sexta-feira, junho 10, 2011

Augustus Nicodemus Lopes

Sobre o Dia dos Namorados


Neste domingo 12 de junho se comemora o dia dos namorados. Pediram-me para escrever algo sobre o assunto mas a verdade é que estou meio sem ter o que dizer. Afinal, costumo escrever somente (mas nem sempre) sobre assuntos acerca dos quais eu possa encontrar fundamentação bíblica, um cacoete da minha formação na área de hermenêutica e estudos bíblicos.
O problema é este mesmo. Namorar não fazia parte da cultura do Antigo Oriente Médio, onde e quando a Bíblia foi escrita. Naquela época e naquele lugar o costume era outro. Os casamentos eram normalmente arranjados pelos pais. Havia uma cerimônia inicial de compromisso em que os dois se comprometiam. Depois de algum tempo vinha o casamento propriamente dito.

Assim, é um erro muito grande - e muito comum - pegar passagens bíblicas que se referem ao casamento e aplicar ao namoro. Como querer que a namorada seja submissa usando Efésios 5:22.

Contudo, mesmo não tendo direções específicas na Bíblia com referência a este período chamado de namoro, encontramos princípios gerais que podem ser aplicados. Menciono três deles.

1) A necessidade de pureza - a castidade e a pureza sexual são claramente ensinados na Bíblia. O problema com o namoro é que ele abre a porta para a exploração física dos corpos dos namorados, provocando o excitamento sexual, apalpamento dos órgãos genitais e não infreqüentemente as relações sexuais. Os namorados cristãos devem controlar-se e evitar toda e qualquer situação em que possam ser tentados a avançar o sinal vermelho. Em 1Tessalonicenses Paulo adverte:

Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição;  que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador, porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação (1Tess 4:3-7).

"Defraudar" na passagem acima é você criar desejos e expectativas que não poderá cumprir de maneira lícita. A defraudação acontece quando os dois se excitam sexualmente, ficam prontos para o ato sexual quando o mesmo não pode ser realizado, pois seria fornicação. Portanto, um princípio geral que se aplica ao namoro é que o mesmo deve ser casto, puro e sem provocações à impureza. Não vou aqui cair na armadilha de tentar definir que tipo de beijo pode e que tipo não pode. Acho que o bom senso nos diz que quando a troca de beijos começa a provocar outras coisas, está na hora de parar.

2) A idolatria - consiste em colocar o namorado ou a namorada como o centro da vida, deixando Deus de lado. Comunicações constantes, telefonemas constantes e longos, mensagens de SMS trocadas a cada 15 minutos, emails o dia todo... tudo isso acaba virando uma obsessão que dá em idolatria. O namoro não é para isto. É um período de conhecimento intelectual, emocional e espiritual entre os dois. Namorados costumam se apegar em demasia um ao outro como se o outro fosse capaz de preencher o vazio e a necessidade que cada um de nós tem. Quando um namoro assim acaba, o desespero toma lugar, e não poucas vezes, suicídios. Namorados precisam manter distância segura. Um relacionamento intenso assim é para o casamento, e mesmo então, com cuidado para que não aconteça a idolatria. A Bíblia é clara: o Senhor Jesus é quem deve ter o primeiro lugar em nossas vidas, e somente nEle devemos buscar a plena satisfação para nossa alma cansada, aflita e sedenta.

3) A demora em casar - Paulo ensina que aqueles que não podem conter-se devem casar-se, pois é melhor casar do que viver abrasado (1Cor 7:9). Namoros longos e demorados acabam provocando a fornicação e a impureza sexual. Hoje em dia os jovens começam a namorar cedo demais e casam tarde demais. Começam aos 15 anos e querem casar somente quando tiverem casa própria, emprego fixo, etc - ou seja, aos 30 anos. Neste intervalo de 10 a 15 anos fica muito difícil permanecer casto, virgem e puro. O resultado são as escapadas para os motéis ou o banco de trás dos carros, quando não o próprio quarto em casa dos pais.

Bom, já escrevi aqui antes sobre sexo antes do casamento. Para quem ainda não viu, aqui vai:
 Algumas sugestões aos namorados cristãos:

1) Evitem situações de risco. Não fiquem muito tempo sozinhos em locais discretos. Não avancem nas carícias.

2) Leiam a Bíblia e orem juntos. Leiam bons livros sobre namoro e casamento. Freqüentem os cultos, a Escola Dominical e outros grupos de estudo.

