pesquisas, elaborar teorias e experimentos comprobatórios. O cientificismo darwinista é uma visão de mundo totalmente abrangente, que pretende explicar toda a existência humana, sem deixar uma única área sem uma explicação natural, desde a moral, o comportamento social até o próprio fenômeno religioso. Assim, não se trata apenas de uma polêmica entre duas opiniões diferentes quanto a questões relacionadas com a origem do mundo e do homem.

A antiga discussão criacionismo versus evolucionismo é mais profunda do que pode parecer a alguns. Trata-se de um confronto abrangente entre duas visões de mundo que pretendem explicar a totalidade da realidade. A fé cristã, particularmente a evangélica reformada, é uma cosmovisão, uma visão de mundo (Weltanschaaung), que oferece uma compreensão da realidade a partir dos pressupostos bíblicos, como a existência de um Deus criador, que fez sua obra com propósito e inteligência, a qual pode ser estudada e compreendida pelo homem. O cientificismo darwinista, semelhantemente, é uma visão de mundo controlada pelo conceito do surgimento espontâneo da vida, da ancestralidade comum de todos os seres vivos e da seleção natural como mecanismo responsável pela evolução, variedade e complexidade dos seres vivos.

Na minha opinião, é uma ilusão pensar que a melhor coisa para a paz é deixar fé e ciência em domínios distintos, que não se cruzam. Essa paz é ilusória. Quem sai perdendo é a fé, com as incursões constantes do cientificismo darwinista na subjetividade, no metafísico e em outras áreas fora da sua competência. Por exemplo, muitos evolucionistas ateus afirmam que a ciência leva naturalmente ao ateísmo, à conclusão de que Deus não existe. Quer mais invasão de magistérios do que essa?


Por esse motivo, continuaremos a falar do assunto. Quem acha que é perda de tempo realmente ainda não entendeu o que está em jogo.

segunda-feira, abril 07, 2008

Darwin no Banco dos Réus

Esse é o título do livro que será lançado essa semana durante a realização do I Simpósio Internacional Darwinismo Hoje, escrito por Philip Johnson, professor de direito da Universidade de Berkeley.

Apesar de ter sido publicado em 1993, o livro de Johnson continua atualíssimo. Pouca coisa surgiu nesse período que inovou a apologética antievolucionista além do que Johnson tem feito. O livro causou um grande impacto na comunidade científica por ocasião do seu lançamento, provocando reações, resenhas e contestações de grandes nomes do meio científico, como o renomado evolucionista Stephen Jay Gould. Muitos intelectuais consideraram essa obra como a primeira ameaça séria ao evolucionismo a aparecer nos últimos 40 anos. Johnson, graduado em Harvard e na Universidade de Chicago, escreve com maestria, lógica e domina a retórica.

O livro de Johnson não é o primeiro a questionar o dogma que a evolução é um fato científico inconteste. Em 1985 o pesquisador médico Michael Denton, um agnóstico australiano, agitou o meio científico com o livro Evolution: A Theory in Crisis [Evolução: Um a Teoria em Crise], cujo ponto era que o darwinismo estava em dificuldades diante das evidências contraditórias de campos diversos como paleontologia, biologia do desenvolvimento, biologia molecular e taxonomia. O livro de Johnson vai no mesmo caminho, embora partindo de diferentes premissas e usando um método distinto. A voz de Johnson se junta a muitas outras, em tempos recentes, que questionam o status de “fato” que o evolucionismo tem gozado na academia por quase duzentos anos.

Outra coisa interessante sobre esse livro é que seu autor não é um cientista cristão tentando mostrar com base na Bíblia e em dados científicos que o sistema darwinista está totalmente contrário aos primeiros capítulos do livro de Gênesis. Johnson é advogado e professor emérito de Direito da Universidade da Califórnia - Berkeley. Sua especialidade é análise lógica de argumentos e identificação dos pressupostos que estão por detrás desses argumentos. E é esse o alvo desse livro, trazer Darwin e o darwinismo, a um tribunal, por assim dizer, e examinar logicamente as suas a sserções e afirmações para verificar se são verdadeiras, e identificar os pressupostos filosóficos e os compromissos epistemológicos que estão subjacentes. Daí o nome do livro. Portanto, o que encontraremos aqui, nas palavras do próprio Johnson, é um exame criterioso, lógico, analítico, dos fundamentos teóricos, pressupostos e principais afirmações do darwinismo.

Mais uma coisa sobre esse livro. Ele é diferente de muitos outros que fazem parte da apologética antievolucionista – e é aqui, talvez, que resida em grande medida a sua eficácia. Muitos autores antievolucionistas empregam abertamente declarações e princípios fundamentados em suas crenças cristãs como base da sua argumentação, apresentando uma visão alternativa da realidade alicerçada na Bíblia. Johnson evita cuidadosamente esse tipo de abordagem, ainda que seja cristão, como se fosse um cético desinteressado do evolucionismo e que procura analisar seus argumentos à distância, para ver se os mesmos são apoiados pelas evidências. Essa falta de alusão aos argumentos bíblicos geralmente empregados pelos criacionistas faz com que a obra de Johnson tenha penetração em círculos universitários e acadêmicos, onde, via de regra, se pretende deixar o criacionismo fora da academia. Essa abordagem de Johnson é característica da abordagem do movimento do Design Inteligente, que permite reunir dentro do movimento inclusive cientistas e filósofos que não têm convicções cristãs ou religiosas, unidos, todavia, pela consciência de que o darwinismo, como paradigma científico, já não tem mais respostas para as questões levantadas por recentes descobertas, especialmente na área de bioquímica.

A estratégia de Johnson em Darwin no Banco dos Réus é dupla. Primeiro, ele procura demonstrar que o evolucionismo está profundamente comprometido com o naturalismo filosófico-ateísta. Esse ponto está desenvolvido em capítulos como “As Regras da Ciência,” “A religião darwinista,” “A educação darwinista” e “Ciência e pseudociência.” Como tal, o evolucionismo se sustenta sobre pressupostos filosóficos e metafísicos, como o ateísmo e o naturalismo filosófico, tornando-se assim uma religião do tipo fundamentalista, o que tinge a análise dos dados e das evidências. Segundo, ele analisa as evidências que os evolucionistas apresentam como prova científica da sua teoria. É aqui que o expertise de Johnson mais lhe serve. Com sua capacidade ímpar de detectar o que está por detrás de argumentos, ele analisa essas evidências nos capítulos “A seleção natural,” “As mutações grandes e pequenas,” “O problema do registro fóssil,” “A seqüência dos vertebrados,” entre outros. O veredito é sempre o mesmo. O compromisso da ciência evolucionista com a visão ateísta e naturalista de mundo compromete e vicia seus resultados.
O livro é publicado em português pela Editora Cultura Cristã e estará breve disponível para aquisição pelo site da editora.

[Essa postagem é uma adaptação da Apresentação do livro de Johnson, que tive o privilégio de fazer.]

sexta-feira, abril 04, 2008

Evento sobre Darwinismo será Transmitido pela Internet

Atendendo a inúmeros pedidos, haverá transmissão pela Internet ao vivo das palestras e da mesa redonda do evento I Simpósio Internacional "Darwinismo hoje", que foi noticiado aqui no nosso blog no post Mackenzie Debate Darwinismo.

O link para a transmissão será postado no site do evento logo no início de cada palestra. Veja a programação do evento aqui.