3) Não se isolem em si mesmos, procurem a companhia de outros jovens, saiam em grupo para programações sociais.

4) Envolvam os seus pais, procurem conhecê-los e ouçam seus conselhos.

5) Mantenham distância um do outro. Não transforme seu namorado (a) num deus.

6) Namore pensando em casar e não somente para se divertir. Leve o namoro a sério. Namoricos irresponsáveis quebram corações, criam mágoas e ressentimentos e marcam as pessoas.

Se usado dentro dos princípios bíblicos de pureza e dedicação a Deus, o namoro pode ser um período proveitoso de conhecimento mútuo e de preparação para o casamento.

Uma última coisa – tem gente que seria muito mais feliz se não tivesse casado. O celibato (ficar solteiro e puro) é uma opção bíblica válida de vida.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

31 comentários

comentários
10/6/11 13:26 delete

Dr. Augustus, que bom seria se este breve relato sobre namoro pudesse ser propagado em todas as igrejas do nosso país. Seria como colocar água na fervura.....

Responder
avatar
Eric
AUTOR
10/6/11 13:52 delete

Excelente! E o senhor ainda disse que não tinha o que dizer?! rsrsrs

Responder
avatar
10/6/11 13:57 delete

Caro Rev. Augustus, excelente. Um forte abraço, Ageu.

Responder
avatar
Joao Marcos
AUTOR
10/6/11 14:22 delete

Excelentes observações. Até mesmo quando o senhor "está meio sem ter o que dizer" Deus o usa profundamente !!

Responder
avatar
Luiz Augusto
AUTOR
10/6/11 14:53 delete

Pr. comsiderando que o namoro não se encontra na bíblia e que ele constitui um risco real e constante de pecado, seria correto namorar? Qual a opinião do Sr.?

Responder
avatar
10/6/11 15:58 delete

Augustus,

sinceramente, apenas do seu "cacoete" por causa da sua formação na área da hermenêutica bíblica, os princípios escritos por ti são bíblicos e bem pastorais.

Suas postagens nese quesito abençoam muita gente e louvado seja Deus por isso.

Quem quer ler na área de namoro, o escritor evangélico e reformado Joshua Harris é o melhor que conheço nessa área.

Um abraço,
Juan
p.s: escrevi dois posts sobre o assunto que gostaria de indicar, pois pode ser util para alguém:

http://juandepaula.blogspot.com/2008/05/114-lies-para-o-trmino-de-um-namoro.html e

http://juandepaula.blogspot.com/2009/08/159-pregacao-para-jovens-i-nao.html

Responder
avatar
Lucas
AUTOR
10/6/11 16:02 delete

Boa tarde!
Temos um blog dos jovens de nossa igreja, gostaria de saber se podemos publicar com os devidos créditos esta postagem sobre namoro...?? como funciona? vcs autorizam?

obrigado!!
e Deus continue abençoando a vida de vocês!!

abraço

Responder
avatar
10/6/11 16:39 delete

Márcio

Olá Rev, parabens pelo texto.

Gostaria apenas acrescentar algo muito pertinente para o tema.

No a.T o povo de Deus fora proibido de casar-se com mulheres de outros povos considerados como pagãos. Princípio este que tb foi aplicado por Paulo aos cristãos, 1 Cor 7.39.
Então, se não é permitido ao cristão casar-se com uma pessoa não cristã (como vimos acima) e se o namoro é uma preparação para o casamento, logo esta mais que evidente que ao critão tb não é permitido namorar com uma pessoa não cristã, pois essa até que se prove contrário, não é outra coisa, senão sua futura esposa.

Responder
avatar
10/6/11 17:37 delete

Eu creio que por falta de orientação maior, a moçada vem se perdendo na vastidão dos "namoros", que infelizmente são influenciados por seus amigos e crentes carnais a praticarem uma espécie de sem-lascívia, que para mim é lascívia na certa (os jovens dão este nome) ...namoro (penteca) imposição de mãos, confusão de línguas e unção com óleo ... isso tem que acabar ...
Parabéns Rev. Augustus
Que DEUS continue abençoando sua vida, família e ministério

Responder
avatar
Anderson
AUTOR
10/6/11 18:06 delete

Graça e Paz Rev. gostei muito das palavras expressadas com sabedoria e dicernimento biblico aqui colocadas, que estas palavras venha aclarar nossas mentes hoje como jovens e adolescentes na presença do bom Deus, que possamos seguir com confiança os conselhos que deixastes para nós.

que Deus ontinue o abençoando grandemente.
abraços

Responder
avatar
10/6/11 18:14 delete

Acho importante FALAR, CONVERSAR, DEBATER, ARGUMENTAR, ORIENTAR, ADVERTIR...
tenho incentivado o a abordagem do tema através do TEATRO http://tinyurl.com/3pxv5s2

Responder
avatar
petronio7
AUTOR
10/6/11 20:37 delete

Olá Pr Augustus

Na minha igreja tem um casal que após 2 anos de namoro, optou por casar apenas no "civil", e desde então vivem como marido e mulher.

Sei que pela lei, realmente o são, mas como devemos encarar essa atitude à luz das Escrituras? Teria sido pecado, ou apenas, descaso para com os irmãos da igreja, já que alguns se escandalizaram?

Obg. Paz!

Em Cristo, Petrônio.

Responder
avatar
10/6/11 22:53 delete

Dr.Augustus, falaste pouco, mas ainda assim falaste muito.Excelente texto.Que Deus seja louvado!

Responder
avatar
11/6/11 07:22 delete

muito bom! Vou imprimir e distribuir para os jovens aqui da igreja. Sou da IPB em vila Garrido, vila velha - ES

Responder
avatar
Robinson
AUTOR
11/6/11 09:01 delete

Augustus, alguns tem compreendido que justamente porque "namorar não fazia parte da cultura do Antigo Oriente Médio, onde e quando a Bíblia foi escrita", então não deveria haver namoro entre cristãos; que devido ao fato de que "naquela época e naquele lugar o costume era outro. Os casamentos eram normalmente arranjados pelos pais", então se deveria também manter o costume, o que incluiria a corte à moça apenas com a permissão explícita dos pais da moça, assumir certo período probatório com regras explícitas de conduta etc. Gostaria de ter seus comentários sobre esta estruturação do período pré-conjugal. É uma regra de fé e prática? É subjetivo, dependendo do arranjo familiar ou da tradição cultural e religiosa dos pais? Isto implicaria na idéia de se permitir namorar apenas com quem explicitamente há o compromisso de casamento já estabelecido? Enfim, comente sobre isto, se lhe for possível. Grato.

Responder
avatar
11/6/11 13:59 delete

Excelente texto.

http://cristaogeracaoy.blogspot.com

Responder
avatar
12/6/11 01:35 delete

Pra quem não disse ter nada para dizer....e ainda mais com fundamentação bíblica. Muito apropriado para os nossos dias e para nossas igrejas. Deus continue a lhe abençoar.

Responder
avatar
Homero C. S
AUTOR
12/6/11 07:49 delete

Petrônio,

Para os reformados e protestantes em geral, ao contrário da ICAR, o casamento não é um sacramento, mas um ato civil.

Até onde sei, Calvino também via dessa forma. Ao final do Culto, ele perguntava se alguém havia se casado naquela semana e fazia uma oração pelo casal, não tinha uma cerimônia específica para isso.

Aliás, o casamento hoje virou outro item de consumismo do mundo moderno. Alguns até se endividam para ter o bifê X, o fotógrafo Y, a festa no clube Z.

Eu tive cerimônia de casamento, mas acho que uma simples bênção no final do culto já estava de bom tamanho.

Homero

Responder
avatar
petronio7
AUTOR
12/6/11 14:06 delete

Oi Homero, obg pelos seus esclarecimentos.

Eu tb não considero que o casamento seja um sacramento, e tb concordo que hj em dia a cerimônia religiosa está, na maioria das vezes, consumida pelo materialismo...

Mas minha dúvida permanece, principalmente por dois aspectos:

1) A cerimônia religiosa, na nossa cultura, representa para mt pessoas(inclusive incrédulos), o marco onde o casamento pode ser usufruido na sua totalidade. Por exemplo, qdo eu casei, alguns irmãos de minha Igreja(alguns anciãos) me exortaram qto aos cuidados q eu deevria ter para manter a castidade até o casamento religioso.

2) Já que alguns na Igreja ficaram chocados com a titude do referido casal, como a liderança deve proceder? Ensinar o casal a, por amor, esperar o "religioso" ou ensinar aos escandalizados que não se escandalizem?

Aguardo respostas. Inclusive do Pr Augustus, se possível.

Paz!

Responder
avatar
Casal 20
AUTOR
12/6/11 14:59 delete

Queridos Rev. Augustus e esposa, gostamos muito do post. Queremos também desejar ao casal um Feliz dia dos Namorados e agradecer a Deus por sua família.

Abraços sempre afetuosos.

Fábio e Lu.

Responder
avatar
Rute
AUTOR
12/6/11 18:55 delete

Parabéns, excelente! Ouvi tudo isso desde muito pequena, de meus pais, de irmãos da igreja. Mas parece que há grande dificuldade em colocar em pratica antes do casamento. Depois do casamento também muitos cristãos estão vivendo tudo o que se anuncia e se prega na mídia. Lamentável.
Maria Ruth

Responder
avatar
Cleber Leite
AUTOR
13/6/11 10:19 delete

Rev Augustus

Gostaria que o tema do celibato fosse mais explorado. creio, como o senhor deixou claro que é uma opção biblica de vida, a opção por ser solteiro. O que vejo é que muitos na Igreja não pensam assim, pois vivem a pressionar os solteiros para que casem, mesmo aqueles que não desejam, principalmente mulheres. Há algun estudo, livro, ou outro recurso disponível sobre o assunto?

Grato

Cleber Leite

Responder
avatar
Sandro
AUTOR
13/6/11 10:34 delete

Petrônio,

A liderança deve ensinar os "escandalizados" a não se escandalizarem, uma vez que o casamento civil é plenamente válido não há o que esperar e um casal não precisa abrir mão de sua liberdade por causa da infantilidade de alguns.

Acho que o caso aqui é falta de doutrina, se essas pessoas fossem corretamente doutrinadas sobre o casamento não se "escandalizariam" com uma coisa dessas.

Responder
avatar
13/6/11 16:00 delete

Acrescentaria no item 6 um advérbio:

Namore pensando em casar-se "rapidamente".

Realmente, os namoros prolongados podem comprometer a pureza.

A paz
Tales

Responder
avatar
Ump
AUTOR
14/6/11 10:33 delete

Ola Reverendo.
Eu sou Pr. Adriano Camilo, da Igreja Presbiteriana Central de Barretos-SP, gostaria se o senhor me autoriza a publicar o seu artigo no site da igreja, citando a fonte, o blog.
fico no aguardo....meu e-mail é pastoradriano@terra.com.br

abraços

Responder
avatar
14/6/11 18:08 delete

Oi, Adriano, pode publicar, sim...

Um abraço!

Responder
avatar
petronio7
AUTOR
14/6/11 21:54 delete

Oi Sandro, obg pela sua resposta...

Cara, me permita um comentário sobre sua resposta. Eu sei que muitas vezes lidamos com pessoas que consideramos legalistas ou infantis nas igrejas, mas neste assunto específico, acho "pesado" você concluir de maneira generalizada que aquele que se escandaliza nesta questão é infantil ou carente de doutrina.

De qualquer forma, obrigado.

P.S: Pr Augustus, eu queria saber seu posicionamento. Não esquece da minha pergunta. :)

Responder
avatar
16/6/11 07:11 delete

Petronio,

Quem casa é o Estado e não a Igreja. O casal está legitimamente casado. Não há pecado algum. A cerimônia que fazemos na igreja é para pedir a bênção de Deus sobre o casal.

É possível fazer o casamento religioso com efeito civil, mas ainda assim o termo assinado pelos dois terá de ser levado ao cartório para poder ter efeito.

Um abraço.

Responder
avatar
20/7/11 07:57 delete

olá Rev.
excelente post

dê uma olhada nestas duas postagens do Genizah, onde os autores falam favoravelmente ao sexo fora do casamento relativisando o conceito de casamento (um q é pastor diz nos comentários q já até aconselhou jovens namorados a fazerem sexo).
me preocupei pq sei q muitos jovens presbiterianos leem o Genizah:

http://www.genizahvirtual.com/2011/02/sexo-entre-jovens-coando-o-mosquito-e.html

http://www.genizahvirtual.com/2010/10/sera-que-deus-habita-o-meu-coracao-e-o.html#comment-form

já deixei uma resposta aos dois, mas seria bom ler seus brilhantes comentários a respeito do texto deles.

Responder
avatar
8/6/12 15:19 delete

Excelente...! acabei de postar em nosso blog.
Parabéns pelo blog!

Pr Elmo Eron
www.semearministerio.blogspot.com

Responder
avatar